ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2014 v23n4 r24263

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Cotidiano de mulheres com história de violência doméstica e aborto provocado*

Telmara Menezes Couto,1 Rosane Gonçalves Nitschke,2 Regina Lúcia Mendonça Lopes,3 Nadirlene Pereira Gomes,4 Normélia Maria Freire Diniz5
1Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto da Escola de Enfermagem da UFBA. Salvador, Bahia, Brasil. 2Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 3Doutora em Enfermagem. Professora Titular da Escola de Enfermagem da UFBA. Salvador, Bahia, Brasil. 4Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto da Escola de Enfermagem da UFBA. Salvador, Bahia, Brasil. 5Doutora em Enfermagem. Professora Associado da Escola de Enfermagem da UFBA. Salvador, Bahia, Brasil

Recebido em 29 de dezembro de 2013
Aprovação final em 08 de abril de 2014

Texto Contexto Enferm 24(1): 263-269
*
Vinculado à tese - O cotidiano e o imaginário de mulheres que provocaram aborto em um contexto da violência doméstica: contribuições para um cuidar em enfermagem e saúde, apresentada ao Programa de Pós-graduação da Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 2010

 

 

 

Cómo citar este documento

Couto, Telmara Menezes; Nitscke, Rosane Gonçalves; Lopes, Regina Lúcia Mendoça; Gomes, Nadirlene Pereira; Diniz, Normélia Maria Freire. Cotidiano de mulheres com história de violência doméstica e aborto provocado. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2015, 24(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2015/24263.php> Consultado el

 

Resumo

Trata-se de um estudo qualitativo, com base na Sociologia Compreensiva. Teve como objetivo compreender o cotidiano de mulheres com história de violência doméstica que provocaram aborto. Realizou-se entrevista em profundidade com dez mulheres que estavam internadas na maternidade por aborto provocado e declararam vivência de violência doméstica. Na sua maioria, caracterizavam-se por serem negras, com baixa escolaridade, entre 18 e 40 anos. O processo de organização e análise dos dados baseou-se nas noções da Sociologia Compreensiva e nos pressupostos teóricos da sensibilidade. O cotidiano das mulheres que provocaram aborto é marcado pela vivência de violência doméstica, quando criança e adolescente, expressa pelo abandono e rejeição, e também pela violência conjugal. A atividade sexual precoce guarda relação com a gravidez não planejada e a falta de apoio dos familiares e companheiro. Necessário se faz um olhar profissional para reconhecimento da violência doméstica como agravo à saúde das mulheres
Descritores: Aborto; Violência; Sexualidade; Atividades cotidianas

 

Resumen
Cotidiano de mujeres con historia de violencia doméstica y aborto causados

Investigación cualitativa dirigida a comprender la vida cotidiana de las mujeres con un historial de violencia doméstica que tuvo un aborto. Se realizaron entrevistas en profundidad con diez mujeres que fueron ingresados en el hospital por el aborto y reportaron haber experimentado violencia doméstica. En la mayor parte, se caracterizan por ser negras, de bajo nivel educativo y con edad entre 18 y 40 años. El proceso de organización y análisis de los datos fueron basados en las nociones de la Sociología Comprensiva y la sensibilidad teórica. La vida de las mujeres que tuvieron un aborto está marcada por la experiencia de la violencia doméstica cuando niña y adolescente, expresado por el abandono y el rechazo, y también por la violencia doméstica. La actividad sexual temprana está relacionada con el embarazo no deseado y la falta de apoyo de la familia y de la pareja. Es necesaria una visión profesional para el reconocimiento de la violencia doméstica como un problema de salud de la mujer
Descriptores: Aborto; Violencia; Sexualidad; Actividades cotidianas

 

Abstract
Everyday life of women with a history of domestic violence and abortion

This is a qualitative study based on the Comprehensive Sociology. Aimed to understand the daily life of women with a history of domestic violence who had an abortion. We conducted in-depth interviews with ten women who were admitted to the hospital for abortion and reported experiencing domestic violence. Mostly characterized by being black, low education, between 18 and 40 years. The process of organizing and analyzing the data was based on the notions of Comprehensive Sociology and theoretical sensitivity. The daily life of women who had an abortion is marked by the experience of domestic violence as a child and teenager, expressed by abandonment and rejection, and also by domestic violence. The early sexual activity is related to the unplanned pregnancy and lack of support from family and partner. It is necessary a professional look for recognition of domestic violence as a health condition of women
Descriptors: Abortion; Violence; Sexuality; Daily living activities
 

Referências

1.  Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção Humanizada ao Abortamento: norma técnica. Brasília (DF): MS; 2005

2.  Ministério da Saúde (BR). Aborto e saúde pública no Brasil: 20 anos. Brasília (DF): MS; 2009.

3.  Pereira VN, Oliveira FA, Gomes NP, Couto TM, Paixão GP. Abortamento induzido: vivência de mulheres baianas. Saúde Soc. 2012 Dez; 21(4):1056-62.

4.  Rede Saúde. Rede Nacional Feminista de Saúde e Direitos Reprodutivos. Dossiê: mortes preveníveis e evitáveis. Belo Horizonte (MG); 2005.

5.  World Health Organization (WHO) [online]. Unsafe abortion: global and regional estimates of incidence of unsafe abortion and associated mortality in 2003. 5th ed. World Health Organization. Geneva (CH). 2007 [acesso 2010 Mar 02] Disponível em: http://www.who.int/reproductivehealth/unsafe_abortion/

6.  Nitschke RG. Pensando o nosso quotidiano contemporâneo e a promoção de famílias saudáveis. Ciênc Cuid Saúde. 2007; 6(1):24-6

7.  Pérez BAG. Aborto provocado: representações sociais de mulheres [dissertação]. Salvador (BA): UFBA/Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 2006.

8.  Souza ZCSN. Aborto provocado no contexto da violência doméstica: o discurso das mulheres. [Dissertação]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia. Programa de Pós-graduação em Enfermagem; 2009

9.  Maffesoli M. A conquista do presente. Rio de Janeiro (RJ): Rocco; 1984.

10.  Maffesoli M. No fundo das aparências. Petrópolis (RJ): Vozes; 1996.

11.  Instituto Mulheres pela Atenção Integral à Saúde, Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos (IMAIS). Dossiê a realidade do aborto inseguro na Bahia: a ilegalidade da prática e seus efeitos na saúde das mulheres em Salvador e Feira de Santana. Salvador (BA): IMAIS; 2008.

12.  Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde, Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução n. 196 de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos . Brasília (DF): MS; 1996.

13.  Maffesoli M. O ritmo da vida: variações sobre o imaginário pós-moderno. Rio de Janeiro (RJ): Record; 2007.

14.  Mombelli MA, Costa JB, Marcon SS, Moura CB. Estrutura e suporte familiar como fatores de risco de stress infantil. Estudos de Psicologia. 2011 Jul-Set; 28(3):327-35

15.  Eymann A, Julio B, Julián L, Carmen C, Carlos W. Impacto da separação sobre a qualidade de vida de crianças em idade escolar. Jornal de Pediatria. 2009 Nov-Dez; 85(6):547-52.

16.  Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Linha de cuidado para a atenção integral à saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientação para gestores e profissionais de saúde. Brasília (DF): MS; 2010.

17.  Brasil. Constituição Federal de 1988. Emenda constitucional n. 65, de 13 de julho de 2010. Altera a denominação do Capítulo VII do Título VIII da Constituição Federal e modifica o seu art. 227, para cuidar dos interesses da juventude, 12 dez 2011.

18.  Secretaria de Políticas para Mulheres (BR). SPM promovendo políticas para todas as mulheres: dados estatísticos. Salvador (BA): SPM; 2009.

19.  Portugal. Violência doméstica: números em Portugal são intoleráveis. [online] 2008 [acesso 2008 Nov 05] Disponível em: http://www.mp.gov.pt/mp/pt/GabImprensa/NotíciasLusa/GC15/20031125_Violencia_Domestica.htm

20.  Dahlberg LL, Krug EG. Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 11(Suppl):1163-78.

21.  Souza ZCSN; Diniz NMF. Aborto provocado: o discurso das mulheres sobre suas relações familiares.Texto Contexto Enferm. 2011 Dez; 20(4):742-50.

22.  Maffesoli M. A parte do diabo. Rio de Janeiro (RJ): Record; 2004.

23.  Diniz NMF, Lopes RLM, Gesteira SMA, Alves SLB, Gomes NP. Violência conjugal: vivências expressas em discursos masculinos. Rev Esc Enferm USP. 2003 Jul; 37(2):81-8.

24.  Diniz NMF, Gesteira SMA, Lopes RLM, Mota RS, Pérez BA, Gomes NP. Aborto provocado e violência doméstica entre mulheres atendidas em uma maternidade pública de Salvador-BA. Rev Bras Enferm [online]. 2011 Dez [acesso 2013 Jun 19]; 64(6):1010-5. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672011000600004&lng=pt

25.  Gomes NP. Trilhando caminhos para o enfrentamento da violência conjugal [Tese]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 2009.

26.  Taquette SR, Vilhena MM, Paula MC. Doenças sexualmente transmissíveis na adolescência: estudo de fatores de risco. Rev Soc Bras Med Trop. 2004; 37(3):210-4.

27.  Teixeira SAM, Taquette SR. Violência e atividade sexual desprotegida em adolescentes menores de 15 anos. Ver. Assoc Med Bras [online]. 2010 [acesso 2013 Jun 19]; 56(4):440-6. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010442302010000400017&lng=pt

28.  Borges ALV, Schor N. Trajetórias afetivo-amorosas e perfil reprodutivo de mulheres adolescentes residentes no Município de São Paulo. Rev Bras Saude Mater Infant. 2005 Mar; 5(2):163-70

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería