ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2014 v23n4 r24229

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Violência contra a mulher e a prática assistencial na percepção dos profissionais da saúde

Ethel Bastos da Silva,1 Stella Maris de Mello Padoin,2 Lucila Amaral Carneiro Vianna3
1Doutora em Ciências. Professora Adjunto do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. 2Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto do Departamento de Enfermagem da UFSM. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. 3Doutora em Saúde Pública. Professora Titular da Escola Paulista de Enfermagem da Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, São Paulo, Brasil

Recebido em 12 de novembro de 2013
Aprovação final em 03 de abril de 2014

Texto Contexto Enferm 24(1): 229-237

 

 

 

Cómo citar este documento

Silva, Ethel Bastos da; Padoin, Stella Maris de Mello; Vianna, Lucila Amaral Carneiro. Violência contra a mulher e a prática assistencial na percepção dos profissionais da saúde. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2015, 24(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2015/24229.php> Consultado el

 

Resumo

Buscou-se conhecer e analisar as concepções de profissionais das equipes de saúde da família em relação à violência contra a mulher e à prática assistencial, por meio da pesquisa participante, desenvolvida em uma cidade localizada na região Noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Participaram trinta profissionais, em oito reuniões, que se constituíram em um processo de reflexão e aprendizagem, nos meses de setembro a dezembro de 2012. Os dados foram analisados por conteúdo temático. Os profissionais compreendem que a violência contra a mulher existe devido à hierarquia nas relações entre homens e mulheres, que confere mais poder ao homem, situação que o legitima a praticar a violência. A prática assistencial parte de uma concepção biológica do problema com tendência à social. Os cuidados direcionam-se ao tratamento da lesão física, escuta, orientação à denúncia e encaminhamento a setores especializados de saúde e assistência social
Descritores: Violência contra a mulher; Pessoal de saúde; Saúde da família; Assistência

 

Resumen
Violencia contra la mujer y la práctica asistencial en la percepción de los profesionales de la salud

Se ha buscado conocer y analizar las concepciones de profesionales de los equipos de salud de la familia, con relación a la violencia contra la mujer y a la práctica asistencial, por medio de la Pesquisa Participante desarrollada en una ciudad ubicada en la región noroeste del Estado de Rio Grande do Sul. Participaron treinta profesionales en ocho reuniones que se constituyeron de un proceso de reflexión y aprendizaje durante los meses de septiembre a diciembre de 2012. Los datos fueron analizados por contenido temático. Los profesionales comprenden que la violencia contra la mujer existe debido a la jerarquía en las relaciones entre hombres y mujeres en que se le confiere más poder al hombre, situación que lo legitima a practicar dicha violencia. La práctica asistencial parte de una concepción biológica del problema con tendencia a la social. Los cuidados se dirigen hacia el tratamiento de la lesión física, escucha, orientación a la denuncia y encaminamiento a los sectores especializados de salud y asistencia social
Descriptores: Violencia contra la mujer; Personal de salud; Salud de la familia; Asistencia

 

Abstract
Violence against women and care practice in the perception of the health professionals

This study sought to investigate and analyze the conceptions of professionals from family health teams regarding violence against women and care practice, through participant research, undertaken in a city located in the northwest region of the state of Río Grande do Sul, Brazil. A total of 30 professionals participated, in eight meetings, involving a process of reflection and learning, held in September - December 2012. The data were analyzed using content analysis. The professionals understand that violence against women exists due to the hierarchy and the relationships between men and women, which confers more power on men, a situation which legitimates male practice of violence. The care practice is based on a biological conception of the problem, with a tendency to the social. The care is directed towards the treatment of physical injuries, listening, guidance, denunciation, and referral to specialized health departments and the social service
Descriptors: Violence against women; Health personnel; Family health; Care
 

Referências

1.  Scharaiber LB, D'Oliveira AFPL. Violência contra as mulheres: interfaces com a saúde. Interface. 1999 Ago; 3(5):11-26.

2.  World Health Organization. Global and regional estimates of violence against women: prevalence and health effects of intimate partner violence and nonpartner sexual violence. Geneva (SW): World Health Organization; 2013.

3.  Dieese. Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Anuário das Mulheres Brasileiras. São Paulo (DF): Dieese. 2011.

4.  D'Oliveira AFPL, Scharaiber LB, Hanada H, Durand J. Atenção integral à saúde de mulheres em situação de violência de gênero - uma alternativa para atenção primária. Ciênc Saúde Coletiva. 2009 Jul-Ago; 14(4):1037-50.

5.  Lettiere A, Nakano MAS, Rodrigues DT. Violência contra mulher: visibilidade do problema para um grupo de profissionais de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2008 Set; 42(3)467-73.

6.  Kiss LB, Schraiber LB. Temas médicos sociais e a intervenção em saúde: a violência contra as mulheres no discurso dos profissionais. Ciênc Saúde Coletiva. 2011 Mar; 16(3):1943-52.

7.  Joyner K, Mash BMC. A comprehensive model for intimate partner violence in South African primary care: action research. BMC Health Serv Res [online]. 2012 [acesso 2013 Out 01]; 12(399). Disponível em: http://www.biomedcentral.com/1472-6963/12/399

8.  Yeung H, Chowdhury N, Malpass A, Feder GS. Responding to Domestic Violence in General Practice: a qualitative study on perceptions and experiences. Intern J Family Medic [online]. 2012 [acesso 2013 Out 01]; 2012. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3502852/

9.  Franzoi NM, Fosneca RMGSP, Guedes RN. Violência de gênero: concepções de profissionais das equipes de saúde da família. Rev Latino-Am Enferm. 2011 Maio-Jun; 19(3):589-97.

10.  Dutra ML, Prates PL, Nakamura E, Villela WV. A configuração da rede social de mulheres em situação de violência doméstica. Ciênc Saúde Coletiva. 2013 Mai; 18(5):1293-304.

11.  Brandão CR. A pesquisa participante e a participação da pesquisa: um olhar entre tempos e espaços a partir da América Latina. In: Brandão CR; Streck DR (org.). Pesquisa Participante: o saber da partilha. 2a ed. Aparecida (SP): Idéias & Letras; 2006. p. 20-54.

12.  Le Boterf G. Pesquisa Participante: propostas e reflexões metodológicas. In: Brandão, CR (org). Repensando a Pesquisa Participante. 2a ed. São Paulo (SP): Brasiliense; 1985. p. 51-81.

13.  Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo (SP): Edições 70; 2009.

14.  Bourdieu P. A dominação masculina. 11a ed. Rio de Janeiro (RJ): Bertran Brasil; 2012.

15.  Andrade CJM, Fonseca RMGS. Considerações sobre violência doméstica, gênero e o trabalho das equipes de saúde da família. Rev Esc Enferm USP. 2008 Set; 2(3)591-5.

16.  Safiotti HIB, Gênero, patriarcado e violência. São Paulo (SP): Ed Brasil Fundação Perseu Abramo; 2004.

17.  Mengehel SN, Bairros F, Mueller B, Monteiro D, Oliveira LP, Collaziol ME. Rotas críticas de mulheres em situação de violência: depoimentos de mulheres e operadores em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011 Abr; 27(4):743-52.

18.  Schraiber LB, D' Oliveira AFPL, Portella AP, Menicucci E. Violência de gênero no campo da Saúde Coletiva: conquistas e desafios. Ciência Saúde Colet. 2009 Jul-Ago; 14(4):1019-27.

19.  Santi LN, Nakano MAS, Lettiere A. Percepção de mulheres em situação de violência sobre o suporte e apoio recebido em seu contexto social. Texto Contexto Enferm. 2010 Jul-Set; 19(3):417-24.

20.  Signorelli MC, Auad D, Pereira PPG. Violência doméstica contra mulheres e a atuação profissional na atenção primária à saúde: um estudo etnográfico em Matinhos, Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública. 2013 Jun; 29(6):1230-40.

21.  Silva LA, Cassote CA, Chaves SCL. A produção científica brasileira sobre a Estratégia Saúde da Família. Ciênc Saúde Colet. 2013 Jan; 18(1):221-32

22.  Guedes RN, Fonseca RMGS, Egry EY. Limites e possibilidades avaliativas da estratégia saúde da família para a violência de gênero. Rev Esc Enferm USP. 2013 Abr; 47(2):304-11.

23.  Hanada H, D'Oliveira AFPL, Schraiber LB. Os psicólogos na rede de assistência a mulheres em situação de violência. Rev Estud Fem. 2010 Jan- Abr; 18(1):33-59

24.  Vieira EM, Ford NJ, Ferrante FG, Almeida AM, Daltoso D, Santos MA. The response to gender violence among Brazilian health care professionals. Ciênc Saúde Coletiva. 2013 Mar; 18(3):681-90.

25.  Osis MJD, Duarte GA, Faúndes A. Violência entre usuárias de unidades de saúde: prevalência, perspectiva e conduta de gestores e profissionais. Rev Saúde Pública. 2012 Abr; 46(2)451-8

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería