ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2014 v23n4 r230889

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Qualidade de vida de idosos praticantes de atividade física no contexto da estratégia saúde da família*

Ana Cristina Viana Campos,1 Edméia de Campos Cordeiro,2 Gabrielli Pinho de Rezende,3 Andréa Maria Duarte Vargas,4 Efigênia Ferreira e Ferreira5
1
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Odontologia pela Faculdade de Odontologia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil.2Especialista em Enfermagem em Urgência, Emergência e Trauma da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUCMinas). Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. 3Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. 4Doutora em Ciência Animal. Professora Associado do Departamento de Odontologia Social e Preventiva da Faculdade de Odontologia da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil. 5Doutora em Ciência Animal. Professora Titular do Departamento de Odontologia Social e Preventiva da Faculdade de Odontologia da UFMG. Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Recebido em 16 de julho de 2013
Aprovação final em 07 de fevereiro de 2014

Texto Contexto Enferm 23(4): 889-897
*
Esta pesquisa recebeu apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), no14/2011, protocolo 1829669704655455

 

 

 

Cómo citar este documento

Campos, Ana Cristina Viana; Cordeiro, Edméia de Campos; Rezende, Gabrielli Pinho de; Vargas, Andréa Maria Duarte; Ferreira, Efigênia Ferreira e. Qualidade de vida de idosos practicantes de atividade física no contexto da estratégia saúde da família. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2014, 23(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/230889.php> Consultado el

 

Resumo

Estudo transversal, descritivo, correlacional, realizado com 107 idosos cadastrados em duas unidades básicas de saúde, no interior de Minas Gerais com objetivo de descrever o perfil sociodemográfico e avaliar a relação de interdependência entre a qualidade de vida de idosos e atividade física, diante de possíveis fatores determinantes. Incialmente foi realizada uma análise descritiva do perfil socioeconômico da amostra e dos testes aplicados aos idosos. Buscou-se explorar relações conjuntas entre a qualidade de vida, atividade física e as variáveis exploratórias por meio da análise de componentes principais. Foram identificados três perfis distintos, que explicaram, em duas dimensões, a relação entre qualidade de vida e atividade física. Conclui-se que a qualidade de vida dos idosos é boa e influenciada pela prática de atividades físicas regulares, ausência de depressão, maior capacidade cognitiva e boa funcionalidade familiar.
Descritores: Qualidade de vida. Saúde do idoso. Saúde da família. Atividade motora

 

Resumen
La calidad de vida de los adultos mayores fisicamente activos en el contexto de la estrategia de salud familiar

Estudio transversal, descriptivo por correlación, realizado con 107 adultos mayores de dos unidades básicas de salud en Minas Gerais. El objetivo fue describir el perfil sociodemográfico y evaluar la interdependencia de la calidad de vida de los adultos mayores, la actividad física y posibles factores. Inicialmente se realizó un análisis descriptivo del perfil socioeconómico de la muestra y los testes aplicados a los adultos mayores. Hemos tratado de explorar las relaciones conjuntas entre la calidad de vida, la actividad física y las variables de exploración a través de un análisis de componentes principales (ACP). Se identificaron tres perfiles distintos en dos dimensiones que explican la relación entre calidad de vida y la actividad física. Se concluye que la calidad de vida de los adultos mayores es buena y estás más influenciada por la actividad física regular, la ausencia de depresión, mayor capacidad cognitiva y el buen relacionamiento en su familia.
Descriptores: Calidad de vida. Salud del anciano. Salud de la familia. Actividad motora

 

Abstract
Quality of life of elderly practitioners of physical activity in the context of the family health strategy

Cross-sectional, descriptive and correlational study with 107 elderly enrolled in two basic health units in Minas Gerais, in order to describe the sociodemographic profile and evaluate the interdependence of quality of life of the elderly and physical activity, in the face of possible factors. Initially we performed a descriptive analysis of the socioeconomic profile of the sample and the tests applied to the elderly. We sought to explore joint relationships between quality of life, physical activity and exploratory variables through principal component analysis. Three distinct profiles were identified in two dimensions that explained the relationship between quality of life and physical activity. We concluded that the quality of life for the elderly is good and is influenced by regular physical activity, absence of depression, greater cognitive ability and good family functioning.
Descriptors: Quality of life. Health of the elderly. Family health. Motor activity
 

Referências

1. Alves LC, Leimann BCQ, Vasconcelos MEL, Carvalho MS, Vasconcelos AGG, Fonseca TCO, et al. A influência das doenças crônicas na capacidade funcional dos idosos do Município de  São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007 Ago; 23(8):1924-30.

2. Lima-Costa MF, Veras R. Aging and public health. Cad Saúde Pública. 2003 Jun; 19(3):701.

3. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tendências demográficas: uma análise dos resultados do universo do censo demográfico 2000. Estudos e pesquisas informação  demográfica, Rio de Janeiro (RJ): IBGE; 2002

4. Gonçalves LHT, Alvarez AM, Sena ELS, Santana LWS, Vicente FR. Perfil da família cuidadora de idoso doente/fragilizado do contexto sociocultural de Florianópolis, SC. Texto Contexto  Enferm. 2006 Out-Dez; 15(4):570-7.

5. Dias Júnior CS, Costa CS, Lacerda MA. O envelhecimento da população brasileira: uma análise de conteúdo das páginas da REBEP. Rev Bras Geriatr Gerontol [online]. 2006 [acesso 2013  Abr 16]; 9(2):7-24. Disponível em: http://www.abep.nepo.unicamp.br/encontro2006/docspdf/abep2006_81.pdf

6. Mattos PP, Nobre IM, Aloufa MAI. Reserva de desenvolvimento sustentável: avanço na concepção de áreas protegidas? Soc Nat. 2011 Dec; 23(3):409-21.

7. Minayo MCS, Hartz ZM, Buss PM. Qualidade de Vida e Saúde: um debate necessário. Ciênc Saúde Coletiva. 2000; 5(1):7-18

8. The Whoqol Group. The World Health Organization quality of life assessment WHOQOL: position paper from the World Health Organization. Soc Sci Med. 1995 Nov; 41(10):1403-10

9. Vagetti GC, Barbosa Filho VC, Moreira NB, Oliveira V, Mazzardo O, Campos W. Condições de saúde e variáveis sociodemográficas associadas à qualidade de vida em idosas de um  programa de atividade física de Curitiba, Paraná, Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2013 Mai; 29(5):955-69.

10. Maciel MG. Atividade física e funcionalidade do idoso. Motriz. 2010 Out-Dez; 16(4):1024-32.

11. Benedetti TRB, Gonçalves LHT, Mota JAPS. Uma proposta de política pública de atividade física para idosos. Texto Contexto Enferm. 2007 Jul-Set; 16(3):387-98

12. Moretti AC, Almeida V, Westphal MF, Bógus CM. Práticas corporais/atividade física e políticas públicas de promoção da saúde. Saude Soc. 2009 Abr-Jun; 18(2):346-54.

13. Pozena R, Cunha NFS. Projeto "construindo um futuro saudável através da prática da atividade física diária". Saúde Soc. 2009 Jna-Mar; 18(supl.I):52-6.

14. Duarte YAO, Andrade CL, Lebrão ML. O Índex de Katz na avaliação da funcionalidade dos idosos. Rev Esc Enferm USP. 2007 Jun; 41(2):317-25.

15. Silva SLA, Vieira RA, Arantes P, Dias RC. Avaliação de fragilidade, funcionalidade e medo de cair em idosos atendidos em um serviço ambulatorial de geriatria e gerontologia. Fisioter  Pesq. 2009 Abr-Jun; 16(2):120-5.

16. Brucki SM, Nitrini R, Caramelli P, Bertolucci PH, Ivan H, Okamoto IH. Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arq Neuropsiquiatr. 2003 Set; 61(3-B):777-81

17. Almeida OP, Almeida SA. Confiabilidade da versão brasileira da Escala de Depressão em Geriatria (GDS) versão reduzida. Arq Neuropsiquiatr. 1999 Jun; 57(2B):421-6.

18. Smilkstein G, Ashworth C, Montano D. Validity and reliability of the family APGAR as a test of family function. J Fam Pract. 1982 Ago; 15(2):303-11.

19. Mazo GZ, Benedetti TRB. Adaptação do questionário internacional de atividade física para idosos. Rev Bras Cineantropom Desemp Hum. 2010; 12(6):480-4.

20. Fleck MPA, Chachamovich E, Trentini CM. Development of the WHOQOL-Old module in Brazil. Rev Saúde Pública. 2006 Out; 40(5):785-91.

21. Hair JF, Black WC, Babin JB, Anderson RE, Tatham RL. Análise multivariada de dados. 6ª Ed. Porto Alegre (RS): Artmed; 2009.

22. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 1980-2050: revisão 2008. Rio de Janeiro (RJ): IBGE - Depis. [acesso 2013  Abr 16]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2008/projecao.pdf

23. Virtuoso Júnior JS, Tribess S, Paulo TRS, Martins CA, Romo-Perez V. Physical activity as an indicator of predictive functional disability in elderly. Rev Latino-Am Enferm. 2012 Abr-Mai; 20 (2):259-65.

24. Pereira JRP, Okuma SS. O perfil dos ingressantes de um programa de educação física para idosos e os motivos da adesão inicial. Rev Bras Educ Fís Esporte. 2009 Out-Dez; 23(4):319-34.

25. Tavares DMS, Dias FA. Capacidade funcional, morbidades e qualidade de vida de idosos. Texto Contexto Enferm [online]. 2012 Jan-Mar; 21(1):112-20. Disponível em:  http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-07072012000100013&lng=en&nrm=iso

26. Datasus [online]. Departamento de Informática do SUS. Ministério da Saúde. Taxa de analfabetismo - B.1. 2011. [acesso 2013 Abr 16]. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?idb2011/b01a.def.

27. Araújo CL, Manucussi e Faro AC. La práctica de actividad física en adultos mayores del Valle del Paraíba, São Paulo, Brasil. Enferm Global. 2012 Oct; 11(28):204-12.

28. Floriano PJ, Dalgalarrondo P. Saúde mental, qualidade de vida e religião em idosos de um Programa de Saúde da Família. J Bras Psiquiatr. 2007; 56(3):162-70

29. Tavares DMS, Dias FA. Distribuição espacial de idosos de acordo com menores escores de qualidade de vida. Texto Contexto Enferm [online]. 2011; [acesso 2013 Abr 16]. 20(Esp):205-13. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000500026

30. Santana MS, Maia EMC. Atividade física e bem-estar na velhice. Rev Salud Pública. 2009; 11(2):225-36.

31. OMS. Organização Mundial da Saúde. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília (DF): Organização Pan-Americana de Saúde; 2005.

32. Guimarães ACA, Scotti AV, Soares A, Fernandes S, Machado Z. Percepção da qualidade de vida e da finitude de adultos de meia idade e idoso praticantes e não praticantes de atividade física. Rev Bras Geriatr Gerontol. [online]. 2012; [acesso 2013 Abr 16]; 15(4):661-70. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232012000400007

33. Gordia PA, Quadros BMT, Vilela Junior VBG, Souza AE, Cabral C, Morais BT, et al. Comparação da qualidade de vida de mulheres idosas praticantes e não praticantes de exercício físico.

Educação física e esporte. Rev Digital [online]. 2007 [acesso 2013 Abr 16]; 11(106). Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd106/mulheres-idosas-praticantes-de-exercicio-fisico.htm

34. Ferreira OGL, Maciel SC, Costa SMG, Silva AO, Moreira MASP. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Contexto Enferm [online]. 2012 [acesso 2013 Abr 16]; 21(3). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v21n3/v21n3a04

35. Moraes H, Deslandes A, Ferreira C, Pompeu FAMS, Ribeiro P, Laks J. O exercício físico no tratamento da depressão em idosos: revisão sistemática. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul [online]. 2007 [acesso 2013 Abr 16]; 29(1):70-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81082007000100014

36. Santos AA, Pavarini SCI, Barham EJ. Percepção de idosos pobres com alterações cognitivas sobre funcionalidade familiar. Texto Contexto Enferm. 2011 Jan-Mar [acesso 2013 Abr 16]; 20(1):102-10. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000100012

37. Leite MT, Battisti IDE, Berlezi EM, Scheuer AI. Idosos residentes no meio urbano e sua rede de suporte familiar e social. Texto Contexto Enferm. [online]. 2008 Abr-Jun [acesso 2013 Abr  16]; 17(2):250-7. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v17n2/05.pdf

38. Reis LA, Torres GV, Xavier TT, Silva RAR, Costa IKF, Mendes FRP. Percepção do suporte familiar em idosos de baixa renda e fatores associados. Texto Contexto Enferm. [online]. 2011 [acesso 2013 Abr 16]; 20(Esp):52-8. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072011000500006

39. Farias RG, Santos SMA. Influência dos determinantes do envelhecimento ativo entre idosos mais idosos. Texto Contexto Enferm. [online]. 2012 Jan-Mar [acesso 2013 Abr 16]; 21(1):167-76. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000100019

40. Benevides O, Reyes-Ortiz C, Herrera JA. Prevalencia de sintomas depressivos en ancianos. Med Fam. 1999 Jul-Dic; 7(2):52-9.

41. Fiedler MM, Peres KG. Capacidade funcional e fatores associados em idosos do Sul do Brasil: um estudo de base populacional. Cad Saúde Pública. 2008 Feb; 24(2):409-15

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería