ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 23626

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Acolhimento e vínculo nas concepções e práticas dos agentes comunitários de saúde

Rafaela De Carli,1 Marta Cocco da Costa,2 Ethel Bastos da Silva,3 Darielli Gindri Resta,4 Isabel Cristina dos Santos Colomé5
1
Enfermeira da Estratégia de Saúde da Família no município de Seberi. Seberi, Rio Grande do Sul, Brasil. 2Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto do Departamento de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Palmeira das Missões, Rio Grande do Sul, Brasil. 3Doutora em Enfermagem. Professora Assistente do Departamento de Ciências da Saúde UFSM. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. 4Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto do Departamento de Ciências da Saúde UFSM. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. 5Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto do Departamento de Ciências da Saúde UFSM. Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil

Recebido: 24 de abril de 2013
Aprovado: 04 de dezembro de 2013

Texto Contexto Enferm 23(3): 626-632
 

 

 

 

Cómo citar este documento

Carli, Rafaela De; Costa, Marta Cocco da; Silva, Ethel Bastos da; Resta, Darielli Gindri; Colomé, Isabel Cristina dos Santos. Acolhimento e vínculo nas concepções e práticas dos agentes comunitários de saúde. Texto Contexto Enferm, jul-sep 2014, 23(3). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23626.php> Consultado el

 

Resumo

As tecnologias leves em saúde aproximam profissional/usuário e constituem-se importantes ferramentas no trabalho dos Agentes Comunitários de Saúde para conhecer as dificuldades das famílias e elaborar estratégias. Neste estudo buscou-se conhecer as concepções de acolhimento e vínculo na perspectiva dos Agentes Comunitários de Saúde de um município da Região Noroeste do Rio Grande do Sul e sua utilização em ações de cuidado. Estudo de cunho qualitativo, desenvolvido com 11 participantes. Para a coleta de dados optou-se pela entrevista semiestruturada, e os dados foram analisados pela modalidade temática. O estudo revelou o acolhimento como atos e palavras receptivas e o vínculo como relação de amizade, confiança e compromisso. A utilização dessas tecnologias ocorreu, principalmente, na visita domiciliar, quando exercem a escuta ativa e disponibilizam orientações. Evidencia-se a necessidade de instrumentalizar os Agentes Comunitários e a equipe de saúde para ampliar a compreensão das tecnologias leves e reconhecer sua relevância no cuidado em saúde.
Palavras chave: Saúde da família/ Agente comunitário de saúde/ Acolhimento.
 

Resumen
Acogimiento y vínculo en las concepciones y prácticas de agentes comunitarios en salud

Las tecnologías leves en salud facilitan la relación profesional/usuario, constituyéndose como importantes herramientas en el trabajo de los agentes comunitarios en salud que buscan conocer las dificultades de las familias y elaborar estrategias. El presente estudio objetivó conocer las nociones de acogimiento y vínculo en la perspectiva de los trabajadores comunitarios de salud de un municipio de la Región Norte de Rio Grande do Sul. Se caracteriza como un estudio con abordaje cualitativo, desarrollado con 11 participantes. Para la recolección de datos se optó por la entrevista semiestructurada, posteriormente fueron analizadas a través de la modalidad temática. El estudio demostró el acogimiento como actos y palabras receptivas y el vínculo como una relación de amistad, confianza y compromiso. La utilización de estas tecnologías ocurre, principalmente, en la visita domiciliar, durante la cual, se ejerce la escucha activa e información. Se evidencia la necesidad de instrumentalización de los agentes comunitarios de salud en el sentido de ampliar su comprensión sobre tecnologías leves, como también para reconocer su relevancia en el cuidado en salud.
Palabras clave: Salud de la familia/ Agentes comunitarios de salud/ Acogimiento.
 

Abstract
Welcoming and bonding in the conceptions and practices of community health workers

Light technologies in health approximate professionals and users and serve as important tools in the work of Community Health Agents to know the families' difficulties and develop strategies. In this study, the aim was to get to know the concepts of welcoming and bonding of Community Health Agents in a city in the Northwest of Rio Grande do Sul and their use in care actions. This qualitative study involved 11 participants. Semistructured interviews were chosen for the data collection and thematic content analysis for data analysis. The study revealed welcoming as receptive acts and words and bonding as a relation of friendship, trust and commitment. These technologies were mainly used during home visits, when they exercise active listening and provide orientations. The need to equip the Community Health Agents and the health team is evidenced with a view to enhancing the understanding of the light technologies and acknowledging their relevance in health care.
Key-words: Family health/ Community health workers/ User embracement.
 

Referências

1.  Ministério da Saúde (BR). Secretaria Executiva, Departamento de apoio à descentralização esplanada dos ministérios. O SUS no seu município garantindo saúde para todos. Brasília (DF): MS; 2004.

2.  Simões AR. O agente comunitário de saúde na equipe de saúde da família: fatores de sobrecarga de trabalho e estresse. Rev Saúde Pública. 2009; 2(1):6-21.

3.  BornStein VJ, David HMSL, Araújo JWG. Community health agents: reconstruction of the risk concept at local level. Interface - Comunic Saude Educ. 2010; 14(32):93-101.

4.  Binda J, Bianco MF, Sousa EM. O trabalho dos agentes comunitários de saúde em evidência: uma análise com foco na atividade. Saúde Soc. 2013; 22(2):389-402.

5.  Silva DC, Alvim NAT, Figueiredo PA. Tecnologias leves em saúde e sua relação com o cuidado de enfermagem hospitalar. In: Merhy EE, Onocko, R. Práxis em salud um desafio para lo público. São Paulo (SP): Hucitec; 1997.

6.  Merhy EE. Um ensaio sobre o médico e suas valises tecnológicas: contribuições para compreender as reestruturações produtivas do setor da saúde. Interface Comunic Saúde Educ. 2000 Fev; (6):109-16.

7.  Coelho MO, Jorge MSB. Tecnologias das relações como dispositivo do atendimento humanizado na atenção básica a saúde na perspectiva do acesso, do acolhimento e do vínculo. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 14(1):1523-31.

8.  Santos AM, Assis MMA, Nascimento MAA, Jorge MSB. Vínculo e autonomia na prática de saúde bucal no Programa Saúde da Família. Rev Saúde Pública. 2008 Jun; 42(3):464-70.

9.  Guerrero P, Mello ALZF, Andrade SR, Erdmann AL. User embracement as a good practice in primary health care. Texto Contexto-Enferm. 2013 Jan-Mar; 22(1):132-40.

10.  Arruda C, Silva DMGV. Acolhimento e vínculo na humanização do cuidado de enfermagem às pessoas com Diabetes Mellitus. Rev Bras Enferm. 2012; 65(5):758-66.

11.  Jorge MSB, Pinto DM, Quinderé HD, Pinto AGA, Sousa FSP, Cavalcante CM. Promoção da saúde mental - tecnologias do cuidado: vínculo, acolhimento, co-responsabilização e autonomia. Ciência Saúde Coletiva. 2011; 16(7):3051-60.

12.  Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2010.

13.  Mitre SM, Andrade EIG, Cotta RMM. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na atenção primária: um resgate da produção bibliográfica do Brasil. Ciência Saúde Coletiva. 2012; 17(8):2071-85.

14.  Galavote HS, Prado TN, Maciel ELN, Lima RCD. Desvendando os processos de trabalho do agente comunitário de saúde nos cenários revelados na Estratégia Saúde da Família no município de Vitória. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16(1):231-40.

15.  Takemoto MLS, Silva EM. Acolhimento e transformações no processo de trabalho de enfermagem em unidades básicas de saúde de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007; 23(2):331-40.

16.  Monteiro MM, Figueiredo VP, Machado MFAS. Formação do vínculo na implantação do Programa Saúde da Família numa unidade básica de saúde. Rev Esc Enferm USP. 2009 Jun; 43(2):358-64.

17.  Guedes MVC, Henriques ACPT, Lima MMN. Acolhimento em um serviço de emergência: percepção dos usuários. Rev Bras Enferm. 2013; 66(1):31-7.

18.  Lopes WO, Saupe R, Massaroli A. Visita domiciliar: tecnologia para o cuidado, o ensino e a pesquisa. Cienc Cuid Saúde. 2008 Abr-Jun; 7(2):241-7.

19.  Torres HC, Roque C, Nunes C. Visita domiciliar: estratégia educativa para o autocuidado de clientes diabéticos na atenção básica. Rev Enferm UERJ. 2011; 19(1):89-93.

20.  Schneider DG, Manschein AMM, Ausen MAB, Martins JJ, Albuquerque GL. Acolhimento ao paciente e família na unidade coronariana. Texto Contexto Enferm. 2008; 17(1):81-9.

21.  Peres CRFB, Caldas Júnior AL, Silva RF, Marin MJS. The community health agent and working as a team: the easy and difficult aspects. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(4):899-905.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería