ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2014 v23n4 r24238

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Unidade de Pronto Atendimento - UPA 24h: percepção da enfermagem

Saionara Nunes de Oliveira,1 Bianca Jacqueline Ramos,2 Marina Piazza,3 Marta Lenise do Prado,4 Kenya Schmidt Reibnitz,5 Adalbi Cilonei Souza6
1
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem (PEN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora Substituta do Departamento de Enfermagem da UFSC. Bolsista CNPq. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 2Enfermeira. Aluna da Residência Integrada Multiprofissional em Saúde do Hospital Universitário da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 3Enfermeira. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 4Doutora em Filosofia da Enfermagem. Professora Associado do Departamento de Enfermagem e do PEN/UFSC. Pesquisadora CNPq. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 5Doutora em Enfermagem. Professora Titular do Departamento de Enfermagem e do PEN/UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 6Mestre em Enfermagem. Enfermeiro da Secretaria Municipal de Saúde de Florianópolis. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Recebido em 05 de outubro de 2012
Aprovação final em 05 de junho de 2013

Texto Contexto Enferm 24(1): 238-244

 

 

 

Cómo citar este documento

Oliveira, Saionara Nunes de; Ramos, Bianca Jacqueline; Piazza, Marina; Prado, Marta Lenise do; Reibnitz, Kenya, Schmidt; Souza, Adalbi Cilonei. Unidade de Pronto Atendimento - UPA 24h: percepção da enfermagem. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2015, 24(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2015/24238.php> Consultado el

 

Resumo

O objetivo do estudo foi descrever a percepção da enfermagem sobre as Unidades de Pronto Atendimento. Trata-se de uma pesquisa descritiva de abordagem qualitativa. Os participantes do estudo foram 25 profissionais de enfermagem das Unidades de Pronto Atendimento de um município de Santa Catarina que, voluntariamente, aceitaram participar da pesquisa. Os dados foram coletados através de entrevistas e submetidos à proposta operativa de análise de dados qualitativos. Os resultados demonstram a compreensão dos profissionais sobre a finalidade dessas unidades, mas apontam para a forma equivocada que o serviço vem sendo utilizado pela população; fato que, somado à falta de materiais, padronização de procedimentos, recursos humanos e capacitações, dificulta o processo de trabalho. Sugere-se que a educação permanente possa ser utilizada como forma de articulação da equipe na busca por um trabalho de qualidade
Descritores: Enfermagem; Serviços médicos de emergência; Enfermagem em emergência

 

Resumen
Unidad de Cuidados de Emergencia - UPA 24h: percepción de enfermería

El objetivo de este estudio fue describir la percepción de la enfermería en las Unidades de Cuidados de Emergencia. Esta es una investigación con enfoque cualitativo, descriptivo. Los participantes del estudio fueron 25 profesionales de enfermería de las Unidades de Cuidados de Emergencia de una ciudad de Santa Catarina que voluntariamente aceptaron participar. Los datos fueron recolectados a través de entrevistas y sometidos a la propuesta de análisis operativa de los datos cualitativos. Los resultados demuestran la comprensión de los profesionales sobre el propósito de estas unidades, pero señalan el camino equivocado con que el servicio está siendo utilizado por la población, además del hecho de que la falta de materiales, normalización de los procedimientos, recursos humanos y capacitaciones, perturba el proceso de trabajo. Se sugiere que la educación continua se puede utilizar como una articulación del equipo en la búsqueda de un trabajo de calidad
Descriptores: Enfermería; Servicios médicos de emergencia; Enfermería de urgencia

 

Abstract
Emergency Care Units (UPA) 24h: the nurses' perception

This study aimed to describe the nurses' perception regarding the Emergency Care Units. It is descriptive research with a qualitative approach. The study participants were 25 nursing professionals from the Emergency Care Unit of a municipality in Santa Catarina who voluntarily accepted to participate in the study. The data were collected through interviews and were submitted to the operative proposal for analysis of qualitative data. The results show the professionals' understanding in relation to the purpose of these units, but indicate the incorrect way that this service is being used by the population; a fact that - added to the lack of materials, standardization of procedures, human resources and training - hinders the work process. It is suggested that continuing education may be used as a means for articulating the team and the search for quality work
Descriptors: Nursing; Medical emergency services; Emergency nursing
 

Referências

1.  Ministério da Saúde (BR). Portal da Saúde: Média e Alta Complexidade. [acesso 2011 Jun 26]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/sas/mac/area.cfm?id_area=828

2.  Garlet ER, Lima MADS, Santos JLG, Marques GQ. Organização do trabalho de uma equipe de saúde no atendimento ao usuário em situações de urgência e emergência. Texto Contexto Enferm [online]. 2009 Jun [acesso 2011 Jun 26]; 18(2):266-72. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072009000200009&lng=pt

3.  Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília (DF): MS; 2006.

4.  O´Dwyer G. A gestão da atenção às urgências e o protagonismo federal. Cien Saude Colet [online]. 2010 Ago [acesso 2012 Jun 20]; 15(5):2395-404. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v15n5/v15n5a14.pdf

5.  Bittencourt RJ, Hortale VA. Intervenções para solucionar a superlotação nos serviços de emergência hospitalar: uma revisão sistemática. Cad. Saúde Pública [online]. 2009 Jul [acesso 2011 Jul 26]; 25(7):1439-54. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2009000700002&lng=pt

6.  Ministério da Saúde [página na Internet]. Brasília (DF): MS; 2010 [acesso 2010 Jun 26]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/aplicacoes/noticias/default.cfm?pg=dspDetalheNoticia&id_area=124&CO_NOTICIA=11150

7.  Almeida PF, Giovanella L, Mendonça MHM, Escorel S. Desafios à coordenação dos cuidados em saúde: estratégias de integração entre níveis assistenciais em grandes centros urbanos. Cad Saúde Pública [online]. 2010 Fev [acesso 2012 Jun 20]; 26(2):286-98. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010211X2010000200008&lng=en

8.  Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 2048/GM/MS de 05 de novembro de 2002: Aprova o regulamento técnico dos sistemas estaduais de urgência e emergência. Brasília (DF): MS; 2002

9.  Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 1020/GM/MS de 13 de maio de 2009: Estabelece diretrizes para a implantação do componente pré-hospitalar fixo para a organização de redes locorregionais de atenção integral às urgências em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências. Brasília (DF): MS; 2009

10.  Ministério da Saúde (BR). Secretaria-Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS - Acolhimento com avaliação e classificação de risco: um paradigma ético-estético no fazer em saúde. Brasília (DF): MS; 2004.

11.  Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde, Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução n. 196 de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF): MS; 1996.

12.  Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo (SP): Hucitec-Abrasco; 2008.

13.  Rocha AFS. Determinantes da procura de atendimento de urgência pelos usuários nas unidades de pronto atendimento da secretaria municipal de saúde de Belo Horizonte [dissertação]. Belo Horizonte (MG): Universidade Federal de Minas Gerais, Escola de Enfermagem; 2005.

14.  Cecilio LCO. Modelos tecno-assistenciais em saúde: da pirâmide ao círculo, uma possibilidade a ser explorada. Cad Saúde Pública [online]. 1997 Jul-Set [acesso 2011 Jun 26]; 13(3):469-78. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v13n3/0171.pdf

15.  Lima JC, Rivera FJU. Redes de conversação e coordenação de ações de saúde: estudo em um serviço móvel regional de atenção às urgências. Cad Saúde Pública [online]. 2010 Fev [acesso 2012 Jun 20]; 26(2): 323-36. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2010000200011&lng=en

16.  Garlet ER, Lima MADS, Santos JLG, Marques GQ. Finalidade do trabalho em urgências e emergências. Rev Latino-Am Enferm [online]. 2009 Ago [acesso 2012 Jun 20]; 17(4):535-40. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692009000400016&lng=en

17.  Santa Catarina [página na internet]. Núcleo de educação em urgência- NEU. [acesso 2011 Jun 26]. Disponível em: http://neu.saude.sc.gov.br/index.php?option=com_frontpage&Itemid=1

18.  Guerrero GP, Beccaria LM, Trevizan MA. Procedimento operacional padrão: utilização na assistência de enfermagem em serviços hospitalares. Rev Latino-Am Enferm [online]. 2008 [acesso 2011 Jun 26]; 16(6):966-72. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692008000600005&script=sci_abstract&tlng=pt

19.  Ulbrich EM, Mantovani MF, Balduino AF, Reis BK. Protocolo de enfermagem em atendimento emergencial: subsídios para o acolhimento às vítimas. Cogitare Enferm [online]. 2010 Abr-Jun; [acesso 2011 Jun 26]; 15(2):286-92. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/cogitare/article/viewArticle/17863

20.  Coronetti A, Nascimento ERP, Barra DCC, Martins JJ. O estresse da equipe de enfermagem na Unidade de Terapia Intensiva: o enfermeiro como mediador. Arq Cat Med [online]. 2006; [acesso 2011 Jun 26]; 35(4):36-43. Disponível em: http://www.acm.org.br/revista/pdf/artigos/394.pdf

21.  Rodrigues R, Imai R, Ferreira W. Um espaço para o desenvolvimento interpessoal no trabalho. Psicol Estud [online]. 2001 Jul-Dez; [acesso 2011 Jun 26]; 6(2):123-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v6n2/v6n2a17.pdf

22.  Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Série Pactos pela Saúde 2006, v. 9. Brasília (DF): MS; 2009.

23.  Calderero ARL, Miasso AI, Corradi-Webster CM. Estresse e estratégias de enfrentamento em uma equipe de enfermagem de pronto atendimento. Rev Eletr Enf [online]. 2008; [acesso 2011 Jun 26]; 10(1):51-62. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v10/n1/v10n1a05.httm

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería