ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Gestão em saúde no Brasil: diálogo com gestores públicos e privados

Jorge Lorenzetti,1 Gabriela Marcellino de Melo Lanzoni,2 Luciana Ferreira Cardoso Assuiti,3 Denise Elvira Pires de Pires,4 Flávia Regina Souza Ramos5
1Doutor em Enfermagem. Professor do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Santa Catarina, Brasil. 2Doutora em Enfermagem. Enfermeira da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina. Santa Catarina, Brasil. 3Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem (PEN) da UFSC. Santa Catarina, Brasil. 4Doutora em Ciências Sociais. Professora do Departamento de Enfermagem e PEN/UFSC. Santa Catarina, Brasil. 5Doutora em Filosofia da Enfermagem. Professora do Departamento de Enfermagem e PEN/UFSC. Santa Catarina, Brasil

Recebido: 15 de Fevereiro de 2013
Aprovado: 20 de Fevereiro de 2014

Texto Contexto Enferm 23(2): 417-425

 

 

 

Cómo citar este documento

Lorenzetti, Jorge; Lanzoni, Gabriela Marcellino de Melo; Assuiti, Luciana Ferreira Cardoso; Pires, Denise Elvira Pires de; Ramos, Flávia Regina Souza. Gestão em saúde no Brasil: diálogo com gestores públicos e privados. Texto Contexto Enferm, abr-jun 2014, 23(2). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23222.php> Consultado el

 

Resumo

Estudo com objetivo de identificar os principais problemas da gestão em saúde no Brasil, a partir da opinião de gestores escolhidos intencionalmente. Os dados foram coletados entre julho e novembro de 2010, através de entrevistas com informantes chave: dois diretores de hospitais privados de referência nacional, localizados na região sudeste; e autoridades executivas do SUS, um de cada esfera de governo, municipal estadual e da direção nacional. A gestão do SUS foi considerada desatualizada, o sistema carente de financiamento estável e com déficits no planejamento e na avaliação dos serviços. A falta de profissionalização da gestão foi identificada nos dois setores. Conclui-se que o SUS está em consolidação carecendo de mais recursos, financiamento estável e de gestão capaz de transformar os seus princípios e diretrizes em realidade; que os problemas de gestão também afetam o setor privado e que as parcerias público-privado não têm sido regidas pela responsabilidade pública.
Palavras chave: Sistema Único de Saúde/ Sistemas de saúde/ Gestão em saúde/ Administração de serviços de saúde/ Organização e administração.


Abstract
Health management in Brazil: dialogue with public and private managers

The aim of this study was to identify the main health management issues in Brazil according to the opinion of managers who were intentionally chosen. Data was collected from July to November 2010, through key-informant interviews: two directors from national reference private hospitals, located in Southeast Brazil; and executive authorities of the Brazilian Unified Health System (SUS), one of each government level - municipal, state, and federal managers. SUS management was considered outdated; the system was defined as lacking stable funding and having flaws in planning and service assessment. Moreover, both sectors lack professionalization in management. In conclusion, SUS is still in consolidation and requires more resources, stable funding and management able to bring its principles and guidelines into reality. Management issues affect both public and private sectors and the public-private partnerships have not been oriented by public responsibility.
Key-words: Unified Health System/ Health systems/ Health management/ Health services administration/ Organization and administration.


Resumen
La gestión de salud en Brasil: diálogo con gestores públicos y privados

Estudio cuyo objetivo fue identificar los principales problemas de gestión de salud en Brasil, a partir de la opinión de gestores seleccionados intencionalmente. Los datos fueron recolectados entre julio y noviembre del 2010, a través de entrevistas con informantes clave: dos directores de hospitales nacionales privados localizados en la región sudeste y los otros tres fueron autoridades ejecutivas del Sistema Único de Salud (SUS) de cada esfera gubernamental (municipal, estatal y dirección nacional). La gestión del SUS fue considerada desactualizada, el sistema es carente de financiamiento estable y con déficit de planeamiento y evaluación de los servicios. La falta de profesionalización de gestión fue identificada en ambos sectores. Se concluye que el SUS está en consolidación, careciendo de recursos financieros estables y de gestión capaz de transformar su principios y directrices en realidades tangibles, que los problemas de gestión también afectan al sector privado y que las asociaciones público-privadas no han sido regidas por la responsabilidad pública.
Palabras clave: Sistema Único de Salud/ Sistemas de salud/ Gestión en salud/ Administración de los servicios de salud/ Organización y administración.
 

Referências

1. World Health Organization (WHO). Health Systems Financing: the path to universal coverage [internet]. Genebra (CH): WHO; 2010. [acesso 24 Jan 2013] Disponível em: http://www.who.int/whr/2010/10_summary_en.pdf.

2. Confederação Nacional das Indústrias (CNI). Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE). Pesquisa CNI - IBOPE: retratos da sociedade brasileira: segurança pública. Brasília (DF): CNI, 2011.

3. Westin R. O que esperam os brasileiros. Folha de São Paulo. São Paulo (SP); 2010 Set 22. Caderno Especial Pelo País.

4. Organization for Economic Co-Operation and Development (OECD). Health at a glance 2009: released on December 8 [internet]. Dublin: OECD; 2009 [acesso 24 Jan 2013] Disponível em: http://www.dohc.ie/press/releases/2009/20091208.html.

5. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção Especial à Saúde. Coordenação-Geral de Atenção Hospitalar. Reforma do sistema da atenção hospitalar brasileira. Brasília (DF): MS; 2004.

6. Campos GWS. Prefácio: reforma do modelo de gestão no Hospital Municipal Odilon Behrens. In: Araújo GF, Rates SMM, organizadores. Cogestão e humanização na saúde pública. Ijui (RS): UNIJUI; 2009. p. 23-4.

7. Cecílio LCO. A morte de Ivan Ilitch, de Leon Tolstói: elementos para se pensar as múltiplas dimensões da gestão do cuidado. Interface Comun Saúde Educ. 2009; 13(suppl.1):545-55.

8. Matos E, Pires D. Teorias administrativas e organização do trabalho: de Taylor aos dias atuais, influências no setor saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2006 Jul-Set; 15(3):508-14.

9. Triviños ANS. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo (SP): Atlas; 1987.

10. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo (SP): Abrasco; 2008.

11. Organização Mundial da Saúde (OMS). Cuidados inovadores para condições crônicas: os componentes estruturais de ação. Brasília (DF): Organização Mundial da Saúde; 2003.

12. Lorenzetti J. A enfermagem e os desafios para a saúde no Brasil: propostas para o período 2011-2015 [internet]. Florianópolis (SC): Coren/SC; 2011 [acesso 24 Jan 2013]. Disponível em: http://www.corensc.gov.br/thumbs/file/documentoenfermagem.pdf.

13. Paim J, Travassos C, Almeida C, Bahia L, Macinko J. The Brazilian health system: history, advances, and challenges. Lancet. 2011 Mai; 377(9779): 1778-97.

14. Castro ALB, Machado CV. A política de atenção primária à saúde no Brasil: notas sobre a regulação e o financiamento federal. Cad Saúde Pública. 2010 Jan-Abr; 26(4): 693-705.

15. Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). A atenção à saúde coordenada pela APS: construindo as redes de atenção no SUS. Brasília (DF): Organização Pan-Americana da Saúde; 2010.

16. Khoury CM, Blizzard R, Wright Moore L, Hassmiller S. Nursing leadership from bedside to boardroom: a gallup national survey of opinion leaders. J Nurs Adm. 2011 Jul-Ago; 41(7): 299-305.

17. Amaral AEEHB. Gestão de Pessoas. In: Ibañez N, Elias PEM, Seixas PHD, organizadores. Política e gestão pública em saúde. São Paulo (SP): Hucitec Editora; 2011. p.553-85.

18. Almeida ML, Segui MLH, Maftum MA, Labronici LM, Peres AM. Instrumentos gerenciais utilizados na tomada de decisão do enfermeiro no contexto hospitalar. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(esp):131-7.

19. Fracolli LA, Zoboli ELPC. Desafios presentes na qualificação do cuidado em saúde e humanização: conceitos e concepções. In: Ibañez N, Elias PEM, Seixas PHD, organizadores. Política e gestão pública em saúde. São Paulo (SP): Hucitec; 2011. p.762-80.

20. Sá MJCN, Porto MTDFPM. Controle Público e o SUS. In: Ibañez N, Elias PEM, Seixas PHD (organizadores). Política e gestão pública em saúde. São Paulo (SP): Hucitec; 2011. p.395-403.

21. Rezende CAP. O modelo de gestão do SUS e as ameaças do projeto neoliberal. In: Bravo MIS (Organizadora). Política de saúde na atual conjuntura: modelos de gestão e agenda para a Saúde. 2ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Rede Sirius/Adufrj-SSind; 2008.

22. Barbosa NB, Elias PEM. Health social organizations as a way of public/private management. Ciênc Saúde Coletiva. 2010 Ago; 15(5): 2483-95.

23. Mendes EV. As redes de atenção à saúde: uma mudança na organização e na gestão dos sistemas de atenção à saúde. In: Vecina-Neto G, Malik AM. Gestão em saúde. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2011. p.32-49.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería