ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGOS ORIGINAIS - PESQUISA

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

A tecnologia de grupo operativo aplicada num programa de controle do tabagismo

Roselma Lucchese,1 Lorena Silva Vargas,2 Wender Rodrigues Teodoro,3 Lorrana Katrhyn Borges Santana,4 Fabiana Ribeiro Santana5
1
Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto da Universidade Federal de Goiás (UFG) - Campus Catalão. Goiás, Brasil. E-mail: roselmalucchese@hotmail.com 2Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Gestão Organizacional da UFG. Enfermeira da Secretaria Municipal de Saúde de Catalão e Coordenadora do Programa Municipal de Controle do Tabagismo. Goiás, Brasil. E-mail: lorenavargas19@yahoo.com.br 3Enfermeiro Especialista em Atenção Básica e Saúde da Família. Enfermeiro da Prefeitura Municipal de Catalão. Goiás, Brasil. E-mail: wenderteodoro@gmail.com 4Estudante de Graduação em Enfermagem da UFG - Campus Catalão. Goiás, Brasil. E-mail: lorrana_cmy@hotmail.com 5Doutoranda do Programa de Enfermagem em Saúde Pública da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (USP). Professor Assistente da UFG Campus Catalão. Goiás, Brasil. E-mail: fabiana.fen@gmail.com

Recebido em 28 de agosto de 2012
Aprovação final em 9 de outubro de 2013

Texto Contexto Enferm 22(4): 918-926

 

 

 

Cómo citar este documento

Lucchese, Roselma; Vargas, Lorena Silva; Wender Rodrigues, Teodoro; Santana, Lorrana Katrhyn Borges; Santana, Fabiana Ribeiro. A tecnologia de grupo operativo aplicada num programa de controle do tabagismo. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2013, 22(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2013/22-918.php> Consultado el

 

Resumo

Estudo de natureza mista, do tipo descritivo e exploratório, que discutiu o uso da tecnologia de grupo operativo como estratégia de enfrentamento do uso do tabaco num programa de controle do tabagismo na atenção primária à saúde num município no interior de Goiás, Brasil. População de 20 pessoas que procuraram a Unidade Básica de Saúde, em livre demanda e amostra de nove pessoas que concluíram o tratamento. Do processo de análise de conteúdo emergiu a categoria temática: o caminho percorrido durante o tratamento, e três subcategorias: revisitando o desejo de parar de fumar; Sentindo os efeitos do (des)uso do cigarro; e os desafios para a mudança. Pelo teste Fagerström, apontou-se padrão de dependência de três sujeitos para cada nível: muito elevado, elevado e médio. O índice de abandono do tabaco foi de 78%. Assim, recomenda-se a adoção de tecnologias de grupo operativo na condução das ações grupais no programa.
Palavras chave: Tabagismo/ Abandono do hábito de fumar/ Abandono do uso de tabaco/ Processos grupais.
 

Abstract
Operative group technology applied to tobacco control program

This descriptive and exploratory study was performed with the purpose to discuss the use of group operative technology as a coping strategy in a tobacco control program in the primary health care system of a small municipality in the state of Goiás, Brazil. The subjects were 20 individuals who sought the Primary Health Care Unit on their own account, and the sample consisted of nine people who completed the treatment. Content analysis revealed the thematic category: the path followed during the treatment; and three subcategories: revisiting the desire to quit smoking; feeling the effects of quitting cigarretes; and the challenges for the change. The Fagerström test showed a dependence pattern of three subjects for each level: very high, high and average. The cessation rate for tobacco was 78%; therefore, it is recommended that operative group technologies be adopted in group activitied in the program.
Key-words: Smoking/ Smoking cessation/ Tobacco use cessation/ Group processes.
 

Resumen
El tecnología de grupo operativo aplicado al programa de control del tabaco

Estudio la natureza mixta, exploratorio y descriptivo, discusión el uso del grupo operativo como la tecnología en estrategia de afrontamiento del consumo de tabaco en programa de control del tabaco, en la atención primaria de salud de la ciudad interior de Goias, Brasil. Población de 20 personas que buscar tratamiento la Unidad Básica de Salud y una muestra de nueve personas que completaron el tratamiento. El proceso de análisis de contenido surgió categoría temática: el camino seguido durante el tratamiento: y trayectoria de un deseo de dejar de fumar; sintiendo los efectos de (des)uso cigarrillos, los desafíos para el cambio. Por el test de Fagerström, mostró un patrón de dependencia de los tres sujetos para cada nivel. La tasa de abandono del tabaquismo fue de 78%, lo que se recomienda la adopción de tecnologías en la realización de las actividades del grupo operativo en la programa.
Palabras clave: Tabaquismo/ Cese del tabaquismo/ Cese del uso de tabaco/ Procesos grupo.
 

Referências

1. World Health Organization. Reducing risks, promotion healthy life: the world health report 2002 [online]. Geneva (CH): World Health Organization; 2002 [cited 2012 Jul 03]. Available from: http://www.who.int/whr/2002/en/whr02_en.pdf

2. World Health Organization. WHO Report on the global tobacco epidemic 2008 [online]. Geneva (CH): World Health Organization; 2008 [cited 2011 Mai 15]. Available from: http://whqlibdoc.who.int/publications/2008/9789241596282_eng.pdf

3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Pesquisa Nacional por amostra de domicílios: pesquisa especial de tabagismo [online]. Brasília (DF): Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; 2008 [acesso 2012 Jul 03]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/suplementos/tabagismo/petab2008.pdf

4. Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Abordagem e tratamento do fumante - consenso 2001 [online]. Brasília (DF): Instituto Nacional de Câncer; 2001 [acesso 2012 Jul 03]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/tabagismo/publicacoes/tratamento_consenso.pdf

5. Rossaneis MA, Machado RCBR. Cessação do tabagismo em pacientes assistidos em um ambulatório de tratamento de dependência do tabaco. Cienc Cuid Saúde 2011 Abr-Jun; 10(2):306-13.

6. Eckerdt NS, Corradi-Webster CM. Sentidos sobre o hábito de fumar para mulheres participantes de grupo de tabagistas. Rev Latino-Am Enfermagem. 2010 Mai-Jun; 18(Spe):641-7.

7. Veloso NS, Rodrigues CAQ, Leite MTS, Ottoni JLM, Veloso GCC, Rodrigues RM et al. Tabagismo: a percepção dos fumantes em um grupo de educação em saúde. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2011 Jul-Set; 6(20):193-8.

8. Cavalcante TM. O controle do tabagismo no Brasil: avanços e desafios. Rev Psiquiatr Clín. 2005 Set-Out; 32(5):283-300.

9. Bastos ABBI. A técnica de grupos-operativos à luz de Pichon-Rivière e Henri Wallon. PsicólogoinFormação. 2010 Jan-Dez; 14(14):160-9.

10. Pichon-Rivière E. O processo grupal. 8ª ed. São Paulo (SP): WMF Martins fontes; 2009.

11. Gayotto MLC, editor. Liderança II: aprenda a coordenar grupos. Rio de Janeiro (RJ): Vozes; 2003.

12. Fagerstrom KO. Measuring degree of physical dependence to tobacco smoking with reference to individualization of treatment. Addict Behav. 1978; 3(3-4):235-41.

13. Bardin L. Análise de conteúdo. 3ª ed. Lisboa (PT): Edições 70; 2009.

14. Ramos D, Soares TST, Viegas K. Auxiliando usuários de uma unidade de saúde a parar de fumar: relato de experiência. Cien Saude Colet. 2009 Jan-Fev; 14(1):1499-505.

15. Martins KA, Pontes AEB, Fornés NS. Caracterização de fumantes em tratamento para abandono do tabagismo e seu perfil de consumo alimentar. Brasília Med. 2009 Jul-Set; 46(3):228-40.

16. Lima MS, Viegas CAA. Avaliação do grau de ansiedade, depressão e motivação dos fumantes que procuraram tratamento para deixar de fumar no Distrito Federal. Rev Bras Cancerol. 2011 Jul-Set; 57(3):345-53.

17. Echer IC, Menna BSS, Motta GCP. Fatores que contribuem para o abandono do tabagismo. Rev Gaucha Enferm. 2007 Jul-Set; 28(3):350-8.

18. Neal L, Benowitz MD. Nicotine addiction. N Engl J Med. 2010 Jun; 362(24):2295-303.

19. Russo AC, Azevedo RCS. Fatores motivacionais que contribuem para a busca de tratamento ambulatorial para a cessação do tabagismo em um hospital geral universitário. J Bras Pneumol. 2010 Set-Out; 36(5):603-11.

20. Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Fumar: faz mal pra você, faz mal pro planeta [online]. Brasília: Ministério da Saúde (BR). [acesso 2012 Jun 27]. Disponível em: http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/web_folder_campanha_tabagismo_2012.pdf

21. Borges MTT, Simões-Barbosa RH. Cigarro "companheiro": o tabagismo feminino em uma abordagem crítica de gênero. Cad Saúde Pública. 2008 Dez; 24(12):2834-42.

22. Suehara LY, Simone KM. Avaliação do envelhecimento facial relacionado ao tabagismo. An Bras Dermatol. 2006 Jan-Fev; 81(1):34-9.

23. White MA, Peters EN, Toll BA. Effect of binge eating on treatment outcomes for smoking cessation. Nicotine Tob Res. 2010 Nov; 12(11):1172-5.

24. Araújo RA, Oliveira MS, Pedroso RS, Miguel AC, Castro MGT. Craving e dependência química: conceito, avaliação e tratamento. J Bras Psiquiatr. 2008 Jan-Abr; 57(1):57-63.

25. Carter BL, Lam CY, Robinson JD, Paris MM, Waters AJ, Wetter DW. Generalized craving, self-report of arousal, and cue reactivity after brief abstinence. Nicotine Tob Res. 2009 Jul; 11(7):823-6.

26. Conway SG, Roizenblatt SS, Palombini L, Castro LS, Bittencourt LRA, Silva RS et al. Effect of smoking habits on sleep. Braz J Med Biol Res. 2008 Aug; 41(8):722-7.

27. Kozink RV, Lutz AM, Rose JE, Froeliger B, McClernon FJ. Smoking withdrawal shifts the spatiotemporal dynamics of neurocognition. Addict Biol. 2010 Oct; 15(4):480-90.

28. World Health Organization. Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde. Décima Revisão (CID-10). 8. ed. São Paulo: EDUSP; 2000.

29. Meier DAP, Vannuchi MTO, Secco IAO. Abandono do tratamento do tabagismo em programa de município do norte do Paraná. Espaç Saúde. 2011 Dez; 13(1):35-44.

30. Santos JDP. Avaliação da efetividade do programa de tratamento do tabagismo no Sistema Único de Saúde [dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2011.

31. Pillon SC, Jora NP, Amorim GP, Domingos JBC, Santos RA. Tabagismo em usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas: um estudo piloto. Acta Paul Enferm. 2011 Mai-Jun; 24(3):313-0.

32. Martins KC, Seidl EMF. Mudança de comportamento de fumar em participantes de grupos de tabagismo. Psic: Teor e Pesq. 2011 Jan-Mar; 27(1):55-64.

33. Sé CCS, Amorim WM. Ações de enfermagem frente às implicações clínicas do tabagismo na saúde da mulher. Rev Eletrôn Saúde Mental Álcool Drog. [online] 2009 [acesso 2012 Jun 4]; 5(1):1-18. Disponível em: http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?pid=S1806-69762009000100005&script=sci_arttext

34. Abdala GA, Rodrigues WG, Torres A, Rio NC, Brasil NS. A religiosidade/espiritualidade como influência positiva na abstinência, redução e/ou abandono do uso de drogas. Rev Estud Religião. 2010 Mar; 10: 77-88.

35. Lopes MSV, Saraiva KRO, Fernandes AFC, Ximenes LB. Análise do conceito de promoção da saúde. Texto Contexto Enferm. 2010 Jul-Set; 19(3):461-8.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería