ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2016 v25n1 r251007p

 

 

 

RELATO DE EXPERIÊNCIA

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

A inserção da universidade no quadrilátero da educação permanente em saúde: relato de experiência

Carine Vendruscolo,1 Letícia de Lima Trindade,2 Ivete Maroso Krauzer,3 Marta Lenise do Prado4
1
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora do Departamento de Enfermagem da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: carine.vendruscolo@udesc.br 2Doutora em Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem da UDESC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: letrindade@hotmail.com 3Mestre em Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem da UDESC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. E-mail: ivetemaroso@hotmail.com 4Doutora em Filosofia da Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem e do Programa de Pós-Graduação da UFSC. Florianópolis, Brasil. E-mail: marta.lenise@ufsc.br

Recebido 04 de setembro de 2013
Aprovado: 06 de março de 2014

 

 

 

 

Cómo citar este documento

Vendruscolo, Carine; Trindade, Letícia de Lima; Krauzer, Ivete Maroso; Prado, Marta Lenise do. A inserção da universidade no quadrilátero da educação permanente em saúde: relato de experiência. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2016, 25(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2016/251007p.php> Consultado el

 

Resumo

A Educação Permanente em Saúde tem sido reconhecida como importante dimensão da gestão do sistema de saúde do Brasil, com o propósito garantir aos sujeitos envolvidos o apoio necessário à efetivação de seus princípios e diretrizes. Este relato se propõe a apresentar a experiência de uma universidade pública na articulação junto a uma Comissão Permanente de Integração Ensino-Serviço, por meio do envolvimento do curso de enfermagem. São claros os benefícios no que se refere a maior aproximação da academia com as demandas regionais e a possibilidade de envolver discentes e docentes de enfermagem em atividades de pesquisa e extensão. Os desafios estão relacionados à pouca adesão dos representantes dos segmentos que fazem parte da Comissão, sobretudo, do controle social. Dentre as demandas futuras sugerem-se ações voltadas à avaliação dos processos de Educação Permanente em Saúde e investimentos no desenvolvimento e consolidação dessa política em nível regional.
Descritores: Educação continuada/ Ensino/ Educação em enfermagem/ Formação de recursos humanos.
 

Abstract
The insertion of the university into the four pillars of continuous education in health: experience report

Continuous Health Education has been recognized as an important dimension of the management of the Brazilian health system, with the purpose of ensuring that the individuals involved receive the necessary support to ensure the effectiveness of its principles and guidelines. This report presents the experience of a public university participating in a Permanent Commission for Education-Service Integration through the involvement of a nursing program. Clear benefits arise from greater proximity between the university and regional demands and the ability to engage students and professors in nursing research and extension efforts. The challenges are related to poor adherence of the representatives of the segments that are part of the Commission, especially concerning social control. Among the future requirements suggested are actions that evaluate the processes of Continuous Health Education and investment in the development and consolidation of this policy at the regional level.
Descriptors: Education continuing/ Teaching/ Education nursing/ Human resources formation.
 

Resumen
La inserción de la universidad en el cuadrilátero de la educación en enfermería: relato de la experiencia

La Educación Permanente en Salud es una dimensión importante de la gestión del sistema de salud de Brasil, que objetiva asegurar a las personas involucradas, el apoyo necesario para la efectividad de sus principios. Este relato tiene como objetivo presentar la experiencia de una universidad pública en conjunto con una Comisión Permanente para la Enseñanza e Integración a través de la participación del curso de enfermería. Son claras las ventajas con respecto a la aproximación de la universidad con las demandas regionales y la capacidad de involucrar a los estudiantes y profesores de enfermería en la investigación y la extensión docente. Los desafíos están relacionados con el déficit de adherencia de los representantes de los sectores que forman parte de la Comisión, en especial de control social. Entre las futuras demandas son acciones sugeridas para la evaluación de los procesos de Educación Permanente en Salud y la inversión en el desarrollo y la consolidación de esta política a nivel regional.
Descriptores: Educación continua/ Enseñanza/ Educación en enfermería/ Formación de recursos humanos.
 

Referências

1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento da Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília (DF): MS; 2012.

2. Haddad AE, Brenelli SL, Passarella TM, Ribeiro TCV. Política Nacional de Educação na Saúde. Rev Baiana Saúde Pública. 2008 Out; 32(1):98-114.

3. Kemp A, Edler FC. A reforma médica no Brasil e nos Estados Unidos: uma comparação entre duas retóricas. Hist Cienc Saúde Manguinhos. 2004 Set-Dez; 11(3):569-85.

4. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política de Educação e Desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educação permanente em saúde - Polos de educação permanente em saúde. Brasília (DF): MS; 2004.

5. Ferraz F. Contexto e processo de desenvolvimento das Comissões Permanentes de Integração Ensino- Serviço: perspectiva dos sujeitos sociais pautada na concepção dialógica de Freire [tese]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós Graduação em Enfermagem; 2011.

6. Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS n. 1.996, de 20 de agosto de 2007. Dispõe sobre as diretrizes para a implementação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde e dá outras providências. Brasília (DF): MS; 2007.

7. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Decreto no 7.508, de 28 de junho de 2011: regulamentação da Lei n. 8.080/90. Brasília (DF): MS; 2011.

8. Ceccim RB, Feuerwerker L. O quadrilátero da formação para a área da saúde: ensino, gestão, atenção e controle social. Rev Saúde Coletiva. 2004; 14(1):41-65.

9. Ministério da Saúde (BR). Portaria GM/MS n. 399/06, de 22 de fevereiro de 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 - Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do referido Pacto. 2006. Disponível em: http://www.saude.gov.br/sgtes

10. Santa Catarina (SC). Plano Estadual de Educação Permanente em Saúde Santa Catarina 2010/2013. 2011. Disponível em: http://portalses.saude.sc.gov.br/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=407&Itemid=82 Acesso em: 28 jan. 2014

11. Ministério da Saúde (BR). Portaria n. MS/GM 95, de 26/01/01. Norma Operacional da Assistência à Saúde - NOAS-SUS 01/01 - Regionalização da assistência à saúde: aprofundando a descentralização com equidade no acesso. Brasília (DF): MS; 2001.

12. Ministério da Educação (BR). Resolução CNE/CES n. 1133 de 2001. Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Enfermagem, Medicina e Nutrição. Diário Oficial da União, Brasília (DF); 2001.

13. Kleba ME, Krauser IM, Vendruscolo C. O planejamento estratégico situacional no ensino da gestão em saúde da família. Texto Contexto Enferm. 2011 Jan-Mar; 20(1):184-93.

14. Silva LMS, Oliveira NRN, Frota MA, Fialho AVM. Pesquisa internacional em enfermagem: tendências temáticas e metodológicas. Rev Bras Enferm. 2008 Set-Out; 61(5):615-9.

15. Carneiro RG. Dilemas antropológicos de uma agenda de saúde pública: programa Rede Cegonha, pessoalidade e pluralidade. Interface Comun Saúde Educ. 2013 Jan-Mar; 17(44):49-59.

16. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica Atenção ao Pré-natal de Baixo Risco. Brasília (DF): MS; 2012.

17. Erdmann AL, Fernandes JV, Melo C, Carvalho BR, Menezes Q, Freitas R, et al. A visibilidade da profissão de enfermeiro: reconhecendo conquistas e lacunas. Rev Bras Enferm. 2009 Jul-Ago; 62(4):637-43.

18. Kleba ME. Descentralização do sistema de saúde no Brasil: limites e possibilidades de uma estratégia para o empoderamento. Chapecó (SC): Argos; 2005.

19. Merhy EE, Feuerwerker LCM, Ceccim RB. Educación Permanente en Salud: una estrategia para intervenir en la micro-política del trabajo en salud. Cien Saúde Coletiva. 2006 Mai-Ago; 2(2):147-60.

20. Lopes SRS, Piovesan ETA, Melo LO, Pereira MF. Potencialidades da educação permanente para a transformação das práticas de saúde. Cien Saúde Coletiva. 2007; 18(2):147-55.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería