ENTRAR            

 


 

Texto & Contexto. ISSN:0104-0707

 

 

 

ARTIGOS ORIGINAIS - PESQUISA

 

Ir a Sumario

 

 

Full text - English version

 

 

O crack no contexto familiar: uma abordagem fenomenológica*

Helca Franciolli Teixeira Reis,1 Thais Oliveira Moreira2
1
Mestre em Enfermagem e Saúde. Professora Assistente da UFBA. Bahia, Brasil. E-mail: helcareis@gmail.com 2Enfermeira. Bahia, Brasil. E-mail: thai_ufba@yahoo.com.br

Recebido em 09 de agosto de 2012
Aprovação final em 18 de setembro de 2013

Texto Contexto Enferm 22(4): 1115-1123
*Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Bahia (UFBA), em 2012

 

 

 

Cómo citar este documento

Reis, Helca Franciolli Teixeira; Moreira, Thais Oliveira. O crack no contexto familiar: uma abordagem fenomenológica. Texto Contexto Enferm, oct-dic 2013, 22(4). Disponible en <http://www.index-f.com/textocontexto/2013/22-1115.php> Consultado el

 

Resumo

O presente estudo teve como objetivo conhecer o significado para a família da convivência diária com um membro usuário do crack. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva, de natureza fenomenológica, que tomou como base para coleta dos dados empíricos a realização da entrevista fenomenológica com duas famílias de dependentes do crack, em um Centro de Atenção Psicossocial em Álcool e Outras Drogas. A análise e categorização das descrições vivenciais se processou à luz da analítica da ambiguidade, fundamentada na fenomenologia de Maurice Merleau-Ponty. Como resultados emergiram três categorias - Sobrecarga no cuidado: demonstração de amor e sofrimento; Peripécias e fantasias do usuário de crack: entre as dúvidas e as certezas; e A sombra infinda do crack à luz da cura pela fé. O estudo apresenta uma nova perspectiva sobre o uso do crack no contexto familiar, através da percepção intersubjetiva, reveladora das ambiguidades, que abre possibilidades para desvelar a vivência do outro.
Palavras chave: Crack/ Família/ Relações familiares/ Filosofia em enfermagem.
 

Abstract
Crack in the family's context: a phenomenological approach

The aim of this study is to know the meaning, for the family, of the daily contact with a member user of crack. This is a qualitative, descriptive and phenomenological study, whose empirical data collection was based on phenomenological interviews with two families of crack dependents in a Psychosocial Care Center on Alcohol and other Drugs. The analysis and categorization of experiential descriptions sued in the light of analytical of ambiguity, based on the phenomenology of Maurice Merleau-Ponty. As a result, three categories emerged - Overload care: demonstration of love and suffering; Mishaps and fantasies of crack user: between doubt and certainty; and The endless shadow of crack in the light of healing by faith. The study presents a new perspective on the use of crack in family context, through intersubjective perception, revealing the ambiguities, which opens possibilities to unveil the experience of another.
Key-words: Crack/ Family/ Family relations/ Philosophy, nursing.
 

Resumen
El crack en el contexto de la familia: una aproximación fenomenológica

El objetivo de este estudio es conocer el significado, para la familia, apartir del contacto diario con un miembro consumidor de crack. Se trata de una investigación cualitativa, descriptiva, fenomenológica, que tomó como base para la recopilación de datos empíricos, la realización de entrevistas fenomenológicas con dos familias de dependientes de crack en un Centro de Atención Psicosocial en Alcohol y otras drogas. El análisis y categorización de las descripciones experienciales demandaron a la luz de la analítica de la ambigüedad, basada en la fenomenología de Maurice Merleau-Ponty. Como resultados surgieron tres categorías - Sobrecarga en el cuidado: demostración de amor y sufrimiento; Peripecias y fantasías de los consumidores de crack: entre las dudas y las certezas; y La sombra interminable de crack a la luz de la curación por la fe. El estudio presenta una nueva perspectiva sobre el consumo de crack en el contexto familiar, a través de la percepción intersubjetiva, reveladora de las ambigüedades, que abre posibilidades para dar a conocer la experiencia de otro.
Palabras clave: Crack/ Familia/ Relaciones familiares/ Filosofía en enfermería.
 

Referências

1. Dualibi LMFB. Revisão sistemática: perfil dos usuários de cocaína e crack no Brasil [dissertação]. São Paulo (SP): Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo. Mestrado em Ciências; 2010.

2. Pulcherio G, Stolf AR, Pettenon M, Fensterseifer DP, Kessler F. Crack - da pedra ao tratamento. Rev AMRIGS. 2010 Jul-Set; 54(3):337-43.

3. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Brasília (DF): MS; 2005.

4. Brasil. Portaria n. 336, de 19 de fevereiro de 2002. Estabelece os Centros de Atenção Psicossocial nas seguintes modalidades: CAPS I, CAPS II e CAPS III. Diário Oficial da União, 19 fev 2003. Seção 1.

5. Organização Mundial da Saúde (OMS). Relatório sobre a saúde no mundo 2001. Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Genebra (CH): OMS; 2001.

6. Brasil. Decreto n. 7119 de 20 de maio de 2010. Institui o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, cria o seu Comitê Gestor, e dá outras providências [online]. Presidência da República Casa Civil, 20 maio 2010 [acesso 2011 Set 24]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Decreto/D7179.htm

7. Boemer MR. A condução de estudos segundo a metodologia de investigação fenomenológica. Rev Latino-Am Enferm. 1994 Jan; 2(1):83-94.

8. Sena ELS, Gonçalves LHT. Vivências de familiares cuidadores de pessoas idosas com doença de Alzheimer: perspectiva da filosofia de Merleau-Ponty. Texto Contexto Enferm. 2008 Abr-Jun; 17(2):232-40.

9. Sena ELS, Carvalho PAL, Reis HFT, Rocha MB. Percepção de familiares sobre o cuidado à pessoa com câncer em estágio avançado. Texto Contexto Enferm. 2011 Out-Dez; 20(4):774-81.

10. Sena ELS, Gonçalves LHT. Intercorporeidade na experiência do cuidado: familiar cuidador e portador da doença de Alzheimer. In: Silva AL, Gonçalves LHT, organizadores. Cuidado à pessoa idosa: estudos no contexto luso-brasileiro. Porto Alegre (RS): Sulina; 2010. p. 193-218.

11. Sena ELS, Gonçalves LHT, Müller Granzotto MJ, Carvalho PAL, Reis HFT. Analítica da ambiguidade: estratégia metódica para a pesquisa fenomenológica em saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2010 Dez; 31(4):769-75.

12. Carvalho AS. Metodologia da entrevista: uma abordagem fenomenológica. 2ª ed. Rio de Janeiro (RJ): Agir; 1991.

13. Galera SAF, Zanetti ACG, Ferreira GCS, Giacon BCC, Cardoso L. Pesquisas com famílias de portadores de transtorno mental. Rev Bras Enferm. 2011 Jul-Ago; 64(4):774-8.

14. Merleau-Ponty M. A prosa do mundo. São Paulo (SP): Cosac & Naify; 2002.

15. Sena ELS, Boery RNSO, Carvalho PAL, Reis HFT, Marques AMN. O alcoolismo no contexto familiar: um olhar fenomenológico. Texto Contexto Enferm. 2011 Abr-Jun; 20(2):310-8.

16. Boff L. Ética e eco-espiritualidade. Campinas (SP): Editora Verus; 2003.

17. Reis HFT. Famílias de pessoas em sofrimento mental: um olhar fenomenológico sobre as relações de convivência [dissertação]. Jequié (BA): Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Mestrado Enfermagem e Saúde; 2010.

18. Merleau-Ponty M. Fenomenologia da percepção. 3ª ed. São Paulo (SP): Martins Fontes; 2006.

19. Chaves TV, Sanchez ZM, Ribeiro LA, Nappo SA. Fissura por crack: comportamentos e estratégias de controle de usuários. Rev Saúde Pública. 2011 Dez; 45(6):1168-75.

20. Seleghim MR, Marangon SL, Marcon SS, Oliveira MLF. Vínculo familiar de usuários de crack atendidos em uma unidade de emergência psiquiátrica. Rev Latino-Am Enferm. 2011 Set-Out; 19(5):1-8.

21. Sanchez ZVDM. As práticas religiosas atuando na recuperação de dependentes de drogas: a experiência de grupos católicos, evangélicos e espíritas [tese]. São Paulo (SP): Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina; 2006.

Principio de p�gina 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería