ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2015 v24n4 r240993

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Funcionalidade familiar da pessoa com lesão medular

Kamila Santos Trierveiler,1 Flavia Regina de Souza Ramos,2 Soraia Dornelles Schoeller,3 Giovani Cavalheiro Nogueira,4 Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva Martins,5 Dulcinéia Ghizoni Schneider6
1
Enfermeira. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 2Doutora em Filosofia em Saúde e Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem e da Pós-graduação em Enfermagem (PEN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 3Doutora em Filosofia em Saúde e Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem e do PEN/UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 4Mestre em enfermagem. Professor do Instituto Federal de Educação. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. 5Doutora em Ciências da Enfermagem. Professora Coordenadora na Escola Superior de Enfermagem do Porto. Porto, Portugal. 6Doutora em Filosofia em Saúde e Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem da UFSC. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil

Recebido: 28 de novembro de 2014
Aprovado: 11 de setembro de 2015

Texto Contexto Enferm 24(4): 993-1002

 

 

 

Cómo citar este documento

Trierveiler, Kamila Santos; Ramos, Flavia Regina de Souza; Schoeller, Soraia Dornelles; Nogueira, Giovani Cavalheiro; Martins, Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva; Schneider, Dulcinéia Ghizoni. Funcionalidade familiar da pessoa com lesão medular. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2015, 24(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2015/240993p.php> Consultado el

 

Resumo

A lesão medular resulta em limitações sensitivas e motoras e tornam a pessoa dependente de seus familiares, interferindo em sua autonomia e independência. Estudo transversal, quantitativo com o objetivo de identificar a coesão, adaptabilidade, flexibilidade e funcionalidade familiar da pessoa com lesão medular em três municípios da Grande Florianópolis, utilizando-se as escalas de APGAR familiar e de Olson. Constituiu-se amostra com 45 pessoas, pertencentes ao grupo etário de 14 a 82 anos, sendo 64,5% do sexo masculino e 35,5% feminino; 67,7% dos cuidadores são do sexo feminino e, destes, 32,2% são as mães. Apesar das dificuldades enfrentadas com a lesão, a maioria das famílias apresentou boa funcionalidade (61,4%), com 16,1% de disfunção severa e 22,5% leve, além de tipificação equilibrada quanto à coesão e a flexibilidade, que não puderam ser relacionados à presença de baixa satisfação e comunicação. Os instrumentos selecionados, aplicados de forma conjunta, mostraram-se adequados.
Palavras chave: Medula espinhal/ Relações familiars/ Enfermagem familiar.

Resumen
Funcionalidad familiar de las personas con lesión de la médula espinal

La lesión de la medula espinal resulta en limitaciones sensitivas y motoras, y tornan la persona dependiente de sus familiares, lo que interfiere con su autonomía e independencia. Estudio cuantitativo transversal con el objetivo de identificar a la cohesión, adaptabilidad, flexibilidad y funcionalidad familiar de las personas con lesión de la médula espinal en tres ciudades de Grande Florianópolis, utilizando las escalas de APGAR familiar y Olson. La muestra es constituida por 45 personas pertenecientes al grupo de edad de 14-82 años, el 64,5% hombres y 35,5% mujeres; 67,7% de los cuidadores son mujeres y, de éstos, el 32,2% son madres. A pesar de las dificultades con la lesión, la mayoría de las familias mostraron una buena funcionalidad (61,4%), con un 16,1% la disfunción severa y 22,5% leve, y escribiendo en equilibrio sobre la cohesión y flexibilidad, que no lo hace Ellos podrían estar relacionados con la presencia de una baja satisfacción y la comunicación. Las herramientas seleccionadas aplicadas en forma conjunta, han demostrado ser adecuado.
Palabras clave: Medula espinal/ Relaciones familiares/ Enfermería de la familia.

Abstract
Family functioning of people with spinal cord injury

Spinal cord injury results in sensory and motor limitations and makes people dependent on their families, interfering with their autonomy and independence. This was a cross-sectional, quantitative study conducted to identify cohesion, adaptability, flexibility and family functioning of people with spinal cord injury in three cities of Florianópolis, using the family APGAR and Olson scales. The sample consisted of 45 people belonging to the age group of 14-82 years, 64.5% male and 35.5% female; 67.7% with female caregivers and, of these, 32.2% were mothers. Despite the difficulties encountered with the injury, most families showed good functioning (61.4%) with 16.1% to 22.5% severe and mild dysfunction, with balanced cohesion and flexibility, which were not related to the presence of low satisfaction and communication. The selected tools, applied together, proved suitable.
Key-words: Spinal cord/ Family relations/ Family nursing.

Bibliografía

1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com lesão medular [Internet]. Brasília (DF): MS, 2013. [acesso 2013 nov 21]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_atencao_pessoa_lesao_medular.pdf

2. Brasil. Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde, institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 25 Out 1989.

3. Organização Mundial da Saúde. Health topics. Disabilities [Internet]. [acesso 2013 nov 22]. Disponível em: http://www.who.int/topics/disabilities/en/

4. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [Internet]. Censo Demográfico 2010. Estados. Santa Catarina. [acesso 2014 jun 24]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/estadosat/perfil.php?sigla=sc

5. Rede Sara de Hospitais de Reabilitação [online]. Lesão Medular. [acesso 2013 dez 1]. Disponível em: http://www.sarah.br/Cvisual/Sarah/AADoencas/po/p_08_lesao_medular.html

6. Vasconcelos ECLM, Riberto M. Caracterização clínica e das situações de fratura da coluna vertebral no município de ribeirão preto, propostas para um programa de prevenção do trauma raquimedular. Coluna/Columna [Internet]. 2011, 10(1):4043. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1808-18512011000100007

7. Ferreira M, Marina Prista GM. Adaptação à lesão vertebro-medular. Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde. Psicol Saúde Doenças [Internet]. 2014 [acesso 2014 jan 17]; 15(2):380-95. Disponível em: http://dx.doi.org/10.15309/14psd150205

8. Schoeller SD, Bitencourt RN, Leopardi MT, Pires DP, Zanini MTB. Mudanças na vida das pessoas com lesão medular adquirida.Rev Eletr Enferm. [Internet]. 2012 [acesso 2013 nov 24]; 14(1): 95-103. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v14/n1/pdf/v14n1a11.pdf

9. Silva DGV, Treintini M, Meirelles BHS, Bonetti A, Souza SS, Dornelles S. Estresse e enfrentamento de pessoas em condição crônica. Programa de Atualização, 2011. 6: 35-70.

10. Henriques F. Paraplegia: percursos de adaptação e qualidade de vida. Coimbra (PT): Formasau - Formação e Saúde, Lda; 2004.

11. Lemos ND. O papel da família no tratamento do paciente com AVC: a intervenção do serviço social. In: Gazzola JM, Bofi TC, Carvalho AC. Pós acidente vascular cerebral: orientação domiciliária. São Paulo: Livraria Santos Editora; 2007. p. 27-31.

12. Martínez-Pamplegia A, Iraugi I, Galíndez E, Sanz M. Family Adaptability and Cohesion Evaluation Scales (FACES): desarrollo de la una versión de 20 ítems em español. Inter J Clinic Health Psychol [Internet]. 2006 [acesso 2014 jun 14]. 6(2):317-38. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=33760207

13. Pedreira LC, Oliveira AMS. Cuidadores de idosos dependentes no domicílio: mudanças nas relações familiares. Rev Bras Enferm [Internet]. 2012 [acesso 2014 jan 17]; 65(5):1-10. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672012000500003

14. Barbetta PA. Estatística aplicada às ciências sociais. Florianópolis (SC): Ed. UFSC; 2007. 7: 315.

15. Andrade AINPA, Martins RML. Funcionalidade familiar e qualidade de vida dos idosos. Milenium [Internet]. 2011 [acesso 2013 dez 1]; 40:185-99. Disponivel em: http://www.ipv.pt/millenium/Millenium40/13.pdf

16. Olson DH, Gorall DM. FACES IV & the Circumplex Model. 2006. [acesso 2014 jan 17]. Disponível em: http://www.zvitoren.com/files/FACESIVtheCircumplexModel-DOLSON2006.pdf

17. Rua MAGA. Qualidade de vida do doente após acidente vascular cerebral [dissertação]. Viseu (PT): Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu; 2012 [acesso 2013 dez 1] Disponível em:http://repositorio.ipv.pt/handle/10400.19/1659

18. Ball DC, Tornaría MJG, Masjuan N, Trápaga MA, Arca DD, Scafarelli L, et al. Escala de Evaluación del Funcionamiento Familiar - FACES IV: Proceso de adaptación a Montevideo, Uruguay. Ciênc Psicol [Internet]. 2009 [acesso 2014 mar 24]: 3(1). Disponível em: http://www.scielo.edu.uy/scielo.php?-pid=S1688-42212009000100005&script=sci_arttext

19. Rodrigues AV, Vidal WAS, Lemes JA, Gôngora CS, Neves TC, Santos SMS, et.al. Estudo sobre as características da dor em pacientes com lesão medular. Acta Fisiátrica [Internet]. 2012 Set. [acesso 2014 jun 14]. 19:3. Disponível em: http://www.actafisiatrica.org.br/detalhe_artigo.asp?id=473

20. Silva GA, Schoeller SD, Gelbcke FL, Carvalho ZMF, Silva EMPJ. Avaliação funcional de pessoas com lesão medular: utilização da escala de independência funcional - MIF. Texto Contexto Enferm [Internet]. 2012 [acesso 2014 junho 14]. 4(21):929-36. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n4/25.pdf

21. Venturini DA, Decesaro MN, Marcon SS. Conhecendo a história e as condições de vida de indivíduos com lesão medular. Rev Gaúcha Enferm [Internet]. 2006. [acesso 2014 jun 14]. 2(27):219-29. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4600/2520

22. Santos AA, Pavarini SCI. Funcionalidade familiar de idosos com alterações cognitivas: a percepção do cuidador. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2012. [acesso 2014 jun 14]. 46(5):1141-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n5/15.pdf

23. Gonçalves LHT, Nassar SM, Daussy MFS, Santos SMA, Alvarez AM. O convívio familiar do idoso na quarta idade e seu cuidador. Ciência Cuidado Saúde [Internet]. 2011 [acesso 2014 jun 14]; 10(4):746-54. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/18319.pdf

24. Santos AL, Cecílio HPM, Teston EF, Marcon SS Conhecendo a funcionalidade familiar sob a ótica do doente crônico. Texto Contexto Enferm [Internet], 2012. [acesso 2014 mai 24]. 21(4):879-86. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n4/19.pdf

25. Torres GV, Reis LA, Reis LA, Fernandes MH. Qualidade de vida e fatores associados em idosos dependentes em uma cidade do interior do Nordeste. J Bras Psiquiatr [Internet] 2009. [acesso 2014 junho 08]. 58(1): 39-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v58n1/a06v58n1.pdf

26. Oliveira C, Araújo B, Rodrigues V. Famílias de crianças com doença crónica: percepção de coesão familiar. In: Carvalho JC, editor. Transferibilidade do conhecimento em enfermagem de família. Porto (PT): ESEP; 2012. p.147-51.

27. Machado WCA, Scramin AP. (In)dependência funcional na dependente relação de homens tetraplégicos com seus (in)substituíveis pais/ cuidadores. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2010. [acesso 2014 mai 24]. 44(1):53-60. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n1/a08v44n1.pdf

28. Machado MME. Aliança parental, Coesão e Adaptabilidade familiar ao longo do ciclo vital da família [dissertação]. Lisboa (PT): Universidade de Lisboa; 2008.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería