ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 23617

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Alimentação de crianças nascidas expostas ao vírus da imunodeficiência humana

Julyana Gomes Freitas,1 Gilmara Holanda da Cunha,2 Larissa de Araújo Lemos,3 Léa Maria Moura Barroso,4 Marli Teresinha Gimeniz Galvão5
1
Doutora em Enfermagem. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Fortaleza, Ceará, Brasil. 2Doutora em Farmacologia. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza, Ceará, Brasil. 3Mestre em Enfermagem. Enfermeira da Unidade de Pronto Atendimento do Estado do Ceará. Fortaleza, Ceará, Brasil. 4Doutora em Enfermagem. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Fortaleza, Ceará, Brasil. 5Doutora em Doenças Tropicais. Docente do Curso de Graduação e Pós-graduação em Enfermagem da Universidade Federal do Ceará (UFC). Fortaleza, Ceará, Brasil

Recebido: 13 de março de 2013
Aprovado: 20 de agosto de 2013

Texto Contexto Enferm 23(3): 617-625
 

 

 

 

Cómo citar este documento

Freitas, Julyana Gomes; Cunha, Gilmara Holanda da; Lemos, Larissa de Araújo; Barroso, Léa Maria Moura; Galvão, Marli Teresinha Gimeniz. Alimentação de crianças nascidas expostas ao vírus da imunodeficiência humana. Texto Contexto Enferm, jul-sep 2014, 23(3). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23617.php> Consultado el

 

Resumo

Objetivou-se caracterizar aspectos da alimentação de crianças nascidas expostas ao Vírus da Imunodeficiência Humana. Estudo transversal, realizado em hospital de referência para doenças infecciosas em Fortaleza-Ceará, entre janeiro e junho de 2010. A amostra foi de 62 mães que forneceram informações sobre 64 crianças nascidas expostas ao vírus. Na consulta de enfermagem utilizou-se a Escala de Avaliação da Capacidade para Cuidar de Crianças Expostas ao Vírus da Imunodeficiência Humana e formulários de caracterização sociodemográfica e alimentar. Constatou-se que 57,8% das crianças possuíam ingesta inadequada de leite, 55,0% apresentaram alimentação complementar inadequada, 87,0% das mães possuíam alta capacidade para oferta do leite em pó, e em relação à alimentação complementar, a capacidade variou entre moderada (45,7%) e alta (48,5%). Foram identificados 13 diagnósticos de enfermagem que constataram problemas alimentares e déficits de cuidado que exigem intervenções de enfermagem adequadas ao contexto social de cada paciente.
Palavras chave: Síndrome de imunodeficiência adquirida/ Criança/ Alimentação/ Diagnóstico de enfermagem.
 

Resumen
Alimentación de niños expuestos al vírus de la inmunodeficiencia humana

El objetivo fue caracterizar aspectos de la alimentación de niños nacidos expuestos al Virus de Inmunodeficiencia Humana. Estudio transversal realizado en un hospital de referencia para enfermedades infecciosas en Fortaleza-Ceará, entre enero y junio de 2010. La muestra fue de 62 madres que proporcionaron información sobre 64 niños nacidos expuestos al virus. En la consulta de enfermería fue utilizada la Escala de Evaluación de Capacidad del Cuidar de Niños Expuestos al Virus de Inmunodeficiencia Humana, y un formulario de caracterización sociodemográfica y alimentaria. Se encontró que 57,8% de los niños tenían ingesta inadecuada de leche, 55,0% tenía alimentación complementaria inadecuada, 87,0% de las madres tenía alta capacidad de suministro de leche en polvo, y en relación con la alimentación complementaria, la capacidad varió de moderado (45,7%) a alta (48,5%). Fueron identificados 13 diagnósticos de enfermería que mostraron problemas de alimentación y déficit de atención que requieren intervenciones de enfermería apropiadas para el contexto social de cada paciente.
Palabras clave: Síndrome de inmunodeficiencia adquirida/ Niño/ Alimentación/ Diagnóstico de enfermería.
 

Abstract
Feeding of children exposed to the human immunodeficiency virus at birth

The aim was to characterize feeding aspects of children born exposed to the Human Immunodeficiency Virus. Cross-sectional study was developed at a referral hospital for infectious diseases in Fortaleza-Ceará, Brazil, between January and June 2010. The sample consisted of 62 mothers who provided information on 64 children born exposed to the virus. In the nursing consultation, the Assessment Scale of Care Skills for Children Exposed to Human Immunodeficiency Virus at Birth and forms for sociodemographic and dietary characterization were used. It was found that 57.8% of children had inappropriate intake of milk, 55.0% had inappropriate complementary feeding, 87.0% of mothers had a high capacity to offer milk powder and, in relation to complementary feeding, the ability ranged from moderate (45.7%) to high (48.5%). Thirteen nursing diagnoses showing feeding problems and deficits in care that require nursing interventions appropriate to the social context of each patient were identified.
Key-words: Acquired immunodeficiency syndrome/ Child/ Feeding/ Nursing diagnosis.
 

Referências

1.  Vieira ACBC, Miranda AE, Vargas PRM, Maciel ELN. Prevalência de HIV em gestantes e transmissão vertical segundo perfil socioeconômico, Vitória, ES. Rev Saúde Pública. 2011 Ago; 45(4):644-51.

2.  Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para terapia antirretroviral em crianças e adolescentes infectados pelo HIV. Brasília (DF): MS; 2009.

3.  Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST e Aids. Recomendações para profilaxia da transmissão vertical do HIV e terapia antirretroviral em gestantes. Brasília (DF): MS; 2010.

4.  Silva MJM, Mendes WS, Gama MEA, Chein MBC, Veras DS. Perfil clínico-laboratorial de crianças vivendo com HIV/AIDS por transmissão vertical em uma cidade do Nordeste brasileiro. Rev Soc Bras Med Trop. 2010 Jan-Fev; 43(1):32-35.

5.  World Health Organization (SW). Guidelines on HIV and infant feeding: principles and recommendations for infant feeding in the context of HIV and a summary of evidence. Geneva (SW): WHO; 2010 [acess 2012 Dez 10]. Disponível em: http://www.who.int/maternal_child_adolescent/documents/9789241599535/en/index.html

6.  Barroso LMM, Freitas JG, Galvão MTG. Escala para avaliação da capacidade para cuidar de crianças expostas ao HIV. Rev Enferm UFPE [online]. 2013 [acess 2013 Mar 5]; 7(1):772-30. Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/2944/pdf_2159

7.  Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. Guia prático de preparo de alimentos para crianças menores de 12 meses que não podem ser amamentadas. Brasília (DF): MS; 2005.

8.  Paim BS, Souza GC. Práticas alimentares de crianças expostas à transmissão vertical do HIV acompanhadas em quatro serviços especializados de Porto Alegre/RS. Rev HCPA. 2010 Jul-Set; 30(3):252-7.

9.  Vieira M, Padilha MI, Santos EKA. Histórias de vida: mãe e filho soropositivo para o HIV. Texto Contexto Enferm. 2009 Jan-Mar; 18(1):33-40.

10.  Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, AIDS e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico - AIDS e DST. Ano IX n. 01. Até semana epidemiológica 26ª - junho de 2012. Brasília (DF): MS; 2012.

11.  Governo do Estado do Ceará (CE). Coordenadoria de Promoção e Proteção à Saúde, Núcleo de Epidemiologia, Secretaria de Saúde do Estado do Ceará (SESA). Informe epidemiológico aids Epidemiológico - AIDS e DST. Ano IX n. 01. Até semana epidemiológica 26ª - junho de 2012 . Fortaleza (CE): SESA; 2013.

12.  NANDA International. Diagnósticos de enfermagem da NANDA: definições e classificações 2009-2011. Porto Alegre (RS): Artmed; 2010.

13.  Atashili J, Kalilani L, Seksaria V, Sickbert-Bennett EE. Potential impact of infant feeding recommendations on mortality and HIV-infection in children born to HIV-infected mothers in Africa: a simulation. BMC Infect Dis. 2008; 8:66.

14.  Machado MMT, Galvão MTG, Kerr-Pontes LRS, Cunha AJLA, Leite AJM, Lindsay AC, et al. Acesso e utilização de fórmula infantil e alimentos entre crianças nascidas de mulheres com HIV/AIDS. Rev Eletr Enferm [online]. 2007 [acesso 2013 Jan 12]; 9(3):699-711. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v9/n3/v9n3a10.htm

15.  Barroso LMM, Galvão MTG, Cavalcante RM, Freitas JG. Cuidado materno aos filhos nascidos expostos ao HIV/Aids. Rev Rene. 2009 Out-Dez; 10(4):155-64.

16.  Machado MMT, Galvão MTG, Lindsay AC, Cunha AJLA, Leite AJM, Leite RD, et al. Condições sociodemográficas de crianças de zero a dois anos filhas de mães com HIV/Aids, Fortaleza, CE, Brasil. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2010 Jul-Set; 10(3):377-82.

17.  Schaurich D, Freitas HMB. The HIV/Aids vulnerability framework applied to families: a reflection. Rev Esc Enferm USP. 2011 Aug; 45(4):981-6.

18.  Neto ETS, Faria CP, Barbosa ML, Oliveira AE, Zandonade E. Association between food consumption in the first months of life and socioeconomic status: a longitudinal study. Rev Nutr. 2009 Set-Out; 22(5):675-85.

19.  Araújo MAL, Queiroz FPA, Melo SP, Silveira CB, Silva RM. Gestantes portadoras do HIV: enfrentamento e percepção de uma nova realidade. Cienc Cuid Saúde. 2008 Abr-Jun; 7(2):216-23.

20.  Gonçalves TR, Piccinini CA. Experiência da maternidade no contexto do HIV/aids aos três meses de vida do bebê. Psic Teor Pesq. 2008 Out-Dez; 24(4):459-70.

21.  Cunha GH, Galvão MTG. Nursing diagnoses in patients with human immunodeficiency vírus/acquired immunodeficiency syndrome in outpatient care. Acta Paul Enferm. 2010 Jul-Ago; 23(4):526-32.

22.  Nóbrega EV, Nóbrega MML, Silva KL. Diagnósticos, resultados e intervenções de enfermagem para crianças na clínica pediátrica de um hospital escola. Rev Bras Enferm. 2011 Mai-Jun; 64(3):501-10.

23.  Chagas KLM, Lima LHO, Oliveira EAR, Luz GOA. Diagnósticos de enfermagem em crianças com sinais e sintomas respiratórios: um estudo descritivo. Rev Rene. 2011 Abr-Jun; 12(2):302-8.

24.  Alfaro-Lefevre R. Aplicação do processo de enfermagem: promoção do cuidado colaborativo. Porto Alegre (RS): Artmed; 2010.

25.  Silva MR, Bettencourt ARC, Diccini S, Belasco A, Barbosa DA. Diagnósticos de enfermagem em portadores da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida. Rev Bras Enferm. 2009 Jan-Fev; 62(1):92-9.

26.  Frota MA, Ramos RP, Mourão SJG, Vasconcelos VM, Martins MC, Araújo MAL. Cuidado à criança com HIV: percepção do cuidador. Acta Scientiarum. 2012 Jan-Jun; 34(1):39-45.

27.  Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (EUA). HIV/Sida, nutrição e segurança alimentar: o que podemos fazer. Uma síntese de princípios de orientação internacionais. Washington (EUA): BIRD; 2008. [acesso 2013 Jan 10]. Disponível em: http://siteresources.worldbank.org/NUTRITION/Resources/HIVAIDSNutritionFoodSecurityPortuguese.pdf

28.  Galvão MTG, Cunha GH, Machado MMT. Dilemas e conflitos de ser mãe na vigência do HIV/AIDS. Rev Bras Enferm. 2010 Maio-Jun; 63(3):371-6.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería