ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2016 v25n2 r25221p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Tecnologia para gestão de unidades de internação hospitalares*

Jorge Lorenzetti,1 Francine Lima Gelbcke,2 Lara Vandresen3
1Doutor em Enfermagem. Professor do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil 2Doutora em Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil 3Mestranda em Enfermagem do PEN/UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Recebido: 13 de Maio de 2015
Aceito: 09 de Dezembro de 2015

 *Resultado da tese - "PRAXIS": tecnologia para gestão de unidades de internação hospitalares, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PEN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em 2013

 

 

 

Cómo citar este documento

Lorenzetti, Jorge; Gelbcke, Francine Lima; Vandresen, Lara. Tecnologia para gestão de unidades de internação hospitalares. Texto Contexto Enferm, abr-jun 2016, 25(2). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2016/25221p.php> Consultado el

 

Resumo

No Brasil acontecem mais de 18,5 milhões de internações ano. As unidades de internação carecem de uma tecnologia de gestão que favoreça melhor experiência para os usuários e profissionais. O sistema de gestão PRAXIS supre esta lacuna, um software que recebeu a patente 14196-6. O objetivo do presente artigo é descrever a tecnologia PRAXIS e seu processo de construção e analisar sua aplicação após um ano de seu uso em uma unidade de internação. A pesquisa metodológica foi suporte para criação do software e para estudo quase-experimental. Os resultados apresentam a estrutura da tecnologia e efeitos da implantação. Os aspectos evidenciados são benefícios para desempenho da unidade com o planejamento participativo, gestão de processos assistenciais, gestão de pessoas, gestão de materiais, gestão da qualidade e uso de painel eletrônico. A tecnologia foi avaliada positivamente pela equipe de enfermagem e comissão externa de avaliação. A consolidação necessita maturação, por ser um recurso valioso e inovador para o desempenho das unidades de internação.
Palavras chave: Unidades de internação/ Gestão em saúde/ Qualidade da assistência à saúde/ Informática em enfermagem.
 

Resumen
Tecnología para gestión de unidades de internación hospitalarias

En Brasil ocurren más de 18,5 millones de internaciones anuales. Las unidades de internación carecen de tecnologías de gestión que permitan mejores experiencias para pacientes y profesionales. El sistema de gestión PRAXIS suple esa brecha, el software recibió la patente 14196-6. El próposito de este artículo es describir la tacnología del PRAXIS y su proceso de contrucción y análisis de su solitud, después de un año de uso en una unidad hospitaria. El programa fue creado con soporte en la investigación metodológica, y de la cuasi-experimental para intervención en unidad de internación. Los resultados expresan la estructura de la tecnología y efectos de su implantación. Los aspectos evidenciados son beneficios de desempeño en la unidad, con planificación participativa, gestión de procesos de atención, gestión de personal, de materiales, de calidad, y uso de panel electrónico. La tecnología recibió apreciación positiva del equipo de enfermería y la comisión externa evaluadora. El proyecto precisa maduración para constituirse en recurso valioso e innovador para desempeño en las unidades de internación.
Palabras clave: Unidades de internación/ Gestión en salud/ Calidad de la atención de salud/ Informática aplicada a la enfermería.
 

Abstract
Management technology for hospital inpatient care units

In Brazil there are over 18.5 million hospitalizations every year. Inpatient care units lack management technology that is capable of providing both users and professionals with a better experience. The PRAXIS management system fulfills this demand. The software is registered under patent 14196-6. This article's objective is to describe the PRAXIS technology and its construction process and to analyze its results after one year of use in an inpatient care unit. Methodological research served as the basis for creation of the software, and quasi-experimental study realized for the intervention in an inpatient care unit. Results present the structure of the technology and the effects of its implementation. Some aspects that emerged were improvements in the unit's performance linked to participative planning, care processes management, human resources management, resource management, quality control, and use of the electronic panel. The nursing team and an external assessment committee positively evaluated the technology. Its consolidation requires a maturation process, because it is a valuable and innovative resource for the performance of inpatient care units.
Key-words: Inpatient care units/ Health management/ Quality of health care/ Nursing informatics.
 

Referências

1. Mintzberg H. Criando organizações eficazes: estruturas em cinco configurações. 2ª ed. São Paulo (SP): Atlas; 2006.

2. Bohmer M. Arquitetura e planejamento na gestão da saúde. Porto Alegre (RS): Bookmann; 2012.

3. Toussaint J, Gerard RA. Uma transformação na saúde: como reduzir custos e oferecer um atendimento inovador. Porto Alegre (RS): Bookman; 2012.

4. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde, Departamento de Informática do SUS. Consulta leitos. 2013. [cited 2013 Jul 30]. Available from:http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?cnes/cnv/leiintbr.def

5. Agência Nacional de Saúde Suplementar (BR). Caderno de informação da saúde suplementar: beneficiários, operadoras e planos. Rio de Janeiro (RJ): ANS; 2013.

6. Polit DF, Beck CT. Fundamentos da pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática de enfermagem. 7ª ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2011.

7. International Organization for Standardization (ISO). IEC 12207: Systems and software engineering. Software life cycle processes; 2008.

8. Souza VD, Driessnack M, Mendes IAC. An overview of research designs relevant to nursing: Part 1: quantitative research designs. Rev Latino-Am Enferm. 2007; 15(3):502-7.

9. Harris AD, McGregor JC, Perencevich EN, Furuno JP, Zhu J, Peterson DE, et al. The use and interpretation of quasi-experimental in medical informatics. J Am Med Inform Assoc. 2006; 13(1):16-23.

10. Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução Cofen n. 293, de 21 de setembro de 2004. Fixa e estabelece parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nas unidades assistenciais das instituições de saúde. [cited 2013 Apr 01]. Available from: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-2932004_4329.html

11. Fugulin FMT, Gaidzinski RR. Dimensionamento da equipe de enfermagem em unidades de internação. In: Harada MJCS, organizadora. Gestão em enfermagem: ferramenta para prática segura. São Caetano do Sul (SP): Yendis; 2011. p. 214-22.

12. Stanton MW, Rutherford MK. Hospital nurse staffing and quality. Rockville (US): Agency for Healthcare Research and Quality; 2004.

13. Vecina Neto G. Serviços de assistência direta ao paciente: internação. In: Vecina Neto G, Malik AM. Gestão em Saúde. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2011. p. 209-26.

14. Jennings BM. Patient acuity. In: Hughes RG. Patient safety and quality: an evidence-based handbook for nurses. Rockville (US): Agency for Healthcare Research and Quality; 2008. p. 621-7.

15. Staggs VS, He J. Recent trends in hospital nurse staffing in the United States. J Nurs Adm. 2013; 43(7-8):388-93.

16. Aiken LH, Sloane DM, Bruyneel L, Heede KV, Griffiths P, Busse R, et al. Nurse staffing and education and hospital mortality in nine European countries: a retrospective observational study. Lancet. 2014 May; 383(9931):1824-30.

17. Clarke SP, Donaldson NE. Nurse staffing and patient care quality and safety. In: Hughes RG. Patient safety and quality: an evidence-based handbook for nurses. Rockville (US): Agency for Healthcare Research and Quality; 2008.

18. Blegen MA, Goode CJ, Park SH, Vaughn T, Spetz J. Baccalaureate education in nursing and patient outcomes. J Nurs Adm. 2013; 43:89-94.

19. McHugh MD, Berez J, Small DS. Hospitals with higher nurse staffing had lower odds of readmissions penalties than hospitals with lower staffing. Health Aff. 2013 Oct; 32(10):1740-7.

20. International Council of Nurses. ICHRN Policy Statement. Safe staffing levels: statement of principles [internet]. 2013 [cited 2014 Sep 10]. Available from:http://www.icn.ch/images/stories/documents/pillars/sew/ICHRN/Policy_Statements/Policy_statement_Safe_staffing_levels.pdf

21. Sherwood G, Zomorodi M. A new mindset for quality and safety: the QSEN competencies redefine nurses' roles in practice. Nephrol Nurs J. 2014 Jan-Feb; 41(1):15-22.

22. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Gestão Estratégica e Participativa no SUS - ParticipaSUS. 2ª ed. Brasília (DF): MS; 2009.

23. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4ª ed. Brasília (DF): MS; 2010.

24. Magalhães AMM, Riboldi CO, Dall'Agnol CM. Planejamento de recursos humanos de enfermagem: desafio para as lideranças. Rev Bras Enferm. 2009 Jul-Ago; 62(4):608-12.

25. Fagan MJ. Techniques to improve patient safety in hospitals: what nurse administrators need to know. J Nurs Adm. 2012 Sep; 42(9):246-30.

26. Fugulin FMT, Gaidzinski RR, Kurcgant P. Sistema de classificação de pacientes: identificação do perfil assistencial dos pacientes das unidades de internação do HU-USP. Rev Latino-Am Enfermagem. 2005 Jan-Fev; 13(1):72-8.

27. Fugulin FMT. Parâmetros oficiais para o dimensionamento de profissionais de enfermagem em instituições hospitalares: análise da resolução Cofen no. 293/04 [tese]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem da USP; 2010.

28. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Boletim Informativo sobre a segurança do paciente e qualidade assistencial em serviços de saúde. Brasília (DF): GGTES/Anvisa; 2011 [cited 2013 May 15] Available from: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/f72c20804863a1d88cc88d2bd5b3ccf0/BOLETIM+I.PDF?MOD=AJPERES

29. Hinrichsen SL. Qualidade e segurança do paciente: gestão de riscos. Rio de Janeiro (RJ): Medbook; 2012.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería