ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Indígenas como trabalhadores de enfermagem: a participação de técnicos e auxiliares nos serviços de atenção à saúde indígena1

Eliana Elisabeth Diehl,2 Helga Bruxel Carvalho Follmann3
2Doutora em Ciências. Professora Associado do Departamento de Ciências Farmacêuticas, UFSC. Santa Catarina, Brasil. 3Mestre em Saúde Coletiva. Enfermeira do Distrito Sanitário Especial Indígena Interior Sul, Secretaria Especial de Saúde Indígena, São José. Santa Catarina, Brasil

Recebido: 15 de Fevereiro de 2013
Aprovado: 17 de Fevereiro de 2014

Texto Contexto Enferm 23(2): 451-459
1Artigo derivado da dissertação - Indígenas como trabalhadores da enfermagem: o papel de técnicos e auxiliares no modelo de atenção à saúde indígena. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 2011. Apoio do Instituto Nacional de Pesquisa Brasil Plural

 

 

 

Cómo citar este documento

Diehl, Eliana Elisabeth; Follmann, Helga Bruxel Carvalho. Indígenas como trabalhadores de enfermagem: a participação de técnicos e auxiliares nos serviços de atenção à saúde indígena. Texto Contexto Enferm, abr-jun 2014, 23(2). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23226.php> Consultado el

 

Resumo

O estudo objetivou analisar a participação do técnico e auxiliar indígena de enfermagem nos serviços de saúde da Terra Indígena Xapecó, Santa Catarina, Brasil, focando formação e atividades executadas. A coleta dos dados (observação participante e entrevistas) e a análise seguiram o método etnográfico. Foram entrevistados 16 informantes-chave, dentre auxiliares e técnicos, docentes dos cursos de formação, enfermeiros e usuários do serviço. Os cursos de formação tinham pouca ou nenhuma ênfase nos conhecimentos e práticas locais de saúde. Os indígenas formados em enfermagem, nível médio, executavam atividades análogas àquelas exercidas pelo profissional não indígena da mesma categoria. Atuavam, ainda, como facilitadores e interlocutores entre a equipe de saúde e a comunidade. No contexto estudado, a formação desses trabalhadores e as atividades executadas reforçam o modelo clínico curativista, que dificulta a articulação com os saberes e práticas locais indígenas de saúde, base da Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas.
Palavras chave: Auxiliares de enfermagem/ Serviços de saúde do indígena/ Índios sul-americanos.


Abstract
Indigenous nurses: participation of nursing technicians and auxiliary in indigenous health care services

The aim of this study was to analyze the participation of Indigenous nursing technicians and aides in Indigenous health care services offered in the Xapecó Reserve, Santa Catarina, Brazil, focusing on the training and activities executed. Data collection (participant observation and interviews) and analysis were based on the ethnographic method. Sixteen key informants were interviewed, including nursing technicians and aides, training instructors, staff nurses and health service users. The training courses contained little or no emphasis on local knowledge and health practices. Other than the role of facilitator and mediator between the health team and community, the activities performed by the Indigenous nursing technicians and aides differed little from those of non-Indigenous people in the same categories. In this context, both the training of these workers and the activities executed by them reinforce the clinical curative model, which hinders articulation with local knowledge and Indigenous health practices, a principle of the National Policy of Health Care for Indigenous People.
Key-words: Nurses' aides/ Health services, indigenous/ Indians, South American.


Resumen
Indígenas como profesionales de enfermería: la participación de técnicos y auxiliares en los servicios de atención a la salud indígena

El estudio analizó la participación del técnico y auxiliar indígena de enfermería en los servicios de salud de la Tierra Indígena Xapecó, Santa Catarina, Brasil, con énfasis en la formación y actividades realizadas. La recolección de datos (por observación participante y entrevistas) y análisis siguió el método etnográfico. Participaron en las entrevistas 16 informantes clave, entre los auxiliares y técnicos, profesores en los cursos de formación, enfermeros del equipo y los usuarios del servicio. Los cursos de formación tuvieron poco o ningún énfasis en el conocimiento y en las prácticas locales de salud. Los indígenas con formación de auxiliar o técnicos en enfermería realizaban actividades similares a las realizadas por profesionales no indígenas en la misma categoría. Sin embargo, los indígenas asumían la función de facilitadores e interlocutores entre el equipo y la comunidad. En este contexto, la formación de estos trabajadores y las actividades realizadas refuerzan el modelo clínico curativo, lo que dificulta la articulación con el conocimiento local y las prácticas de salud indígena, base de la Política Nacional de Atención de Salud a los Pueblos Indígenas.
Palabras clave: Auxiliares de enfermería/ Servicios de salud del indígena/ Indios sudamericanos.
 

Referências

1. Fundação Nacional de Saúde. Política Nacional de Atenção à Saúde dos Povos Indígenas. Brasília (DF): FUNASA; 2002.

2. Brasil. Portaria n. 2.656, de 17 de outubro de 2007. Dispõe sobre as responsabilidades na prestação da atenção à saúde dos povos indígenas, no Ministério da Saúde e regulamentação dos Incentivos de Atenção Básica e Especializada aos Povos Indígenas. Diário Oficial da União, 18 Out 2007. Seção 1.

3. Langdon EJ, Diehl EE. Participação e autonomia nos espaços interculturais de Saúde Indígena: reflexões a partir do sul do Brasil. Saúde Soc. 2007; 16(2):19-36.

4. Diehl EE, Langdon EJ, Dias-Scopel RP. Contribuição dos agentes indígenas de saúde na atenção diferenciada à saúde dos povos indígenas brasileiros. Cad Saúde Pública. 2012 Mai; 28(5):819-31.

5. Garnelo L, Macedo G, Brandão LC. Os povos indígenas e a construção das políticas de saúde no Brasil. Brasília (DF): OPAS; 2003.

6. Mendonça SBM. O agente indígena de saúde do Parque Indígena do Xingu: reflexões. In: Baruzzi R, Junqueira C, organizadores. Parque Indígena do Xingu: saúde, cultura e história. São Paulo (SP): UNIFESP/Terra Virgem; 2005. p. 227-46.

7. Langdon EJ, Diehl EE, Wiik FB, Dias-Scopel RP. A participação dos agentes indígenas de saúde nos serviços de atenção à saúde: a experiência em Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública 2006 Dez; 22(12):2637-46.

8. Ribeiro MILC, Pedrao LJ. Relacionamento interpessoal no nível médio de enfermagem. Rev Bras Enferm [online]. 2005 [acesso em 2011 Nov 28]; 58(3):311-5 Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-71672005000300011&script=sci_arttext.

9. Ogata MN, França Y. Atuação do auxiliar de enfermagem na Estratégia Saúde da Família. Acta Paul Enferm [online]. 2010 [acesso 2012 Set 01]; 23(4):506-11. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v23n4/10.pdf.

10. Fundação Nacional de Saúde. RedeFunasa: quantitativo de pessoas [online]. [acesso 2010 Out 7]. Disponível em: http://sis.funasa.gov.br/transparencia_publica/siasiweb/Layout/quantitativo_de_pessoas_2010.asp#.

11. Geertz C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 1989.

12. Ministério da Saúde. Portal da Saúde (BR). Projeto de profissionalização dos trabalhadores da área de enfermagem. [acesso 2011 Mai 20]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/sgtes/visualizar_texto.cfm?idtxt=22494.

13. Novo MP. Política e intermedicalidade no Alto Xingu: do modelo à prática de atenção à saúde indígena. Cad. Saúde Pública [online]. 2011 [acesso em 2012 Set 01]; 27(7): 1362-70. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n7/11.pdf.

14. Brasil. Decreto n. 7.336, de 19 de Outubro de 2010. Aprova a estrutura regimental e o quadro demonstrativo dos cargos em comissão e das funções gratificadas do Ministério da Saúde, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 20 Out 2010. Seção 1.

15. Brasil. Decreto n. 7.530, de 21 de julho de 2011. Aprova a estrutura regimental e o quadro demonstrativo dos cargos em comissão e das funções gratificadas do Ministério da Saúde. Diário Oficial da União, 22 Jul 2011. Seção 1.

16. Anselmi ML, Peduzzi M, Sala A, Cohen DD. Análise do perfil da clientela do Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de Enfermagem (PROFAE). In: Peduzzi M, Anselmi ML, organizadores. Formação-avaliação do impacto do PROFAE na qualidade dos serviços de saúde no Brasil. Brasília (DF): MS 2003; p 89-108 [acesso 2011 Dez 15]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/profae/Revista2007.pdf.

17. Santa Catarina. Escola de Formação em Saúde. Nossos Cursos - Cursos PROFAE. [acesso 2011 Out 21]. Disponível em: http://efos.saude.sc.gov.br/portal2011/index.php/a-efos/7-nossos-cursos.

18. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2000 - Resultados do Universo. Brasília (DF): IBGE; 2011 [acesso 2011 Set 15]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/tabelagrandes_regioes211.shtm.

19. Castro CMGL. Projeto Xamã: o processo de formação e atuação dos auxiliares de enfermagem indígena Kurâ-Bakairi [dissertação]. Cuiabá (MT): Universidade Federal de Mato Grosso. Programa de Pós-Graduação do Instituto de Saúde Coletiva; 2007.

20. Ferreira MA, Oliveira BGRB, Porto IS, Anhorn CG, Castro JBA. O significado do PROFAE segundo os alunos: contribuição para a construção de uma política pública de formação profissional em saúde. Texto Contexto Enferm [online]. 2007 [acesso 2011 Dez 15]; 16(3):445-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/a10v16n3.pdf.

21. Costa CCC, Bezerra Filho JG, Machado MMT, Machado MFAS, Jorge AC, Castro TMS. Curso Técnico de Enfermagem do PROFAE-Ceará: uma análise sob a óptica dos egressos. Rev Esc Enferm USP [online]. 2009 [acesso 2011 Dez 15]; 43(3):520-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v43n3/a04v43n3.pdf.

22. Bógus CM, Bersusa AAS, Martins CL, Escuder MML. Conhecendo egressos do Curso Técnico de Enfermagem do PROFAE. Rev Esc Enferm USP [online]. 2011 [acesso 2011 Dez 15]; 45(4):945-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n4/v45n4a22.pdf.

23. Brasil. Lei n. 7.498, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem, e dá outras providências. Diário Oficial da União; 26 jun 1986.

24. Peduzzi M, Anselmi ML. O auxiliar e o técnico de enfermagem: categorias profissionais diferentes e trabalhos equivalentes. Rev Bras Enferm [online]. 2004 [acesso 2011 Dez 15]; 57(4):425-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v57n4/v57n4a08.pdf.

25. Silva CDC. Saúde e política - uma etnografia dos profissionais da saúde indígena [tese]. Brasília (DF): Universidade de Brasília. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social; 2010.

26. Shimizu HE, Dytz JLG, Lima MG, Moura AS. A prática do auxiliar de enfermagem do programa saúde da família. Rev Latino-Am Enferm [online]. 2004 [acesso 2011 Dez 15]; 12(5):713-20. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v12n5/v12n5a03.pdf.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería