ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGO ORIGINAL

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Competências e habilidades para atuaçã o do enfermeiro em bancos de olhos

Roberta Teixeira Prado,1 Sonia Maria Dias,2 Edna Aparecida Barbosa de Castro3
1
Mestre em Enfermagem. Enfermeira da rede Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG). Minas Gerais, Brasil. E-mail: enfbeta@yahoo.com.br 2Doutora em Enfermagem. Professora Associado IV do Departamento de Enfermagem Aplicada da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Minas Gerais, Brasil. E-mail: sonia.dias@ufjf.edu.br 3Doutora em Saúde Coletiva. Professora Adjunto IV do Departamento de Enfermagem Aplicada da Faculdade de Enfermagem da UFJF. Minas Gerais, Brasil. E-mail: edna.castro@ufjf.edu.br

Recebido em 26 de fevereiro de 2013
Aprovação final em 19 de agosto de 2013

Texto Contexto Enferm 23(1): 47-55

 

 

 

Cómo citar este documento

Prado, Roberta Teixeira; Dias, Sonia Maria; Castro, Edna Aparecida Barbosa de. Competências e habilidades para atuaçã o do enfermeiro em bancos de olhos. Texto Contexto Enferm, ene-mar 2014, 23(1). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2014/23-047.php> Consultado el

 

Resumo

O estudo objetivou descrever competências e habilidades requeridas à atuação nos Bancos de Olhos, sob a óptica dos enfermeiros, e oferecer subsídios para a prática profissional de enfermagem nestes serviços. Trata-se de um estudo exploratório e descritivo, com abordagem qualitativa. Os dados foram coletados por meio de entrevista semiestruturada, com sete enfermeiros que atuam neste serviço, e analisados com o suporte da análise de conteúdo. Ao analisar os depoimentos dos sujeitos desta pesquisa verifica-se que a dimensão gerencial recebeu relevância nos depoimentos dos sujeitos. Dentre as habilidades requeridas para o trabalho nos Bancos de Olhos, sob a ótica dos enfermeiros dos serviços, destacam-se habilidades relacionadas à educação, à comunicação, à liderança para manter a união da equipe, habilidade para lidar com o cadáver e a destreza nos procedimentos técnicos envolvidos. Ficou evidente que os enfermeiros precisam dedicar maior atenção às dimensões de ensino e pesquisa. Trata-se de um novo cenário de prática para a enfermagem e requer que o enfermeiro adquira competências profissionais.
Palavras chave: Bancos de olhos/ Enfermagem/ Conhecimento/ Competência profissional/ Transplante.
 

Abstract
Skills and abilities for nursing practice in eye banks

The study describes the skills and abilities required for working in Eye Banks, from the perspective of nurses, and offers subsidies for professional nursing practice in these services. This was an exploratory, descriptive study with a qualitative approach. Data were collected through semi-structured interviews with seven nurses working in this service and analyzed with the support of content analysis. By analyzing the testimonies of the subjects in this study, the managerial dimension was perceived as relevant for the subjects, through their statements. Skills required to work in Eye Banks, from the perspective of nurses, included: skills related to education, communication, leadership to maintain team unity; ability to deal with the corpse; and, dexterity in the technical procedures involved. It became clear that nurses needed to devote greater attention to the dimensions of teaching and research. This is a new scenario for nursing practice and it is required that nurses acquire new professional skills.
Key-words: Eye banks/ Nursing/ Knowledge/ Professional competence/ Transplantation.
 

Resumen
Competencias y habilidades para la práctica de enfermería en bancos de ojos

El estudio describe las destrezas y habilidades necesarias para el adecuado rendimiento en los Bancos de Ojos desde la perspectiva de las enfermeras y visa ofrecer subsidios para la práctica profesional de enfermería en estos servicios. Se trata de un estudio exploratorio y descriptivo con enfoque cualitativo. Los datos fueron recolectados a través de entrevistas semi-estructuradas con siete enfermeras que trabajan en este servicio y se analizaron con el apoyo del análisis de contenido. Mediante el análisis de los relatos de los sujetos de este estudio se desprende que la dimensión empresarial recibió un interés significativo en las declaraciones. Dentro de las habilidades necesarias para trabajar en los Bancos de Ojos desde la perspectiva de los servicios de enfermería se incluyen las habilidades relacionadas con la educación, comunicación, liderazgo para mantener la unidad del equipo, la capacidad para hacer frente al cadáver y destreza en los procedimientos técnicos involucrados. Se hizo evidente que las enfermeras deben prestar mayor atención a las dimensiones de la enseñanza y la investigación. Se trata de un nuevo escenario para la práctica de enfermería y requiere que las enfermeras cuenten con habilidades profesionales.
Palabras clave: Bancos de ojos/ Enfermería/ Conocimiento/ Competencia profesional/ Trasplante.
 

Referências

1. Silva AF, Guimarães TS, Nogueira GP. A atuação do enfermeiro na captação de órgãos. Rev Bras Cienc Saúde. 2009 Jan-Mar;7(19):71-85.

2. Reis DJF, Vieira JDPR, Araújo DA, Torres SAS, Teles LLM. Doação e transplantes de órgãos no Brasil: filas de espera e famílias. Rev Min Educ Fis. 2010; (5):96-104.

3. Chalita MRC, Diazgranados EBM, Sato EH, Branco BC, Freitas D. Rejeição corneana pós transplante de córnea: análise de dados do Banco de Olhos do Hospital São Paulo - Escola Paulista de Medicina. Arq Bras Oftalmol. 2000 Jan-Fev; 63(1):55-8.

4. Sano RY, Sano FT, Dantas MCN, Lui ACF, Sano ME, Neto AL. Análise das córneas do Banco de Olhos da Santa Casa de São Paulo utilizadas em transplantes. Arq Bras Oftalmol. 2010;73(3):254-8.

5. Adán CBD, Diniz AR, Perlatto D, Hirai FE, Sato EH. Dez anos de doação de córneas no Banco de Olhos do Hospital São Paulo: perfil dos doadores de 1996 a 2005. Arq Bras Oftalmol. 2008 Mar-Abr; 71(2):176-81.

6. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2008.

7. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa (PT): Edições 70; 1979.

8. Ministério da Saúde (BR). Conselho Nacional de Saúde, Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução n. 196 de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF): MS; 1996.

9. Nascimento KC, Backes DS, Koerich MS, Erdmann AL. Sistematização da assistência de enfermagem: vislumbrando um cuidado interativo, complementar e multiprofissional. Rev Esc Enferm. USP. 2008 Dez; 42(4):643-8.

10. Camelo SHH, Angerami ELS. Competência profissional: a construção de conceitos, estratégias desenvolvidas pelos serviços de saúde e implicações para a enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2013 Abr-Jun; 22(2):552-60.

11. Perrenoud PH, Gather TM, Macedo L, Machado NJ, Allessandrini CD. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre (RS): Artmed; 2002.

12. Ministério da Saúde (BR). Resolução n. 67, de 30 de setembro de 2008. Determina normas técnicas para o funcionamento de banco de olhos. Brasília (DF): MS; 2008.

13. Coelho EAC, Fonseca RMGS. Pensando o cuidado na relação dialética entre sujeitos sociais. Rev Bras Enferm. 2005 Abr; 58(2):214-7.

14. Ayres JRCM. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde Soc. 2004 Set-Dez; 13(3):16-29.

15. Silva KL, Sena RR. Integralidade do cuidado na saúde: indicações a partir da formação do enfermeiro. Rev Esc Enferm USP. 2008 Mar; 42(1):48-56.

16. Conselho Federal de Enfermagem (BR). Resolução n. 191, de 31 de maio de 1996. Dispõe sobre a forma de anotação e o uso do número de inscrição ou da autorização, pelo pessoal de Enfermagem [acesso 2012 Jan 10]. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/resoluo-cofen-1911996-revogouresoluo-cofen-1751994_4250.html

17. Merhy EE, Onocko R, organizadores. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo (SP): Hucitec; 1997.

18. Schwonke CRGB, Lunardi Filho WD, Lunardi VL, Santos SSC, Barlem ELD. Perspectivas filosóficas do uso da tecnologia no cuidado de enfermagem em terapia intensiva. Rev Bras Enferm. 2011 Jan-Fev; 64(1):189-92.

19. Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 905, de 16 de agosto de 2000. Estabelece que a obrigatoriedade da existência e efetivo funcionamento da Comissão Intra-Hospitalar de Transplantes passa a integrar o rol das exigências para cadastramento de Unidades de Tratamento Intensivo do tipo II e III, estabelecidos pela Portaria GM n. 3.432 de 12 de agosto de 1998 e para inclusão de Hospitais no Sistema de Referência Hospitalar em atendimento de Urgências e Emergências nostipos I, II e III fixados pela Portaria GM n. 479 de 15 de abril de 1999. Brasília (DF): MS; 2000.

20. Kurcgant P, Ciampone MHT. A pesquisa na área de gerenciamento em enfermagem no Brasil. Rev Bras Enferm. 2005 Mar-Abr; 58(2):161-4.

21. Brasil. Lei n. 7.498, de 25 de julho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da enfermagem e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 26 Jul 1986. Seção 1.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería