ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Conhecimento dos profissionais de saúde acerca da transmissão vertical da sífilis em Fortaleza1

Denise Maia Alves da Silva,2 Maria Alix Leite Araújo,3 Raimunda Magalhães da Silva,4 Roumayne Fernandes Vieira Andrade,5 Heber José de Moura,6 Ana Beatriz Barbosa Esteves7
2Mestre em Saúde Coletiva. Professora titular da Faculdade Integrada da Grande Fortaleza. Ceará, Brasil. 3Doutora em Enfermagem. Professora de Mestrado de Saúde Coletiva da UNIFOR. Ceará, Brasil. 4Doutora em Enfermagem. Professora de Mestrado de Saúde Coletiva da UNIFOR. Ceará, Brasil. 5Mestre em Saúde coletiva. Consultora da Gerência Operacional de DST Aids e Hepatites Virais do Estado da Paraíba. Fortaleza, Ceará, Brasil. 6Doutor em Administração. Professor de Mestrado de Administração. Ceará, Brasil. 7Programa de Pós Graduação em Enfermagem Obstétrica da Universidade Estadual do Ceará. Ceará, Brasil

Recebido: 04 de Março de 2013
Aprovado: 30 de janeiro de 2014

Texto Contexto Enferm 23(2): 278-285
1Artigo originário da dissertação - Conhecimento dos profissionais da Estratégia Saúde da Família acerca da prevenção da transmissão vertical da sífilis em Fortaleza-CE, apresentada ao Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade de Fortaleza (UNIFOR), em 2010

 

 

 

Cómo citar este documento

Silva, Denise Maia Alves da; Araújo, Maria Alix Leite; Silva, Raimunda Magalhães da; Andrade, Roumayne Fernandes Vieira; Moura, Heber José de; Esteves, Ana Beatriz Barbosa. Conhecimento dos profissionais de saúde acerca da transmissão vertical da sífilis em Fortaleza. Texto Contexto Enferm, abr-jun 2014, 23(2). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23206.php> Consultado el

 

Resumo

Objetivou-se verificar o conhecimento de profissionais da Estratégia Saúde da Família sobre ações de prevenção e controle da transmissão vertical da sífilis. Estudo transversal, em Fortaleza-CE, Brasil, de agosto a outubro de 2009. Utilizou-se questionário autoaplicado, considerando respostas corretas aquelas consoante às recomendações do Ministério da Saúde. Utilizou-se análise univariada, com distribuições de frequências, médias e desvios padrão. Participaram 269 profissionais, 44,7% com seis a dez anos de atuação na saúde da família; 60% das perguntas foram respondidas corretamente sobre o conhecimento destes da seguinte forma: 75,8% conheciam o período de solicitação do exame Venereal Disease Research Laboratory; 78,1%, a droga alternativa para tratamento da gestante alérgica à penicilina; 55,1% a periodicidade de solicitação do VDRL para controle de cura; e 50,2%, a conduta diante do parceiro sexual. Os profissionais de saúde pesquisados não detinham conhecimento adequado acerca das ações preventivas e do controle da sífilis congênita.
Palavras chave: Sífilis/ Sífilis congênita/ Gestantes/ Saúde da família/ Conhecimento.
 

Abstract
Knowledge of healthcare professionals regarding the vertical transmission of syphilis in Fortaleza-CE, Brazil

The aim of this study was to investigate the knowledge of family health strategy professionals regarding the prevention and control of the vertical transmission of syphilis. This cross-sectional study was carried out in Fortaleza, Ceará, Brazil, from August to October 2009. A questionnaire was used, with its correct answers being in line with the recommendations of the Ministry of Health. Univariate analysis was carried out, with frequency distribution, mean and standard deviation. A total of 269 professionals participated, 44.7% had 6 to 10 years of experience in the FHS, and 60% of the questions regarding their knowledge were answered correctly: 75.8% were aware of the request period of the Venereal Disease Research Laboratory (VDRL) test; 78.1% of the alternative drug for the treatment for pregnant women allergic to penicillin, 55.1% of the request period for VDRL for cure and control, and 50.2% of the conduct with a sexual partner. It was concluded that healthcare professionals are unaware of the appropriate actions for the prevention and control of congenital syphilis.
Key-words: Syphilis/ Congenital syphilis/ Pregnant women/ Family health strategy/ Knowledge.
 

Resumen
Conocimientos de los profesionales de salud sobre la transmisión vertical de la sífilis en Fortaleza, CE

El objetivo fue verificar el conocimiento de profesionales de la Estrategia de Salud de la Familia, con relación a las acciones de prevención y control de la transmisión de la sífilis. Estudio transversal, en Fortaleza-CE, Brasil, realizado de agosto a octubre/2009. Se utilizó cuestionario autoaplicado, se consideró como respuestas aquellas que eran consonantes con las recomendaciones del Ministerio de Salud. Se utilizó el análisis univariado, con distribuciones de frecuencias, medias y desviaciones estándar. Participaron 269 profesionales, 44,7% tenían 6-10 años de experiencia en la estrategia, y 60% de las preguntas fueron respondidas correctamente sobre el conocimiento: 75,8% conocía el período de aplicación de la prueba de Venereal Disease Research Laboratory (VDRL); 78,1% conocía la droga alternativa para el tratamiento farmacológico de mujeres embarazadas alérgicas a la penicilina; 55,1% sabía los intervalos para solicitar VDRL para control y cura; y 50,2% conocía la conducta delante del compañero sexual. Los profesionales de la salud no poseían conocimiento adecuado sobre las acciones para prevención y control de la sífilis congénita.
Palabras clave: Sífilis/ Sífilis congénita/ Mujeres embarazadas/ Estrategia de salud familiar/ Conocimiento.
 

Referências

1. Hossain M, Broutet N, Hawkes S. The elimination of congenital syphilis: a comparison of the proposed World Health Organization Action Plan for the Elimination of Congenital Syphilis With Existing National Maternal and Congenital Syphilis Policies. Sex Transm Dis. 2007 Jul; 34(7):22-30.

2. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Protocolo para a prevenção de transmissão vertical de HIV e sífilis. Brasília (DF): MS; 2007.

3. Szwarcwald CL, Barbosa Junior A, Miranda AE, Paz LC. Resultados do estudo sentinela-parturiente, 2006: desafios para o controle da sífilis congênita no Brasil. DST J Bras Doenças Sex Transm. 2007; 19(3-4):128-33.

4. Holanda MTCG, Barreto MA, Machado KMM, Pereira RC. Perfil epidemiológico da sífilis congênita no município de Natal, Rio Grande do Norte - 2004 a 2007. Rev Epidemiol Serv Saúde. 2011 Abr-Jun; 20(2):203-12.

5. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Boletim Epidemiológico - Aids e DST. Brasília (DF): MS; 2008.

6. Silva LG, Cunha JCL. Transmissão vertical: um estudo epidemiológico da infecção pelo HIV/AIDS e sífilis congênita no Estado do Ceará de 2001 a 2007. Rev Epidemiol Serv Saúde. 2011 Jan-Mar; 20(1):111-7.

7. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim Epidemiológico - Aids e DST. Brasília (DF): MS; 2010.

8. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids. Prevalências e frequências relativas de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) em populações selecionadas de seis capitais brasileiras. Brasília (DF): MS; 2008.

9. Lima BGC, Nascimento MCN, Dourado MIC. Avaliação da qualidade do rastreamento de HIV/ aids e sífilis na assistência pré-natal. Epidemiol Serv Saúde. 2008 Abr-Jun; 17(2):123-53.

10. Ramos Junior AN, Matida LH, Saraceni V, Veras MASD, Pontes RJS. Control of mother-to-child transmission of infectious diseases in Brazil: progress in HIV/Aids and failure in congenital syphilis. Cad Saúde Pública. 2007; 23(Supl 3):370-8.

11. Melo NAGDO, Filho DAM, Ferreira LOC. Diferenciais intraurbanos de sífilis congênita no Recife, Pernambuco, Brasil (2004-2006). Epidemiol Serv Saúde. 2011. Abr-Jun; 20(2):213-22.

12. Rodrigues CS, Guimarães MDC, César CC. Oportunidades perdidas na prevenção da sífilis congênita e da transmissão vertical do HIV. Rev Saúde Pública. 2008 Out; 42(5):851-8.

13. Basso CG, Neves ET, Silveira A. Associação entre realização de pré-Natal e morbidade neonatal. Texto Contexto Enferm. 2012 Abr-Jun; 21(2):269-76.

14. Victor JF, Barroso LMM, Teixeira APV, Aires AS, Araújo IM. Sífilis congênita: conhecimento de puérperas e sentimentos em relação ao tratamento dos seus filhos. Rev Eletr Enferm [online]. 2010 [acesso 2013 Mar 27] 12(1). Disponível em: http://www.fen.ufg.br/fen_revista/v12/n1/pdf/v12n1a14.pdf.

15. Silva MRF, Brito ESV, Freire LCG, Pedrosa MM, Sales VMB, Lages I. Percepção de mulheres com relação à ocorrência de sífilis congênita em seus conceptos. Rev APS. 2010 Jul-Set; 13(3):301-9.

16. Donalisio MR, Freire JB, Mendes ET. Investigação da sífilis congênita na microrregião de Sumaré, Estado de São Paulo, Brasil - desvelando a fragilidade do cuidado à mulher gestante e ao recém-nascido. Rev Epidemiol Serv Saúde. 2007 Jul-Set; 16(3):165-73.

17. Barroso LMM, Galvão MTG. Avaliação de Atendimento prestado por profissionais de saúde e puérperas com HIV/aids. Texto Contexto Enferm. 2007 Jul-Set; 16(3): 463-9.

18. Macêdo VC, Bezerra AFB, Frias PG, Andrade CLT. Avaliação das ações de prevenção da transmissão vertical do HIV e sífilis em maternidades públicas de quatro municípios do Nordeste brasileiro. Cad Saúde Pública. 2009 Ago; 25(8):1679-92.

19. Dantas JC. Condutas de profissionais que realizam a consulta pré-natal na Estratégia Saúde da Família quanto à detecção, tratamento e acompanhamento da gestante com sífilis [dissertação]. Natal (RN): Faculdade de Enfermagem; 2008.

20. Lopes MH. Avaliação da implementação das ações de prevenção da transmissão vertical de sífilis no pré-natal em Unidades de Saúde da Família de Cuiabá. [dissertação] Rio de Janeiro (RJ): Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca. Mestrado em Modalidade de Saúde Pública; 2010.

21. Carvalho VCP, Araujo TVB. Adequação da assistência pré-natal em gestantes atendidas em dois hospitais de referência para gravidez de alto risco do sistema único de saúde, na cidade de Recife, Estado de Pernambuco. Rev Bras Saude Mater Infant. 2007 Jul-Set; 7(3):309-17.

22. Grangeiro GR, Diógenes MAR, Moura ERF. Atenção pré-natal no município de Quixadá-CE, segundo indicadores de processo do SISPRENATAL. Rev Esc Enferm USP. 2008 Mar; 42(1):105-11.

23. Succi RCM, Figueiredo EN, Zanatta LC, Peixe MB, Rossi MB, Vianna LAC. Avaliação da assistência pré-natal em unidades básicas do município de São Paulo. Rev Latino-Am Enferm. 2008 Nov-Dez; 16(6):986-92.

24. Gonçalves CV, Cesar JA, Mendoza-Sassi RA. Qualidade e equidade na assistência à gestante: um estudo de base populacional no Sul do Brasil. Cad Saúde Pública 2009 Nov; 25(11):2507-16.

25. Júnior AS, Andrade MGG, Magalhães RF, Moraes AM, Velho PENF. Sorologia para sífilis: os médicos estão capacitados a interpretá-la? An Bras Dermatol. 2007 Abr; 82(2):183-5.

26. Maciel ELN, Araújo WK, Giacomin SS, Jesus FA, Rodrigues PM, Dietze R. O conhecimento de enfermeiros e médicos que trabalham na Estratégia de Saúde da Família acerca da tuberculose no município de Vitória (ES): um estudo de corte transversal. Ciênc Saúde Coletiva. 2009; 14(Supl 1):1394-402.

27. Fernandes RCSC, Fernandes PGCC, Nakata TY. Análise de casos de sífilis congênita na maternidade do Hospital da Sociedade Portuguesa de Beneficência de Campos, RJ. DSTJ Bras. Doenças Sex Transm. 2007 Set-Out; 19(14):157-61.

28. Santos NP, Castro BG, Rios-Grassi MF. Aplicação do protocolo do Projeto Nascer Maternidades em uma maternidade de referência em Feira de Santana, Bahia, Brasil. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2009 Jan-Mar; 9(1):69-76.

29. World Health Organization. Congenital syphilis strategy action for the global elimination of congenital syphilis: rationale and strategy. Geneva (CH): Department of Reproductive Health and Research; 2008.

30. Brito ESV, Jesus SB, Silva MRF. Sífilis congênita como indicador de avaliação da assistência ao prénatal no município de Olinda (PE), Brasil. Rev APS. 2009 Jan-Mar; 12(1):62-71.

31. Cordeiro H, Romano VF, Santos EF, Ferrari A, Fernandes E, Pereira TR, et al. Avaliação de competências de médicos e enfermeiros das equipes de Saúde da Família da região Norte do Brasil. Physis. 2009; 19(3):695-710.

32. Silva ACMA, Villar MAM, Cardoso MHCA, Wuillaume SM. A Estratégia Saúde da Família: motivação, preparo e trabalho segundo médicos que atuam em três distritos do município de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brasil. Saude Soc. 2010 Mar; 19(1):159-69.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería