ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

A saúde de mulheres e o fenômeno das drogas em revistas brasileiras*

Márcia Rebeca Rocha de Souza,1 Jeane Freitas de Oliveira,2 Enilda Rosendo do Nascimento3
1
Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Bahia, Brasil. E-mail: marciabek@hotmail.com 2Doutora em Saúde Coletiva. Professora da Escola de Enfermagem da UFBA. Bahia, Brasil. E-mail: jeanefreitas@ig.com.br 3Doutora em Enfermagem. Professora da Escola de Enfermagem da UFBA. Bahia, Brasil. E-mail: enildarosendo@hotmail.com

Recebido em 03 de maio de 2012
Aprovação final em 27 de fevereiro de 2013

Texto Contexto Enferm 23(1): 92-100
*Artigo elaborado a partir da pesquisa intitulada - O fenômeno das drogas e a saúde das mulheres na mídia escrita brasileira: uma análise de gênero, aprovada pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), para o período de 2009/2010, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão da Bahia (FAPESB)

 

 

 

Cómo citar este documento

Souza, Márcia Rebeca Rocha de; Oliveira, Jeane Freitas de; Nascimento, Enilda Rosendo do. A saúde de mulheres e o fenômeno das drogas em revistas brasileiras. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2014, 23(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23-092.php> Consultado el

 

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir as repercussões sociais e na saúde de mulheres envolvidas com drogas, divulgadas em reportagens publicadas em revistas de circulação nacional. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório e descritivo. Utilizou-se reportagens publicadas em quatro revistas, durante o período de seis meses consecutivos, a partir de setembro de 2009. Foram identificadas 52 reportagens que comentavam sobre as mulheres e o fenômeno das drogas. Para o tratamento dos dados, adotou-se a análise de conteúdo temática. As reportagens abordam aumento do consumo de drogas por mulheres, o consumo de medicamentos para manter e/ou atingir padrões de beleza socioculturalmente estabelecidos, com riscos para dependência e overdose, e situações de violências para mulheres decorrentes da convivência com homens usuários de drogas. Os reflexos econômicos, políticos, ideológicos e culturais para mulheres envolvidas com o fenômeno das drogas podem ser causa e/ou consequência das implicações para a saúde desta população.
Palavras chave: Mulheres/ Usuários de drogas/ Meios de comunicação de massa.
 

Abstract
Women's health and the phenomenon of drugs in brazilian magazines

The aim of this paper is to discuss social and health repercussions in women due to drug use, as disclosed in reports published in magazines with national circulation. This is a qualitative research, with an exploratory and descriptive approach. Articles published in four magazines were used, during six consecutive months as of September of 2009. Fifty-two articles were identified with comments on women and the drug phenomena. The information was addressed by means of thematic content analysis. The reports address the increased consumption of drugs by women, the consumption of drugs to maintain and/or achieve the established sociocultural standards of beauty, with risks for addiction and overdose, and situations resulting from violence towards women living with male drug users. Economical, political, ideological and cultural reflexes for women involved with the drug phenomena could be the cause or consequence of implications in the health of this population.
Key-words: Women/ Drug users/ Mass media.
 

Resumen
La salud de las mujeres y el fenómeno de las drogas en revistas brasileñas

Este artículo tiene como objetivo discutir las repercusiones sociales y en la salud de las mujeres involucradas con drogas, divulgadas en reportajes publicadas en revistas de circulación nacional. Se trata de una pesquisa cualitativa, de carácter exploratorio y descriptivo. Se utilizó reportajes publicados en cuatro revistas, durante el periodo de seis meses consecutivos, a partir de septiembre del 2009. Fueron identificados 52 reportajes que comentaban sobre las mujeres y el fenómeno de las drogas. Para el tratamiento do los datos, se adoptó el análisis de contenido temático. Los informes apuntan el aumento del consumo de drogas por las mujeres, el consumo de drogas para mantener y/o alcanzar estándares socioculturales de belleza, con riesgos de adicción y sobredosis y las situaciones derivadas de la violencia de mujeres que viven con hombres usuarios de drogas. Los reflejos económicos, políticos, ideológicos y culturales para las mujeres involucradas con el fenómeno de las drogas pueden ser causa o consecuencia de las implicaciones para la salud de esta población.
Palabras clave: Mujeres/ Consumidores de drogas/ Medios de comunicación de masa.
 

Referências

1. Carlini EA, Galduróz JC, Noto AR, Carlini CM, Oliveira LG, Nappo AS, et al. II levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil: estudo envolvendo as 108 maiores cidades do país - 2005. São Paulo (SP): Páginas & Letras; 2007.

2. United Nations Publication. World drug report [online]. 2007 [acesso 2007 Jul 27]. Disponível em: http://www.unodc.org/pdf/research/wdr07/WDR_2007.pdf

3. Ministério da Justiça (BR). Relatório de Gestão do Departamento Penitenciário Nacional. Brasília (DF): MJ; 2009.

4. Barcinski M. Protagonismo e vitimização na trajetória de mulheres envolvidas na rede do tráfico de drogas no Rio de Janeiro. Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2009 [acesso 2010 Jun 21]; 14(2):577-86. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v14n2/a26v14n2.pdf

5. Souza KOJ. A pouca visibilidade da mulher brasileira no tráfico de drogas. Estud Psicol [online]. 2009 [acesso 2011 Nov 22]; 14(4):649-57. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v14n4/v14n4a05.pdf

6. Zilberman M. Uso de drogas entre mulheres. In: Baptista M, Cruz MS, Matias R, organizadores. Drogas e pós-modernidade: prazer, sofrimento e tabu. Rio de Janeiro (RJ): EDUERJ; 2003. p.175-85.

7. Romo N. Gênero y uso de drogas: la invisibilidad de las mujeres [online]. 2006 [acesso 2007 Mar 29]; Disponível em: http://www.fundacionmhm.org/pdf/Mono5/Articulos/articulo4.pdf

8. Oliveira JF. (In)visibilidade do consumo de drogas como problema de saúde pública num contexto assistencial: uma abordagem de gênero [tese]. Salvador (BA): Universidade Federal da Bahia, Instituto de Saúde Coletiva; 2008.

9. Hochgraf PB, Brasiliano S. Mulheres e substâncias psicoativas. In: Seibel SD, organizador. Dependência de drogas. 2ª ed. São Paulo (SP): Atheneu; 2010. p.1025-41.

10. Wolle CC, Zilberman ML. Mulheres. In: Laranjeira R, Diehl AC, Cruz D. Dependência química: prevenção, tratamento e políticas públicas. Porto Alegre (RS): Artmed; 2011. p. 375-82.

11. Alexandre M. O papel da mídia na difusão das representações sociais. Comum. 2001 Jul-Dez; 17(6):111-25.

12. Pavarino RN. Teoria das Representações Sociais: pertinência para as pesquisas em comunicação de massa. In: Anais do 26º Congresso Anual em Ciências da Comunicação [CD-ROM], 2003 Set 02- 06; Belo Horizonte, Brasil. São Paulo (SP): Intercom; 2003.

13. Wright MGM, Chisman AMG. A saúde internacional, o fenômeno das drogas e a profissão de enfermagem na América Latina. Texto Contexto Enferm [online]. 2004 Jan-Mar [acesso 2010 Abr 07]; 2(1):123-34. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71413210

14. Wright MGM, Gliksman L, Khenti A. A pesquisa sobre o fenômeno das drogas na perspectiva dos estudos multicêntricos na América Latina e Caribe. Rev Latino-Am Enferm [online]. 2009 Nov-Dez [acesso 2010 Abr 05]; 17(Esp):751-3. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v17nspe/en_01.pdf

15. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa (PT): Edições 70; 2007.

16. Uma tragédia que se repete. Revista Veja, edição 2145, 2009 Dez 30; A semana - Sociedade, 52.

17. Carlini EA, Galduróz JCF, Noto AR, Nappo AS. 1º levantamento domiciliar sobre o uso de drogas psicotrópicas no Brasil - 2001. São Paulo (SP): CEBRID; 2002.

18. Avilés, NR. Mujeres y drogas de sínteses: gênero y riesgo em la cultura del baile. 3ª ed. Donosita (ES): Gakoa; 2001.

19. Mastroianni PC, Vaz ACR, Noto AR, Galduróz JCF. Análise do conteúdo de propagandas de medicamentos psicoativos. Rev Saúde Pública. 2008; 42(5):968-71.

20. Martins ERC, Zeitoune RCG, Francisco MTR. Concepções do trabalhador de enfermagem sobre drogas: a visibilidade dos riscos. Rev Enferm UERJ [online]. 2009 Jul-Set [acesso 2010 Jun 06]; 17(3):368-72. Disponível em http://www.facenf.uerj.br/v17n3/v17n3a12.pdf

21. Naves JOS, Castro LLC, Carvalho CMS. Automedicação: uma abordagem qualitativa de suas motivações. Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2010 Jun [acesso 2011 Nov 30]; 15(Supl.1):1751-62. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v15s1/087.pdf

22. Lage EA, Freitas MIF, Acurcio FA. Informações sobre medicamentos na imprensa: uma contribuição para o uso racional? Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2005 Set-Dez [acesso 2011 Nov 30]; 10(Supl):133-9. Disponível em: http://redalyc.uaemex.mx/pdf/630/63009916.pdf

23. Silva IM, Catrib AMF, Matos VC. Automedicação na adolescência: um desafio para a educação em saúde. Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2011[acesso 2011 Nov 30]; 16(Supl 1):1651-60. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16s1/101v16s1.pdf

24. Di Domenico M. Trocar comida por álcool? Mau negócio! Rev Boa Forma, 2009 Dez; edição 273, Saúde 109.

25. Seibel SD. Álcool. In: Seibel SD, organizador. Dependência de drogas. 2ª ed. São Paulo (SP): Atheneu; 2010. p. 119-37.

26. Lopes AD, Magalhães N. A bóia da prevenção. Rev Veja. 2009 Set; edição 2129, Saúde 86.

27. Souza JG, Lima JMB, Santos RS. Alcoolismo feminino: subsídios para prática de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm [online]. 2008 Dez [acesso 2011 Nov 29]; 12 (4):622-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v12n4/v12n4a03.pdf

28. Brasiliano S, Hochgraf PB. A influência da comorbidade com transtornos alimentares na apresentação de mulheres dependentes de substâncias psicoativas. Rev Psiq Clín. [online]. 2006 [acesso 2011 Dez 03]; 33(3):134-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpc/v33n3/a03v33n3.pdf

29. Borges NJBG, Sicchieri JMF, Ribeiro RPP. Transtornos alimentares - quadro clínico. Medicina [online]. 2006 Jul-Set [acesso 2011 Dez 02]; 39(3):340-8. Disponível em: http://revista.fmrp.usp.br/2006/vol39n3/4_transtornos_alimentares_quadro_clinico.pdf

30. Brasiliano S, Hochgraf PB. Comorbidade com transtornos alimentares. In: Seibel SD, organizador. Dependência de drogas. 2ª ed. São Paulo (SP): Atheneu; 2010. p. 727-47.

31. Alzuguir FV. Álcool e gênero: uma combinação moral. Centro Lat-Am Sexualid Direit Hum [online]. 2012 Jan [acesso 2013 Mar 12]; Disponível em: http://www.clam.org.br/entrevistas/conteudo.asp?cod=9131

32. Melo CM, Oliveira DR. O uso de inibidores de apetite por mulheres: um olhar a partir da perspectiva de gênero. Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2011 Mai [acesso 2011 Dez 01]; 16(5):2523-32. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n5/a22v16n5.pdf

33. Giacomini Filho G, Caprino MP. A propaganda de cigarro: eterno conflito entre público e privado. UNIrevista [online]. 2006 Jul [acesso 2011 Dez 01]; 3(1):1-12. Disponível em: http://www.unirevista.unisinos.br/_pdf/UNIrev_Giacomini_e_Caprino.PDF

34. Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional do Câncer. O controle do tabagismo no Brasil: avanços e desafios. Brasília (DF): INCA [online]. 2004 [acesso 2011 Dez 01]; Disponível em: http://www.inca.gov.br/tabagismo/31maio2004/tabag_br_folheto_04.pdf

35. Granville-Garcia AF, Sobrinho JEL, Araújo JC. Ocorrência de tabagismo e fatores associados em escolares. RFO [online]. 2008 Jan-Abr [acesso 2011 Set 12]; 13(1):30-4. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1413-4012/2008/v13n1/a30-34.pdf

36. Serradilha AFZ, Ruiz-Moreno L, Seiffert, OMLB. Uso de tabaco entre estudantes do ensino técnico de enfermagem. Texto Contexto Enferm [online]. 2010 Jul-Set [acesso 2011 Dez 03]; 19(3):479-87. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v19n3/a09v19n3.pdf

37. Borges MTT, Barbosa RHS. As marcas de gênero no fumar feminino: uma aproximação sociológica do tabagismo em mulheres. Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2009 [acesso 2011 Nov 13]; 14(4):1129-39. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v14n4/a14v14n4.pdf

38. Soares BM, Ilgenfritz I. Prisioneiras: vida e violência atrás das grades. Rio de Janeiro (RJ): Garamond; 2002.

39. Oliveira JF, Nascimento ER, Paiva MS. Especificidades de usuários(as) de drogas visando uma assistência baseada na heterogeneidade. Esc Anna Nery Rev Enferm [online]. 2007 Dez [acesso 2011 Dez 02]; 11 (4):694-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ean/v11n4/v11n4a22.pdf

40. Barcinski M. Centralidade de gênero no processo de construção da identidade de mulheres envolvidas na rede do tráfico de drogas. Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2009 [acesso 2010 Jun 21]; 14(5):1843-53. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v14n5/26.pdf

41. Baptista MC, Noto AR, Nappo AS, Carlini EA. O uso de êxtase (MDMA) na cidade de São Paulo e imediações: um estudo etnográfico. J Bras Psiquiatr. 2002 Mar-Abr; 51(2):81-9.

42. Souza MRR, Oliveira JF. Fenômeno das drogas: análise de reportagens veiculadas num jornal de Salvador. Rev Baiana Enferm. 2008 Jan-Dez; 22/23(1/3):145-56.

43. Soares R, Rogar S. Uma droga brutal. Rev Veja. 2009 Nov; Edição 2137, Brasil 66-67.

44. Deslandes SF. Drogas e vulnerabilidade às violências. In: Minayo MCS, Souza ER. Violência sob o olhar da saúde: a infrapolítica da contemporaneidade brasileira. Rio de Janeiro (RJ): FIOCRUZ; 2003. p.243-68.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería