ENTRAR            

 


 

Avances en EnfermerÝa 0121-4500 33(1) 2015 331142

 

 
Artículo de revisión
 

 Ir a sumario    Acceso al texto completo

Avances en Enfermería
[av.enferm. -Col-]
2015 ene-jul; 33(1): 142-150
 
Recibido: 31/10/2013
Aprobado: 15/12/2014

Notificação da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes por profissionais de saúde no Brasil*

 

Priscila Arruda da Silva,* Valéria Lerch Lunardi,** Juliane Portella Ribeiro,*** Adriane M. Netto de Oliveira,**** Tânia Cristina Schäfer Vasquez*****
*
Doutoranda em Enfermagem. Bolsista fapergs/capes. Rio Grande do Sul, Brasil. **Doutora em Enfermagem. Docente, Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande do Sul, Brasil. ***Doutoranda em Enfermagem. Rio Grande do Sul, Brasil. ****Doutora em Enfermagem. Docente, Universidade Federal do Rio Grande. Rio Grande do Sul, Brasil. *****Doutoranda em Enfermagem. Bolsista capes. Rio Grande do Sul, Brasil

  *Elaborado com base na pesquisa bibliográfica resultante da tese de doutorado em andamento (SILVA, 2011-2015)

Cómo citar este documento:
Silva, Priscila Arruda da; Lunardi, Valéria Lerch; Ribeiro, Jualiane Portella; Oliveira, Adriane M. Netto de; Vasquez, Tânia Cristina Schäfer. Notificação da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes por profissionais de saúde no Brasil. Avances en Enfemería. 2015 ene-jul, 33(1). En: <http://www.index-f.com/rae/331/r331142.php> Consultado el


Resumo

O presente estudo tem por objetivo analisar as produções científicas acerca da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes notificadas por profissionais de saúde. Trata-se de uma revisão da literatura realizada a partir de artigos, legislações, manuais do Ministério da Saúde, teses, dissertações e livros. Apoiando-se em Foucault, reconhece- se a notificação como uma manifestação de poder e resistência dos profissionais de saúde e, em especial, das enfermeiras, a um problema tão comum em nossa sociedade, causador de grande impacto social, político e econômico, e com alto potencial de comprometimento para a saúde e qualidade de vida das vítimas. As questões examinadas neste estudo podem subsidiar a reflexão dos profissionais sobre sua prática, buscando o enfrentamento da violência de forma a prevenir que o ciclo se reproduza na família.
Palavras chave: Enfermagem/ Violência Doméstica/ Defesa da Criança e do Adolescente/ Notificação de Abuso.

Resumen
Notificación de violencia intrafamiliar contra niños y adolescentes por profesionales de la salud en Brasil

El presente estudio tiene como objetivo analizar la producción científica sobre la violencia familiar contra los niños y adolescentes reportada por profesionales de la salud. Ésta es una revisión de la literatura realizada a partir de artículos, leyes, manuales del Ministerio de Salud, tesis, disertaciones y libros. Sobre la base de Foucault, se reconoce la notificación como una manifestación de la preocuopación y la resistencia de los profesionales de la salud, especialmente las enfermeras, a un problema tan común en nuestra sociedad, causante de un enorme impacto social, político y económico, con alto potencial para el compromiso con la salud y la calidad de vida de las víctimas. Los temas examinados en este estudio pueden apoyar la reflexión de los profesionales sobre su práctica, tratando de hacer frente a la violencia con el fin de evitar que el evento se presente de manera cíclica en la familia.
Palabras clave: Enfermería/ Violencia Doméstica/ Defensa del Niño/ Notificación Obligatoria.

Abstract
Notification of domestic violence against children and teens by health professionals in Brazil

The present study aims to analyze the scientific production about family violence against children and adolescents reported by health professionals. This is a literature review performed from articles, laws, manuals Ministry of Health, theses, dissertations and books drawing on Foucault, recognizes the notification as a manifestation of power and strength and health professionals, especially nurses, to such a common problem in our society, causing enormous social, political and economic impact, and with high potential for commitment to the health and quality of life of the victims. The issues examined in this study can support the professionalsĺ reflection on their practice, seeking to deal with violence in order to prevent the cycle play in the family.
Key-words: Nursing/ Domestic Violence/ Child Advocacy/ Mandatory Reporting.
 

Bibliografía

(1) Lane WG, Dubowitz H. Primary care pediatriciansĺ experience, comfort and competence in the evaluation and management of child maltreatment: do we need child abuse experts? Child Abuse Negl. 2009;33(2):76-83.

(2) Ristum M. A violência doméstica contra crianças e as implicações da escola: school implications. Temas Psicol. 2010;18(1):231-242.

(3) Andrade EM, Nakamura E, Paula CS, Nascimento R, Bordin IA. A visão dos profissionais de saúde em relação à violência doméstica contra crianças e adolescentes: um estudo qualitativo. Saúde Soc. 2011;20(1):147-155.

(4) Silva JL. Entre as amarras do medo e o dever sócio-sanitário: notificação da violência contra crianças e adolescentes sob a perspectiva de rede na atenção primária [dissertação mestrado]. Pernambuco: Universidade Federal de Pernambuco (ufpe); 2012.

(5) Alrimawi I, Saifan AR, Aburuz M. Barriers to child abuse identification and reporting. J. Applied Sci [periódico na Internet]. 2014 [acesso: 21 ago 2013];14(21):2793-2803. Disponível em: http://scialert.net/qredirect.php?doi=-jas.2014.2793.2803&linkid=pdf

(6) Davies E, Mathews B, Read J. Mandatory reporting? Issues to consider when developing legislation and policy to improve discovery of child abuse. ials Student Law Review [periódico na Internet]. 2014 [acesso: 21 ago 2013];2(1 Esp):9-28. Disponível em: http://sas-space.sas.ac.uk/5751/1/2110-3087-1-SM.pdf

(7) Cross TP, Mathews B, Tonmyr L, Scott D, Ouimet C. Child welfare policy and practice on childrenĺs exposure to domestic violence. Child Abuse Negl. 2012 Mar;36(3):210-216.

(8) Wekerle C. Resilience in the context of child maltreatment: connections to the practice of mandatory reporting. Child Abuse Negl. 2013;37(2-3):93-101.

(9) Pietrantonio AM, Wright E, Gibson KN, Alldred T, Jacobson D, Niec A. Mandatory reporting of child abuse and neglect: crafting a positive process for health professionals and caregivers. Child Abuse Negl. 2013;37(2-3):102-109.

(10) Monteiro EM, Neto WB, Gomes IM, Freitas RB, Brady CL, Moraes MU. Violência contra criança e adolescente: rompendo o silêncio. Rev Rene. 2009;10(3):107-116.

(11) Lima MC, Costa MC, Bigras M, Santana MA, Alves TD, Nascimento OC et al. Atuação profissional da atenção de saúde face à identificação e notificação da violência infanto-juvenil. Rev Baiana Saúde Pública 2011;35(Supl1):118-137.

(12) Moreira GA, Vieira LJ, Deslandes SF, Pordeus MA, Gama IS, Brilhante AV. Fatores associados à notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na atenção básica. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(10): 4267-4276.

(13) Organização Mundial da Saúde (oms). Relatório mundial sobre violência e saúde. Genebra: Organização Mundial da Saúde (oms); 2002.

(14) Foucault M. O sujeito e o poder. Em: Dreyfus H, Rabinow P, editores. Michel Foucault: uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. Rio de Janeiro: Forense Universitária; 1995. pp. 231-249.

(15) Alberton MS. Violação da infância: crimes abomináveis: humilham, machucam, torturam e matam! Porto Alegre: age; 2005.

(16) Pesce R. Violência familiar e comportamento agressivo e transgressor na infância: uma revisão da literatura. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(2):507-518.

(17) Ferreira AL. A criança vítima de violência. Rev Pediatria soberj. 2012;13(2):4-9.

(18) Silva MA, Ferriani MG. Violência doméstica do visível ao invisível. Rev Latino-Am Enfermagem. 2007;15(2):275-281.

(19) Santos SS, DellĺAglio DD. Quando o silêncio é rompido: o processo de revelação e notificação de abuso sexual infantil. Psicol Soc. 2010;22(2):328-335.

(20) Silva PA, Lunardi VL, Silva MR, Lunardi WD. A notificação da violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes na percepção dos profissionais de saúde. Cienc Cuid Saúde. 2009;8(1):56-62.

(21) Cocco M, Silva EB, Jahn AC. Abordagem dos profissionais de saúde nas instituições hospitalares a crianças e adolescentes vítimas de violência. Rev Eletr Enf. 2010;12(3):491-497.

(22) Ribeiro JP, Silva MR, Cezar MR, Silva PA, Silva BT. The protection of children and adolescents from violence: an analysis of public policies and their relationship with the health sector. Invest Educ Enferm. 2013;31(1):133-141.

(23) República Federativa do Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Notificação de maus-tratos contra crianças e adolescentes pelos profissionais de saúde: um passo a mais na cidadania em saúde. Brasília: Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde; 2002.

(24) Silva PA, Lunardi VL, Lunardi GL, Arejano CB, Oliveira AM, Vasquez TC. Violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes: análise reflexiva sobre as dificuldades e a atuação da enfermagem. Rev Enf ufpe. 2014;8(7 Supl):2498-2506.

(25) República Federativa do Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Violência intrafamiliar: orientações para prática em serviço. Série Cadernos de Atenção Básica, N° 8. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

(26) Gabatz RI, Padoin SM, Neves ET, Schawartz E, Lima JF. A violência intrafamiliar contra a criança e o mito do amor materno: contribuições da enfermagem. Rev Enferm ufsm. 2013;3(Esp):563-572.

(27) Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente. 3rd. Ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2006.

(28) Deleuze G. Foucault. 2nd Ed. São Paulo: Editora Brasiliense; 1991.

(29) Alvarez KM, Donohue B, Carperter A, Romero V, Allen D, Cross C. Development and preliminary evaluation of a training method to assist professionals in reporting suspected child maltreatment. Child Maltreatment. 2010 Aug;15(3):211-218.

(30) Luna GL, Ferreira RC, Vieira LJ. Notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes por profissionais da Equipe Saúde da Família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(2):481-491.

(31) Lima JS, Deslandes SF. A notificação compulsória do abuso sexual contra crianças e adolescentes: uma comparação entre os dispositivos americanos e brasileiros. Interface Comun Saúde Educ. 2011;15(38):819-832.

(32) Levi BH, Crowell K. Child abuse experts disagree about the threshold for mandated reporting. Clin Pediatr. 2011;50(4):321-329.

(33) Ribeiro JP. Acesso e resolutividade: satisfação dos usuários de serviços de proteção às vítimas de violência intrafamiliar [dissertação mestrado]. Rio Grande: Universidade Federal do Rio Grande; 2011.

(34) Ávila JÁ, Oliveira AM, Silva PA. Conhecimento dos Enfermeiros frente ao abuso sexual. Av Enferm. 2012;30(2):47-55.

(35) Moreira GA, Vieira LJ, Fatores associados à notificação de maus-tratos em crianças e adolescentes na atenção básica. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(10): 4267-4276.

(36) Minayo MC. Violência: um problema para a saúde dos brasileiros. Em: Souza ER, Minayo MC, editores. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde; 2005. pp. 9-42.

(37) Kulik E, Fleiter M, Batista R. A intervenção do enfermeiro na violência intrafamiliar física contra crianças e adolescentes. Webartigos [artigo na Internet]. 2011 Nov [acesso: 21 Ago 2013];2011:1-23. Disponível em: http://www.corenpr.gov.br/files/file-497049458.pdf

(38) Fraser JA, Mathews B, Walsh K, Chen L, Dunne M. Factors influencing child abuse and neglect recognition and reporting by nurses: a multivariate analysis. Int J Nurs Stud. 2010 Feb;47(2):146-153.

(39) Bernez IM, Coelho EB, Lindner SR. Desafio da violência doméstica para profissionais da saúde: revisão da literatura. Sau Transf Soc. 2012;3(3):105-111.

(40) Agência Brasil [sede web]. Brasilia DF: Lílian Beraldo; c2013 [atualizado: 2013 Mar 16; acesso: 2013 Ago 22] Medo de represália leva profissionais de saúde a deixar de denunciar casos suspeitos de violência contra crianças [aprox. 4 telas]. Disponível em: http://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-03-16/medo-de-represalia-leva-profissionais-desaude-deixar-de-denunciar-casos-suspeitosde-violencia-contr

(41) Bernardes LF, Moreira MI. Metodologia de intervenção do disque 100: perspectivas e desafios. Em: Souza SM, Moreira MI, editores. Quebrando o silêncio: disque 100: estudo sobre a denúncia de violência sexual contra crianças e adolescentes no Brasil. Brasília. Secretaria de Direitos Humanos-sdh/pr. Goiânia: Cânome Editorial; 2013. pp. 149-159.

(42) Moraes CA. Violência doméstica contra a criança e rede de proteção social: uma análise sobre articulação em rede. Serv Soc Rev. 2012;14(2):119-144.

(43) Souza RG, Santos DV. Enfrentando os maus-tratos infantis nas Unidades de Saúde da Família: atuação dos enfermeiros. Physis. 2013;23(3):783-800.

(44) Nunes CB, Sarti CA, Ohana CV. Profissionais de saúde e violência intrafamiliar contra a criança e adolescente. Acta Paul Enferm. 2009;22(Esp):903-908.

(45) Deslandes SF, Mendes CH, Luz ES. Análise de desempenho de sistema de indicadores para o enfrentamento da violência intrafamiliar e exploração sexual de crianças e adolescentes. Ciênc Saúde Coletiva. 2014;19(3):865-874.

(46) Martins CB, Jorge MH. Child abuse: a review of the history and protection policies. Acta Paul Enferm. 2010;23(3):423-428.

(47) Seger AC, Caldart P, Grossi PK. Desvelando a violência contra as crianças em um hospital universitário: desafios para o Serviço Social. Textos Contextos. 2010;9(1):118-131.

(48) Ferreira JA. Percepções dos profissionais da estratégia saúde da família acerca do enfrentamento da violência entre adolescentes [dissertação mestrado]. Fortaleza: Universidade de Fortaleza; 2010.

(49) Pereira AS. Ações de prevenção da violência contra crianças e adolescentes desenvolvida pelo setor saúde da região metropolitana de Fortaleza [dissertação mestrado]. Fortaleza: Universidade de Fortaleza; 2010.

(50) Assis SG, Avanci JQ, Pesce RP, Pires TO, Gomes DL. Notificações de violência doméstica, sexual e outras violências contra crianças no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2012;17(9):2305-2317.

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería