ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n4 2016 84935

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 oct-dic 8(4):
4935-4941

 Recebido em: 01/03/2014
Revisões requeridas: Não
Aprovado em: 17/09/2015
Publicado em: 01/10/2016

Estadiamento e grau de resiliência do sobrevivente ao câncer de mama

 

Niviane Genz,1 Rosani Manfrin Muniz,2 Francine Pereira Andrade,3 Celmira Lange,4 Andressa Hoffmann Pinto,5 Natália Leal Duarte de Almeida6

 

(1) Enfermeira do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (HE/UFPel/ EBSERH), Pelotas/RS. Especialista em Oncologia pelo Programa de Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde Oncológica do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS. Especialista em Saúde da Família pela Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde em parceria com a Universidade Federal de Pelotas (UNASUS/UFPel), Pelotas/RS. Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS (2) Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS (3) Enfermeira. Enfermeira da Secretaria de Saúde Municipal de Pelotas, RS, Brasil. Mestre em Enfermagem pelo Programa de Pós- Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS (4) Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS (5) Enfermeira da Secretária Municipal de Canguçú/RS. Especialista em Oncologia pelo Programa de Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde Oncológica do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS. Mestre em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS. Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS (6) Enfermeira. Especialista em Oncologia pelo Programa de Residência Multiprofissional em Atenção à Saúde Oncológica do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas/RS. Enfermeira do Serviço de Radioterapia do Hospital Escola da Universidade Federal de Pelotas (HE/FAU/UFPel), Pelotas/RS. Enfermeira da Unidade Básica de Atendimento Imediato (UBAI) do Bairro Navegantes, Pelotas/RS

 

Cómo citar este documento:
Genz, Niviane; Muniz, Rosani Manfrin; Andrade, Francine Pereira; Lange, Celmira; Pinto, Andressa Hoffmann; Almeida, Natália Leal Duarte de. Estadiamento e grau de resiliência do sobrevivente ao câncer de mama. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 oct-dic, 8(4). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/84935.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: Investigar o grau de resiliência e de estadiamento frente aos fatores sociodemográficos dos sobreviventes ao câncer de mama em acompanhamento em um serviço de oncologia. Método: Estudo quantitativo com amostra de 112 sobreviventes ao câncer de mama. Foram selecionadas variáveis sociodemográficas, estadiamento clínico, tempo de sobrevida e escala de resiliência. A análise foi realizada utilizando o software Epi Info 6.04 e o teste exato de Fisher. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas sob o Parecer nº 31/2009. Resultados: A média de idade foi de 46,2 anos, houve 60,71% de estadiamento II, 81,25% eram brancos, 40,18% tinham escolaridade entre cinco e oito anos, 52,68% eram casados, 73,32% havia vivido em zona urbana, 41,96% apresentou alta resiliência e 48,21% mantinha-se em acompanhamento entre um e três anos. Conclusão: O estadiamento não esteve associado ao grau de resiliência, mas sim à idade e tempo de sobrevida, confirmando os achados em outros estudos.
Descritores: Neoplasias da Mama/ Estadiamento de Neoplasias/ Resiliência Psicológica.
 

Resumen
Estadificación y grado de resiliencia del sobreviviente de cáncer de mama

Objetivo: Investigar el grado de resiliencia y estadificación en relación con factores sociodemográficos de sobrevivientes de cáncer de mama en seguimiento en un servicio de oncología. Método: Estudio cuantitativo con 112 sobrevivientes de cáncer de mama. Las variables seleccionadas fueron: sociodemográficas; estadificación clínica; tiempo de sobrevida; y escala de resistencia. El análisis se realizó utilizando el software Epi Info 6.04 y el test exacto de Fisher. La investigación fue aprobada por el Comité de Ética de la Facultad de Enfermería de la Universidad Federal de Pelotas con el Dictamen Nº 31/2009. Resultados: La edad promedio fue de 46,2 años, 60.71% estaban en estadio II, 81.25% eran blancos, 40.18% tenían escolaridad entre cinco y ocho años, 52.68% eran casados, 73.32% habían vivido en zonas urbanas, 41.96% tuvieron alta resiliencia y el 48,21% estaban en seguimiento entre uno y tres años. Conclusión: La estadificación no estuvo asociada al grado de resiliencia, sino a la edad y tiempo de sobrevida, confirmando los hallazgos de otros estudios.
Descriptores: Neoplasia de Mama/ Estadificación de Neoplasias/ Resiliencia Psicológica.
 

Abstract
Staging and resilience degree in breast cancer survivors

Objective: To assess the resilience and staging degree relating to sociodemographic factors of breast cancer survivors followed up in an oncology service. Method: Quantitative study with 112 breast cancer survivors. The variables selected were: sociodemographic; clinical staging; survival time; and resilience scale. The analysis was performed using the Epi Info 6.04 software and Fishers exact test. The research was approved by the Ethics Committee of the Federal University of Pelotas School of Nursing under Opinion Nº 31/2009. Results: The average age was 46.2 years, there was 60.71% of stage II cases, 81.25% were white, 40.18% had five-to eight-year schooling, 52.68% were married, 73.32% had lived in urban areas, 41.96% exhibited high resilience, and 48.21% were followed up from one to three years. Conclusion: Staging was not associated with the resilience degree, but rather with age and survival time, confirming the findings of other studies.
Descriptors: Breast Neoplasia/ Neoplasia Staging/ Psychological Resilience.
 

Referências

1. Pollock RE. Manual de oncologia clínica. 8ª edição. São Paulo: Fundação Oncocentro de São Paulo; 2006.

2. Araújo IMA, Fernandes AFC. O significado do diagnóstico do câncer de mama para a mulher. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2008 dez; 12(4):664-71.

3. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil [Internet]. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional do Câncer (INCA). 2011 [citado em 15 dez 2012]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2012/index

4. Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional de Controle do Câncer de Mama. Programa Viva Mulher [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2011 [citado em 16 dez 2012]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/acoes_programas/site/home/nobrasil/programa_controle_cancer_mama/

5. Manual de Bases Técnicas da Oncologia. Regulação, Avaliação e Controle/Coordenação Geral de Sistemas de Informação. SIA/SUS - Sistema de Informações Ambulatoriais [Internet]. Ministério da Saúde (BR); 2010 [ citado em 08 de out 2012]. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/97452794/MANUAL-DE-BASES-TECNICAS-2011-MS-doc

6. Oliveira MA, Reis VL, Zanelato LS, Neme CMB. Resiliência: análise das publicações no período de 2000 a 2006. Psicol Ciênc Prof. 2008;28(4):754-67.

7. Muniz RM. A resiliência como estratégia de enfrentamento para o sobrevivente ao câncer [tese]. Pelotas (RS): Universidade Federal de Pelotas, 2009.

8. Wagnild GM, Young HN. Development and psychmetric evaluation of resilience scale. J Nurs Meas. 1993;1(2):164-78.

9. Pesce RP, Assis SG, Avanci JQ, Santos NC, Malaquias JV, Carvalhães R. Adaptação cultural, confiabilidade e validade da escala de Resiliência. Cad Saúde Pública. 2005 mar/abr;21(2):436-48.

10. Wagnild G. A Review of the Resilience Scale. J Nurs Meas. 2009;17(2):105-14.

11. BRASIL. Resolução COFEN n°311/2007 de 08 de fevereiro de 2007. Aprova o Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem e dá outras providências. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-3112007_4345.html

12. BRASIL. Resolução 196/96 de 10 de outubro de 1996. Resolve sobre as Diretrizes e normas regulamentares da pesquisa envolvendo seres humanos. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluocofen-3112007_4345.html

13. Fentiman IS. Fixed and modifiable risk factors for breast cancer. Int J clin pract. 2001;55(8):527-30.

14. Henderson B, Feigelson H. Epidemiology and screening. In: Bonadonna G, editor. Text book of breast cancer: a clinical guide to therapy. London: Martin Dunitz; 2006.

15. Tavassoli FA. Pathology of the breast. Connecticut: Appleton & Lange; 1992.

16. Facina G, Joo Y, Uehara J, Higo P, Nazário A, Kemp C, et al. Carcinoma de mama em homem: biópsia do linfonodo sentinela e reconstrução do complexo aréolo-papilar. Rev Bras Mastol. 2005; 15(3):138-40.

17. Holmes CE, Muss HB, Balducci L, Extermann M, Carreca I. Management of breast cancer in the older woman. Cancer Control. 2001;8(5):431-41.

18. Wedding U, Hoffken K. Care of breast cancer in the elderly womanwhat does Comprehensive geriatric assessment. Support Care Cancer. 2003 dec; 11(12):769-74.

19. Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional de Controle do Câncer de Colo de Útero e de Mama: viva mulher [Internet]. Rio de Janeiro: INCA; 2008 [citado em 13 dez 2012]. Disponível em: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home

20. Holmes CE, Muss HB. Diagnosis and treatment of breast cancer in the elderly. CA Cancer J Clin. 2003;53(4):227-44.

21. Chung M, Chang HR, Bland KI, Wanebo HJ. Younger women with breast carcinoma have a poorer prognosis than older women. Cancer. 1996;77(1):97-103.

22. Juarez, AM. I eddad y estádio de mujeres com câncer de mama. Hospitales públicos, Córdoba 1998-2003. Rev Saude Publica. 2009 jun;13(1):33-42.

23. Schneider IJC, dOrsi E. Sobrevida em cinco anos e fatores prognósticos em mulheres com câncer de mama em Santa Catarina, Brasil. Cad Saúde Pública. 2009 jun;25(6):1285-96.

24. Kothari AS, Fentiman IS. Breast cancer in Young women. Int J Clin Pract. 2002;56(3):184-7.

25. Crippa CG, dAcampora AJ, Araújo EJ, Marasciulo AC, Hallal ALC, Gondin G. Câncer de mama em mulheres jovens: um estudo de probabilidade de sobrevida livre de doença. Rev Bras Mastol. 2002 out/dez;12(4): 23-8.

26. Ministério da Saúde (BR). TNM: classificação de tumores malignos / tradução de Ana Lúcia Amaral Eisenberg. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2004. [citado em 16 dez 2012]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/tratamento/tnm/tnm2.pdf

27. Aguiar ADF, Padilha KM, Volpi PTM, Gomes JC, Tartarotti EA, Oliveira MS et al. Perfil sociodemográfico e clínico das pacientes em tratamento do câncer mamário. J Health Sci Inst. 2008 abr/ jun;26(2):191-5.

28. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Controle do câncer de mama. Documento de Consenso. INCA; 2004.

29. Campana HCR. Perfil de mulheres com câncer de mama [dissertação]. Maringá (PR): Universidade Estadual de Maringá, 2007.

30. Matos JC, Pelloso SM, Carvalho MDB. Prevalência de fatores de risco para o câncer de mama no município de Maringá, Paraná, Brasil [ Internet]. Rev Latino-am Enfermagem; 2010 mai/jun; [citado em 16 dez 2012]. 18(3):[aprox.8telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n3/pt_09.pdf

31. Censo demográfico 2010 [Internet]. IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. 2010 [citado em 20 dez 2012]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/

32. Sclowitz ML, Menezes AMB, Gigante DP, Tessaro S. Condutas na prevenção secundária do câncer de mama e fatores associados. Rev Saude Publica. 2005 jun;39(3):340-9.

33. Pinho VFS, Coutinho, ESF. Variáveis associadas ao câncer de mama em usuárias de unidades básicas de saúde. Cad Saude Publica. 2007 mai; 23(5):1061-69.

34. Bland KI, Menck HR, Scott-Conner CE, Morrow M, Winchester DJ, Winchester DP. The National Cancer Data Base 10-year survey of breast carcinoma treatment at hospitals in the United States. Cancer. 1998;83:1262-73.

35. Gebrim LH. Rastreamento para câncer de mama e estadiamento. Rev bras ginecol obstet. 2009 mai;31(5): 216-18.

36. Downing A, Prakash K, Gilthorpe MS, Mikeljevic JS, Forman D. Socioeconomic back-ground in relation to stage at diagnosis, treatment and survival in women with breast cancer. Br J Cancer. 2007 mar;12;96(5):836-40.

37. González AL. La ruralidad como determinante de la demora diagnóstica em el câncer de mama. Cad aten prim. 2009;16(3):193-6.

38. Pinheiro DPN. A resiliência em discussão. Psicol estud. 2004 jan/ abr;9(1):67-75.

39. Kheirelseid EAH, Boggs JME, Curran C, Glynn RW, Dooly C, Sweeney KJ et al. Younger age as a prognostic indicator in breast cancer: a cohort study. BMC Cancer. 2011 aug;(11):383.

40. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília: Ministério da Saúde (BR); 2006.

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-Tesis
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería