ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGOS ORIGINAIS - PESQUISA

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Informantes folk: concepções de saúde*

Caroline Vasconcellos Lopes,1 Ângela Roberta Alves Lima,2 Márcia Kaster Portelinha Vasconcelos,3 Anelise Miritz Borges,4 Rosa Lía Barbieri,5 Rita Maria Heck6
1
Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFPel. Enfermeira assistencial da prefeitura municipal de Pelotas. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: carolinevaslopes@gmail.com 2Mestre em Enfermagem. Enfermeira assistencial da prefeitura municipal de Pelotas. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: oseiaseangela@hotmail.com 3Mestre em Enfermagem. Técnica-administrativa da UFPel. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: marciakaster@ibest.com.br 4Doutoranda do Programa de Pós-Graduação da Escola de Enfermagem da Fundação Universidade Federal do Rio Grande. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: miritzenfermeira@yahoo.com.br 5Doutora em Genética e Biologia Molecular. Pesquisadora da Embrapa Clima Temperado. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: lia.barbieri@gmail.com 6Doutora em Enfermagem. Professora Associado da Faculdade de Enfermagem da UFPel. Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: rmheckpillon@yahoo.com.br

Recebido em 30 de julho de 2012
Aprovação final em 28 de outubro de 2013

Texto Contexto Enferm 22(4): 1152-1159
*Artigo extraído da dissertação - Informantes folk em plantas medicinais no Sul do Brasil: contribuições para enfermagem, apresentada ao Programa de Pós-Graduação de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), em 2010, financiada pelo CNPq

 

 

 

Cómo citar este documento

Lopes, Caroline Vasconcellos; Lima, Ângela Roberta Alves; Vasconcelos, Márcia Kaster Portelinha; Borges, Anelise Miritz; Barbieri, Rosa Lía; Heck, Rita Maria. Informantes folk: concepções de saúde. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2013, 22(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2013/22-1152.php> Consultado el

 

Resumo

Este trabalho teve como objetivo conhecer as concepções de saúde dos informantes folk. Trata-se de pesquisa qualitativa, envolvendo sete informantes indicados pelos agricultores ecológicos de quatro municípios do Rio Grande do Sul. A coleta de dados ocorreu em 2009 e 2010. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas e observações simples. A análise resultou em dois núcleos temáticos, segundo a análise temática de Minayo. O referencial teórico embasou-se na antropologia interpretativa de Geertz e Kleinman. A concepção de saúde dos informantes folk está vinculada com a forma como as pessoas se relacionam nos espaços em que estão inseridos e como se percebem em suas relações com os outros, consigo e com o ambiente. Os profissionais necessitam considerar os conceitos de saúde e doença da população assistida, aceitando a existência do sistema de cuidado folk, que busca contribuir para a melhora da qualidade de vida, no seu contexto histórico, social e cultural.
Palavras chave: Enfermagem/ Cultura/ Saúde/ Antropologia.
 

Abstract
Folk informants: conceptions of health

This study aimed to know the conceptions of health by folk informants. It is a qualitative research involving seven informers indicated by ecological farmers in four municipalities of Rio Grande do Sul state. Data were collected in 2009 and 2010. Semi-structured interviews and simple observations were done. The analysis resulted in two thematic nuclei, according thematic analysis by Minayo. The supported theoretical reference was based on interpretative anthropology by Geertz and Kleinman. The conception of health by the folk informants is linked with the way as people relate themselves to each other in the spaces where they live and how they view their relationships with the others, with themselves and with the environment. Professionals need to consider the concepts of health and disease in population served, and accept the existence of folk care system, which seeks to contribute to improve the quality of life in its historical, social and cultural context.
Key-words: Nursing/ Culture/ Health/ Anthropology.
 

Resumen
Informantes folk: concepciones de salud

El objetivo del trabajo fue conocer las concepciones sobre la salud de los informantes folk. Este es un estudio cualitativo que participan siete informantes indicado por campesinos ecológico de cuatro condados del sur del Brasil. Los datos fueron recolectados durante 2009 y 2010, utilizando la entrevista semiestructurada y observación. El análisis se realizó en dos núcleos temáticos, acorde a Minayo. El marco teórico se basó en la antropología interpretativa. La concepción de salud de los informantes folk se vincula con la forma en que las personas se relacionan con los espacios en que viven y como perciben sus relaciones con los demás, consigo mismos y con el ambiente. Profesionales necesitan tener en cuenta los conceptos de salud y enfermedad en la población atendida, y aceptar la existencia del sistema popular de cuidado, que busca contribuir a la mejora de su calidad de vida en el contexto histórico, social y cultural.
Palabras clave: Enfermería/ Cultura/ Salud/ Antropología.
 

Referências

1. Siqueira KM, Barbosa MA, Brasil VV, Oliveira LMC, Andraus LMS. Crenças populares referentes à saúde: apropriação de saberes sócio-culturais. Texto Contexto Enferm. 2006 Jan-Mar; 15(1):68-73.

2. Leininger, M. Culture Care Theory: a major contribution to advance transcultural nursing knowledge and practices. J Transcult Nurs. 2002 Jul; 13(3):189-92.

3. Langdon EJ, Wiik FB. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Rev Latino-Am Enferm [online]. 2010 Mai-Jun; [acesso 2011 Dez 15]; 18(3):173-81. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v18n3/pt_23.pdf

4. Kleinman A. Patients and healers in the context of culture: an exploration of the bordeland between anthropology, medicine and psychiatry. California (US): Regents; 1980.

5. Kleinman A. Concepts and a model for the comparison of medical systems as cultural systems. Soc Sci Med. 1978 Abr 12(2B):85-95.

6. Geertz C. A interpretação das culturas. 13ª reimpr. Rio de Janeiro (RJ): LTC; 2008.

7. Souza ADZ, Ceolin T, Vargas NRC, Heck RM, Lopes CV, Borges AM, Mendieta MC. Plantas medicinais utilizadas na saúde da criança. Enferm Glob [online]. 2011 Out; [acesso 2011 Set 23]; 10(4):46-52. Disponível em: http://revistas.um.es/eglobal/article/view/137331/124661

8. Ceolin T. Conhecimento sobre plantas medicinais entre agricultores de base ecológica do sul do Brasil [dissertação]. Pelotas (RS): Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem; 2009.

9. Boff L. Saber cuidar: ética do humano-compaixão pela terra. 18ª ed. Petrópolis (RJ): Vozes; 2012.

10. Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde, Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Resolução n. 196 de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF): MS; 1996.

11. Minayo MCS, organizadora. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Rio de Janeiro (RJ): Vozes; 2008.

12. Badke MR, Budó MLD, Alvim NAT, Zanetti GD, Heisler EV. Saberes e práticas populares de cuidado em saúde com o uso de plantas medicinais. Texto Contexto Enferm. 2012 Abr-Jun; 21(2):363-70.

13. Veiga Junior VF. Estudo do consumo de plantas medicinais na Região Centro-Norte do Estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev Bras Farmacogn [online]. 2008 Abr-Jun [acesso 2011 Nov 11]; 18(2):308-13. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-695X2008000200027

14. Marchese JA, Ming LC, Franceschi L, Camochena RC, Gomes GDR, Paladini M, et al. Medicinal plants used by "Passo da Ilha" rural community in the city of Pato Branco, southern Brazil. An Acad Bras Ciênc [online]. 2009 Dez [acesso 2011 Out 11]; 81(4):691- 700. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0001-37652009000400008&script=sci_arttext

15. Ceolin T, Heck RM, Barbieri RL, Schwartz E, Muniz RM, Pillon CN. Plantas medicinais: transmissão do conhecimento nas famílias de agricultores de base ecológica no sul do RS. Rev Esc Enferm USP [online]. 2011 Mar [acesso 2011 Out 05]; 45(1):47-54. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342011000100007&lng=en&nrm=iso

16. Heiden G, Iganci JRV. Sobre a paisagem e a flora. In: Stumpf ERT, Barbieri RL, Heiden G, organizadores. Cores e formas no Bioma Pampa: plantas ornamentais nativas. Pelotas (RS): Embrapa Clima Temperado; 2009. p.15-21.

17. Santos MRA, Lima MR, Ferreira MGR. Uso de plantas medicinais pela população de Ariquemes, em Rondônia. Hortic Bra [online]. 2008 Abr-Jun [acesso 2011 Out 05]; 26(2):244-50. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-05362008000200023

18. Silva CSP, Proença CEB. Uso e disponibilidade de recursos medicinais no município de Ouro Verde de Goiás, GO, Brasil. Acta Bot Bras [online]. 2008 Abr-Jun [acesso 2011 Nov 03]; 22(2):481-92. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abb/v22n2/a16v22n2.pdf

19. Conferência Nacional dos Bispos do Brasil [página na internet]. Pastoral da Saúde Nacional. Brasília (DF): Edições CNBB; 2011 [acesso 2013 Mar 07]. Disponível em: http://pastoraldasaudenacional.com.br/pastoral-da-sa%C3%BAde.php

20. Baumann Z. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Rio de janeiro (RJ): Zahar; 2004.

21. Rodrigues AG. Buscando raízes. Horiz Antropol [online]. 2001 Dez [acesso 2011 Nov 12]; 7(16):131-44. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ha/v7n16/v7n16a07.pdf

22. Moura FBP, Marques JGW. Zooterapia popular na chapada diamantina: uma medicina incidental? Ciênc Saúde Coletiva [online]. 2008 Dez [acesso 2011 Dez 15]; 13(Suppl 2):2179-88. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232008000900023&script=sci_arttext

23. Canesqui AM. Antropologia e alimentação. Rev Saúde Pública. 1988 Jun; 22(3):207-16.

24. Woortmann K. Quente, frio e reimoso: alimentos, corpo humano e pessoas. Rev Estud Fem. 2008 Jan-Jul; 19(1):17-30.

25. Canesqui AM, Garcia RWD, organizadoras. Antropologia e nutrição: um diálogo possível. Rio de Janeiro (RJ): Editora Fiocruz; 2005.

26. Canesqui AM. A qualidade dos alimentos: análise de algumas categorias da dietética popular. Rev Nutr. 2007 Mar-Abr; 20(2):203-16.

27. Marques ES, Cotta RMMC, Botelho MIV, Franceschini SCC, Araújo RMA. Representações sociais sobre a alimentação da nutriz. Ciênc Daúde Coletiva. 2011 Out; 16(10):4267-74.

28. Foster G. Disease etiologies in non-western medical systems. American Anthropologist. 1976 Dez; 78(4):773-82.

29. Raynaut C. Interfaces entre a antropologia e a saúde: em busca de novas abordagens conceituais. Rev Gaúch Enferm [online]. 2006 Jun [acesso 2011 Dez 6]; 27(2):149-65. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/4592/2513

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería