ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2017 v26n2 r26203p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

O sistema de triagem de manchester na atenção primária à saúde: ambiguidades e desafios relacionados ao acesso

Danielle de Araújo Moreira,1 Hanna Beatriz Bacelar Tibães,2 Renata Cristina Rocha Batista,3 Cecília Maria Lima Cardoso,4 Maria José Menezes Brito5
1
Mestre em Enfermagem. Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: danimg12@yahoo.com.br 2Mestre em Enfermagem. Escola de Enfermagem de UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: hannabacelar@gmail.com 3Enfermeira do Hospital das Clínicas da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: renatinhacrb@hotmail.com 4Mestre em Enfermagem. Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: cecilialimacardoso@yahoo.com.br 5Doutora em Enfermagem. Professora da Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. E-mail: mj.brito@globo.com

Recebido: 18 de fevereiro de 2016
Aprovado: 19 de setembro de 2016

 

 

 

Cómo citar este documento

Moreira, Danielle de Araújo; Tibães, Hanna Beatriz Bacelar; Batista, Renata Cristina Rocha; Cardoso, Cecília Maria Lima; Brito, Maria José Menezes. O sistema de triagem de manchester na atenção primária à saúde: ambiguidades e desafios relacionados ao acesso. Texto Contexto Enferm, abr-jun 2017, 26(2). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2017/26203p.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: compreender ambiguidades e desafios relacionados ao acesso, após a implantação do Sistema de Triagem de Manchester na atenção primária à saúde. Método: estudo de abordagem qualitativa, desenvolvido por meio de entrevista semiestruturada com enfermeiros, médicos e técnicos de enfermagem, totalizando 22 profissionais. Os dados foram analisados por meio do método análise de conteúdo temática. Resultados: o Sistema de Triagem de Manchester interferiu de forma antagônica no acesso. Em uma vertente, observa-se o aumento do tempo de espera, a dificuldade do usuário em ser atendido e o agendamento dos casos que não são classificados como agudos. Em outra vertente, ressalta-se a garantia do atendimento, a porta aberta do serviço, o fim do atendimento por ordem de chegada e organização da demanda espontânea. Conclusão: o estudo destaca a necessidade de ampliar discussões sobre a legitimidade do Sistema de Triagem de Manchester na atenção primária à saúde, tendo em vista ambiguidades e desafios referentes à garantia de acesso neste espaço de produção do cuidado.
Descritores: Acesso aos serviços de saúde/ Atenção primária à saúde/ Triagem/ Enfermagem/ Sistema Único de Saúde/ Acolhimento.
 

Resumen
El sistema de triage de manchester en la atención primaria en salud: ambiguedades y desafios relacionados al acceso

Objetivo: comprender ambigüedades y desafíos relacionados con el acceso, después de la implantación del Sistema de Triage de Manchester en la atención primaria en salud. Método: investigación cualitativa, que utilizó la entrevista semiestructurada con enfermeros, médicos y auxiliares de enfermería, totalizando 22 profesionales. Los datos fueron analizados por medio de análisis de contenido temático. Resultados: el Sistema de Triage de Manchester interfirió de forma antagónica en el acceso. En una vertiente, se observa el aumento del tiempo de espera, la dificultad del usuario en ser atendido y el agendamiento de los casos que no son clasificados como agudos. Por otra parte, se resalta la garantía del atendimiento, la puerta abierta del servicio, con el fin de atender por orden de llegada y la organización de la demanda espontanea. Conclusión: el estudio destaca la necesidad de ampliar discusiones sobre la legitimidad del Sistema de Triage de Manchester en la atención primaria en salud, teniendo en vista las ambigüedades y desafíos referentes a la garantía de acceso en este espacio de producción del cuidado.
Descriptores: Accesibilidad a los servicios de salud/ Atención primaria de salud/ Triaje/ Enfermería/ Sistema Único de Salud/ Acogimiento.
 

Abstract
Manchester triage system in primary health care: ambiguities and challenges related to access

Objective: understanding ambiguities and challenges related to access after implementing the Manchester Triage System in primary health care. Method: a qualitative study developed through semi-structured interviews with nurses, doctors and nursing technicians, totaling 22 professionals. The data were analyzed using the thematic content analysis method. Results: the Manchester Triage System antagonistically interfered with access. In one aspect, an increase in waiting time, difficulty of the user being attended and scheduling of cases that are not classified as acute can be observed. In another aspect, service guarantee, open door service, receiving service in order of arrival and organizing spontaneous demand can be emphasized. Conclusion: the study highlights the need to broaden discussions on the legitimacy of the Manchester Triage System in primary health care in view of its ambiguities and challenges regarding a guarantee of access in this area of care production.
Descriptors: Access to health services/ Primary health care/ Triage/ Nursing/ Unified Health System/ User embracement.
 

Referências

1. Sousa MF, Hamann EM. Programa Saúde da Família no Brasil: uma agenda incompleta? Ciênc Saúde Colet. 2009;14(Suppl 1):1325-35.
2. Fausto MCR, Giovanella L, Mendonça MHM, Seidl H, Gagno J. A posição da Estratégia Saúde da Família na rede de atenção à saúde na perspectiva das equipes e usuários participantes do PMAQ-AB. Saúde debate. 2014 Out;38 (spe):13-33.
3. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 1.654, de 19 de julho de 2011. Institui no âmbito do Sistema Único de Saúde, o Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB) e o Incentivo Financeiro do PMAQ-AB, denominado Componente de Qualidade do Piso de Atenção Básica Variável - PAB Variável. Diário Oficial da União. Brasília (DF): MS; 2011.
4. Lavras C. Atenção primária à saúde e a organização de redes regionais de atenção à saúde no Brasil. Saúde Soc. 2011; 20(4):867-74.
5. Arruda C, Lopes SGR, Koerich MHAL, Winck DR, Meirelles BHS, Mello ALSF. Health care networks under the light of the complexity theory. Esc Anna Nery. 2015;19(1):169-73.
6. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc Saúde Colet. 2010;15(5):2297-305.
7. Starfield B. Atenção Primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília (DF): UNESCO/Ministério da Saúde; 2002.
8. Ministério da Saúde (BR)Portaria nº 1.600, de 07 de julho de 2011. Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União. Brasília: MS; 2011.
9. Ministério da Saúde (BR)Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES). SES promove reunião para discutir Protocolo de Manchester [online], 2012 [cited, 2015 May 14]. Disponível em:
http://www.saude.mg.gov.br/component/gmg/story/3548-sespromove-reuniao para%20discutir-protocolo-demanchester-sesmg.
10. Shiroma LMB, Pires DEP. Classificação de risco em emergência - um desafio para as/os enfermeiras/os. Enferm Foco. 2011; 2(1):14-17.
11. Lumer S, Rodrigues PHA. O papel da saúde da família na atenção às urgências. Rev APS. 2011;14(3):289-95.
12. Grupo Brasileiro de Classificação de Risco. Sistema Manchester de Classificação de Risco. Manchester Triage Group; 2010.
13. Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4 ed. Porto Alegre: Bookman; 2010.
14. Bardin L. Análise de conteúdo. 4 ed. Lisboa: 70 edições; 2009.
15. Assis MMA, Jesus WLA. Acesso aos serviços de saúde: abordagens, conceitos, políticas e modelo de análise. Ciênc Saúde Colet. 2012; 17(11):2865-75.
16. Cassiani SHB. Strategy for universal access to health and universal health coverage and the contribution of the International Nursing Networks. Rev Latino-Am. Enfermagem. 2014; 22(6):891-92.
17. Levesque JF, Harris MF, Russell G. Patient-centred access to health care: conceptualising access at the interface of health systems and populations. Inter J Equity Health. 2013; 12:18.
18. Souza MSPL. Fatores associados ao acesso geográfico aos serviços de saúde por pessoas com tuberculose em três capitais do Nordeste brasileiro. Cad Saúde Pública. 2015;31(1):111-20.
19. Souza ECF, Vilar RLA, Rocha NSPD, Uchoa AC, Rocha PM. Acesso e acolhimento na atenção básica: uma análise da percepção dos usuários e profissionais de saúde. Cad. Saúde Pública; 2008; 24 (Suppl 1):100-10.
20. Araujo MB, Rocha PM. Trabalho em equipe: um desafio para a consolidação da estratégia de saúde da família. Ciênc Saúde Colet. 2007; 12(2):455-64.
21. Queiroz RD, Silva ASS, Silva WO, Lima LT, Melo KM, Oliveira CG. Conhecimento da população do bairro farolândia sobre o Programa Saúde da Família (PSF). Rev APS. 2013;16(1):83-89.
22. Frutuoso MFP, Mendes R, Rosa KRM, Silva CR.de C. Gestão local de saúde em território de vulnerabilidade: motivações e racionalidades. Saúde debate. 2015;39(105):337-49.
23. Oliveira LC, Avila MMM, Gomes AM.de A, Sampaio MHL.de M. Participação popular nas ações de educação em saúde: desafios para os profissionais da atenção primária. Interface (Botucatu). 2014; 18(suppl.2):1389-400.
24. Amorim ACCLA, Assis MMA, Santos AM, Jorge MSB, Servo MLS. Práticas da equipe de saúde da família: orientadoras do acesso aos serviços de saúde? Texto Contexto Enferm. 2014 Out-Dez; 23(4):1077-86.
25. Speroni AV, Menezes RA. Os sentidos do Acolhimento: um estudo sobre o acesso à atenção básica em saúde no Rio de Janeiro. Cad Saúde Colet. 2014; 22(4):380-5.
26. Silva PM, Barros KP, Torres H.. Acolhimento com classificação de risco na Atenção Primária: percepção dos profissionais de enfermagem. Rev Min Enferm. 2012; 16(2): 225-31.
27. Costa PCP, Garcia APRF, Toledo VP. Acolhimento e cuidado de enfermagem: um estudo fenomenológico. Texto Contexto Enferm, 2016; 25(1):1-7.
28. Moreira DA, Tibães HBB, Batista, RCR, Cardoso CML, Santos C.da S, Brito MJM. Manchester Screening System in Primary Health Care: a new hosting way? International Arquives of Medicine. 2015; 8(261): 1-9.
29. Sanchez RM, Ciconelli RM. Conceitos de acesso à saúde. Rev Panam Salud Publica. 2012; 31(3):260-8.
30. Barbosa SP, Elizeu TS, Penna CMM. Ótica dos profissionais de saúde sobre o acesso à atenção primária à saúde. Ciênc Saúde Colet. 2013; 18(8):2347-57.
31. Lanzoni GMM, Meirelles BHS, Erdmann AL, Thofehrn MB, Dall'Agnol CM. Ações/interações motivadoras para liderança do enfermeiro no contexto da atenção básica à saúde. Texto contexto Enferm. 2015; 24(4): 1121-9.
32. Duarte ED, Silva KL, Tavares TS, Nishimoto CLJ, Silva PM, Sena RR. Cuidado à criança em condição crônica na atenção primária: desafios do modelo de atenção à saúde. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(4):1009-17.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería