ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2015 v24n4 r241035

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Atendimento móvel de urgência na crise psíquica e o paradigma psicossocial*

Alexsandro Barreto Almeida,1 Eliane Regina Pereira do Nascimento,2 Jeferson Rodrigues,3 Maria Terezinha Zeferino,4 Ana Izabel Jatobá de Souza,5 Patrícia Madalena Vieira Hermida6
1
Mestre em Enfermagem. Coordenador do Curso de Enfermagem da Faculdade Juscelino Kubitschek. Brasília, Distrito Federal, Brasil. 2Doutora em Enfermagem. Professora Associado do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 3Doutor em Enfermagem. Professor Adjunto do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 4Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 5Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 6Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Recebido: 30 de outubro de 2014
Aprovado: 17 de agosto de 2015

Texto Contexto Enferm 24(4): 1035-1043

*Este artigo é parte da dissertação - Atenção pré-hospitalar ao sujeito em crise psíquica, apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em 2011

 

 

 

Cómo citar este documento

Almeida, Alexsandro Barreto; Nascimento, Eliane Regina Pereira do; Rodrigues, Jeferson; Zeferino, Maria Terezinha; Souza, Ana Izabel Jatobá de; Hermida, Patrícia Madalena Vieira. Atendimento móvel de urgência na crise psíquica e o paradigma psicossocial. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2015, 24(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2015/241035p.php> Consultado el

 

Resumo

Objetivou-se conhecer a percepção e as intervenções de equipes de suporte básico do serviço de atendimento móvel de urgência na situação da crise psíquica. Estudo de abordagem qualitativa, descritiva, realizada em Santa Catarina, com quatro equipes de unidades de suporte básico do serviço de atendimento móvel de urgência. Os dados foram coletados de abril a junho de 2011, mediante entrevista semiestruturada. Utilizou-se para a organização e análise dos dados o Discurso do Sujeito Coletivo e para a discussão, o paradigma psicossocial. Dos resultados emergiram três discursos com as Ideias Centrais: crise como alteração de comportamento e instabilidade psicológica; manifestação com presença de alucinações e agressividade; intervenção que ocorre com contenção física, medicamentosa e encaminhamento. Concluiu-se que a concepção de crise pelos profissionais está atrelada ao positivismo da psiquiatria e a atenção pré-hospitalar segue medidas protocolares no atendimento à pessoa em crise psíquica, distantes dos princípios determinados pelo paradigma psicossocial.
Palavras chave: Saúde mental/ Crise/ Psiquiatria/ Urgência. Enfermagem.

Resumen
Atendimiento móvil de urgencias en crisis psíquicas y el paradigma psicosocial

Este estudio tuvo como objetivo conocer la percepción y las intervenciones de equipos de apoyo básicos del centro de salud móvil de emergencia en el estado de crisis psíquica. Investigación cualitativa, descriptiva realizada en el estado de Santa Catarina con profesionales de cuatro equipos de Unidades de Soporte Básico del Servicio de Atención Móvil de Urgencias. Los datos fueron recolectados de abril a junio de 2011 mediante entrevista semiestructurada. Se utilizó el Discurso del Sujeto Colectivo para organizar y analizar los datos y para la discusión el Paradigma Psicosocial. De los resultados emergieron tres discursos con las ideas: crisis como alteración del comportamiento e inestabilidad psicológica; se manifiesta con alucinaciones y agresividad; la intervención surge con contención física, medicamentosa e interconsultas. Se concluye que la concepción de la crisis por los profesionales está ligada al positivismo de la psiquiatría y la atención pre-hospitalaria sigue medidas protocolares en el atendimiento a la persona en crisis psíquica, distante de los principios determinados por el paradigma psicosocial.
Palabras clave: Salud mental/ Crisis/ Psiquiatría/ Urgencias/ Enfermería.

Abstract
Mobile emergency medical services in the psychological crisis and the psychosocial paradigm

The objective was to know the perception and interventions of basic support teams of the mobile emergency medical service in a situation of psychic crisis. This was a qualitative and descriptive research study conducted in the state of Santa Catarina, with four professional teams of the Basic Support Units in Mobile and Emergency Service. The data were collected from April to June of 2011, through semi-structured interviews. Collective Subject Discourse was used to organize and analyze data and to discuss the Psychosocial Paradigm. From the results, three discourses emerged with the main ideas: crisis behavior disorder and psychological instability; hallucinations and aggressiveness; intervention with physical or pharmacological restraint and referral. It is concluded that the concept of crisis is linked by professionals to the positivism of psychiatry, and pre-hospital care follows protocol measures in attending the person in mental crisis, far from the principles determined by the psychosocial paradigm.
Key-words: Mental health/ Crisis/ Psychiatry/ Emergency/ Nursing.
 

Bibliografía

1. Brasil. Portaria n. 2048/GM, 05 de novembro de 2002: dispõe sobre o funcionamento dos serviços de urgência e emergência. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2002.

2. Brasil. Portaria n. 1864/GM de 29 de setembro de 2003. Institui a Política Nacional de Atenção às Urgências, a ser implantada em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2003.

3. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM n. 1451/95 [online]. Diário Oficial da União, 17 março de 1995 [acesso 2014 Jun 06]. Seção I, p.3666. Disponível em Link: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/1995/1451_1995.htm

4. Martins MCV, Gois SVT, Barbosa LV, Correa CRG, Guedes SAG. Perfil dos atendimentos psiquiátricos realizados pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência, Aracaju, janeiro/2010 a fevereiro/2011. Interfaces Científ Saúde Ambiente. 2012; 1:31-9.

5. Pacheco A, Burusco S, Senosiáin MV. Prevalence of processes and pathologies dealt with by the prehospital emergency medical services in Spain. An Sist Sanit Navar. 2010; 33 (Suppl 1):37-46.

6. Silva NC, Nogueira LT. Avaliação de indicadores operacionais obtidos por um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. Cogitare Enferm. 2012; 17(3):471-7.

7. Marques GQ, Lima MADS, Ciconet RM. Conditions treated in the Mobile Medical Emergency Services in Porto Alegre - RS. Acta Paul Enferm. 2012; 24(2):185-91.

8. Santos ACT, Nascimento YCML, Lucena TS, Rodrigues PMS, Brêda MZ, Santos FG. Serviço de Atendimento Móvel de Urgência às urgências e emergências psiquiátricas. Rev enferm UFPE [on line]. 2014 Jun [acesso 2014 Set 28]; 8(6):1586-96. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/5946/pdf_5254

9. Jardim KFSB. O serviço ambulatorial móvel de urgência (SAMU) no contexto da reforma psiquiátrica: em análise a experiência de Aracaju/SE [dissertação]. Aracaju: Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

10. Bonfada D, Guimarães J. Serviço de atendimento móvel de urgência e as urgências psiquiátricas. Psicol Estud. 2012 Abr-Jun; 17(2):227-236.

11. Almeida AB, Nascimento ERP, Rodrigues J, Schweitzer G. Intervenção nas situações de crise psíquica: dificuldades e sugestões de uma equipe de atenção pré-hospitalar. Rev Bras Enferm. 2014 Set-Out; 67(5):708-14.

12. Lefévre F, Lefévre AMC. Pesquisa de representação social: um enfoque quali-quantitativo: a metodologia do Discurso do Sujeito Coletivo. 2ª ed. Brasília (DF): Liber Livro; 2012.

13. Pereira EC, Costa-Rosa A. Problematizando a reforma psiquiátrica na atualidade: a saúde mental como campo da práxis. Saude Soc. 2012; 21(4):1035-43.

14. Amarante PDC. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. 5ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2010.

15. Ferigato SH, Campos RTO, Ballarin MLGS. Atendimento à crise em saúde mental: ampliando conceitos. Rev Psicol UNESP. 2007; 6(1):31-44.

16. Caplan G. Princípios de psiquiatria preventiva. Rio de Janeiro: Zahar editores; 1980.

17. Silva ATM, Souza JS, Silva CC, Nóbrega MML, Oliveira Filha M, Barros S, et al. Education of nurses in the perspective of the psychiatric reform. Rev Bras Enferm. 2004 Nov-Dez; 57(6):675-8.

18. Waidman MAP, Costa B, Paiano M. Community Health Agents' perceptions and practice in mental health. Rev Esc Enferm USP [online]. 2012 Oct [acess 2012 Feb 27]; 46(5):1170-7. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n5/en_19.pdf

19. Campos GWS, Amaral MA. A clínica ampliada e compartilhada, a gestão democrática e redes de atenção como referenciais teórico-operacionais para a reforma do hospital. Ciênc Saúde Coletiva. 2007 Jul-Ago; 12(4):849-59.

20. Foucault M. O poder psiquiátrico: curso dado no Collège de France (1973-1974). São Paulo: Martins Fontes; 2006.

21. Nicácio F, Campos GWS. A complexidade da atenção às situações de crise: contribuições da desinstitucionalizaçao para a invenção de práticas inovadora em saúde mental. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2004 Mai-Ago; 15(2):71-81.

22. Jardim K, Dimenstein M. Risco e crise: pensando os pilares da urgência psiquiátrica. Psicol Rev. 2007 Jun; 13(1):169-90.

23. Costa MS. Construções em torno da crise. Saberes e práticas na atenção em saúde mental e produção de subjetividades. Arq Bras Psicol [online]. 2007 Jun [acesso 2010 Jun 20]; 59(1):94-108. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1809-52672007000100010&script=sci_arttext.

24. Häfner H, Rössler W, Haas S. Psychiatric emergency care and crisis intervention: concepts, experiences and results. Psychiatr Prax, 1986 Nov; 13(6):203-12.

25. Dell'acqua G, Mezzina R. Resposta à crise: estratégia e intencionalidade da intervenção no serviço psiquiátrico territorial. In: Amarante P, organizador. Arquivos de saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Nau; 2005. p.161-194.

26. Allison M, Kairi K, Keili K, Beverley G, Diego DL. Treatment priority for suicide ideation and behaviours at an Australian emergency department. World J Psychiatry [online]. 2013 Jun [acess 2015 Jun 08]; 3(2):34-40. Available from: www.wjgnet.com/2220-3206/pdf/v3/i2/34.pdf

27. Rodrigues J, Santos SMA, Spricigo JS, Pinho, LB. Uso da criatividade e da tecnologia no ensino da crise em enfermagem psiquiátrica e saúde mental. SMAD. 2010; 6(1):10.

28. Tavares, CMM. A educação permanente da equipe de enfermagem para o cuidado nos serviços de saúde mental. Texto Contexto Enferm. 2006; 15(2):287-95.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería