ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2016 v25n1 r251008p

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Modelo de assistência pré-natal no extremo sul do país

Flávia Conceição Pohlmann,1 Nalú Pereira da Costa Kerber,2 Marlene Teda Pelzer,3 Carmem Carballo Dominguez,4 Jéssica Medeiros Minasi,5 Vanessa Franco de Carvalho6
1Mestre em Enfermagem. Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: fcpohlmann@ibest.com.br 2Doutora em Enfermagem. Docente da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Rio Grande (FURG). Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: nalu@vetorial.net 3Doutora em Enfermagem. Docente da Escola de Enfermagem da FURG. Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: pmarleneteda@yahoo.com.br 4Mestre em Enfermagem. Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: carmencdalmeida@gmail.com 5Enfermeira. Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: jessica.minasi@hotmail.com 6Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da FURG. Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: va_carvalho@yahoo.com.br

Recebido: 12 de dezembro de 2013
Aprovado:11 de julho de 2014

 

 

 

 

Cómo citar este documento

Pohlmann, Flávia Conceição; Kerber, Nalú Pereira da Costa; Pelzer, Marlene Teda; Dominguez, Carmem Carballo; Minasi, Jéssica Medeiros; Carvalho, Vanessa Franco de. Modelo de assistência pré-natal no extremo sul do país. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2016, 25(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2016/251008p.php> Consultado el

 

Resumo

Este estudo se propôs a conhecer o modelo de atenção à saúde utilizado na assistência pré-natal em unidades de Estratégia de Saúde da Família. Apresenta abordagem qualitativa e exploratória e foi realizado em três unidades de Estratégia Saúde da Família de um município do sul do Brasil. A coleta de dados foi desenvolvida por meio de entrevista individual com 10 gestantes que se encontravam no terceiro trimestre gestacional e os resultados obtidos foram submetidos à análise temática. A partir dos dados, foram elaboradas duas categorias temáticas: a perpetuação do modelo biomédico nas consultas de pré-natal e grupos de gestante como instrumento capaz de ultrapassar o modelo biomédico. Foi evidenciado que o modelo biomédico permanece sendo o mais utilizado na assistência pré-natal e a educação em saúde desenvolvida por meio dos grupos educativos é reafirmada como estratégia para ultrapassar o modelo biomédico.
Descritores: Assistência à saúde/ Cuidado pré-natal/ Educação em saúde/ Saúde da mulher/ Enfermagem.
 

Abstract
Prenatal care model in the far south of Brazil

This study's aim was to identify the health care model used in the prenatal care provided within the Family Health Strategy. This qualitative and exploratory study was conducted in three units of the Family Health Strategy in a city in southern Brazil. Data were collected through individual interviews with 10 pregnant women who were in the third trimester of pregnancy. The results were subjected to thematic analysis. Two thematic categories emerged: The perpetuation of the biomedical model in clinical and prenatal care and pregnant groups as an instrument to overcome the biomedical model. The conclusion is that the biomedical model is the most frequently occurring in prenatal care and health education developed through educational groups is confirmed as a strategy to overcome the biomedical model.
Descriptors: Delivery of health care/ Prenatal care/ Health education/ Women's health/ Nursing.
 

Resumen
Modelo de atención prenatal en el extremo sur de Brasil

Estudio tuvo como objetivo conocer el modelo de atención a la salud utilizado en el cuidado prenatal en unidades de la Estrategia Salud de la Familia. Presenta abordaje cualitativa y enfoque exploratorio y se llevó a cabo en tres unidades de la Estrategia Salud de la Familia en una ciudad del sur de Brasil. La recolección de datos se realizó a través de entrevistas individuales con 10 mujeres embarazadas que se encontraban en el tercer trimestre. Los resultados obtenidos se sometieron a análisis temático. Se elaboró dos categorías temáticas: la perpetuación del modelo biomédico en las consultas pre-natal y grupos de embarazadas como un instrumento para superar el modelo biomédico. Se ha demostrado que el modelo biomédico sigue siendo el más utilizado en la atención prenatal y la educación en salud desarrollado a través de grupos educativos se reafirma como una estrategia para superar el modelo biomédico.
Descriptores: Prestación de atención de salud/ Atención prenatal/ Educación en salud/ Salud de la mujer/ Enfermería.
 

Referências

1. Faria HP, Coelho IB, Werneck MAF, Santos MA. Modelo assistencial e atenção básica à saúde. 2ª ed. Belo Horizonte (MG): Nescon/UFMG; 2010.

2. Paim JS. Modelos de Atenção à Saúde no Brasil. In: Giovanella L, organizadora. Políticas e Sistema de Saúde no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2008 p.547-73.

3. Pegliosa FL, Ros MA. O Relatório Flexner: para o bem e para o mal. Rev Bras Educ. Med. 2008; 32(4):492-9.

4. Capra F. O modelo biomédico. In: Capra F. O ponto de mutação. São Paulo (SP): Cultrix, 2004.p.116-55.

5. Mouta RJO, Progianti JM. Estratégias de luta das enfermeiras da Maternidade Leila Diniz para implantação de um modelo humanizado de assistência ao parto. Texto Contexto Enferm [online]. 2009 [acesso 2015 jun 16] Out-Dez; 18(4):731-40. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072009000400015

6. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Redes de produção de saúde. Brasília (DF): MS; 2009.

7. Cecílio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e eqüidade na atenção em saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro (RJ): IMS, UERJ; 2001.

8. Pereira ALF, Moura MAV. Relações de hegemonia e o conflito cultural de modelos na assistência ao parto. Rev Enferm UERJ. 2008; 16(1):119-24.

9. Minayo MCS. O desafio do conhecimento-pesquisa qualitativa em saúde, São Paulo (SP): Hucitec; 2004.

10. Gomes ML, Moura MAV, Souza IEO. A prática obstétrica da enfermeira no parto institucionalizado: uma possibilidade de conhecimento emancipatório. Texto Contexto Enferm [online]. 2013 [acesso 2015 jun 13]; 22(3):763-71. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072013000300024&script=sci_arttext

11. Ayres JRCM. Organização das ações de atenção à saúde: modelos e práticas. Saúde Soc. 2009; 18(2):11-23.

12. Mendes EV. As redes de atenção à saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15(5):2297-305.

13. Gama AS, Giffin KM, Tuesta AA, Barbosa, GP, Orsi E. Representações e experiências das mulheres sobre a assistência ao parto vaginal e cesárea em maternidades públicas. Cad Saúde Pública. 2009; 25(11):2480-8.

14. Martins PC, Cotta RMM, Mendes FF, Priore SE, Franceschini SCC, Cazal MM, et al. De quem é o SUS? Sobre as representações sociais dos usuários do Programa Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2011; 16(3):1933-42.

15. Bernardes ACF, Silva RA, Coimbra LC, Alves MTSSB, Queiroz RCS, Batista RFL, et al. Inadequate prenatal care utilization and associated factors in São Luís, Brazil. BMC Pregnancy Childbirth [online]. 2014 Aug 10[acesso 2015 Jun 13]; 14:266. Disponível em: http://www.biomedcentral.com/1471-2393/14/266

16. Santo R, Penna CM. A educação em saúde como estratégia para o cuidado à gestante, puérpera e ao recém-nascido. Texto Contexto Enferm. 2009 Out-Dez; 18(4):652-60.

17. Busanello J, Lunardi Filho WD, Kerber NPC, Lunardi VL, Santos SS. Participação da mulher no processo decisório no ciclo gravídico-puerperal: revisão integrativa do cuidado de enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. 2011 Dez; 32(4):807-14.

18. Anversa ETR, Nunes LN, Dal Pizzol TS, Bastos GAN, Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2012; 28(4):789-800.

19. Diaz CMG, Hoffman IC, Costenaro RGS, Soares RS, Silva BR, Lavall, BC. Vivências educativas da equipe de saúde em unidade gineco-obstétrica. Cogitare Enferm. 2010;15(2):364-7.

20. Dowswell T, Carroli G, Duley L, Gates S, Gulmezoglu AM, Khan-Neelofur D, et al. Alternative versus standard packages of antenatal care for low-risk pregnancy. Cochrane Database Syst Rev [online]. 2010 Oct 6 [acesso 2015 jun 13]; (10):CD000934. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20927721

21. Kerber NPC, Kirchhof ALC, Cezar-Vaz MR. Atenção domiciliária e direito à saúde: uma experiência na rede pública brasileira. Acta Paul Enferm. 2010; 23(2):244-50.

22. Lathrop B. A systematic review comparing group prenatal care to traditional prenatal care. Nursing for Women's Health [online] 2013 [acesso 2015 jun 13]; 17(2):118-30. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23594324

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería