ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2017 v26n1 r26109p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Demanda e tipo de atendimento realizado em Unidades de Pronto Atendimento do município de Florianópolis, Brasil

Sonia da Silva Reis Cassettari,1 Ana Lúcia Schaefer Ferreira de Mello2
1
Mestre em Enfermagem. Enfermeira da Secretaria Municipal de Saúde. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: soninhareis@gmail.com 2Doutora em Enfermagem. Professora do Departamento de Odontologia do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação em Odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.E-mail: alfm@terra.com.br

Recebido: 20 de junho de 2015
Aprovado 12 de junho de 2016

 

 

 

Cómo citar este documento

Cassettari, Sonia da Silva Reis; Mello, Ana Lúcia Schaefer Ferreira de. Demanda e tipo de atendimento realizado em Unidades de Pronto Atendimento do município de Florianópolis, Brasil. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2017, 26(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2017/26109p.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: caracterizar a demanda de usuários e o tipo de atendimento realizado em Unidades de Pronto Atendimento do município de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, no ano de 2013. Método: trata-se uma pesquisa descritiva e analítica com abordagem quantitativa. Foram coletados dados secundários, obtidos por meio de relatórios gerais e gerenciais do sistema de informação, utilizado pela Secretaria de Saúde da capital. Resultados: constatou-se que os usuários utilizam a Unidade de Pronto Atendimento que está mais próxima de residência e que procuram o serviço por motivos não urgentes, que poderiam ser atendidos na atenção primária. Conclusão: a maioria dos usuários era proveniente do mesmo distrito sanitário da unidade e os motivos dos atendimentos não eram, precisamente, caracterizados como urgência e emergência. Percebe-se a necessidade de qualificar a atenção primária como ordenadora do cuidado e orientar a população sobre quais as atribuições de cada ponto da rede.
Descritores: Serviços de saúde/ Necessidades e demandas de serviços de saúde/ Assistência pré-hospitalar/ Serviços médicos de emergência.
 

Resumen
Demanda y tipo de atención realizado en unidades de emergencia de la municipalidad de Florianópolis, Brasil

Objetivo: caracterizar la demanda de usuarios y el tipo de atención en Unidades de Emergencias de la municipalidad de Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, en el año 2013. Método: investigación descriptiva y analítica con abordaje cuantitativo. Fueron recolectados datos secundarios, obtenidos a través de relatorías generales y gerenciales del sistema de información, utilizado por la Secretaría de Salud de la capital. Resultados: se constató que los usuarios utilizan la Unidad de Emergencia que está más próxima de la residencia y que procuran el servicio por motivos no urgentes, que podrían ser atendidos en la atención primaria. Conclusión: la mayoría de usuarios era proveniente del mismo distrito sanitario de la unidad y los motivos de atendimientos no eran precisamente, caracterizados como de urgencia y emergencia. Se percibe la necesidad de calificar la atención primaria como ordenadora del cuidado y orientar a la población sobre cuáles son las atribuciones de cada punto de la red.
Descriptores: Servicios de salud/ Necesidades y demandas de servicios de salud/ Asistencia pre-hospitalaria/ Servicios médicos de emergencias.
 

Abstract
Demand and type of care provided in emergency services in the city of Florianópolis, Brazil

Objective: this study's aim was to characterize the demand of patients and the type of care provided in 2013, in emergency services, in the city of Florianópolis, SC, Brazil. Method: this is a descriptive and analytical study with a quantitative approach. Secondary data were collected from general and managerial reports provided by the information system used by the city's department of health. Results: patients seek the emergency services nearest to their homes for situations not characterized as emergencies and that could be taken care of by primary health care units Conclusion: most patients originate from the same health district in which the emergency service is located and their reasons for seeking care could not be characterized as urgent or emergency situations. There is a need to qualify primary health care as the coordinator of care and instruct the population regarding the role of each service in the network.
Descriptors: Health services/ Health services needs and demand/ Prehospital care/ Emergency medical services.
 

Referências

1. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc Saúde Coletiva [Internet]. 2010 [cited 2015 May 30]; 15(5):2297-2305. Available from: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15n5/v15n5a05.pdf
2. Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção às Urgências: Série E. Legislação de Saúde, 3ª Ed. Brasília (DF): MS; 2006.
3. Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 1.600 de 7 de julho de 2011: Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF): MS; 2011.
4. Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2048 de 05 de novembro de 2002: Regulamento técnico dos sistemas estaduais de urgência e emergência. Brasília (DF): MS; 2002.
5. Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 104, de 15 de janeiro de 2014: Altera a Portaria n. 342/GM/MS, de 4 março de 2013, que redefine as diretrizes para implantação do Componente Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) e do conjunto de serviços de urgência 24 horas não hospitalares da Rede de Atenção às Urgências e Emergências (RUE), em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências, e dispõe sobre incentivo financeiro de investimento para novas UPA 24h (UPA Nova) e UPA 24h ampliadas (UPA Ampliada) e respectivo incentivo financeiro de custeio mensal. Brasília (DF): MS; 2014.
6. Siqueira ILCP. Qualidade em serviço de emergência. In: Sallum AMC, Paranhos WY. O enfermeiro e as situações de emergência. São Paulo (SP): Atheneu; 2010. p.25-34.
7. Sallum AMC. Estrutura organizacional de um serviço de emergência. In: Sallum AMC, Paranhos WY. O enfermeiro e as situações de emergência. São Paulo (SP): Atheneu; 2010. p.15-24.
8. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Contagem Populacional de Florianópolis, SC 2013 [cited 2015 May 30]. Available from:
ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2013/estimativa_2013_dou.pdf
9. World Health Organization. The World Health Report 2008 - primary Health Care (Now More Than Ever). Geneve (CH): WHO; 2008.
10. Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção Básica: Série E. Legislação de Saúde. Brasília (DF): MS; 2012.
11. Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 1820 de 13 de agosto de 2009: Dispõe sobre os direitos e deveres dos usuários da saúde. Brasília (DF): MS; 2009.
12. Booker MJ, Shaw AR, Purdy S. Why do patients with 'primary care sensitive' problems access ambulance services? A systematic mapping review of the literature. BMJ Open. 2015 May 19; 5(5):e007726.
13. Secretaria municipal de saúde de Florianópolis. Classificação de risco. Publicado em 2012. Florianópolis: SMS; 2012 [cited 2015 May 30]. Available from:
http://www.pmf.sc.gov.br/noticias/?pagina=notpagina&noti=5113
14. Wexler R, Hefner JL, Sieck C, Taylor CA, Lehman J, Panchal AR, Aldrich A, McAlearney AS. Connecting Emergency Department Patients to Primary Care. J Am Board Fam Med. 2015 Nov-Dec; 28(6):722-32.
15. National Health Service. England. High quality care for all, now and for future generations: transforming urgent and emergency care services in England. The evidence base from the urgent and emergency care review. 2013 [cited 2015 May 30]. Available from:
http://www.england.nhs.uk/wp-content/uploads/2013/06/urg-emerg-care-ev-bse.pdf
16. Gomide MFS, Pinto IC, Figueiredo LAD. Acessibilidade e demanda em uma Unidade de Pronto Atendimento: perspectiva do usuário. Acta Paul Enferm [Internet]. 2012 [cited 2015 Jun 25]; 25(2). Available from:
http://dx.doi.org/10.1590/S0103-21002012000900004
17. Garlet ER, Lima MADS, Santos JLG, Marques GQ. Organização do trabalho de uma equipe de saúde no atendimento ao usuário em situação de urgência e emergência. Texto Contexto Enfermagem. 2009 Abr- Jun; 18(2):266-72.
18. Ministério da Saúde (BR). Acolhimento à demanda espontânea. Cadernos de atenção básica, n. 28, v 1, 62 p. Brasília (DF): MS; 2013.
19. Marshall EG, Clarke B, Burge F, Varatharasan N, Archibald G, Andrew MK. Improving continuity of care reduces emergency department visits by longterm care residents. J Am Board Fam Med. 2016 Mar- Apr; 29(2):201-8.
20. Marques GQ, Lima MADS. Demandas de usuários a um serviço de pronto atendimento e seu acolhimento ao sistema de saúde. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2007 [cited 2015 Jun 25]; 15(1). Available from:
http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692007000100003
21. Mason S, Mountain G, Turner J, Arain M, Revue E, Weber EJ. Innovations to reduce demand and crowding in emergency care: a review study. Scand J Trauma Resusc Emerg Med. 2014 Sep 11; 22:55.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería