ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2014 v23n4 r24146

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Cuidado com saúde: as travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul

Martha Helena Teixeira de Souza,1 Pedro Paulo Gomes Pereira2
1Doutora em Ciências. Professora do Centro Universitário Franciscano. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. 2Doutor em Antropologia. Professor de Medicina Preventiva da Universidade Federal de São Paulo. São Paulo, São Paulo, Brasil

Recebido em 26 de junho de 2013
Aprovação final em 05 de dezembro de 2013

Texto Contexto Enferm 24(1): 146-153

 

 

 

Cómo citar este documento

Souza, Martha Helena Texeira de; Pereira, Pedro Paulo Gomes. Cuidado com saúde: as travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2015, 24(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2015/24146.php> Consultado el

 

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi apresentar os cuidados com a saúde de travestis do município de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. A pesquisa de campo realizou-se no período de janeiro a novembro de 2012, com travestis de diversos municípios do Rio Grande do Sul, que residiam em Santa Maria durante a pesquisa. O estudo foi de metodologia qualitativa, por meio de investigação etnográfica. Durante o trabalho de campo, acompanhamos a trajetória de 49 travestis em busca de cuidados com a saúde. As falas foram gravadas e, logo após, transcritas para a reflexão crítica dos dados. Os resultados demonstraram que as interlocutoras evitam os serviços institucionalizados de saúde, optando por outras formas de cuidado. As travestis indicaram sua opção em frequentar as "casas de religião afro", identificando-as como espaços que, sem questionar as modificações corporais e sua orientação sexual, proporcionam formas de cuidado e proteção. Este artigo pode contribuir com as discussões sobre as várias dimensões do cuidado, tema central para enfermagem
Descritores: Serviços de saúde para pessoas transgênero; Antropologia cultural; Cuidado centrado no paciente; Religião e medicina

 

Resumen
Cuidado con la salud: travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Este trabajo tiene como objetivo general presentar el cuidado a la salud de travestis en el municipio de Santa María, región central de Rio Grande do Sul, Brasil. El trabajo de campo se llevó a cabo en el período de enero a noviembre de 2012, con travestis procedentes de municipios del Rio Grande do Sul, que vivían en Santa María en el momento del estudio. Se trata de un estudio cualitativo a través de investigación etnográfica. Los resultados mostraron que las interlocutoras evitan los servicios de salud institucionales existentes, eligiendo otras formas de atención. Las interlocutoras indicaron su preferencia para asistir a las "casas de religión africana" identificándolas como espacios que, sin cuestionar los cambios corporales y la orientación sexual, ofrecían formas de cuidado y protección. Este artículo puede contribuir con las discusiones de las diversas dimensiones de cuidado, tema central de enfermería
Descriptores: Servicios de salud para las personas transgénero; Antropología cultural; Atención dirigida al paciente; Religión y medicina

 

Abstract
Health care: the transvestites of Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brazil

The general purpose of this paper is to present the health care of transvestites from Santa Maria, central region of Rio Grande do Sul, Brazil. Field research was conducted in 2012, between January and November, with transvestites originated from different cities of this State, who were living in Santa Maria at that time. Qualitative methodology was adopted through ethnographic research. The results showed that the interlocutors avoid the institutionalized health services, choosing other forms of care. The interlocutors indicated their choice for "houses of african religion" by identifying them as places that, without questioning the bodily changes and sexual orientation, were able to afford forms of care and protection. Therefore, this article can help to provide some visibility to care transvestites looking for health
Descriptors: Health services for transgendered persons; Anthropology, cultural; Patient-centered care; Religion and medicine
 

Referências

1.  Silva H. Travesti: a invenção do feminino. Rio de Janeiro (RJ): Relume-Dumará, ISER; 1993.

2.  Kullick D. Travesti: prostituição, sexo, gênero e cultura no Brasil. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2008.

3.  Benedetti MR. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro (RJ): Garamond; 2005.

4.  Pelúcio L. Nos nervos, na carne, na pele: uma etnografia sobre prostituição travesti e o modelo de prevenção da aids [tese]. São Paulo (SP): Universidade Federal de São Carlos; 2007.

5.  Pelúcio L, Miskolci R. A prevenção do desvio: o dispositivo da aids e a repatologização das sexualidades dissidentes. Sexualidad, Salud y Sociedad Rev Latino-am. 2009; 1:125-57.

6.  Duque T. Montagens e desmontagens: vergonha, estigma e desejo na construção das travestilidades na adolescência [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade Federal de São Carlos; 2009

7.  Ornat MJ. Território descontínuo e multiterritorialidade na prostituição travesti através do Sul do Brasil. Rio de Janeiro, 2011 [tese]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2011.

8.  Tagliamento G. (In)visibilidades caleidoscópicas: a perspectiva das mulheres trans sobre seu acesso a saúde integral [tese]. São Paulo (SP): Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo; 2012.

9.  Victora C, Knauth DR. Corpo, gênero e saúde: a contribuição da antropologia. In: Strey MN, Cabeda STL, organizadores. Corpos e subjetividade em exercício interdisciplinar. Porto Alegre (RS): EdiPUCRS; 2004.

10.  Villela WV, Pereira PPG. Gênero, uma categoria útil (para orientar políticas)? Ciênc Saúde Coletiva. 2012; 17(10):2579-88.

11.  Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo (SP): Hucitec; 2000.

12.  Geertz C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro (RJ): Zahar; 1978.

13.  Magnani JG. O velho e bom caderno de campo. Rev Sexta Feira. 1997; 1:8-12.

14.  Oliveira RC. O trabalho do antropólogo: olhar, ouvir, escrever. In: Oliveira RC, organizador. O trabalho do antropólogo. 2aed. Brasília (DF): UNESP; 2006. p.17-36.

15.  Carvalho JJ. Violência e caos na experiência religiosa: a dimensão dionisíaca dos cultos afro-brasileiros. In: Moura CEM, organizador. As senhoras do pássaro da noite: escritos sobre a religião dos orixás. São Paulo (SP): EdUSP, Axis Mundi; 1994.

16.  Correa N. O batuque no Rio Grande do Sul. Porto Alegre (RS): EdUFRGS; 1992.

17.  Correa N. Panorama das religiões afro-brasileiras do Rio Grande do Sul. In: Oro AP, organizador. As religiões afro-brasileiras do Rio Grande do Sul. Porto Alegre (RS): EdUFRGS, 1994. p. 9-46.

18.  Motta R. Sacrifício, mesa, festa e transe na religião afro-brasileira. Horiz Antropol. 1995; 1(3):31-8

19.  Oro A, organizador. As religiões afro-brasileiras do Rio Grande do Sul. Porto Alegre (RS): EdUFRGS, 1994.

20.  Oro A. A desterritorialização das religiões afro-brasileiras. Horiz Antropol. 1995; 1(3):69-79.

21.  Oro A. As religiões afro-brasileiras do Rio Grande do Sul. Debates do NER. 2008; 9(13):9-23.

22.  Prandi R. As religiões afro-brasileiras e seus seguidores. Civitas 2003; 3(1):15-33.

23.  Prandi R. O Brasil com axé: candomblé e umbanda no mercado religioso. Estud Av. 2004; 18(52):223-38.

24.  Segato RL. Santos e Daimones: o politeísmo afro-brasileiro e a tradição arquetipal. 2aed. Brasília (DF): EdUnB; 2005.

25.  Luz M. Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em Saúde no fim do século XX. Physis. 2005; 15(supl):145-176.

26.  Heck RM, Kantorski LP, Borges AM, Lopes CV, Santos MC, Pinho LB. Ação dos profissionais de um centro de atenção psicossocial diante de usuários com tentativa e risco de suicídio. Texto Contexto Enferm [online]. 2012 Mar [acesso 2013 Jul 03]; 21(1):26-33. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072012000100003&lng=pt

27.  Lionço T. Atenção integral à saúde e diversidade sexual no processo transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios. Physis. 2009; 19(1):43-63.

28.  Ministério da Saúde (BR). Brasil sem homofobia: Programa de Combate à Violência e à Discriminação contra GLBT e promoção da cidadania homossexual. Brasília (DF): MS; 2004.

29.  Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais - LGBT. Brasília (DF): MS; 2008.

30.  Butler, J. Cuerpos que importan: sobre los limites materiales y discursivos del "sexo". Buenos Aires (AR): Paidós, 2005.

31.  Butler J. Vida precária. Contemporânea, 2011; 1(1):13-33.

32.  Oro, A. Religiões afro-brasileiras do Rio Grande do Sul: passado e presente. Estud Afro Asiát. 2002; 24(2):345-84.

33.  Mota CS, Trad LAB. A gente vive pra cuidar da população: estratégias de cuidado e sentidos para a saúde, doença e cura em terreiros de candomblé. Saúde Soc. 2011; 20:325-37.

34.  Vasconcelos MO. O xangô do Recife: agenciador de saúde? XIII Congresso Brasileiro de Sociologia; 2007 Maio 29-Jun 1; UFPE, Recife (PE). GT 4: O fenômeno religioso.

35.  Magnani JGC. Doença mental e cura na umbanda. Rev Brasil Ciênc Soc. 2002; 17(49):11-29.

36.  Pereira PPG. Queer nos trópicos. Contemporânea. 2012; 2(2):371-94

37.  Prandi R. Pombagira e as faces inconfessas do Brasil. In: Prandi R. Herdeiras do Axé. São Paulo (SP): Hucitec; 1996. p.139-64

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería