ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 23538

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Serviço de atendimento móvel de urgência: o trabalho na vitrine

Isabela Silva Cancio Velloso,1 Meiriele Tavares Araújo,2 Jéssica Dias Nogueira,3 Marília Alves4
1Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto do Departamento de Enfermagem Aplicada, da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. 2Doutora em Enfermagem. Enfermeira intensivista do Hospital Regional de Betim. Betim, Minas Gerais, Brasil. 3Acadêmica do Curso de Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte,Minas Gerais, Brasil. 4Doutora em Enfermagem. Professora Titular do Departamento de Enfermagem Aplicada, da Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Recebido: 25 de Janeiro de 2013
Aprovado: 09 de Julho de 2013

Texto Contexto Enferm 23(3): 538-546
 

 

 

 

Cómo citar este documento

Velloso, Isabela Silva Cancio; Araújo, Meiriele Tavares; Nogueira, Jéssica Dias; Alves, Marília. Serviço de atendimento móvel de urgência: o trabalho na vitrine. Texto Contexto Enferm, jul-sep 2014, 23(3). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23538.php> Consultado el

 

Resumo

O presente estudo teve como objetivo discutir como a visibilidade se constitui em um dispositivo de poder, na prática cotidiana do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência de Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Foi realizado um estudo de caso qualitativo, cujos dados foram coletados através de entrevistas semiestruturadas, com 31 trabalhadores do SAMU (cinco médicos, 11 enfermeiros, sete auxiliares de enfermagem e oito condutores) e submetidos à análise do discurso. Com a análise das relações de poder no SAMU, percebe-se não haver, na estrutura organizacional, uma única fonte da qual emana o poder. O poder é exercido através de diversas técnicas e suas fontes são esparsas, difusas, intercambiáveis e, até mesmo, confusas. Apesar da estrutura hierárquica formalmente estabelecida, forma-se uma rede paralela a essa estrutura. Percebe-se, também, que a visibilidade gerada pela comunicação, via rádio, proporciona uma vigilância constante, que acaba por gerar tensões dentro da equipe de trabalho.
Palavras chave: Poder/ Prática profissional/ Relações interpessoais/ Serviços médicos de emergência.
 

Resumen
Servicio de emergencia móvil: el trabajo en la vitrina

El presente estudio tuvo como objetivo discutir como la visibilidad constituye un dispositivo de poder en la práctica cotidiana de Servicio Móvil de Emergencia en Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. Se realizó un estudio cualitativo de caso, cuyos datos fueron recolectados a través de entrevistas semi-estructuradas con 31 trabajadores de los servicios (cinco médicos, 11 enfermeras, siete auxiliares de enfermería y ocho conductores) y se sometió a análisis del discurso. Con el análisis de las relaciones de poder en el Servicio, se percibió la no existencia en la estructura organizacional, de una única fuente de la que emane el poder. El poder se ejerce a través de diversas técnicas y sus fuentes son dispersas, pueden intercambiarse y a veces son confusas. Además de su estructura jerárquica establecida formalmente, existe una red paralela a esta estructura. Es evidente, también, que la visibilidad generada por la comunicación radial provee supervisión constante, lo que acaba por generar tensiones dentro del equipo.
Palabras clave: Poder/ Prática profesional/ Relaciones interpersonales/ Atención de enfermería/ Servicios médicos de urgencia.
 

Abstract
Mobile emergency care service: the work on display

The aim of the present study was to discuss the way visibility constitutes a power device in the everyday practice of the Mobile Emergency Care Service in Belo Horizonte, Minas Gerais, Brazil. A qualitative case study was developed and data were collected through semi-structured interviews with 31 workers of the service (five physicians, 11 nurses, seven nursing assistants and eight ambulance drivers) and submitted to discourse analysis. The analysis of power relations in the service allowed to verify that there is not an only one source from which the power emanates in this organizational structure. Power is exercised through many techniques and their sources are scattered, diffuse, interchangeable and even confusing. Although there is a hierarchical structure formally established, a parallel network to this structure is formed. It was also observed that the visibility generated by radio communication provides constant supervision, which generates tension within the team.
Key-words: Power/ Professional practice/ Interpersonal relations/ Emergency medical services.
 

Referências

1.  Demetresco S. Vitrina: construção de encenações. 4ª ed. São Paulo (SP): Senac; 2010.

2.  Silva LG, Matsuda LM, Waidman MAP. A estrutura de um serviço de urgência público, na ótica dos trabalhadores: perspectivas da qualidade. Texto Contexto Enferm [online]. 2012 [acesso 2012 Ago 01]; 21(2). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104

3.  Foucault, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. 35ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2008

4. Portocarrero V. Instituição escolar e normalização em Foucault e Canguilhem: dossiê Michel Foucault. Educ Real. 2004 Jan-Jun; 29(1):27-43

5.  Minayo MCS. O desafio do conhecimento. 9ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2006

6. Fairclough N. Discurso e mudança social. Brasília (DF): Editora Universidade de Brasília; 2008

7.  Alves M, Rocha TB, Ribeiro HCTC, Gomes GG, Brito MJM. Particularidades do trabalho do enfermeiro no serviço de atendimento móvel de urgência de Belo Horizonte. Texto Contexto Enferm [online]. 2013 [acesso 2013 Jul 18]; 22(1). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104

8.  Danner F. O sentido da biopolítica em Michel Foucault. Rev Estudos Filosóficos [online]. 2010 Ago [acesso 2013 Jul 20]; 4(2):143-57. Disponível em: http://www.ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/revistaestudosfilosoficos/art9-rev4.pdf

9.  Pinheiro NNB. Confinamento e visibilidade: reflexões sobre o trabalho de profissionais PSI no ambiente hospitalar. In: Anais do II Congresso Intermacional de Psicopatologia Fundamental, 2006 Set 7-10; Belém, Brasil. Belém (PA): Universidade Federal do Pará; 2006.

10.  Rajchman J. Philosophical events: essays of the 80's. Nova York (NY): Columbia Press; 1991.

11.  Ceci C. What she says she needs doesn't make a lot of sense: seeing and knowing in a field study of home-care. Nurs Philos. 2006 Apr; 7(2):90-99.

12.  Deleuze G. As estratégias ou o não-estratificado: o pensamento do lado de fora (poder). In: Deleuze G. Foucault. São Paulo (SP): Brasiliense; 2005. p. 78-100.

13.  Deleuze G. Um novo cartógrafo. In: Deleuze G. Foucault. São Paulo (SP): Brasiliense; 2005. p. 33-53.

14.  Patton P. Foucault's subject of power. Political Theory Newsletter. 1994 Mai; 6(1):60-71.

15.  Ferreirinha IMN, Raitz TR. As relações de poder em Michel Foucault: reflexões teóricas. RAP. 2010 Mar-Abr; 44(2):367-83.

16.  Castro E. Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte (MG): Autêntica; 2009.

17.  Schwartz Y. Trabalho e saber. Trabalho Educação. 2003 Jan-Jun; 12(1):21-4.

18.  Fernandes EMF. Pichações: discursos de resistência conforme Foucault. Acta Scientiarum. Language and Culture. 2011 Dec; 33(2):241-49

19.  Furlin NÉ. É possível uma sociologia do sujeito? Uma abordagem sobre as teorias de Foucault e Touraine. Sociologias [online]. 2012 Jan-Abr [acesso 2013 Jul 18]; 14(29):274-311. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517p.61-86

20.  Carmagnani AMG. Técnicas de vigilância e punição: o discurso da mídia sobre o professor e a escola. Verso Reverso. 2004; 39(2):1-13.

21.  Rabinow P. Representations are social facts: modernity and post-modernity in anthropology. In: Clifford GM, Marcus G, editores. Writing culture the poetics and politics of ethnography. Berkeley (CA): University of California Press; 1986. p.234-61.

22.  Machado R. Por uma arqueologia do poder. In: Foucault M, Machado R, organizadores. Microfísica do poder. Rio de Janeiro (RJ): Graal; 2008. p.VII-XXIII.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería