ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2017 v26n2 r26237p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Prevalência e fatores associados à dor musculoesquelética em trabalhadores do serviço hospitalar de limpeza

Emanuelli Mancio Ferreira da Luz,1 Tânia Solange Bosi de Souza Magnago,2 Patrícia Bitencourt Toscani Greco,3 Juliana Dal Ongaro,4 Tais Carpes Lanes,5 Jadir Camargo Lemos6
1
Mestre em Enfermagem. Enfermeira da Irmandade da Santa Casa de Caridade de São Gabriel. São Gabriel, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: emanuelli_ferreira@hotmail.com 2Doutora em Enfermagem. Professora do Departamento e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PPGEnf) da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: tmagnago@terra.com.br 3Doutoranda em Enfermagem do PPGEnf/UFSM. Professora do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI) - Campus Santiago. Santiago, Rio Grande do Sul,  Brasil. E-mail: pbtoscani@hotmail.com 4Acadêmica de Graduação em Enfermagem da UFSM. Bolsista de Iniciação Científica Fipe Jr./UFSM. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: dongaro.ju@gmail.com 5Acadêmica de Graduação em Enfermagem da UFSM. Bolsista de Iniciação Científica PROIC-HUSM. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: taislanes_rock@hotmail.com 6Doutor em Engenharia de Produção. Professor do Departamento de Fisioterapia da UFSM. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: jadir.lemos@gmail.com

Recebido: 20 de abril de 2016
Aprovado: 03 de fevereiro 2017

 

 

 

Cómo citar este documento

Luz, Emanuelli Mancio Ferreira da; Magnago, Tânia Solange Bosi de Souza; Greco, Patrícia Bitencourt Toscani; Ongaro, Juliana Dal; Lanes, Tais Carpes; Lemos, Jadir Camargo. Prevalência e fatores associados à dor musculoesquelética em trabalhadores do serviço hospitalar de limpeza. Texto Contexto Enferm, abr-jun 2017, 26(2). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2017/26237p.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: avaliar a prevalência e os fatores associados à ocorrência de dor musculoesquelética em trabalhadores do serviço hospitalar de limpeza. Método: estudo transversal, realizado com 157 trabalhadores terceirizados de um hospital Universitário do Rio Grande do Sul, Brasil. Os dados foram coletados por meio de entrevista estruturada, e analisados através da estatística descritiva e analítica. A prevalência de dor musculoesquelética foi de 70,1%, com intensidade forte e insuportável em 25,5% dos casos. Resultados: os trabalhadores entre 19 e 34 anos RPa=1,14; IC95%=1,03-1,27, os que não tem tempo para o lazer RPa=1,14; IC95%=1,03-1,27 e os que às vezes tem tempo para o lazer RPa=1,10; IC95%=1,02-1,20 apresentaram prevalências mais elevadas de dor muscular esquelética quando comparados aos demais grupos. Conclusão: não foi evidenciada associação entre a dor muscular esquelética com fatores laborais. No entanto, os trabalhadores exercem suas atividades na presença de sintomas osteomusculares, o que sugere atenção.
Descritores: Enfermagem/ Saúde do trabalhador/ Dor musculoesquelética/ Serviço hospitalar de limpeza.
 

Resumen
Prevalencia y factores asociados al dolor muscoloesquelético en trabajadores del servicio hospitalar de limpieza

Objetivo: evaluar la prevalencia y los fatores asociados a la ocurrencia del dolor muscoloesquelético en trabajadores del servicio hospitalario de limpieza. Método: estudio transversal, realizado con 157 trabajadores tercerizados de un hospital Universitario de Rio Grande do Sul, Brasil. Los datos fueron recolectados por medio de entrevista estructurada y, analizados a través de estadística descriptiva y analítica. La prevalencia de dolor musculoesquelético fue de 70,1% con intensidad fuerte e insoportable en 25,5% de los casos. Resultados: los trabajadores entre 19 y 34 años RPa=1,14; IC95%=1,03-1,27, los que no tenían tiempo de ocio RPa=1,14; IC95%=1,03-1,27y los que algunas veces tenían tiempo de ocio RPa=1,10; IC95%=1,02-1,20, presentaron prevalencias más elevadas de dolor muscular y esquelético que los otros grupos. Conclusión: no fue evidenciada asociación entre dolor musculoesquelético con factores laborales. Sin embargo, los trabajadores ejercen sus actividades en la presencia de síntomas osteomusculares, lo que sugiere atención.
Descriptores: Enfermería/ Salud laboral/ Dolor muscoloesquelético/ Servicio de limpieza en hospital.
 

Referências

1. Chaves LDP, Camelo SHH, Silva MR, Silva NM, Pereira AP. Hospital governance, hygiene and cleaning: nurse management space. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2015 Out-Dez [cited 2016 Mar 09]; 24(4):925-34. Available from: http://www.scielo.br/pdf/tce/2015nahead/pt_0104-0707-tce-201500004010014.pdf
2. Silva LG, Haddad MCL, Domansky RC, Vituri DW. Capacidade para o trabalho entre trabalhadores de higiene e limpeza de um hospital universitário público. Rev Eletr Enf [Internet]. 2010 Mar-Nov [cited 2015 Jan 24]; 12(1):158-63. Available from: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v12/n1/pdf/v12n1a19.pdf
3. Martins MIC, Molinaro A. Reestruturação produtiva e seu impacto nas relações de trabalho nos serviços públicos de saúde no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2013 Fev-Mar; 18(6):1667-76.
4. Andrade CB, Cocco MIM. Trabalho, envelhecimento e qualidade de vida: relatório final de iniciação científica. Campinas (SP): SAE/Unicamp; 1999.
5. Chillida MSP, Cocco MIM. Saúde do trabalhador e terceirização: perfil de trabalhadores de serviço de limpeza hospitalar. Rev Latino-Am Enfermagem. 2004 Mar-Abr; 12(2): 271-6.
6. Ministério da Saúde (BR). Instrução normativa INSS/ DC n° 98, de 05 de dezembro de 2003: aprova Norma Técnica sobre Lesões por Esforços Repetitivos - LER ou Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho-DORT. Brasília (DF): MS; 2003.
7. Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor - SBED [Internet]. Ano mundial contra a dor musculoesquelética. São Paulo (SP): SBED, 2010 [cited 2015 Jan 24]. Available from: www.dor.org.br
8. Pereira CC, Debiase DF, Farias JM, Madeira K, Longen WC. Análise do risco ergonômico lombar de trabalhadores da construção civil através do método NIOSH. Rev Produção Online [Internet]. 2015 Jul-Set [cited 2016 Mar 09]; 15(3):914-24. Available from: https://www.producaoonline.org.br/rpo/article/view/1888
9. Leão ER, Silva MGP. Música e dor crônica músculoesquelética: o potencial evocativo de imagens mentais. Rev Latino-Am Enfermagem. 2004 Mar-Abr; 12(2):235-41.
10. Medronho RA, Block KV. Epidemiologia. 2ª ed. São Paulo (SP): Atheneu; 2008.
11. Pataro SMS, Fernandes RCP. Trabalho físico pesado e dor lombar: a realidade na limpeza urbana. Rev Bras Epidemiol. 2014 Jan-Mar; 1(1):17-30.
12. Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome metabólica (BR). Diretrizes brasileiras de obesidade 2009/2010. 3ª ed. Itapevi (SP): AC Farmacêutica, 2009.
13. Jensen MP, Karoly P, Braver S. The measurement of clinical pain intensity: a comparison of six methods. Pain. 1986 Mar-Abr; 27(1):117-26.
14. Magnago TSBS, Lisboa MTL, Griep RH, Kirchhof ALC, Guido LA. Aspectos psicossociais do trabalho e distúrbio musculoesquelético em trabalhadores de enfermagem. Rev Latino-Am Enfermagem. 2010 Mai- Jun; 18 (3):429-35.
15. Glória IPS, Gonzales TO. Incapacidade por lombalgia em trabalhadores do Setor de limpeza da universidade de Mogi das Cruzes. Rev Bras Ciênc da Saúde. 2009 Out-Dez; 8(22):1-6.
16. Rocha C. Análise ergonômica da equipe de limpeza de uma universidade particular. [dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Engenharia; 2003.
17. Ferreira GD, Silva MC, Rombaldi AJ, Wrege ED, Siqueira FV, Hallal PC. Prevalência de dor nas costas e fatores associados em adultos do Sul do Brasil: estudo de base populacional. Rev Bras Fisiote. 2011 Jan-Fev; 15(1):31-6.
18. Rebolho MCT, Rocha LE, Teixeira LR, Casarotto RA. Prevalência de dor músculo esquelética e percepção de hábitos posturais entre estudantes do ensino fundamental. Rev Med (São Paulo). 2011 Abr.-Jun; 90(2):68-77.
19. Cardoso JP, Ribeiro, IQB, Araújo TM, Carvalho FM, Reis EJFB. Prevalência de dor musculoesquelética em professores. Rev Bras Epidemiol. 2009 Dez; 12(4):604-14.
20. Almeida ICGB, Sá KN, Silva M, Baptista A, Matos MA, Lessa I. Prevalência de dor lombar crônica na população da cidade de Salvador. Rev Bras Ortopedia. 2008 Jan-Mar; 43(3): 96-102.
21. Maia MS, Ferreira MS, Carvalho NM. Análise de fatores de risco para dores osteomioarticulares em trabalhadores do setor de limpeza da Universidade da Amazônia: uma correlação com a qualidade de vida [dissertação]. Belém (PA): Universidade da Amazônia, Programa de Pós- Graduação em Fisoterapia; 2009.
22. Silva MC, Fassa AC, Valle NCJ. Dor lombar crônica em uma população adulta do sul do Brasil: prevalência e fatores associados. Cad Saude Publica. 2004 Mar-Abr; 20(2):377-85.
23. Lobo AJS, Martins JP. Pain: knowledge and attitudes of nursing students, 1 year follow-up [Internet]. Texto Contexto Enferm. 2013 Abr-Jun [cited 2016 Mar 09]; 22(2):311-7. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072013000200006&lng=en&nrm=iso&tlng=en

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería