ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2016 v25n1 r251027p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Percepção dos enfermeiros de emergência na utilização de um protocolo para avaliação da dor torácica

Aline Costa Vieira,1 Kátia Cilene Godinho Bertoncello,2 Juliana Balbinot Reis Girondi,3 Eliane Regina Pereira do Nascimento,4 Karina Silveira de Almeida Hammerschmidt,5 Maria Terezinha Zeferinho6
1
Mestranda pelo Programa de Mestrado Profissional associado à residência Multidisciplinar da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Especialista em Urgência e Emergência do Hospital Universitário da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: alinevieira-spo@hotmail.com 2Doutora em Enfermagem. Professora do Programa de Mestrado Profissional associado à residência Multidisciplinar e do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: kbertoncello@yahoo.com.br 3Doutora em Enfermagem. Professora do Programa de Mestrado Profissional associado à residência Multidisciplinar e do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: juliana.balbinot@ufsc.br 4Doutora em Enfermagem. Professor do Departamento de Enfermagem e Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: eliane.nascimento@ufsc.br 5Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: karina.h@ufsc.br 6Doutora em Enfermagem. Docente do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: terezinha.zeferino@ufsc.br

Recebido: 14 de julho de 2014
Aprovado: 11 de setembro de 2015

 

 

 

 

Cómo citar este documento

Vieira, Aline Costa; Bertoncello, Kátia Cilene Godinho; Girondi, Juliana Balbinot Reis; Nascimento, Eliane Regina Pereira do; Hammerschmidt, Karina Silveira de Almeida; Zeferinho, Maria Terezinha. Percepção dos enfermeiros de emergência na utilização de um protocolo para avaliação da dor torácica. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2016, 25(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2016/251027p.php> Consultado el

 

Resumo

Estudo qualitativo, descritivo que objetivou identificar a percepção de enfermeiros do serviço de emergência de um hospital do Sul do Brasil sobre a utilização de um protocolo de enfermagem para classificar dor torácica, protocolo esse, já implementado em um hospital privado localizado na região sudeste brasileira. Contempla, entre outros, as características da dor torácica, fatores de risco e fluxogramas que conduzem a ação do enfermeiro ao classificá-la. Participaram do estudo sete enfermeiros por meio de entrevista semiestruturada, em janeiro e fevereiro de 2014. Para análise dos dados utilizou-se a análise de conteúdo. Os resultados apontam consenso entre os enfermeiros de que o protocolo prioriza o atendimento, identifica mais facilmente os fatores de risco para Infarto Agudo do Miocárdio e, também, o tipo de dor. Como considerações negativas apontam ser extenso e demorado. Para os enfermeiros, o protocolo é aplicável ao serviço, pois proporcionou respaldo em sua conduta.
Descritores: Dor torácica/ Infarto Agudo do Miocárdio/ Assistência em enfermagem/ Classificação de risco/ Protocolos.
 

Abstract
Perception of emergency nurses in using a chest pain assessment protocol

A qualitative and descriptive study aimed at identifying the perception of nurses at the emergency service of a hospital in Southern Brazil on the use of a nursing protocol for classifying chest pain, implemented at a private hospital in the Brazilian Southeast. The protocol considers, among others, the characteristics of the chest pain, risk factors and flowcharts that lead to the nursing action of classifying the risk. Seven nurses participated in the study through semi-structured interview, between January and February 2014. For the data analysis, Content Analysis was used. The results reveal a consensus among nurses that the protocol prioritizes care; identifies risk factors for acute myocardial infarction more easily and identifies the type of pain. The lengthiness and time consumption were revealed as negative considerations. For the nurses, the protocol is applicable to the service as it supported their conduct.
Descriptors: Chest pain/ Acute myocardial infarction/ Assistance in nursing/ Risk classification/ Protocols.
 

Resumen
Percepción de enfermeros de emergencia en la utilización de un protocolo de evaluación del dolor torácico

Estudio cualitativo, descriptivo que objetivó identificar la percepción de enfermeros del Servicio de Emergencias de un hospital del Sur de Brasil sobre la utilización de un protocolo de Enfermería para clasificar el dolor torácico, implementado en un hospital privado de la región sureste de Brasil. Contempla, las características del dolor torácico, factores de riesgo y flujogramas, que conducen a la acción de enfermeros para clasificar el riesgo. Participaron del estudio siete enfermeros por medio de entrevista semi-estructurada, en enerofebrero del 2014. Para el análisis de datos se utilizó el análisis de contenido. Los resultados revelan consenso entre los enfermeros de que el protocolo prioriza el atendimiento, identifica más fácilmente los factores de riesgo para el Infarto Agudo de Miocardio e identifica el tipo de dolor. Como consideraciones negativas destacan ser extenso y demorado. Para los enfermeros el protocolo es aplicable al servicio, pues proporcionó respaldo en su conducta.
Descriptores: Dolor torácico/ Infarto Agudo de Miocardio/ Asistencia en enfermería/ Clasificación de riesgo/ Protocolos.
 

Referências

1. Bassan R, Pimenta L, Leães PE, Timerman A. Sociedade Brasileira de Cardiologia. I Diretriz de dor torácica na sala de emergência. Definição de graus de recomendação e níveis de evidência. Arq Bras Cardiol. 2002; 76(supl II):1-22.

2. Cardoso SB, Lima GAF, Rocha KQ, Soares, LEBS. Perfil dos Usuários na Unidade de Dor Torácica de um Hospital Privado. Rev Interdisciplinar. Uninovafapi [online]. 2013 [acesso 2014 Abril 08]. Disponível em: file:///C:/Users/I30/Downloads/42-106-1-PB%20(1).pdf

3. Farias MM, Moreira DM. Impacto de Protocolo de Dor Torácica sobre adesão às Diretrizes Societárias: um ensaio clínico. Rev Bras Cardiol. 2012; 25(5):368-376.

4. Correia LCL, Brito M, Kalil F, Sabino M, Garcia G, Ferreira F, et al. Efetividade de um protocolo assistencial para redução do tempo porta-balão da angioplastia primária. Arq Bras Cardiol [online]. 2013 [acesso 2014 Abr 08]; 101(1):. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0066-782X2013002700006

5. Ministério da Saúde (BR). Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília (DF): MS; 2009.

6. Mackway-Jones K, editor. Emergency triage. London (UK): BMJ Publishing; 1997.

7. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2007.

8. Junior JAB, Matsuda LM. Deployment of the system user embracement with classification and risk assesment and the use flowchat analyze. Texto Contexto Enferm. 2012 Jan-Mar [acesso 2014 Abr 08]; 21(1):217-25. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072012000100025&script=sci_arttext

9. Ministério da Saúde (BR). Cartilhas da Política Nacional de Humanização. Cadernos de Textos. HumanizaSUS [online]. 2011 [acesso 2014 Fev 05] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/caderno_textos_cartilhas_politica_humanizacao.pdf

10. Fernandes JC, Silva COL, Souza SEM, Silva PR. Brasileiro ME, Armendaris, MK. Base de dados para elaboração de um instrumento para coleta de dados de enfermagem na unidade de dor torácica. In: Anais do 61º Congresso Brasileiro de Enfermagem, 2009 Dez 07-10; Fortaleza, Brasil. Fortaleza (CE): ABEn; 2009. Trabalho 1746.

11. Marques CP, Rubio LF, Oliveira MS, Leite, FMN, Machado RC. Dor torácica: atuação do enfermeiro na unidade de pronto atendimento. In: Anais do X Encontro Latino Americano de Pós-Graduação, 2010 Out 21-22; São José dos Campos, Brasil. São José dos Campos (SP): Universidade do Vale do Paraíba; 2010.

12. Morais FF, Matozinhos JP, Borges TT, Borges CM, Campos ACV. Avaliação da dor como quinto sinal vital na classificação de risco: um estudo com enfermeiros. Rev Ciênc Saúde. 2009 Jul-Dez; 2(2):73-7.

13. Oliveira FJG, Leitão IMTA, Ramo IC. Caracterização dos pacientes com Dor torácica atendidos na emergência de um hospital privado de Fortaleza-CE. Anais do 61º Congresso Brasileiro de Enfermagem, 2009 Dez 07-10; Fortaleza, Brasil. Fortaleza (CE): ABEn; 2009.

14. Higa S, Ching TT, Yenn-Jiang L, Tu-Ying L, Pi- Chang L, Jin-Long H, et al. Focal Atrial Tachycardia: new insight from noncontact mapping and catheter ablation Circulation.[online] 2004 [acesso 2014 Mar 09]. 109:84-91. Disponível em: http://worldwidescience.org/topicpages/d/da+dor+aguda.html

15. Amsterdam EA, Kirk JD, Bluemke DA, Diercks D, Farkouh ME, Garvey JL, et al.Testing of low-risk patients presenting to the emergency department with chest pain: a scientific statement from the American Heart Association. Circulation [online]. 2010 Oct 26 [acesso 2014 Jan 23]; 122(17):1756-76. 2010. Disponível em: http://circ.ahajournals.org/content/122/17/1756

16. Soares T, Souza EN, Moraes MA, Azzolin K. Tempo porta-eletrocardiograma (ECG): um indicador de eficácia no tratamento do infarto agudo do miocárdio. Rev Gaúcha Enferm. 2009 Mar; 30(1):120-6.

17. Piegas LS, editor IV Diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Tratamento do Infarto Agudo do Miocárdio com Supradesnível do Segmento ST. Arq Bras Cardiol 2009; 93(6 supl.2): e179-e264.

18. Werneck MAF, Faria HP, Campos KFC. Protocolos de cuidado à saúde e Organização do Serviço. Núcleo de Educação em Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina. Belo Horizonte (MG): UFMG, Editora Coopmed; 2009.

19. Hoffmann U, Truong QA, Schoenfeld DA,Chou ET, Woodard PK, Nagurney JT, et al. Coronary CT Angiography versus Standard Evaluation in acute chet pain.N Engl J Med. 2012 Jul 26;367(4):299-308.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería