ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2016 v25n1 r251011p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Comunicação e segurança do paciente na passagem de plantão em unidades de cuidados intensivos neonatais

Mariana Itamaro Gonçalves,1 Patrícia Kuerten Rocha,2 Jane Cristina Anders,3 Denise Miyuki Kusahara,4 Andréia Tomazoni5
1Mestre em Enfermagem. Professora Assistente do Centro Universitário Estácio de Sá. Enfermeira da Estratégia de Saúde da Família na Prefeitura Municipal de Florianópolis. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: marianaitamaro@gmail.com 2Doutora em Enfermagem. Docente do Curso de Graduação e Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: pkrochaucip@gmail.com 3Doutora em Enfermagem. Docente do Curso de Graduação e Pós-Graduação em Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: jane.anders@ufsc.br 4Doutora em Ciências. Técnico Administrativo em Educação do Departamento de Enfermagem Pediátrica da Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, Brasil. E-mail: dkusahara@unifesp.br 5Mestre em Enfermagem. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: andreiatomazoni@gmail.com

Recebido: 07 de outubro de 2014
Aprovado: 31 de agosto de 2015

 

 

 

 

Cómo citar este documento

Gonçalves, Mariana Itamaro; Rocha, Patrícia Kuerten; Anders, Jane Cristina; Kusahara, Denise Miyuki; Tomazoni, Andréia. Comunicação e segurança do paciente na passagem de plantão em unidades de cuidados intensivos neonatais. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2016, 25(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2016/251011p.php> Consultado el

 

Resumo

Estudo quantitativo, descritivo-exploratório, com objetivo de identificar fatores relacionados à segurança do paciente quanto à comunicação no processo de passagem de plantão das equipes de enfermagem. Realizado entre abril e maio de 2012, com 70 profissionais de enfermagem de três unidades de cuidados intensivos neonatais, através de instrumento validado sobre passagem de plantão. Para análise dos dados, utilizaram-se os testes Qui-Quadrado e t-Student. Os resultados demonstraram que os fatores que podem comprometer a segurança do paciente durante a passagem de plantão devido à interrupção e, assim, causando possível perda de importantes informações para a assistência segura, foram atrasos, saídas antecipadas, realização de cuidados e conversas paralelas. Os enfermeiros possuíam melhor percepção desses fatores, e profissionais com menor tempo de formação referiram mais informações relacionadas à "condição clínica do paciente", "medicações" e "cuidados gerais/procedimentos", não sendo uma condição comum a todos. Portanto, há indicativos de comunicação segura, tornando-se necessários treinamentos e protocolos específicos.
Descritores: Segurança do paciente/ Comunicação/ Equipe de enfermagem/ Unidades de terapia intensiva neonatal.
 

Abstract
Communication and patient safety in the change-of-shift nursing report in neonatal intensive care units

Quantitative descriptive-exploratory research, aiming to identify the factors related to patient safety concerning the communication on the shift change process of nursing teams. The research was conducted between April and May 2012 with 70 nursing team professionals from three Neonatal Intensive Care Units, using a validated tool about the shift change. For data analysis, Chi-Square and Student's t-tests were used. The results showed that the factors that could endanger patient safety during the shift change were delays, early departures, nursing procedures/care and side talk. The nurses had better perception of these factors when compared with nursing assistants. Professionals with shorter training reported more information related to "patients' clinical conditions", "drugs/medicines" and "nursing care/procedures". Therefore, there are pictures for safe communication, even with the incipient knowledge about patient safety and communication on shift reports, being necessary trainings and specific protocols.
Descriptors: Patient safety/ Communication/ Nursing team/ Intensive care units neonatal.
 

Resumen
La comunicación y la seguridad del paciente en el cambio de turno en las unidades de cuidados intensivos neonatales

Estudio cuantitativo, descriptivo/exploratorio, para identificar factores asociados con la seguridad del paciente en la comunicación del cambio de turno de grupos de enfermería. Realizado entre abril/mayo de 2012, con 70 profesionales del equipo de enfermería de tres unidades de cuidados intensivos neonatales, con formulario validado con informaciones del cambio de turno. Los datos se analizaron con pruebas chi-cuadrado y t de Student. Los resultados demostraron que los factores que pueden comprometer la seguridad del paciente durante el cambio de turno produjeron retrasos, salidas anticipadas, realización de cuidados y conversaciones paralelas. Los enfermeros tenían una mejor percepción de estos factores en comparación con los técnicos. Profesionales con formación inicial mencionaron más informaciones: "la condición clínica del paciente", "drogas", "cuidados generales/procedimientos." Se puede concluir que hay indicios para la comunicación segura, incluso con el conocimiento limitado de la seguridad del paciente y la comunicación en el cambio de turno, por lo que es necesaria formación y protocolos específicos.
Descriptores: Seguridad del paciente/ Comunicación/ Grupo de enfermería/ Unidades de cuidado intensivo neonatal.
 

Referências

1. Rudiger F. As teorias da comunicação. Porto Alegre (RS): Penso; 2011.

2. Mourão CML, Albuquerque AMS, Silva APS, Oliveira MS, Fernandes AFC. Comunicação em Enfermagem: uma revisão bibliográfica. Rev Rene 2009 Jun-Set; 10(3):139-45.

3. Rede Brasileira de Enfermagem e Segurança do Paciente. Estratégias para a segurança do paciente: manual para profissionais da saúde. Porto Alegre (RS): EDIPUCRS; 2013.

4. World Health Organization. World Alliance for Patient Safety. the conceptual framework for the international classification for patient safety. Final technical report and technical annexes [online]. 2009. [acesso 2012 Out 19]. Disponível em: http://www.who.int/patientsafety/implementation/taxonomy/en/

5. World Health Organization. World Alliance for Patient Safety [Internet]. 2012. [acesso 2012 Out 19]. Disponível em: http://www.who.int/patientsafety/about/programmes/en/index.html

6. Fenton W. Developing a guide to improve the quality of nurses' handover. Nurs Older People. 2006 Dec; 18(11):32-6.

7. Ministério da Saúde (BR). Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Documento de referência para o Programa Nacional de Segurança do Paciente. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2014.

8. Goldsmith D, Boomhower M, Lancaster DR, Antonelli M, Kenyon MA, Benoit A, et al. Development of a nursing handoff tool: a web-based application to enhance patient safety. AMIA Annu Symp Proc. 2010 Nov 13; 2010:256-60.

9. Welsh CA, Flanagan ME, Ebright P. Barriers and facilitators to nursing handoffs: Recommendations for redesign. Nurs Outlook. 2010 May-Jun; 58(3):148.

10. Ribeiro IC, Aguiar BG, Souza SR, Pereira GL. Medidas de prevenção e controle de infecções relacionadas à assistência à saúde nas unidades intensivas de internação neonatal e pediátrica. In: Programa de Atualização em Enfermagem: Saúde da Criança e do Adolescente (PROENF). Porto Alegre (RS): Artmed Editora; 2011. p.33-66.

11. Silva BM, Lima FRF, Farias FSAB, Campos ACS. Jornada de trabalho: fator que interfere na qualidade da assistência de enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2006; 15(3):442.

12. Marques PA, Melo ECP. O processo de trabalho em uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev Esc Enferm USP. 2011 Abr; 45(2):374-80.

13. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção a Saúde. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método Canguru. 2ª ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.

14. Conselho Federal de Enfermagem. Código de ética dos profissionais de enfermagem [online]. 2012 [acesso 2012 Out 12]. Disponível em: http://www.portalcofen.gov.br

15. Silva ÉE, Campos LF. Passagem de plantão na enfermagem: revisão da literatura. Cogitare Enferm. 2007 Out-Dez; 12(4):502-7.

16. World Health Organization (WHO). World Alliance for Patient Safety. Communication during Patient Hand-overs. Patient Safety Solutions [Internet]. 2007 [acesso 2012 Out 10]. Disponível em: http://www.who.int/patientsafety/solutions/patientsafety/PSSolution3.pdf

17. Randell R, Wilson S, Woodward P. The importance of the verbal shift handover report: A multi-site case study. Int J Med Inform. 2011; 80(11):803-12.

18. McCloughen A, O'Brien L, Gillies D, McSherry C. Nursing handover within mental health rehabilitation: An exploratory study of practice and perception. Int J Ment Health Nurs. 2008 Aug; 17(4):287-95.

19. Laws D, Amato S. Incorporating bedside reporting into change-of-shift report key practice points. Rehabil Nurs. 2010 Mar-Apr; 35(2):70-4.

20. McMurray A, Chaboyer W, Wallis M, Fetherston C. Implementing bedside handover: strategies for change management. J Clin Nurs. 2010 Sep; 19(17-18):2580-9.

21. Caruso EM. The evolution of nurse-to- nurse bedside report on a cardiology unit. Medsurg Nurs. 2007 Feb; 16(1):17-22.

22. Marques LF, Santiago LC, Felix VC. A passagem de plantão como elemento fundamental no processo de cuidar em enfermagem: o perfil da equipe de enfermagem em um hospital universitário. Rev Pesq: Cuid Fundam. 2012 Apr-Jun; 4(2):2878-82.

23. Peduzzi M, Anselmi ML. O auxiliar e o técnico de enfermagem: categorias profissionais diferentes e trabalhos equivalentes. Rev Bras Enferm. 2004 Jul- Ago; 57(4):425-9.

24. Portal KM, Magalhães AMM. Passagem de plantão: um recurso estratégico para a continuidade do cuidado em enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. 2008 Jun; 29(2):246-253.

25. Meissner A, Hasselhorn HM, Estryn-Behar M, Nézet O, Pokorski J, Gould D. Nurses' perception of shift handovers in Europe: results from the European Nurses' Early Exit Study. J Adv Nurs. 2007 Mar; 57(5):535-42.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería