ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707 2014 v23n4 r230854

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Viver com tuberculose em prisões: o desafio de curar-se*

Marcandra Nogueira de Almeida Santos,1 Antonia Margareth Moita Sá2
1
Mestre em Enfermagem. Enfermeira da Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará. Belém, Pará, Brasil. 2Doutora em Enfermagem. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da UEPA. Belém, Pará, Brasil

Recebido em 26 de fevereiro de 2013
Aprovação final em 25 de setembro de 2013

Texto Contexto Enferm 23(4): 854-861
*
Estudo extraído da dissertação - O cotidiano de ser portador de tuberculose e privado de liberdade: contribuições de enfermagem, apresentada ao Programa de Pós-graduação em  Enfermagem da Universidade do Estado do Pará (UEPA), em 2012.

 

 

 

Cómo citar este documento

Santos, Marcandra Nogueira de Almeida; Sá, Antonia Margareth Moita. Viver com tuberculose em prisões: o desafio de curar-se. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2014, 23(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/230854.php> Consultado el

 

Resumo

Objetivou-se compreender os sentidos, para a pessoa privada de liberdade, de viver com a tuberculose e seu tratamento em prisões. A pesquisa foi desenvolvida por meio do  método fenomenológico hermenêutico de Martin Heidegger, com realização de 22 entrevistas em cinco prisões localizadas no Estado do Pará. Por meio dos resultados e sua hermenêutica  compreendeu-se que a pessoa privada de liberdade entende sua condição e transcende suas facticidades e dificuldades para o alcance da cura da doença, movendo-se como ser de  possibilidades e desvelando o seu modo autêntico de viver diante da tuberculose e de seu tratamento em prisões.
Descritores: Tuberculose. Terapêutica. Prisões. Enfermagem. Filosofia

 

Resumen
Vivir con tuberculosis en las prisiones: el desafío de alcanzar la cura

Este estudio tuvo como objetivo comprender el significado de vivir con la tuberculosis y su tratamiento en las prisiones. La investigación fue realizada mediante el método  fenomenológico hermenéutico de Martin Heidegger. Fueron testigos 22 presos en cinco prisiones ubicadas en el Estado de Para, Brasil. Mediante la hermenéutica se entiende que la persona  privada de libertad comprende su condición y trasciende sus facticidades y las dificultades para lograr la cura de la enfermedad, moviéndose como un ser de posibilidades y revelando su  auténtica forma de vivir diante de la tuberculosis y su tratamiento en las prisiones.
Descriptores: Tuberculosis. Terapéutica. Prisiones. Enfermería. Filosofía

 

Abstract
Living with tuberculosis in prison: the challenge to achieve cure

The objective of this study was to better understand the meaning, for the person deprived of freedom, of living in prison with tuberculosis and its treatment. The research was  conducted using the phenomenological method of Martin Heidegger, applied to 22 interviews realized in five prisons located in the state of Pará, Brazil. The results and its hermeneutics made  possible to understand that the person deprived of freedom understands their condition and transcends their facticity and difficulties to achieve the cure of the disease, living as beings of  possibilities, revealing their authentic way of facing tuberculosis and its treatment in prison.
Descriptors: Tuberculosis. Therapeutics. Prisons. Nursing. Philosophy
 

Referências

1. Farga V, Caminero JA. Tuberculosis. 3ª ed. Santiago (CL): Mediterrâneo; 2011

2. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de Controle da Tuberculose . Manual de recomendações para o controle da tuberculose no Brasil. Brasília  (DF): MS; 2011.

3. Souza KMJ, Villa TCS, Assolini FEP, Beraldo AA, França UM, Protti ST, et al. Atraso no diagnóstico da tuberculose em sistema prisional: a experiência do doente apenado. Texto Contexto  Enferm. 2012 Jan-Mar; 21(1):17-25.

4. Sánchez AR, Diuana V, Larouzé B. Controle da tuberculose nas prisões brasileiras: novas abordagens para um antigo problema. Cad Saúde Pública. 2010; 26(5):850-1.

5. Awofeso N. Prisons as social determinants of hepatitis C virus and tuberculosis infections. Public Health Rep. 2010 Jul-Aug; 125(4):25-33.

6. Baussano I, Williams BG, Nunn P, Beggiato M, Fedeli U, Scano F. Tuberculosis incidence in prisons: a systematic review. PLoS Med. 2011; 7(12):e1000381.

7. Noeske J, Ndi N, Mbondi S. Controlling tuberculosis in prisons against confinement conditions: a lost case? Experience from Cameroon. Int J Tuberc Lung Dis. 2011 Feb; 15(2):223-7.

8. Waisbord S. Participatory communication for tuberculosis control in prisons in Bolivia, Ecuador, and Paraguay. Rev Panam Salud Publica. 2010 Mar; 27(3):168-74.

9. Ministério da Saúde [página na internet]. Campanha de Tuberculose. Brasília (DF): MS; 2012. [atualizado 2012 Mar 26, acesso 2012 Out 15]. Disponível em:  http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/apresentacao_dia_mundial_tb_26_03_12.pdf.

10. Queiroz EM, Guanilo MCTU, Ferreira KR, Bertolozzi MR. Tuberculose: limites e potencialidades do tratamento supervisionado. Rev Latino-Am Enfermagem [online]. 2012 [acesso 2012 Jun  26]; 20(2). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v20n2/pt_21.pdf.

11. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de Controle da Tuberculose . Tratamento diretamente observado da Tuberculose na atenção básica:  protocolo de enfermagem. Brasília (DF): MS; 2011.

12. Souza SS, Silva DMG. Passando pela experiência do tratamento para tuberculose. Texto Contexto Enferm. 2010; 19(4):636-43

13. Chirinos NEC, Meirelles BHS. Fatores associados ao abandono do tratamento da tuberculose: uma revisão integrativa. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(3):599-606.

14. Graças EM, Santos GF. Metodologia do cuidar em enfermagem na abordagem fenomenológica. Rev Esc Enferm USP. 2009; 43(1):200-7.

15. Diuana V, Lhuilier D, Sánchez AR, Amado G, Araújo L, Duarte AM, et al. Saúde em prisões: representações e práticas dos agentes de segurança penitenciária do Rio de Janeiro, Brasil.  Cad Saúde Pública. 2008; 24(8):1887-96

16. Irala DA, Cezar-Vaz MR, Cestari ME. Trabalho em saúde com pacientes apenados: sentidos metafóricos gerados no contexto hospitalar. Acta Paul Enferm. 2011; 24(2):206-12.

17. Ferreira Junior S, Oliveira HB, Marin-León L. Conhecimento, atitudes e práticas sobre tuberculose em prisões e no serviço público de saúde. Rev Bras Epidemiol. 2013 Mar; 16(1):100-13.

18. Gois SM, Santos Júnior HPO, Silveira MFA, Gaudêncio MMP. Para além das grades e punições: uma revisão sistemática sobre a saúde penitenciária. Ciência Saúde Colet. 2012; 17 (5):1235-46

19. Heidegger M. Ser e tempo. 5ª ed. rev. Petrópolis (RJ): Vozes; 2011.

20. Marcondes D. Iniciação à história da filosofia: dos pré-socráticos a Wittgestein. 13ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Jorge Zahar; 2010.

21. Santos EM, Sales CA. Familiares enlutados: compreensão fenomenológica existencial de suas vivências. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(Esp):214-22

22. Nascimento VR. A filosofia hermenêutica para uma jurisdição constitucional democrática: fundamentação, aplicação da norma jurídica na contemporaneidade. Rev Direito GV. 2009 Jan- Jun; 5(1):147-68.

23. Missaggia JO. As origens do método heideggeriano: o desenvolvimento das indicações formais [dissertação]. Porto Alegre (RS): Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.  Programa de Pós Graduação em Filosofia; 2011.

24. Araujo JL, Paz EPA, Moreira TMM. Hermenêutica e saúde: reflexões sobre o pensamento de Hans-Georg Gadamer. Rev Esc Enferm USP [online]. 2012 [acesso 2012 Jan 15]; 46(1).  Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n1/en_v46n1a27.pdf.

25. Carvalho AS. Metodologia da entrevista: uma abordagem fenomenológica. 2ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Agir; 1991.

26. Universidade Federal do Rio grande do Sul [página na internet]. Conselho Nacional de Saúde, Resolução n. 196 de 10 de outubro de 1996. Diretrizes e normas regulamentadoras de  pesquisas envolvendo seres humanos. Porto Alegre (RS): UFRGS; 2012 [acesso 2012 Maio 20]. Disponível em: http://www.bioetica.ufrgs.br/res19696.htm

27. Monteiro CFS, Paz EPA, Rocha SS, Souza IEO. Fenomenologia Heideggeriana e sua possibilidade na construção de estudos de enfermagem. Esc Anna Nery. 2006 Ago; 10(2):297-300.

28. Abbagnano N. Dicionário de filosofia. São Paulo (SP): Martins Fontes; 2007

29. Nunes B. Heidegger & ser e tempo. 3ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Jorge Zahar; 2010

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería