ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGOS ORIGINAIS - PESQUISA

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

Cuidados paliativos na assistência hospitalar: a vivência de uma equipe multiprofissional

Daniela Habekost Cardoso,1 Rosani Manfrin Muniz,2 Eda Schwartz,3 Isabel Cristina de Oliveira Arrieira4
1
Enfermeira. Residente do Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: danielahabekost@yahoo.com.br 2Doutora em Enfermagem Fundamental. Professora Adjunto da Faculdade de Enfermagem da UFPel e Coordenadora da área de Enfermagem do Programa de Residência Integrada Multiprofissional em Saúde. Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: romaniz@terra.com.br 3 Doutora em Enfermagem. Professora Adjunto da Faculdade de Enfermagem da UFPel. Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: eschwartz@terra.com.br 4 Mestre em Ciências da Saúde. Enfermeira do Programa de Internação Domiciliar Interdisciplinar do Hospital Escola da UFPel. Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: isa_arrieira@hotmail.com

Recebido em 30 de julho de 2012
Aprovação final em 07 de julho de 2013

Texto Contexto Enferm 22(4): 1134-1141

 

 

 

Cómo citar este documento

Cardoso, Daniela Habekost; Muniz, Rosani Manfrin; Schwartz, Eda; Arrieira, Isabel Cristina de Oliveira. Cuidados paliativos na assistência hospitalar: a vivência de uma equipe multiprofissional. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2013, 22(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2013/22-1134.php> Consultado el

 

Resumo

Trata-se de um estudo qualitativo, exploratório e descritivo, que objetivou conhecer a vivência de uma equipe multiprofissional no cuidado paliativo no contexto hospitalar. Participaram do estudo seis membros de uma equipe multiprofissional de saúde, que atende pacientes em cuidados paliativos, de um Hospital Escola no Sul do Brasil. Identificou-se que os profissionais, ao iniciarem sua trajetória de cuidado na terminalidade, referiram frustração e impotência. Contudo, a experiência fez com que encontrassem novos significados para o cuidado prestado, passando a entender a morte como evento natural da vida e a importância de garantir qualidade de vida e conforto ao paciente. Os participantes relataram a necessidade do fortalecimento da comunicação, do trabalho em equipe e de um espaço para discutirem a terminalidade. Assim, a atenção hospitalar deve atender as necessidades do paciente em cuidados paliativos e família, articulando e promovendo ações que garantam o alívio dos sofrimentos e uma sobrevida digna.
Palavras chave: Equipe de assistência ao paciente/ Cuidados paliativos/ Assistência hospitalar/ Paciente terminal/ Atitude frente à morte.
 

Abstract
Hospice care in a hospital setting: the experience of a multidisciplinary team

The objective of this qualitative, descriptive and explanatory study was to identify the experience of a multidisciplinary team in providing hospice care in the hospital setting. The study included six members of a multidisciplinary health team providing palliative care in a university hospital in the South of Brazil. The results indicate that when professionals began providing care to terminal patients, they experienced frustration and a sense of helplessness. The experience, however, enabled them to find new meanings for care delivery, coming to understand death as a natural event of life, and realizing the importance of ensuring quality of life and providing comfort to patients. The participants reported the need to strengthen communication, teamwork, and to create opportunities to discuss terminality. Thus, hospital care should meet the needs of patients receiving hospice care and those of their families, connecting and promoting actions to ensure patients have their suffering relieved and can survive with dignity.
Key-words: Patient care team/ Palliative care/ Hospital care/ Terminally Ill/ Attitude to death.
 

Resumen
Los cuidados paliativos en la asistencia hospitalaria: la vivencia de un equipo multiprofesional

Estudio cualitativo exploratorio descriptivo, cuyo objetivo era conocer la experiencia del equipo multi-profesional en la atención de pacientes en cuidados paliativos en el ámbito hospitalario. Participaron del estudio seis integrantes de un equipo multiprofesional de la salud, los cuales proporcionan atención a los pacientes en cuidados paliativos en un Hospital Escuela en el sur de Brasil. Se identificó que los profesionales, al comenzar su trayectoria en la atención a pacientes terminales relataron sentimientos de frustración y impotencia, sin embargo, el tiempo hizo que ellos encontraran nuevos significados a los cuidados prestados. Los profesionales identificaron como puntos a trabajar la necesidad de fortalecer la comunicación, el trabajo en equipo y la creación de un espacio para discutir sobre el proceso por el que pasan los pacientes terminales. Finalmente, la atención hospitalaria debe satisfacer las necesidades de los pacientes en cuidados paliativos y familiares, promoviendo acciones que garanticen el alivio al sufrimiento.
Palabras clave: Grupo de atención al paciente/ Atención paliativa/ Atención hospitalaria/ Enfermo terminal/ Actitud frente a la muerte.
 

Referências

1. Organização Mundial de Saúde [pagina da internet]. Definition of palliative care. Genebra (CH): OMS, 2002. [acesso 2011 Mar 20]. Disponível em: www.who.int/cancer/palliative/definition

2. Simoni M, Santos ML. Considerações sobre cuidado paliativo e trabalho hospitalar: uma abordagem plural sobre o processo de trabalho de enfermagem. Psicologia USP. 2003; 14(2):169-94.

3. Organização Mundial de Saúde, Organização Panamericana de Saúde. Cuidados paliativos: guías para el manejo clínico. Genebra (CH): OMS; 2004.

4. Silva RCF, Hortale VA. Cuidados paliativos oncológicos: elementos para o debate de diretrizes nesta área. Cad Saúde Pública. 2006 Out; 22(10):2055-66.

5. Academia Nacional de Cuidados Paliativos. Manual de cuidados paliativos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Diagraphic; 2009.

6. Higginson IJ, Evans CJ. What is the evidence that palliative care teams improve outcomes for cancer patients and their families. Cancer J. 2010 Sep-Oct; 16(5):423-35.

7. Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer. Cuidados paliativos oncológicos: controle de sintomas. Rio de Janeiro (RJ): INCA; 2001.

8. Ministério da Saúde (BR). Portaria n.º 19/GM de 03 de janeiro de 2002: institui o programa nacional de assistência à dor e cuidados paliativos. Brasília (DF): MS; 2002. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 8 Jan 2002. Seção 2.

9. Ministério da Saúde (BR). Portaria 2.439/GM de 8 de dezembro de 2005: institui a política nacional de atenção oncológica. Brasília (DF): MS; 2005. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 9 Dez 2005. Seção 1.

10. Moritz RD, Lago PM, Souza RP, Silva NB, Meneses FA, Othero JCB. Terminalidade e cuidados paliativos na unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2008 Out-Dez; 20(4):422-8.

11. Siqueira KM, Barbosa MA, Boemer MR. O vivenciar a situação de ser com câncer: alguns desvelamentos. Rev Latino-Am Enferm. 2007 Jul-Ago; 15(4):605-11.

12. Oliveira AC, Silva MJP. Autonomia em cuidados paliativos: conceitos e percepções de uma equipe de saúde. acta paul enferm. 2010 Abr; 23(2):212-17.

13. Bifulco VA, Iochida LC. A formação na graduação dos profissionais de saúde e a educação para o cuidado de pacientes fora de recursos terapêuticos de cura. Rev Bras Educ Med. 2009 Jan-Mar: 33(1):92-00.

14. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2007.

15. Ministério da Saúde (BR), Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 196, de 10 de outubro de 1996: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília (DF); 1996.

16. Faresin C, Portella MR. Cuidados paliativos e o modo de cuidar: até onde vai o envolvimento? Estud Interdiscipl Envelhec. 2009 Jun; 14(2):249-64.

17. Oliveira EA - Santos, MA, Mastropietro AP. Apoio psicológico na terminalidade: ensinamentos para a vida. Psicol Estud. 2010 Jun; 15(2):235-44.

18. Girond JBR, Waterkemper R. Sedação, eutanásia e o processo de morrer do paciente com câncer em cuidados paliativos: compreendendo conceitos e inter-relações. Cogitare Enferm. 2006 Set-Dez; 11(3):258-63.

19. Rego S, Palácios M. A finitude humana e a saúde pública. Cad Saúde Pública. 2006 Ago; 22(8):1755-60.

20. Silva KS, Ribeiro RG, Kruse MHL. Discursos de enfermeiras sobre morte e morrer: vontade ou verdade? Rev Bras Enferm. 2009 Mai-Jun; 62(3):51-6.

21. Swetenham K, Hegarty M, Breaden K, Grbich C. Refractory suffering: the impact of team dynamics on the interdisciplinary palliative care team. Palliat Support Care. 2011 Mar; 9(1):55-62.

22. Valente HS, Teixeira MB. Estudo fenomenológico sobre a visita domiciliária do enfermeiro à família no processo de terminalidade. Rev Esc Enferm USP. 2009 Set; 43(3):655-61.

23. Benarroz MO, Faillace GBD, Barbosa LA. Bioética e nutrição em cuidados paliativos oncológicos em adultos. Cad Saúde Pública. 2009 Set; 25(9):1875-82.

24. Manicom CI.Where do our patients die? A review of the place of death of cancer patients in Cape Town, South Africa. Palliat Support Care. 2011 Mar; 9(1):31-41.

25. Silva MM, Moreira MC, Leite JL, Erdmann AL. Análise do cuidado de enfermagem e da participação dos familiares na atenção paliativa oncológica. Texto Contexto Enferm. 2012 Jul-Set; 21(3):658-66.

26. Nascimento LC, Oliveira FCS, Moreno MF, Silva FM. Cuidado espiritual: componente essencial da prática da enfermeira pediátrica na oncologia. Acta Paul Enferm. 2010 Mai-Jun; 23(3):437-40.

27. Rabow MW, Pantilat SZ, Kerr K, Enguidanos S, Ferrell B, Goldstein R, et al. The intersection of need and opportunity: assessing and capitalizing on opportunities to expand hospital-based palliative care services. J Palliat Med. 2010 Oct; 13(10):1205-10.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería