ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Métodos não farmacológicos para alívio do desconforto e da dor no recém-nascido: uma construção coletiva da enfermagem*

Raquel Alves Cordeiro,1 Roberta Costa2
1
Mestre em Gestão do Cuidado em Enfermagem. Enfermeira da Unidade Neonatal do Hospital Universitário (HU) da UFSC. Santa Catarina, Brasil. E-mail: raquel_hu@terra.com.br 2Doutora em Enfermagem. Docente do Curso de Mestrado Profissional Gestão do Cuidado em Enfermagem da UFSC. Enfermeira da Unidade Neonatal do HU/UFSC. Santa Catarina, Brasil. E-mail: roberta.costa@ufsc.br

Recebido em 14 de dezembro de 2012
Aprovação final em 15 de fevereiro de 2013

Texto Contexto Enferm 23(1): 185-192
*Recorte da dissertação - Reflexões da equipe de enfermagem sobre o desconforto e a dor do recém-nascido: uma proposta de protocolo de cuidado baseado nos métodos não farmacológicos, apresentada ao Mestrado Profissional Gestão do Cuidado em Enfermagem, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), 2012

 

 

 

Cómo citar este documento

Cordeiro, Raquel Alves; Costa, Roberta. Métodos não farmacológicos para alívio do desconforto e da dor no recém-nascido: uma construção coletiva da enfermagem. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2014, 23(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23-185.php> Consultado el

 

Resumo

Pesquisa convergente-assistencial, que teve como objetivo construir, com a equipe de enfermagem, uma proposta de protocolo de cuidados, baseada nos métodos não farmacológicos, para o manejo do desconforto e da dor no recém-nascido internado em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Foi realizada na unidade neonatal de um Hospital Universitário, com 16 profissionais da equipe de enfermagem. A coleta de dados foi realizada em duas etapas: primeiramente, foi realizado um processo educativo-reflexivo e, em seguida, a observação participante nos diferentes turnos de trabalho da equipe de enfermagem. A proposta de protocolo de cuidados possibilitará a padronização das estratégias de cuidado no manejo da dor utilizando os métodos não farmacológicos no recémnascido, além de contribuir para um melhor atendimento prestado na unidade neonatal, reduzindo a dor e o desconforto vivenciado durante a hospitalização, repercutindo também em menor número de sequelas e melhor qualidade de vida para o neonato e família.
Palavras chave: Dor/ Recém-nascido/ Neonatologia/ Enfermagem.
 

Abstract
Non-pharmacological methods for relief of discomfort and pain in newborns: a collective nursing construction

This is a convergent care study with the aim to build, together with the nursing staff, a proposal for care protocol based on non-pharmacological methods for discomfort and pain management in newborns admitted to a neonatal intensive care unit. The study was carried out in a neonatal intensive care unit of a university hospital with 16 nursing staff professionals. Data were collected in two stages: first, a reflective-educational process was performed and, afterwards, a participant observation during the different work shifts of the nursing staff. The care protocol proposal will enable the standardization of care strategies for pain management in newborns using non-pharmacological methods. Furthermore, it will contribute to provide better care in the neonatal unit, reducing pain and discomfort experienced during hospitalization, as well as resulting in fewer consequences and better quality of life for the newborns and their families.
Key-words: Pain/ Infant, Newborn/ Neonatology/ Nursing.
 

Resumen
Métodos no farmacológicos para el tratamiento del incomodidad y dolor en el recién nacido: una construcción colectiva de enfermería

Estudio convergente-asistencial que tuvo como objetivo construir con el plan de atención de enfermería basada en métodos no farmacológicos para el tratamiento del incomodidad y dolor en los recién nacidos ingresados en la unidad de cuidados intensivos neonatales. Se llevó a cabo en una unidad neonatal del hospital universitario, con 16 miembros de enfermería profesional. La recolección de datos se realizó en dos pasos: un proceso educativo reflexivo y la observación participante en diferentes turnos de trabajo. El plan de atención a la normalización de las estrategias de cuidado en el tratamiento del dolor utilizando métodos no farmacológicos en el recém-nascido y contribuye a mejorar la atención recibida en la unidad neonatal, la reducción del dolor y el estrés sufrido durante la hospitalización y que también refleja un menor número de secuelas y una mejor calidad de vida para el recién nacido y la familia.
Palabras clave: Dolor/ Recién nacido/ Neonatología/ Enfermería.
 

Referências

1. Sousa BBB, Santos MH, Sousa FGM, Gonçalves APF, Paiva SS. Avaliação da dor como instrumento para o cuidar de recém-nascidos pré-termo. Texto Contexto Enferm. 2006; 15(Esp):88-96.

2. Medeiros MD, Madeira LM. Prevenção e tratamento da dor do recém-nascido em terapia intensiva neonatal. Rev Min Enferm. 2006 Abr-Jun; 10(2):118-24.

3. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Área da Saúde da Criança. Atenção Humanizada ao recém-nascido de baixo peso: Método Canguru. Manual técnico, Brasília (DF): MS; 2011.

4. Silva YP, Gomez RS, Máximo TA, Silva ACS. Avaliação da dor em neonatologia. Rev Bras Anestesiol. 2007 Set-Out; 57(5):567-74.

5. Bueno M, Costa P, Oliveira AAS, Cardoso R, Kimura AF. Tradução e adaptação do Premature Infant Profile para língua portuguesa. Texto Contexto Enferm. 2013 Jan-Mar; 22(1):29-35.

6. Guinsburg R, Cuenca MC. A linguagem da dor no recém-nascido. Documento científico do Departamento de Neonatologia, Sociedade Brasileira de Pediatria [online]. 2010 [acesso 2012 Mai 21]; Disponível em: http://www.sbp.com.br/pdfs/doc_linguagem-da-dor-out2010.pdf

7. Hennig MAS, Gomes MSM, Gianini NOM. Conhecimentos e práticas dos profissionais de saúde sobre a "atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso - método canguru". Rev Bras Saúde Matern Infant. 2006 Jul-Set; 8(3):285-90.

8. Fraga DA, Linhares MBM, Carvalho AEV, Martinez FE. Desenvolvimento de bebês prematuros relacionado a variáveis neonatais e maternas. Psicol Estud. 2008 Abr-Jun;13(2):335-44.

9. Santos LM, Ribeiro IS, Santana RCB. Indicação e tratamento da dor no recém-nascido prematuro na Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Enferm. 2012 Mar-Abr; 65(2):269-75.

10. Trentini M, Paim L. Pesquisa convergenteassistencial: um desenho que une o fazer e o pensar na prática assistencial em saúde-enfermagem. 2ª ed. Florianópolis (SC): Insular; 2004.

11. Freire P. Pedagogia do oprimido. 41ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Paz e Terra; 2005.

12. Minayo MCS. Pesquisa social: teoria método e criatividade. Porto Alegre (RS): Vozes; 2004.

13. Tamez RN, Silva MJP. Enfermagem na UTI neonatal: assistência ao recém-nascido de alto risco. 3ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2006.

14. Caetano LC, Fujinaga CI, Scochi CGS. Sucção não nutritiva em bebês prematuros: estudo bibliográfico. Rev Latino-Am Enferm. 2003 Mar-Abr; 11(2):232-6.

15. Neves FAM, Corrêa DAM. Dor em recém-nascido: a percepção da equipe de enfermagem. Cienc Cuid Saúde. 2008 Out-Dez; 7(4):461-67.

16. Matsuda LM, Silva DMPP, Évora YDM, Coimbra JAH. Anotações/registros de enfermagem: instrumento de comunicação para a qualidade do cuidado? Rev Eletr Enferm [online]. 2006 [acesso 2012 Mai 23]; 8(3):415-21. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/revista8_3/v8n3a12.htm

17. Leite AM, Castral TC, Scochi CGS. Pode a amamentação promover alívio da dor aguda em recém-nascidos? Rev Bras Enferm. 2006 Jul-Ago; 59(4):426-538.

18. Falcão FRC, Silva MAB. Contenção durante a aspiração traqueal em recém-nascidos. Rev Cien md Biol., 2008 Mai-Ago; 7(2):123-131.

19. Alves CO, Duarte ED, Azevedo VMGO, Nascimento GR, Tavares TS. Emprego de soluções adocicadas no alívio da dor neonatal em recém-nascido prematuro: uma revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm. 2011 Dec; 32(4):788-96.

20. Crescêncio EP, Zanelato S, Leventha LC. Avaliação e alívio da dor no recém-nascido. Rev Eletr Enferm [online]. 2009 [acesso 2012 Mai 23]; 11(1):64-9. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/fen_revista/v11/n1/pdf/v11n1a08.pdf

21. Stevens B, McGrath P, Gibbins S, Beyene J, Breau L, Camfield C, et al. Determining behavioural and physiological responses to pain in infants at risk for neurological impairment. Pain. 2007 Jan; 127(1):94-102.

22. Nascimento RM, Ferreira ALC, Coutinho ACFR, Veríssimo RCSS. Frequência de lesão nasal em neonatos por uso de pressão positiva contínua nas vias aéreas com pronga. Rev Latino-Am Enferm. 2009 Jul-Ago; 17(4):489-94.

23. Rolim KMC, Farias CPX, Marques LC, Magalhães FJ, Gurgel EPP, Caetano JA. Atuação da enfermeira na prevenção de lesão de pele do recém-nascido. Rev Enferm UERJ. 2009 Out-Dez; 17(4):544-9.

24. Araújo MC. Aspiração traqueal de recém-nascidos prematuros [dissertação]. Rio de Janeiro (RJ): Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Programa de Pós-graduação em Emfermagem; 2008.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería