ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2017 v26n2 r26217p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Incontinência urinária em idosas: práticas assistenciais e proposta de cuidado âmbito da atenção primária de saúde*

Andrelise Viana Rosa Tomasi,1 Silvia Maria Azevedo dos Santos,2 Gesilani Júlia da Silva Honório,3 Melissa Orlandi Honório Locks4
1
Doutoranda do PEN/UFSC. Professora do Centro Universitário Estácio de Sá de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: andrelisev@gmail.com 2Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Enfermagem e do PEN/UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: silvia.azevedo@ufsc.br 3Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Fisioterapia da Universidade do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil E-mail: gesilani@hotmail.com 4Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Enfermagem e do PEN/UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: melhonorio@hotmail.com

*Artigo extrído da dissertação - Promoção da saúde de mulheres idosas com incontinência urinária: cuidado interdisciplinar, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PEN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em 2015

Recebido: 17 de dezembro de 2015
Aprovado: 12 de julho de 2016

 

 

 

Cómo citar este documento

Tomasi, Andrelise Viana Rosa; Santos, Silvia Maria Azevedo dos; Honório, Gesilani Júlia da Silva; Locks, Melissa Orlandi Honório. Incontinência urinária em idosas: práticas assistenciais e proposta de cuidado âmbito da atenção primária de saúde. Texto Contexto Enferm, abr-jun 2017, 26(2). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2017/26217p.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: identificar o conhecimento e as práticas assistenciais sobre a incontinência urinária em mulheres idosas e desenvolver proposta de cuidado a essas mulheres para a promoção da saúde no âmbito da atenção primária de saúde. Método: pesquisa qualitativa, do tipo convergente-assistencial, cujos dados foram coletados entre agosto e outubro/2014, através de entrevistas semiestruturadas e oficinas temáticas com 14 fisioterapeutas e dez enfermeiros. A análise envolveu processos de apreensão, síntese, teorização e transferência, fazendo emergir dois eixos temáticos: percepção dos profissionais acerca da incontinência urinária em mulheres idosas; e a concepção de uma proposta de cuidado à mulher idosa com incontinência urinária. Resultados: constatou-se o pouco conhecimento dos profissionais acerca da incontinência urinária, bem como a falta de informação em relação às possibilidades de orientações para o autocuidado a respeito dos sintomas urinários. Conclusão: recomenda-se implementar ações de capacitação com estes profissionais, com vistas à promoção da saúde para o autocuidado.
Descritores: Idoso/ Incontinência urinária/ Fisioterapia/ Enfermagem/ Atenção primária à saúde.
 

Resumen
Incontinencia urinaria en mujeres ancianas: prácticas de cuidado y propuesta de cuidados en el contexto de la atención primaria salud

Objetivo: identificar los conocimientos y prácticas de cuidado de la incontinencia urinaria en mujeres ancianas y desarrollar propuesta de la atención a estas mujeres para promover la salud en el contexto de la atención primaria de salud. Método: investigación cualitativa, el tipo de investigación atención convergente, cuyos datos fueron recolectados entre agosto y octubre / 2014 a través de entrevistas semiestructuradas y talleres temáticos con 14 fisioterapeutas y 10 enfermeras. El análisis incluyó la confiscación de los procesos, la síntesis, teorización y transferencia, dando lugar a dos temas principales: la percepción de los profesionales sobre la incontinencia urinaria en mujeres de edad avanzada; y el diseño de una atención propuesta a anciana con incontinencia urinaria. Resultados: se encontró el poco conocimiento de los profesionales acerca de la incontinencia urinaria, así como la falta de información sobre las posibilidades de directrices para el cuidado personal respecto a los síntomas urinarios. Conclusión: se recomienda llevar a cabo actividades de formación con estos profesionales, con el objetivo de promoción de la salud para el autocuidado.
Descriptores: Ancianos/ Incontinencia urinaria/ Fisioterapia/ Enfermería/ Atención primaria de salud.
 

Abstract
Urinary incontinence in elderly people: care practices and care proposal in primary health care

Objective: identify the knowledge and care practices concerning urinary incontinence in elderly women and develop a care proposal for these women for the purpose of health promotion in Primary Health Care. Method: a qualitative, convergent care research was undertaken. The data were collected between August and October 2014 through semistructured interviews and thematic workshops with 14 physiotherapists and ten nurses. The analysis involved apprehension, synthesis, theorization and transference processes, revealing two thematic axes: the professionals' perception of urinary incontinence in elderly women; and the conception of a care proposal for elderly women with urinary incontinence. Results: the professionals' limited knowledge of urinary incontinence was verified, as well as the lack of information on the possible orientations for self-care concerning the urinary symptoms. Conclusion: training actions should be implemented for these professionals with a view to health promotion for self-care.
Descriptors: Elderly/ Urinary incontinence/ Physiotherapy/ Nursing/ Primary health care.
 

Referências

1. Tamanini JTN, Lebrão ML, Duarte YAO, Santos JLF, Laurenti R. Analysis of the prevalence of and factors associated with urinary incontinence among elderly people in the Municipality of São Paulo, Brazil: SABE study (health, wellbeing and aging). Cad Saúde Pública. 2009 Aug; 25(8):1756-62.
2. Santos CRS, Santos VLCG. Prevalência da incontinência urinária em amostra randomizada da população urbana de Pouso Alegre, Minas Gerais, Brasil. Rev Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2010 Set-Out [cited 2015 Jun 10]; 18(5):. Available from:
http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n5/pt_10.pdf
3. Rosa LHT, Souza CM, Lima CHL, Boggio ESB, Santos FC, Carboni C, et al. Prevalência da incontinência urinária em idosos de Porto Alegre-RS. Rev Geriatr Gerontol. 2014 Jul-Set; 9(2):112-17.
4. Rios AAN, Cardoso JR, Rodrigues MAF, Almeida SHM. The help-seeking by women with urinary incontinence in Brazil. Int Urogynecol J. 2011; 22:879-84.
5. Honório MO, Santos SMA. Incontinência urinária e envelhecimento: impacto no cotidiano e na qualidade de vida. Rev Bras Enferm. 2009; 62(1):51-6.
6. Busato WFSJ, Mendes FM. Incontinência urinária entre idosos institucionalizados: relação com mobilidade e função cognitiva. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2007; 36(4):49-55.
7. Higa R, Lopes MHBM, Turato ER. Fatores de risco para incontinência urinária na mulher. Rev Esc Enferm USP. 2008 Mar; 42(1):187-92.
8. Mourão FAG, Lopes LN, Vasconcellos NPC, Almeida MBA. Prevalência de queixas urinárias e o impacto destas na qualidade de vida de mulheres integrantes de grupos de atividade física. Acta Fisiatr. 2008; 15(3):170-75.
9. Menezes MAJ, Hashimoto SY, Santos VLCG. Prevalence of urinary incontinence in a community sample from the city of São Paulo. Wound Ostomy Continence Nurs. 2009; 36(4):432-40.
10. Gomes GV, Silva GD. Incontinência urinária de esforço em mulheres pertencentes ao Programa de Saúde da Família de Dourados (MS). Rev Assoc Med Bras. 2010; 56(6):649-54.
11. Zhu L, Lang J, Liu C, Xu T, Liu X, Li L, et al. Epidemiological study of urge urinary incontinence and risk factors in China. Int Urogynecol J. 2010; 21:589-93.
12. Gözükara F, Koruk I, Kara B. Urinary incontinence among women registered with a family health center in the Southeastern Anatolia Region and the factors affecting its prevalence. Turk J Med Sci. 2015; 45(4):931-9.
13. Berlezi EM, Fiorin AAM, Bilibio PVF, Kirchner RM, Oliveira KR. Estudo da incontinência urinária em mulheres climatéricas usuárias e não usuárias de medicação anti-hipertensiva. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2011; 14(3):415-23.
14. Sacomori C, Negri NB, Cardoso FL. Incontinência urinária em mulheres que buscam exame preventivo de câncer de colo uterino: fatores sociodemográficos e comportamentais. Cad Saúde Pública. 2013 Jun; 29(6):1251-59.
15. Bolina AF, Dias FA, Santos NMF, Darlene MST. Incontinência urinária autorreferida em idosos e seus fatores associados. Rev Rene. 2013; 14(2):354-63.
16. Trentini M. O processo convergente-assistencial. In: Trentini M, Paim L, Silva DMGV. Pesquisa Convergente- Assistencial: delineamento provocador de mudanças nas práticas de saúde. 3ª ed. Porto Alegre (RS): Moriá; 2014.
17. Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde. 3ª ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2010.
18. Ministério da Saúde (BR). Resolução Nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Conselho Nacional de Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2013.
19. Elenskaia K, Haidvogel K, Heidinger C, Doerfl D, Umek W, Hanzal E. The greatest taboo: urinary incontinence as a source of shame and embarrassment. Wien Klin Wochenschr. 2011 May; 123:607-10.
20. Wang Y, Hu H, Xu K, Zhang X, Wang X, Na Y, Kang X, et al. Prevalence, risk factors, and symptom bother of nocturia: a population based survey in China. World J Urol., sep., 2014.
21. Borba AMS, Lelis MSA, Brêtas ACP. Significado de ter incontinência urinária e ser incontinente na visão das mulheres. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(3):527-35.
22. Lopes MHBM, Higa R. Restrições causadas pela incontinência urinária à vida da mulher. Rev Esc Enferm USP. 2006; 40(1):34-41.
23. Luo X, Chuang CC, Yang E, Zou KH, Araiza AL, Bhagnani T. Prevalence, management and outcomes of medically complex vulnerable elderly patients with urinary incontinence in the United States. Int J Clin Pract [Internet]. 2015; [cited 2015 Nov 29]. Available from:
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/ijcp.12740/epdf
24. Wójtowicz U, Plaszwska-Zywko L, Stangel- Wójcikiewicz K, Basta A. Barriers in entering treatment among women with urinary incontinence. Ginekol Pol. 2014; 85:342-7.
25. Pakgohar M, Sabetghadam S, Rahimparvar SFV, Kazemnejad A. Quality of life (QoL) and helpseeking in postmenopausal women with urinary incontinence (UI): a population based study. Archives of Gerontology and Geriatrics. 2014; 59:403-7.
26. Barbosa SS, Oliveira LDR, Lima JLDA, Carvalho GM, Lopes MHBM. Como profissionais de saúde da rede básica identificam e trata a incontinência urinária feminina. O Mundo da Saúde. 2009; 33(4):449-56.
27. Figueiredo EM, Baracho SM, Vaz CT, Sampaio RF. Educação de funcionárias de unidade básica de saúde acerca da atenção fisioterapêutica na incontinência urinária: relato de experiência. Fisioter Pesq. 2012; 19(2):103-8.
28. Loureiro LSN, Medeiros ACT, Fernandes MGM, Nóbrega MML. Incontinência urinária em mulheres idosas: determinantes, consequências e diagnósticos de enfermagem. Rev Rene. 2011; 12(2):417-23.
29. Glisoi SFN, Girelli P. Importância da fisioterapia na conscientização e aprendizagem da contração da musculatura do assoalho pélvico em mulheres com incontinência urinária. Rev Bras Clin Med. 2011 Nov- Dez; 9(6):408-13.
30. Zanetti MRD, Castro RA, Rotta AL, Santos, PD, Sartori M, Girão MJBC. Impact of supervised physiotjerapeutic pelvic floor exercises for treating female stress urinary incontinence. São Paulo Med J. 2007; 125(5):265-69.
31. Sousa JG, Ferreira VR, Oliveira RJ, Cestari CE. Avaliação da força muscular do assoalho pélvico em idosas com incontinência urinária. Fisioter Mov. 2011 Jan-Mar; 24(1):39-46.
32. Gomes SS, Moya JLM. La interacción entre la perspectiva epistemológica de las enfermeras educadoras y los participantes (en programas educativos): límites y oportunidades en el desarrollo del empoderamiento para el fomento del autocuidado en salud. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(2):301-9.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería