ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2017 v26n3 r26303p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Dispositivo educação em saúde: reflexões sobre práticas educativas na atenção primária e formação em enfermagem

Amanda Nathale Soares,1 Vânia de Souza,2 Fernanda Batista Oliveira Santos,3 Angélica Cotta Lobo Leite Carneiro,4 Maria Flávia Gazzinelli5
1Doutoranda em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: amandanathale0708@gmail.com 2Pós-Doutora em Saúde Pública. Professora da Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: vaniaxsouza@yahoo.com.br 3Doutoranda em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: fernandabos@ yahoo.com.br 4Doutoranda em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: angelicacottac@gmail.com 5Doutora em Educação. Professora da Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: flaviagazzinelli@yahoo.com.br

Recebido: 07 de março de 2016
Aprovado: 23 de agosto de 2016

 

 

 

Cómo citar este documento

Soares, Amanda Nathale; Souza, Vânia de; Santos, Fernanda Batista Oliveira; Carneiro, Angélica Cotta Lobo Leite; Gazzinelli, Maria Flávia. Dispositivo educação em saúde: reflexões sobre práticas educativas na atenção primária e formação em enfermagem. Texto Contexto Enferm, jul-sep 2017, 26(3). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2017/26303p.php> Consultado el

Resumo

Atenção Primária à Saúde e a formação em enfermagem. Método: trata-se de um ensaio reflexivo que se ancora no conceito de dispositivo proposto por Deleuze. Resultados: desenredamos as linhas de visibilidade e de enunciação, as linhas de força e as linhas de subjetividade do dispositivo educação em saúde, destacando as vontades de verdade implicadas nos modos de subjetivação produzidos nesse dispositivo. As linhas de visibilidade e de enunciação do dispositivo educação em saúde instalam-se em campos visíveis, discursivos, híbridos e contraditórios, que em dados momentos se constroem a partir de uma noção específica de saúde e de educação e em momentos diferentes por outra. Nesse dispositivo, sujeito-educador e sujeito-educando são objetos das linhas de força; recompõem e são recompostos por modulações configuradas nas esferas do poder e do saber. Os projetos de cada sujeito podem predispor linhas de fratura e conduzir a produções de subjetividades que saem dos poderes e dos saberes de um dispositivo para se reinventar noutro. Para predispormos linhas de fratura no dispositivo educação em saúde, é necessário concebermos processos formativos que possibilitem que as/os enfermeiras/os assumam posturas criativas em suas práticas educativas em saúde. Conclusão: este ensaio permitiu-nos ampliar os territórios conceituais implicados nas práticas educativas em saúde e na formação em enfermagem, abrindo caminhos para compreendermos os processos de subjetivação que se movimentam no campo da educação em saúde.
Descritores: Educação em saúde/ Atenção primária à saúde/ Enfermagem/ Saúde pública/ Educação em enfermagem.
 

Resumen
Dispositivo de educación en salud: reflexiones sobre prácticas educativas en la atención primaria y formación en enfermería

Objetivo: construir reflexiones sobre el dispositivo de educación en salud, considerando las prácticas educativas en salud desarrolladas en la Atención Primaria y la formación en Enfermería. Método: ensayo reflexivo que se ancla en el concepto de dispositivo propuesto por Deleuze. Resultados: desenredamos las líneas de visibilidad y de enunciación, las líneas de fuerza y de subjetividad del dispositivo de educación en salud, destacando las voluntades de verdad implicadas en los modos de subjetivación producidos en este dispositivo. Las líneas de visibilidad y de enunciación del dispositivo de educación en salud, se instalan en campos visibles, discursivos, híbridos y contradictorios, que en dados momentos se construyen a partir de una noción especifica de salud y educación en momentos diferentes por otra. En este dispositivo, el sujeto-educador y el sujeto-educando son objetos de las líneas de fuerza; recomponen y son recompuestos por modulaciones configuradas en las esferas del poder y del saber. Los proyectos de cada sujeto pueden predisponer líneas de fractura y conducir a la producción de subjetividades que salen de los poderes y de los saberes de un dispositivo para reinventarse en otro. Para predisponer líneas de fractura en el dispositivo de educación en salud, es necesario concebir procesos formativos que posibiliten que las/los enfermeros asuman posturas creativas en sus prácticas educativas en salud. Conclusión: este ensayo nos permitió ampliar los territorios conceptuales implicados en las prácticas educativas en salud y en la formación en enfermería, abriendo caminos para comprender los procesos de subjetivación que se mueven en el campo de la educación en salud.
Descriptores: Educación en salud/ Atención primaria de salud/ Enfermería/ Salud pública/ Educación en enfermería.
 

Abstract
Health education device: reflections on educational practices in primary care and nursing training

Health Care and in the nursing training. Method: this is a reflexive essay based on the concept of a device proposed by Deleuze. Results: we unraveled the lines of visibility and enunciation, the lines of force and the lines of subjectivity of the health education device, highlighting the real wills implied in the modes of subjectivation produced in this device. The lines of visibility and enunciation of the health education device are located in visible, discursive, hybrid and contradictory fields, which at times are built from a specific notion of health and education and at different times by another notion. In this device, subject-educator and subject-learner are objects of the lines of force; they recompose and are recomposed by modulations configured in the spheres of power and knowledge. The projects of each subject can predispose lines of fracture and lead to productions of subjectivities that leave the powers and knowledge of a device to reinvent themselves in another device. In order to predispose lines of fracture in the health education device, it is necessary to design training processes that allow nurses to take creative positions in their health education practices. Conclusion: this essay allowed us to expand the conceptual territories involved in educational practices in health and nursing education, opening the way to understand the subjectivation processes in health education.
Descriptors: Education in health/ Primary health care/ Nursing. Public health/ Education in nursing.
 

Referências

1. Pinafo E, Nunes EFPA, González AD, Garanhani ML. Relações entre concepções e práticas de educação em saúde na visão de uma equipe de saúde da família. Trab Educ Saúde. 2011 Jul-Out; 9(2):201-21.
2. Díaz-Cerrillo JL, Rondón-Ramos A. Design of an educational tool for primary care patients with chronic non-specific low back pain. Aten Primaria. 2014 Feb; 47(2):117-23.
3. Braschinsky M, Haldre S, Kals M, Lofik A, Kivisild A, Korjas J, et al. EHMTI-o259. Demonstrational project: to develop, implement and test an educational model for better headache-related primary health care. J Headache Pain. 2014 Sep; 15 Suppl 1:D3.
4. Garcia-Ortega I, Rodriguez J, Escobar-Martinez A, Kutcher S. Implementing an educational program to enhance identification, diagnosis and treatment of adolescent depression into primary care in Guatemala. Fam Med Medical Sci Res. 2013 May; 2(1):1000104.
5. Chamberlain C, O'Mara-Eves A, Oliver S, Caird J, Perlen S, Eades S, et al. Psychosocial interventions for supporting women to stop smoking in pregnancy. Cochrane Database Syst Rev. 2013 Oct; (10):CD001055.
6. Fernandes MCP, Backes VMS. Educação em saúde: perspectivas de uma equipe da Estratégia Saúde da Família sob a óptica de Paulo Freire. Rev Bras Enferm. 2010 Jul-Ago; 63(4):567-573.
7. Uchôa AC. Experiências inovadoras de cuidado no PSF: potencialidades e limites. Interface (Botucatu). 2009 Abr-Jun; 13(29):299-311.
8. Gazzinelli MF, Souza V, Fonseca RMGS, Fernandes MM, Carneiro ACLL, Godinho LK. Educational group practices in primary care: interaction between professionals, users and knowledge. Rev Esc Enferm USP. 2015 Abr; 49(2):284-91.
9. Carneiro ACLL, Souza V, Godinho LK, Faria ICM, Silva KL, Gazzinelli MF. Educação e promoção da saúde no contexto da atenção primária à saúde. Rev Panam Salud Publica. 2012 Fev; 31(2):115-20.
10. Oliveira RSG, Wendhausen ALP. (Re)significando a educação em saúde: dificuldades e possibilidades a estratégia saúde da família. Trab Educ Saúde. 2014 Jan-Abr; 12(1):129-47.
11. Renovato RD, Bagnato MHS. Práticas educativas em saúde e a constituição de sujeitos ativos. Texto Contexto Enferm. 2010 Jul-Set; 19(3):554-62.
12. Colomé JS, Oliveira DLLC. Educação em saúde: por quem e para quem? A visão de estudantes de enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2012 Jan-Mar; 21(1):177-84.
13. Silva JAM, Peduzzi M. Educação no trabalho na atenção primária à saúde: interfaces entre a educação permanente em saúde e o agir comunicativo. Saúde Soc. 2011 Out-Dez; 20(4):1018-32.
14. Abrahão AL, Merhy EE. Formación en salud y micropolítica: sobre conceptos-herramientas en la práctica de enseñar. Interface (Botucatu). 2014 Abr-Jun; 18(49):313-24.
15. Foucault M. O sujeito e o poder. In: Dreyfus H, Rabinow P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro (RJ): Forense; 1995. p. 231-49.
16. Marcello FA. O conceito de dispositivo em Foucault: mídia e produção agonística de sujeitos-maternos. Educ Real. 2004 Jan-Jun; 29(1):199-213.
17. Leonardi EFR, Antoun H. A agonística entre dispositivo de visibilidade e modos de subjetivação no blog da Galera Capricho. Cultura Midiática. 2012 Jul-Dez; 5(9):1-12.
18. Deleuze G. O que é um dispositivo? In: Balibar E, Deleuze G, Dreyfus H, Frank M, Glücksmann, et al. Michel Foucault, filósofo. Barcelona (ES): Gedisa; 1999. p. 155-63.
19. Foucault M. Sobre a história da sexualidade. In: Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro (RJ): Graal; 2000. p. 227-43
20. Pratta EMM, Santos MA. O processo saúde-doença e a dependência química: interfaces e evolução. Psic: Teor e Pesq. 2009 Abr-Jun; 25(2):203-11.
21. Almeida Filho N. O que é saúde? Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2011.
22. Foucault M. A palavra e as coisas. São Paulo (SP): Livraria Martins Fontes Editora; 2007.
23. Freire P. Pedagogia da autonomia. São Paulo (SP): Paz e Terra; 2009.
24. Kohan WO. Entre Deleuze e a Educação: notas para uma política do pensamento. Educ Real. 2002 Jul-Dez; 27(2):123-30.
25. Ceccim RB, Ferla AA. Educação e saúde: ensino e cidadania como travessia de fronteiras. Trab Educ Saúde (Online). 2009 Nov-Fev; 6(3):443-56.
26. Horta NC, Sena RR, Silva ME, Oliveira SR, Rezende VA. A prática das equipes de saúde da família: desafios para a promoção de saúde. Rev Bras Enferm. 2009 Jul-Ago; 62(4):524-9.
27. Costa ML, Bernardes AG. Produção de saúde como afirmação de vida. Saúde Soc. 2012 Out-Dez; 21(4):822- 35.
28. Cano FG, Dastis BC, Morales BI, Manzanares TML, Fernández GA, Martín RL. A rondomised clinical trial to evaluate the effectiveness of an educational intervention developed for adult asthmatics in a primary care centre. Aten Primaria. 2014 Mar; 46(3):117-39.
29. Sá LD, Gomes ALC, Carmo JB, Souza KMJ, Palha PF, Alves RA, et al. Educação em saúde no controle da tuberculose: perspectiva de profissionais da Estratégia Saúde da Família. Rev Eletrônica Enferm. 2013 Jan- Mar; 15(1):103-11.
30. Abreu RNDC, Sousa AM, Dias LM, Almeida GH, Diógenes MAR, Moreira TMM. Educação em saúde para prevenção das doenças cardiovasculares: experiência com usuários de substâncias psicoativas. Espaço Saúde. 2014 Jul-Set; 15(3):13-21.
31. Godinho AS, Menezes RAO, Barbosa FHF, Sacramento BP, Silva KA, Slob EMGB. Educação em saúde para profissionais do sexo: impacto na mudança de comportamento. Ciência Equatorial. 2013 Jul-Dez; 3(2):2-9.
32. Ceccim RB. "Um sentido muito próximo ao que propõe a educação permanente em saúde"! O devir da educação e a escuta pedagógica da saúde. Interface (Botucatu). 2007 Mai-Ago; 11(22):345-63.
33. Gore JM. Foucault e educação: fascinantes desafios. In: Silva TT, organizador. O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Rio de Janeiro (RJ): Vozes, 2011. p. 9-20.
34. Tesser CD. Medicalização social (I): o excessivo sucesso do epistemicídio moderno na saúde. Interface (Botucatu). 2006 Jan-Jun; 10(19):61-76.
35. Foucault M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro (RJ): Graal; 2004.
36. Foucault M. Em defesa da sociedade. São Paulo (SP): Martins Fontes; 2005.
37. Silva KL. Promoção da saúde em espaços sociais da vida cotidiana [tese]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 2009.
38. Deleuze G. Conversações. Rio de Janeiro (RJ): Editora 34; 1992.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería