ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n4 2016 84980

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 oct-dic 8(4):
4980-4985

 Recebido em: 14/01/2014
Revisões requeridas: Não
Aprovado em: 08/01/2016
Publicado em: 01/10/2016

Situação socioeconômica e reprodutiva de mulheres presidiárias

 

Maria Aline Rodrigues Barros,1 Sheyla Dayana Coelho Cavalcanti,2 Ana Larissa Gomes Machado,3 Dayze Djanira Furtado Galiza4

 

(1) Bacharel em Enfermagem. Universidade Federal do Piauí (UFPI). Brasil (2) Enfermeira da ESF de Patos do Piauí.(3) Mestre em Saúde Coletiva. Universidade Federal do Piauí (UFPI). Brasil (4) Enfermeira, Doutora pelo Programa de pós-graduação em enfermagem da Universidade Federal do Ceará, Mestre em Cuidados Clínicos em Saúde

 

Cómo citar este documento:
Barros, Maria Aline Rodrigues; Cavalcanti, Sheyla Dayana Coelho; Machado, Ana Larissa Gomes; Galiza, Dayze Djanira Furtado. Situação socioeconômica e reprodutiva de mulheres presidiárias. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 oct-dic, 8(4). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/84980.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: Investigar o perfil socioeconômico e reprodutivo de presidiárias. Método: Estudo descritivo com abordagem quantitativa realizado com 47 presidiárias de duas penitenciárias femininas do Estado do Piauí. A coleta de dados foi realizada de julho a agosto de 2013 e contemplou dados acerca da situação socioeconômica e sexual. Resultados: Evidenciaram mulheres jovens, solteiras, cuja ocupação exigia pouca qualificação, baixa escolaridade e renda. Quanto à saúde reprodutiva, 42,5% eram multíparas e 40,4% não realizaram nenhuma consulta de pré-natal. A frequência de abortos provocados foi de 42,5%. Conclusão: Observou-se a necessidade de planejar estratégias educacionais de promoção da saúde reprodutiva que englobem as peculiaridades sociais vivenciadas.
Descritores: Prisões/ Saúde reprodutiva/ Enfermagem/ Análise socioeconômica.
 

Resumen
Los factores socioeconómicos y reproductivos de las mujeres presas

Objetivo: Describir el perfil socioeconómico y reproductiva de las mujeres presas. Método: La muestra consistió en 47 reclusas de los centros penitenciarios y los picos de Teresina. Para la recolección de datos se utilizó un formulario prescrito por el investigador. Los datos fueron recolectados entre julio y agosto de 2013, los cuales fueron tabulados y analizados mediante el paquete estadístico para las Ciencias Sociales (SPSS) versión 20.0. Resultados: Mostraron un perfil de jóvenes, mujeres solteras, que ejercían la ocupación que requiere poca habilidad, el bajo nivel educativo y de ingresos. En cuanto a la salud reproductiva, el 42,5% eran multíparas, y el 40,4% tenía menos de seis visitas. La tasa de aborto fue alta, el 42,5%. Conclusión: Existe la necesidad de planificar las estrategias educativas para prevenir lesiones a la salud sexual y reproductiva de los presos, siendo esencial para el desarrollo de tácticas para romper las barreras educativas y generar un cambio de comportamiento y promover el autocuidado.
Descriptores: Prisiones/ Salud reproductiva/ Enfermería/ Análisis socioeconómico.
 

Abstract
Sociodemographic and reproductive factors of female prisoners

Objective: To describe the socioeconomic and reproductive profile of female prisoners. Method: The sample consisted of 47 female inmates of penitentiaries and Teresina peaks. For data collection a form prescribed by the researcher was used. Data were collected from July to August 2013, which were tabulated and analyzed using the Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) version 20.0. Results: Showed a profile of young, unmarried women, who exercised occupation that required little skill, low education and income. Regarding reproductive health, 42.5% were multiparous, and 40.4% had less than six visits. The abortion rate was high, 42.5%. Conclusion: There was a need to plan educational strategies to prevent injuries to sexual and reproductive health of prisoners, being essential to the development of tactics to break down educational barriers and generate behavior change and promote self-care.
Descritors: Prisons/ Reproductive health/ Nursing/ Socioeconomic analysis.
 

Referências

1. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Secretaria Nacional de Segurança Pública/ MJ, 7° ed. [cesso em 2014 Jan 10] Disponível em: http://www2.forumseguranca.org.br/novo/produtos/revista-brasileira-deseguranca-publica/13a-edicao

2. Carvalho ML, Valente JGA, Assis SG, Vasconcelos AGG. Perfil dos internos no sistema prisional do Rio de Janeiro: especificidades de gênero no processo de exclusão social. Ciênc Saúde Coletiva [periódico na Internet]. 2006 [acesso em 2013 Set 10]; 11(2):461-71. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v11n2/30433.pdf

3. Cunha EL. Ressocialização: o desafio da educação no sistema prisional feminino. Cad Cedes [periódico na Internet]. 2010 [acesso em 2013 Set 15]; 30(81):157-178.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v30n81/a03v3081.pdf

4. Lima M. Da visita íntima à intimidade da visita: a mulher no sistema prisional. 2006. 103f. Dissertação (Mestrado)- Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

5. Almeida MF, Novaes HMD, Alencar GP, Rodrigues LC. Mortalidade neonatal no Município de São Paulo: influência do peso ao nascer e de fatores sócio-demográficos e assistenciais. Rev Bras Epidemiol [ periódico na Internet]. 2002 [acesso em 2013 Out 6] ; 5(1).Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/rbepid/v5n1/11.pdf

6. Resolução nº 466, de 12 de dez de 2012. Estabelece Critérios sobre pesquisas envolvendo seres humanos. Bioética, Brasília, DF, Seção 1, n. 12, p.59, 2003.

7. Ministério da saúde. Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN). Sistema Penitenciário do Brasil: dados consolidados. Informações Penitenciárias (InfoPen). 2008.

8. Anjos SJSB, Ribeiro SG, Lessa PRA, Nicolau AIO, Vasconcelos CTM, Pinheiro AKB. Fatores de risco para o câncer de colo do útero em mulheres reclusas. Rev Bras Enferm[ periódico na Internet ]. 2013[acesso em 2013 Out 10]; 66 (40) : 508-13. Disponível em : http://www.scielo.br/pdf/reben/v66n4/v66n4a07.pdf

9. Kim JE, Loureiro PRA, Moreira TBS, Sachsida A. criminalidade feminina: uma análise empírica a partir dos dados do presídio feminino de Brasília. Economia e Desenvolvimento [periódico na Internet].2009[ acesso em 2013 Nov 11]; 8(1). Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/economia/article/viewFile/4867/3671

10. Araújo RC. Agência Goiana do Sistema Prisional: estudo das condições sociodemográficas e comportamentais de mulheres de detentos, relacionadas à vulnerabilidade ao vírus HIV. 2006. 64f. Dissertação (Mestrado)- Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais e Saúde, Universidade Católica de Goiás, Goiânia, 2006.

11. Kac G, Silveira E A, Oliveira LC, Araújo RMD, Araújo EB. Factors associated to cesarean sections and abortions in women selected from a health clinic in the city of Rio de Janeiro, Brazil. Rev. Bras. Saúde Matern Infant [ periódico na Internet]. 2007[ acesso em 2013 Out 10]; 7 (3): 271-280. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_pdf

12. Nicolau AIO. Conhecimento, atitude e prática de presidiárias quanto ao uso do preservativo masculino e feminino. 2010. 134f. Dissertação (Mestrado em enfermagem). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2010.

13. Sousa AO, Pereira GS, Souza GE, Teles SA. Avaliação do conhecimento, comportamentos de risco e adesão à vacina contra hepatite b em reeducandos da cidade de Goiânia. Ciência, Cuidado e Saúde [periódico na Internet]. 2005 [acesso em 2013 Out 15]; 4(3): 250-258.Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/5204/3360

14. Priori C. Mulheres infratoras e o sistema prisional: uma discussão prévia. In: IV Congresso Internacional de História. Maringá, 2009.

15. Barros MAR, Holanda MAG, Lopes KR, Nicolau AIO. Fatores obstétricos associados ao peso ao nascer do recém-nascido a termo não gemelar. Rev enferm UFPE on line[ periódico na Internet].2013 [ acesso em 2013 Nov 4] ; 7(12):6821-7.Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/5037/pdf_4122

16. Brasil. Ministério da Saúde. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Série A. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica, n° 32 Brasília DF. 2012.

17. Brasil. Ministério da Saúde. Plano Nacional de Saúde no Sistema Penitenciário. Portaria Interministerial nº 1.777 de 09 de novembro de 2003. Brasília; DF, 2004.

18. Heilborn MH, Cabral CS, Brandao ER, Cordeiro F, Azize RL. Gravidez imprevista e aborto no Rio de Janeiro, Brasil: gênero e geração nos processos decisórios. Revista Latinoamericana [periódico na Internet]. 2012 [acesso em 2013 Nov 20]; 12: 224-257. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/2933/293324656010.pdf

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-Tesis
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería