ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2015 v24n4 r240976

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Atuação em rede no atendimento ao adolescente vítima de violência: desafios e possibilidades*

Cláudia Fabiane Gomes Gonçalves,1 Lygia Maria Pereira da Silva,2 Ana Carolina Rodarti Pitangui,3 Cintia Cibele da Silva,4 Marcela Virgínia de Santana5
1
Mestre em Hebiatria. Recife, Pernambuco, Brasil. 2Doutora em Enfermagem. Professora da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças e do Programa de Pós-Graduação em Hebiatria da UPE. Recife, Pernambuco, Brasil. 3Doutora em Ciências. Professora do Curso de Fisioterapia e do Programa de Pós-Graduação em Hebiatria da UPE. Recife, Pernambuco, Brasil. 4Graduanda em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças, UPE. Recife, Pernambuco, Brasil. 5Graduanda em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças, UPE. Recife, Pernambuco, Brasil

Recebido: 04 de fevereiro de 2015
Aprovado: 17 de agosto de 2015

Texto Contexto Enferm 24(4): 976-983

*Artigo extraído da dissertação - Atendimento em rede aos adolescentes em situação de violência: o olhar dos profissionais da saúde, apresentada ao Programa de Pós-Graduação de Hebiatria da Universidade de Pernambuco (UPE), em 2014

 

 

 

Cómo citar este documento

Gonçalves, Cláudia Fabiane Gomes; Silva, Lygia Maria Pereira da; Pitangui, Ana Carolina Rodarti; Silva, Cintia Cibele da; Santana, Marcela Virgínia de. Atuação em rede no atendimento ao adolescente vítima de violência: desafios e possibilidades. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2015, 24(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2015/240976p.php> Consultado el

 

Resumo

O objetivo deste estudo foi investigar a percepção de gerentes de serviços de saúde sobre a atuação em rede para o atendimento aos adolescentes vítimas de violência. Estudo descritivo, exploratório, com abordagem qualitativa, realizado de maio a julho de 2013. Os sujeitos foram 15 gerentes de serviços de um hospital de referência para atendimento aos casos de violência, no Estado de Pernambuco, Brasil. Os dados foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, explorados com base na Análise de Conteúdo. Os resultados indicaram que o serviço social exerce um papel agregador e articulador requerido pela atuação em rede. A rede de atendimento é valorizada, mas considerada insuficiente em ações, com falta de normatização da assistência e do fluxo de atendimento. Conclui-se que os sujeitos demonstram percepção positiva do papel do serviço estudado, mas apontam carência de normas técnicas específicas no setor da saúde voltadas a uma atenção de qualidade para adolescentes.
Palavras chave: Adolescente/ Violência/ Rede social/ Serviços de saúde/ Proteção.

Resumen
Actuación en red en el atendimiento al adolecente víctima de violencia: desafíos y posibilidades

Objetiva investigar la percepción de los jefes de servicios de salud respecto a la actuación en red para el atendimiento a adolecentes víctimas de violencia. Estudio descriptivo, exploratorio, con enfoque cualitativo. El objeto del estudio fueron 15 jefes de servicios de salud en Pernambuco, Brazil. Los datos fueron recopilados por intermedio de entrevistas no estructuradas, explorados con base en el Análisis de Contenido. Los resultados indican que el servicio social ejerce una función de agregar y articular requerida por el servicio en red. La red de atendimiento es valorada, sin embargo es considerada insuficiente respecto a acciones, con falta de regularización del socorro y del atendimiento. Se concluye que el objeto en estudio demuestra percepción positiva de la función del servicio estudiado, aunque apunta carencia de normas técnicas específicas en el área de la salud dirigidas a un atendimiento de calidad para adolecentes.
Palabras clave: Adolecente/ Violencia/ Red social/ Servicios de salud/ Protección.

Abstract
Network action for the care of adolescent victims of violence: challenges and possibilities

The aim of the present study was to investigate the perception of health care service managers about the network action for the care of adolescent victims of violence. A qualitative, exploratory, descriptive study conducted from May to July of 2013. The subjects were 15 managers of a hospital that is a referral center for cases of violence in the Brazilian State of Pernambuco. Data were collected through semi-structured interviews and explored using content analysis. The results indicate that social work plays an aggregating and interconnecting role as required by the network action. The health care network is appreciated, but regarded as providing insufficient actions, with lack of standardization of care and service flow. We conclude that the subjects show a positive perception of the role of the studied service, but they point out a lack of specific technical standards in the health care sector aimed at high quality care for adolescents.
Key-words: Adolescent. Violence. Social networking. Health services. Protection.
 

Bibliografía

1. Krug EG, Dahlberg LL, Mercy JA, Zwi AB, Lozano R, editores. Relatório mundial sobre violência e saúde [online]. Genebra (CH): World Health Organization; 2002 [acesso 2013 Jun 19]. Disponível em: http://www.opas.org.br/cedoc/hpp/ml03/0329.pdf

2. Brasil. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990: dispõe sobre Estatuto da Criança e do Adolescente [online]. Brasília (DF): Senado; 2008 [acesso 2013 Feb 18]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm

3. Cocco M, Silva EB, Hahn AC, Poll AS. Violência contra crianças e adolescentes: estratégias de cuidado adotadas por profissionais de saúde. Ciênc Cuid Saúde 2010; 9(2):292-300.

4. Gomes AVO, Gomes AVO, Antunes JCP, Silva LR, Nascimento, MAL, Silva MDBS. A criança vítima de violência doméstica: limites e desafios para a prática de enfermagem. Rev Pesqui Cuid Fundam (Online) [online]. 2010 [acesso 2013 Abr 11]; 2(2):902-12. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/index.

5. World Health Oganization. World Report on violence and Health [online]. Geneva (CH): World Health Organization 2002 [acesso 2004 ago 13]. Disponível em: http://www5.who.int/violence_injury_prevention/download.cfm?id=0000000582

6. Souza MKB, Santana JSS. Atenção ao adolescente vítima de violência: participação de gestores municipais de saúde. Ciênc Saúde Coletiva [online] 2009 [acesso 2013 ago 25]; 14(2):547-55. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232009000200023&script=sci_arttext

7. Ministério da Saúde (BR). Banco de dados do Sistema Único de Saúde [online]. Brasília (DF); 2012 [acesso 2012 out 23]. Disponível em: http://www.datasus.gov.br

8. Silva LMP, Ferriani MGC, Silva MAI. O poder judiciário como última instância de proteção às crianças e aos adolescentes: ações intersetoriais, investimento em recursos humanos e estruturação dos serviços. Rev Latino-Am Enferm [online] 2012 [acesso 2013 mar 10]; 20(3):444-52. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n3/pt_a04v20n3.pdf

9. Franzin LCS, Olandovski MO, Vettorazzi MT, Werneck RI, Moysés SJ, Kumas SZ, Moysés ST. Child and adolescent abuse and neglect in the city of Curitiba, Brazil. Child Abuse Negl [online] 2014 [acesso 2015 jun. 24]; 38(10):1706-14. Disponível em: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0145213414000428

10. Costa MCO, Brigas M. Mecanismos pessoais e coletivos de proteção e promoção da qualidade de vida para a infância e adolescência. Ciênc Saúde Coletiva 2007; 12(5):1101-9.

11. Rosa EM, Lira MOSC. Intrafamiliar violence against children and adolescents: support and overcoming network. J Hum Growth Dev. 2012; 22(2):246-52.

12. Silva LMP. A prevenção da violência sexual intrafamiliar contra crianças e adolescentes, sob a ótica dos membros do Poder Judiciário [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

13. Holanda VR, Holanda ER, Souza MA. O enfrentamento da violência na estratégia saúde da família: uma proposta de intervenção. Revista RENE 2013; 14(1):209-17.

14. Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 737, de 16 de maio de 2001: institui a Política Nacional de redução da morbimortalidade por acidentes e violências. Brasília (DF): MS; 2001.

15. Ude W. Enfrentamento da violência sexual infantojuvenil e construção de redes sociais: produção de indicadores e possibilidades de intervenção. In: Cunha EP, Silva EM, Giovanetti MAGC organizador. Enfrentamento à violência sexual infanto-juvenil: expansão do PAIR em Minas Gerais. Belo Horizonte (BH): UFMG; 2008. p. 30-61.

16. Guerra, IC. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo sentidos e formas de uso. São João do Estoril (PT): Princípia; 2006.

17. Melo LAC, Souza LF, Alves RMPS. Avaliação do "Programa de Atuação do Serviço Social do Hospital da Restauração no Atendimento as Crianças e Adolescentes Vítimas de Violência". In: Anais do I Seminário Internacional de Modelos e Experiências de Avaliação de Políticas, Programas e Projetos [online]; 2010. Recife (PE): UFPE; 2010 [acesso 2013 Fev 18]. p. 223-30. Disponível em: http://www.arcus-ufpe.com/files/semeap10/semeap1024.pdf

18. Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo (SP): Atlas; 2006.

19. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo: Hucitec; 2007.

20. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa (PT): Edições 70; 2002.

21. Silva LMP, Ferriani MGC, Silva MAI. Atuação da enfermagem frente à violência sexual contra crianças e adolescentes. Rev Bras Enferm 2011; 64(5):919-24.

22. Aragão AS, Ferriani MGC, Vendruscollo TS, Souza SL, Gomes R. Abordagem dos casos de violência à criança pela enfermagem, na atenção básica. Rev Latino-Am Enferm [online] 2013 [acesso 2013 Jul 20]; 21(esp.):172-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21nspe/pt_22.pdf.

23. Budó MLD, Schimith MD, Silva DC, Silva SO. Percepções sobre a violência no cenário de uma unidade de saúde da família. Cogitare Enferm. 2012; 17(1):21-8.

24. Ministério da Saúde (BR). Linha de cuidado para a atenção integral a saúde de crianças, adolescentes e suas famílias em situação de violências: orientações para gestores e profissionais de saúde. Brasília (DF): MS; 2010.

25. Silva SF. Organização de redes regionalizadas e integradas de atenção à saúde: desafios do sistema único de saúde (Brasil). Cad Saúde Coletiva 2011;16(6):2753-62.

26. Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (BR). Manual para atendimento às vítimas de violência na Rede de Saúde Pública do Distrito Federal. 2ª ed. Brasília (DF): Secretaria de Estado de Saúde; 2009.

27. Pelisoli C, Pires JPM, Almeida ME. Violência sexual contra crianças e adolescentes: dados de um serviço de referência. Temas Psicol. 2010;18(1):85-97.

28. Deslandes SF, Souza ER, Minayo MCS, Costa CRBSF, Krempe M, Cavalcanti ML et al. Caracterização diagnóstica dos serviços que atendem vítimas de acidentes e violências em 5 capitais brasileiras. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 11(Sup):1279-90.

29. Ministério da Saúde (BR). Diretrizes Nacionais para a Atenção Integral à Saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde. Brasília (DF): MS, 2010.

30. Faraj SP, Siqueira AC. O atendimento e a rede de proteção da criança e do adolescente vítima de violência sexual na perspectiva dos profissionais do Creas. Barbarói 2012; 37(2):67-87.

31. Queiroz MVO, Ribeiro EMV, Pennafort VPS. Assistência ao adolescente em um serviço terciário: acesso, acolhimento e satisfação na produção do cuidado. Texto Contexto Enferm. 2010 Abr-Jun; 19(2):291-9.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería