ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2014 v23n4 r231050

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Políticas públicas para o enfrentamento do uso de drogas de abuso: percepção social em uma comunidade

Lucia Margarete dos Reis,1 Anai Adario Hungaro,2 Magda Lúcia Felix de Oliveira3
1
Doutoranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Maringá, Paraná, Brasil. 2Mestranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UEM. Maringá, Paraná, Brasil. 3Doutora em Saúde Coletiva. Coordenadora do centro de Controle de Intoxicações do Hospital Universitário da UEM. Maringá, Paraná, Brasil

Recebido em 12 de novembro de 2013
Aprovação final em 10 de janeiro de 2014

Texto Contexto Enferm 23(4): 1050-1058

 

 

 

Cómo citar este documento

Reis, Lucia Margarete; Hungaro, Anai Adario; Oliveira, Magda Lúcia Felix de. Políticas públicas para o enfrentamento do uso de drogas de abuso: percepção social em uma comunidade. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2014, 23(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/231050.php> Consultado el

 

Resumo

O estudo objetivou identificar a percepção social sobre políticas públicas para enfrentamento do uso de drogas de abuso em uma comunidade com indicadores elevados de violência relacionados às drogas. Pesquisa descritiva e transversal, realizada em uma comunidade do Noroeste do Paraná, utilizando questionário estruturado, aplicado a 358 moradores. Os dados foram analisados no Statistical Software Analisys, sendo realizadas análises descritivas simples. Apenas 13,9% dos entrevistados referiram ações para prevenção do uso e combate ao tráfico de drogas e à violência na comunidade. Presença de drogas de abuso (24,9%), precariedade da assistência à saúde (20,9%) e da segurança pública (13,7%) foram os problemas mais importantes presentes na comunidade. Aumentar o policiamento (55,3%) foi a ação mais referida como essencial para combater o uso de drogas. A percepção social dos entrevistados indica o desconhecimento ou a ausência de ações de prevenção e combate ao tráfico de drogas na comunidade.
Descritores: Percepção social. Politicas públicas de saúde. Drogas ilícitas. Integração comunitária

Resumen
Políticas públicas para afrontar el uso de drogas de abuso: percepción social en una comunidad

El estúdio buscó identificar la percepción social sobre las políticas públicas para hacer frente al abuso de drogas en una comunidad con altos índices de violencia vinculada al narcotráfico. Descriptivo y transversal, realizado en una comunidad del noroeste de Paraná, utilizando um cuestionario estructurado aplicado a 358 residentes. Los datos fueron analizados com el Statistical Software Analisys, com análisis descriptivo simple. Sólo el 13,9% de los encuestado sinformaron de medidas para la prevención del uso y lucha contra el tráfico de drogas y la violencia en la comunidad. La presencia de drogas de abuso (24,9%), la inseguridad en el cuidado de la salud (20,9%) y en la seguridad pública (13,7%) fueron los problemas más importantes de la comunidad. Aumentar la vigilancia (55,3%) se reportó como la acción más importante para combatir el consumo de drogas. La percepción social de los encuestados señaló la ausencia de prevención y de lucha contra el tráfico de drogas en la comunidad.
Descriptores: Percepción social. Políticas públicas de salud. Drogas ilícitas. Integración a la comunidad

Abstract
Public policies for confronting the use of illicit drugs: social perception in a community

This study aimed to identify the social perception regarding public policies for confronting the use of drugs of abuse in a community with high indicators of drug-related violence. This is descriptive and transversal research, undertaken in a community in the Northwest of Paraná, using a structured questionnaire administered to 358 inhabitants. The data were analyzed using the Statistical Analysis Software, with simple descriptive analyses being undertaken. Only 13.9% of the interviewees mentioned actions for preventing drug use and combating drug trafficking and violence in the community. The most important problems present in the community were the presence of drugs of abuse (24.9%), the weakness of health care (20.9%), and public safety (13.7%). The action referred to most as essential for combating drug use was increasing policing (55.3%). The interviewees' social perception points to unawareness of, or absence of, actions for preventing and combating drug trafficking in the community.
Descriptors: Social perception. Health public policy. Street drugs. Community integration
 

Referências

1. Cogollo-Milanés Z, Arrieta-Vergara KM, Blanco-Bayuelo S, Ramos-Martínez L, Zapata K, Rodríguez-Berrio Y. Factores psicosocialesasociados al consumo de sustâncias en estudiantes de una universidad pública. Rev Salud Pública Bogotá. 2011;13(3):470-9.

2. Ballani TSL, Oliveira MLF. Uso de drogas de abuso e evento sentinela: construindo uma proposta para avaliação de políticas públicas. Texto Contexto Enferm,. 2007 Jul-Set; 16(3):488-94.

3. Beck LM, David HMSL. O abuso de drogas e o mundo do trabalho: possibilidades de atuação para o enfermeiro. Esc Anna Nery. 2007 Dez; 11(4):706-11.

4. Reis LM, Uchimura TT, Oliveira MLF. Socioeconomic and demographic profile in a vulnerable community to the use of drugs of abuse. Acta Paul Enferm. 2013; 26(3):276-82.

5. Barros MA, Pillon SC. Programa Saúde da Família: desafios e potencialidades frente ao uso de drogas. Rev Eletr Enferm [online]. 2006 [acesso 2012 Nov 03]; 08(1):144-9. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/revista8_1/revisao_02.htm

6. Araújo LF, Castanha AR, Barros APR, Castanha CR. Estudo das representações sociais da maconha entre Agentes Comunitários de Saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2006 Set; 11(3):827-36.

7. Carlini EA, Galduróz JC, Noto AR, Nappo SA. II Levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país - 2005. Brasília (DF): Secretaria Nacional Antidrogas; 2007.

8. Ministério da Saúde (BR). Política do Ministério da Saúde para a atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Brasília (DF); 2004.

9. Andrade LMB, Quandt FL, Campos DA, Delziovo CR, Coelho EBS, Moretti-Pires RO. Análise da implantação dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família no interior de Santa Catarina. Saude Transf Soc. 2012; 3(1):18-31.

10. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) - Segurança Pública. Governo Federal. Brasília (DF): Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República; 2012.

11. Gelbcke FL, Padilha MICS. O fenômeno das drogas no contexto da promoção da saúde. Texto Contexto Enferm. 2004 Jun; 13(2):272-9.

12. Castiel LD. Promoção de saúde e a sensibilidade epistemológica da categoria 'comunidade'. Rev Saúde Pública. 2004 Out; 38(5):615-22.

13. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [online]. Censo Demográfico 2010. [acesso 2012 Nov 03]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/default.shtm

14. Moura EC, Malta DC. Consumo de bebidas alcoólicas na população adulta brasileira: características sociodemográficas e tendência. Rev Bras Epidemiol. 2011; 14(1):61-70.

15. Ministério da Saúde (BR). Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico - Estimativas sobre frequência e distribuição sócio-demográfica de fatores de risco e proteção para doenças crônicas nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal em 2011. Rio de Janeiro (RJ): 2011; 136p.

16. Marín-León L, Oliveira HB, Barros MBA, Dalgalarrondo P, Botega NJ. Percepção dos problemas da comunidade: influência de fatores sócio-demográficos e de saúde mental. Cad Saúde Pública. 2007 Mai; 23(5):1089-97.

17. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [página na internet]. Pesquisa mensal de emprego, 2011. [acesso 2012 Nov 03]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/noticia_visualiza.php?id_noticia=2222&id_pagina=1

18. Feltran GS. Fronteiras de tensão - política e violência nas periferias de São Paulo. ed. UNESP. São Paulo (SP): 2011; 256p.

19. Bernardy CCF, Oliveira MLF. O papel das relações familiares na iniciação ao uso de drogas de abuso por jovens institucionalizados. Rev Esc Enferm USP. 2010 Mar; 44(1):11-17.

20. Aguilar LR, Pillon SC. Percepción de tentaciones de uso de drogas en personas que reciben tratamiento. Rev Latino-Am Enferm. 2005; 13(spe):790-7.

21. Funes GM, Brands B, Adlaf E, Giesbrecht N, Simich L, Wright MG. Factores de riesgo relacionados al uso de drogas ilegales: perspectiva crítica de familiares y personas cercanas en un centro de salud público en San Pedro Sula, Honduras. Rev Latino-Am Enferm. 2009; 17(esp):796-802.

22. Laranjeira R. Legalização de drogas e a saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva. 2010 Mai;15(3):621-31.

23. Dahlber LL, Krug EG. Violência: um problema global de saúde pública. Ciênc Saúde Coletiva. 2007; 11(supl):1163-78.

24. Marti CN, Stice E, Springer DW. Substance use and abuse trajectories across adolescence: a latent trajectory analysis of a community-recruited sample of girls. Journal Adolesc. 2010; 33(3):449-61.

25. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (BR). Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS) - Saúde. Governo Federal. Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da  República, Brasília (DF): 2011; 21p.

26. Marangoni SR, Oliveira MLF. Uso de crack por multípara em vulnerabilidade social: história de vida. Ciênc Cuid Saúde. 2012 Jan. 11(1):166-72

27. Melchior R, Nemes MIB, Alencar TMD, Buchalla CM. Desafios da adesão ao tratamento de pessoas vivendo com HIV/aids no Brasil. Rev Saúde Pública. 2007; 41(supl.2):87-93.

28. Oliveira SG, Ressel LB. Grupos de adolescentes na prática de enfermagem: um relato de experiência. Ciênc Cuid Saúde. 2010; 9(1):144-8

29. Brasil. República da Presidência. Casa civil. Decreto n. 7179, de 20 de maio de 2010. Institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, cria o seu Comitê Gestor, e dá outras providências. Brasília (DF): 2010

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería