ENTRAR            

 


 

Avances en Enfermería 0121-4500 34(3) 2016 343259

 

 
Artículo de investigación
 

 Ir a sumario    Acceso al texto completo

Avances en Enfermería
[av.enferm. -Col-]
2016 sep-dic; 34(3): 259-267

Recibido: 22/9/2016
Aprobado: 25/12/2016

O olhar da pessoa idosa sobre a solidão

Karla Fonseca Cavalcanti,* Jogilmira Macêdo Silva Mendes,** Fabiana Ferraz Queiroga Freitas,*** Kaisy Pereira Martins,**** Raquel Janyne de Lima,***** Patrícia Kelly Guedes Macêdo******
* Enfermeira Faculdade de Enfermagem Nova Esperança Brasil. ** Mestre em Enfermagem Docente da Universidade Federal de Campina Grande Paraíba, Brasil. *** Doutoranda em Enfermagem, Universidade Federal de Minas Gerais. Docente da Universidade Federal de Campina Grande de Paraíba, Brasil. **** Doutoranda em Enfermagem, Universidade Federal da Paraíba Brasil. ***** Mestranda em Enfermagem,Universidade Federal da Paraíba Brasil. ****** Enfermeira. Especialista em Urgência e Emergência e UTI, Faculdade de Ciências Médicas da Paraíba Brasil

Cómo citar este documento:
Cavalcanti, Karla Fonseca; Mendes, Jogilmira Macêdo Silva; Freitas, Fabiana Ferraz Queiroga; Martins, Kaisy Pereira; Lima, Raquel Janyne de; Macêdo, Patrícia Kelly Guedes. O olhar da pessoa idosa sobre a solidão. Avances en Enfemería. 2016 sep-dic, 34(3). En: <http://www.index-f.com/rae/343/343259.php> Consultado el

 

Resumo

Objetivo: Identificar os fatores que influenciam a solidão das pessoas idosas. Metodologia: Tratou-se de uma pesquisa descritiva e quantitativa, realizada com 94 idosos conforme a Res. do cns 466/12. Foi utilizado um formulário dividido em duas partes: a primeira continha os dados de caracterização sociodemográfica; a segunda estava composta por questões pertinentes à temática do estudo. Resultados: A maioria dos participantes do estudo possuía entre 70 e 79 anos de idade (52,13%) e estava composta por mulheres (87,23%), destacando-se o analfabetismo (42,55%). Verificou-se que 78,73% moravam com seus familiares; 55,32% referiram não sentir-se só; e 79,79% não moravam sozinhos. Um número significante dos idosos da pesquisa (75,53%) não se sentiu excluído da sociedade e apenas 15,96% têm sentimento solitário. Conclusão: Os dados apresentados mostram que é fundamental a elaboração de grupos de convivência para idosos, pois estas atividades favorecem o bem estar físico, psíquico e social, fazendo-os esquecerem dos possíveis momentos de solidão.
Palavras chave: Idoso/ Solidão/ Enfermagem.
 

Resumen
La mirada del adulto mayor sobre la soledad

Objetivo: Identificar los factores que influyen en la soledad de los adultos mayores. Metodología: Estudio descriptivo y cuantitativo, llevado a cabo con 94 adultos mayores según Res. cns 466/12. Se utilizó un formulario dividido en dos partes: la primera contenía los datos sociodemográficos; la segunda estaba compuesta de temas relevantes al objeto de estudio. Resultados: La mayoría de los sujetos de la muestra tenía entre 70 y 79 años (52,13%) y estaba compuesta por mujeres (87,23%); se destacó el nivel de alfabetización (42,55%). Se encontró que el 78,73% vivían con sus familias; el 55,32 % señalaron no sentirse solos; y el 79,79% no vivían solos. Un número significativo de los adultos mayores objeto del estudio (75,53%) no se sentían excluidos de la sociedad y sólo el 15,96% mostró sentimientos de soledad. Conclusión: Los datos presentados evidencian que es necesario crear grupos de convivencia para adultos mayores, ya que estas actividades promueven el bienestar físico, mental y social, haciéndoles olvidar los posibles momentos de soledad.
Palabras clave: Anciano/ Soledad/ Enfermería.
 

Abstract
The elderly´s look about loneliness

Objective: To identify the factors that sway the loneliness of the elderly. Methodology: Descriptive and quantitative research carried out with 94 elderly people under Res. cns 466/12. A form was used, divided into two parts: the first one contained sociodemographic data; the second one consisted of significant issues of the subject matter. Results: Most subjects in the sample were between 70 and 79 years old (52.13%); it consisted of women (87.23%), standing the illiteracy out (42.55%). It is found that 78.73% of them lived with their families; 55.32% reported not feeling alone and 79.79% did not live alone. A significant number of elderly from this study (75.53%) did not feel excluded from society; only 15.96% has lonely feeling. Conclusion: The data resulting shows that it is fundamental to create living groups for elderly, inasmuch as these activities promote the physical, mental and socialwell-being, making them forget possible moments of solitude.
Key-words: Aged/ Loneliness/ Nursing.
 

Referências

1. Gragnolati m, Jorgensen oh, Rocha r, Fruttero a. Envelhecendo em um Brasil mais velho: implicações do envelhecimento populacional para o crescimento econômico, a redução da pobreza, as finanças públicas e a prestação de serviços. Washington: Banco Mundial lac; 2011.
2. República do Brasil, Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul. Política estadual da saúde da pessoa idosa. Porto Alegre: Governo do Estado do Rio Grande do Sul; 2010.
3. Kamiya y, Doyle m, Henretta jc, Timonen v. Early-life circumstances and later-life loneliness in Ireland. Gerontologist. 2014;54(5):773-783.
4. Lopes rf, Lopes mt, Camara vd. Entendendo a solidão do idoso. rbceh [periódico na Internet] 2009 [acesso: 2014 mai 22];6(3):373-381. Disponível em: http://www.upf.br/seer/index.php/rbceh/article/view/362/818
5. Minayo mc, Cavalcante fg. Suicídio entre pessoas idosas: revisão da literatura. Rev Saúde Pública [periódico na Internet] 2010 [acesso: 2014 mai 22];44(4):750-757. Disponível em:
http://www.scielo.br/pdf/rsp/v44n4/20.pdf
6. Neto F. Psicologia Social. Vol. 3. Lisboa: Universidade Aberta; 2000.
7. Azeredo za, Afonso ma. Solidão na perspectiva do idoso. Rev Bras Geriatr Gerontol [periódico na Internet]. 2016 [acesso: 2016 ago 19];19(2):313-324. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v19n2/1809-9823-rbgg-19-02-00313.pdf
8. Capitanini me. Solidão na velhice: realidade ou mito? Em: Neri al, Freire sa (Orgs.). E por falar em boa velhice. Campinas: Papirus; 2000. pp. 69-80.
9. República Federativa do Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012, a qual aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. dou nº 12 (13/06/2013).
10. Machado hv. Reflexões sobre concepções de famílias e empresas familiares. Psicol Estud [periódico na Internet]. 2005 [acesso: 2014 ago 22];10(2):317-323. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=287122083019
11. Teixeira f. O idoso e a família: os dois lados da mesma moeda. Campinas: Unicamp, São Paulo; 2010.
12. Meneses dl, Silva Júnior fj, Melo hs, Silva jc, Luz vl, Figueiredo ml. A dupla face da velhice: o olhar de idosos sobre o processo de envelhecimento. Enferm Foco [periódico na Internet]. 2013 [acesso: 2014 mai 25];4(1):15-18. Disponível em: http://revista.portalcofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/495/185
13. Camargo bv, Contarello a, Wachelke jf, Morais dx, Piccolo c. Representações sociais do envelhecimento entre diferentes gerações no Brasil e na Itália. Psicol Pesq [periódico na Internet]. 2014 [acesso: 2015 jan 11];8(2):179-188. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psipesq/v8n2/07.pdf
14. Araújo lf, Coutinho mp, Carvalho va. Representações sociais da velhice entre idosos que participam de grupos de convivência. Psicol Cienc Prof [periódico na Internet]. 2005 [acesso: 2014 mai 22];25(1):118-131. Disponível em: https://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932005000100010
15. Vieira ag, Morais ml, Bastos s. Terapia comunitária: inovação na Atenção Básica em Saúde. Bol Inst Saúde. 2008;45:17-20.
16. Irigaray tq, Schneider rh. Impacto na qualidade de vida e no estado depressivo de idosas participantes de uma universidade da terceira idade. Estud Psicol [periódico na Internet]. 2008 [acesso: 2014 mai 23];25(4):517-525. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v25n4/a06v25n4.pdf
17. Paúl c. A construção de um modelo de envelhecimento humano. Em: Paúl c, Fonseca a (Coords.). Envelhecer em Portugal. Lisboa: Climepsi Editores; 2005. pp. 21-41.
18. Grubba mr, Silva al. Acolhimento e respeito à autonomia da pessoa idosa nas instituições de saúde. Bol Inst Saúde [periódico na Internet]. 2009 [acesso: 2014 mai 22];(47):65-68. Disponível em: http://periodicos.ses.sp.bvs.br/pdf/bis/n47/a16_bisn47.pdf
19. Monteiro pp. Envelhecer: Histórias, encontros, transformações. 3ª ed. Belo Horizonte: Autentica; 2009.
20. Guidetti aa, Pereira as. A importância da comunicação na socialização dos idosos. Revista de Educação. 2008;11(11):119-136.
21. Freitas pc. Solidão em idosos: percepção em função da rede social [dissertação de mestrado na Internet]. Lisboa: Universidade Católica Portuguesa; 2011 [acesso: 2014 mai 25]. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.14/8364
22. Rizzolli d, Surdi ac. Percepção dos idosos sobre grupos de terceira idade. Rev Bras Geriatr Gerontol [periódico na Internet]. 2010 [acesso: 2014 mai 25];13(2):225-233. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1809-98232010000200007
23. Almeida aj, Rodrigues vm. A qualidade de vida da pessoa idosa institucionalizada em lares. Rev Latino-Am Enfermagem [periódico na Internet]. 2008 [acesso: 2014 mai 25];16(6):1025-1031. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v16n6/pt_14.pdf
24. Freitas ma, Scheicher me. Qualidade de vida de idosos institucionalizados. Rev Bras Geriatr Gerontol [periódico na Internet]. 2010 [acesso: 2014 mai 25];13(3):395-401. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbgg/v13n3/a06v13n3.pdf
25. Pedrozo sk, Portella mr. Solidão na velhice: algumas reflexões a partir da compreensão de um grupo de idosos. Bol Saúde [periódico na Internet]. 2003 [acesso: 2014 mai 25];17(2):171-183. Disponível em: http://www.boletimdasaude.rs.gov.br/conteudo/1262/solidao-na-velhice:-algumas-reflexoes-a-partir-da-compreensaode-um-grupo-de-idosos

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería