ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2014 v23n4 r230925

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Facilitadores e barreiras na efetividade da doação de órgãos e tecidos*

Izaura Luzia Silvério Freire,1 Quinídia Lúcia Duarte de Almeida Quithé de Vasconcelos,2 Gabriela de Sousa Martins Melo,3 Gilson de Vasconcelos Torres,4 Ednaldo Cavalcante de Araújo,5 Francisco Arnoldo Nunes de Miranda6
1
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRN. Professora da Escola de Enfermagem da UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. 2Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. 3Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. 4Doutor em Enfermagem. Professor Titular do Departamento de Enfermagem e dos Programas de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil. 5Doutor em Enfermagem. Professor do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco, Brasil. 6Doutor em Enfermagem Psiquiátrica. Professor Associado do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRN. Natal, Rio Grande do Norte, Brasil

Recebido em 02 de setembro de 2013
Aprovação final em 24 de janeiro de 2014

Texto Contexto Enferm 23(4): 925-934
*
Extraído da tese - Fatores associados a efetividade da doação de órgãos e tecidos para transplante. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), 2013

 

 

 

Cómo citar este documento

Freire, Izaura Luzia Silvério; Vasconcelos, Quinídia Lúcia Duarte de Almeida Quithé de; Melo, Gabriela de Sousa Martins; Torres, Gilson de Vasconcelos; Araújo, Ednaldo Cavalcante; Miranda, Francisco Arnoldo Nunes de. Facilitadores e barreiras na efetividade da doação de órgãos e tecidos. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2014, 23(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/230925.php> Consultado el

 

Resumo

Verificar a influência da estrutura e processo na efetividade da doação de órgãos e tecidos. Estudo avaliativo, longitudinal, com abordagem quantitativa, desenvolvido em seis hospitais de Natal-RN, com 65 potenciais doadores. O instrumento de coleta de dados constou de roteiro estruturado de observação não participante. Analisaram-se os dados pela estatística descritiva e aplicação dos testes Qui-quadrado, Fisher e Mann Whitney. A efetividade da doação foi 27,7%. Não ocorreu diferença significante entre estrutura e efetividade da doação, porém, observaram-se inadequações nos recursos físicos (36,9%), materiais (30,8%), estrutura organizacional (29,2%) e recursos humanos (18,5%). No processo, as fases de manutenção (p=0,004), diagnóstico de morte encefálica (p=0,032), entrevista familiar (p?0,001) e documentação (p=0,001) apresentaram diferença significante com a efetividade. A adequação dos fatores relacionados à estrutura e processo está associada à efetividade da doação. A melhora desses índices depende da rapidez com que o processo se conduz, além da estrutura adequada.
Descritores: Enfermagem. Avaliação de serviços de saúde. Efetividade. Obtenção de tecidos e órgãos

Resumen
Facilitadores y barreras en la eficacia de la donación de órganos y tejidos

Verificar la influencia de la estructura y proceso en la efetividad de la donación de órganos y tejidos. Evaluación, estudio longitudinal con un enfoque cuantitativo, desarrolló en seis hospitales de Natal-RN, con 65 donantes potenciales. El instrumento de recolección consistió en la escritura estructurada de observación no participante. Los datos se analizaron mediante estadística descriptiva y la aplicación de Chi-cuadrado, Fisher y Mann Whitney. La eficacia de la donación fue 27,7%. No hubo diferencia significativa entre la estructura y la eficacia de la donación, pero había insuficiencias en recursos físicos (36,9%), materiales (30,8%), estructura organizativa (29,2%) y recursos humanos (18,5%). En el proceso, la fase de mantenimiento (p=0,004), el diagnóstico de muerte cerebral (p=0,032), entrevista familiar (p?0,001) y documentación (p=0,001) mostro una diferencia significativa con la efectividad. La adecuación de los factores relacionados con la estructura y el proceso de la efectividad se asocia con la donación. La mejora en los índices depende de la velocidad con la que el proceso se lleva a cabo, además de la estructura adecuada.
Descritores: Enfermería. Evaluación de servicios de salud. Efectividad. Obtención de tejidos y órganos 

Abstract
Facilitating aspects and barriers in the effectiveness of donation of organs and tissues

This study aims to ascertain the influence of the structure and process on the effectiveness of donation of organs and tissues. It is an evaluative, longitudinal study, with a quantitative approach, undertaken in six hospitals of Natal-RN, with 65 potential donors. The data collection instrument was a structured script of non-participant observation. The data were analyzed using descriptive statistics and the application of the Chi-squared, Fisher, and Mann Whitney tests. The effectiveness of donation was 27.7%. No significant difference occurred between structure and effectiveness of donation, however, inadequacies were observed in the physical resources (36.9%), material resources (30.8%), organizational structure (29.2%), and human resources (18.5%). In the process, the phases of maintenance (p=0.004), diagnosis of brain death (p=0.032), family interview (p?0.001) and documentation (p=0.001) presented significant differences with effectiveness. The adequacy of the factors related to the structure and process is associated with the effectiveness of the donation. Improvement of these indices depends on the speed with which the process is conducted, in addition to the adequate structure.
Descriptores: Nursing. Health services evaluation. Effectiveness. Tissue and organ procurement
 

Referências

1. Pereira AW, Fernandes RC, Soler RC. Diretrizes básicas para captação e retirada de múltiplos órgãos e tecidos da associação brasileira de transplantes de órgãos. ABTO [online]. 2009 [acesso 2012 Fev 20]. Disponível em: http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/pdf/livro.pdf

2. Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO). Registro Brasileiro de Transplantes. São Paulo (SP); 2012.

3. Brasil, lei n. 10.211, de 23 de março de 2001. Altera dispositivos da Lei n. 9.434, de 4 de fevereiro de 1997, que "dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento". Brasília (DF), 2001.

4. Donabedian A. Avaliação na assistência à saúde. São Paulo (SP): Proaha; 1992.

5. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC n. 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades  de Terapia Intensiva e dá outras providências. Brasília (DF), 2010.

6. Proadess [Internet]. Avaliação de desempenho do sistema de saúde brasileiro: indicadores para monitoramento. Rio de Janeiro (RJ): Fundação Oswaldo Cruz; 2012. Disponível em: http://www.proadess.icict.fiocruz.br/Relatorio_Proadess_08-10-2012.pdf

7. Tribunal da Conta da União (BR). Relatório de avaliação de programa doação, captação e transplante de órgãos e tecidos. Brasília (DF): TCU, Secretaria de Fiscalização de Programas de  Governo; 2006. 46p.

8. Mendes KDS, Roza BA, Barbosa SFF, Schirmer J, Galvão CM. Transplante de órgãos e tecidos: responsabilidade do enfermeiro. Texto Contexto Enferm. 2012 Out-Dez. 21(4):945-53.

9. Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo (SP): Atlas; 1994

10. Conselho Federal de Medicina (BR). Resolução CFM n. 1.480/1997. Critérios para diagnóstico de morte encefálica. Brasília (DF): CFM; 1997.

11. Guetti NR, Marques IR. Assistência de enfermagem ao potencial doador de órgãos em morte encefálica. Rev Bras Enferm. [online]. 2008 [acesso 2012 Set 18]; 61(1):91-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v61n1/14.pdf

12. Westphal GA, Filho MC, Vieira KD, Zaclikevis VR, Bartz MCM, Wanzuita R, et al. Diretrizes para manutenção de múltiplos órgãos no potencial doador falecido. Parte I. Aspectos gerais e suporte hemodinâmico. Rev Bras Ter Intensiva [Internet]. 2011 [acesso 2012 Nov 01]; 23(3):255-68. Diponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v23n3/v23n3a03.pdf

13. Noronha MGO, Seter GB, Perini LD, Salles FMO, Nogara MAS. Estudo do perfil dos doadores elegíveis de órgãos e tecidos e motivos da não doação no Hospital Santa Isabel em  Blumenau, SC. Rev AMRIGS. 2012 Jul-Set. 56(3):199-203.

14. Freire ILS, Mendonça AEO, Pontes VO, Vasconcelos QLDAQ, Torres GV. Morte encefálica e cuidados na manutenção do potencial doador de órgãos e tecidos para transplante. Rev Eletr Enf [online]. 2012 [acesso 2012 Abr 20]; 14(4):903-12. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v14/n4/v14n4a19.htm

15. Lima AAF, Silva MJP, Pereira LL. Sofrimento e contradição: o significado da morte e do morrer para enfermeiros que trabalham no processo de doação de órgãos para transplante. Enferm  Global [online]. 2009 [acesso 2014 Fev 03]; 15(1):1-17. http://scielo.isciii.es/pdf/eg/n15/pt_clinica1.pdf

16. Schein AE, Carvalho PR, Rocha TS, Guedes RR, Moschetti L, Salvia JC, et al. Avaliação do conhecimento de intensivistas sobre morte encefálica. Rev Bras Ter intensiva [Internet]. 2008 [acesso 2012 Dez 03]; 20(2):144-8. Diponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbti/v20n2/05.pdf

17. Morato EG. Morte encefálica: conceitos essenciais, diagnóstico e atualização. Rev Med Minas Gerais [Internet]. 2009 [acesso 2012 Dez 03]; 19(3):227-36. Disponível em: http://rmmg.medicina.ufmg.br/index.php/rmmg/article/view/164/147

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería