ENTRAR            

 


 

Avances en Enfermería 0121-4500 32(1) 2014 321124

 

 
Artículo de Investigación
 

 Ir a sumario    Acceso al texto completo

Avances en Enfermería
[av.enferm. -Col-]
2014 ene-jun; 32(1): 124-138

 
Recibido: 11/03/2011
Aprobado: 14/01/2014

O ruído causando danos e estresse: possibilidade de atuação para a enfermagem do trabalho

 

Jorge Luiz Lima da Silva*, Felipe dos Santos Costa**, Raoni Ferreira de Souza***, Jéssica de Lyra Sousa****, Roberta de Souza Oliveira*****

 

*Enfermeiro. Graduado pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Mestre em Enfermagem (Unirio). Doutorando do Programa de Saúde Pública-Ensp/Fiocruz. Professor do Departamento Materno-Infantil e Psiquiatria da Universidade Federal Fluminense. R. Dr. Celestino 74- Sala 51 -Centro/ Niterói-RJ-24020-091. **Enfermeiro. Graduado pelo Centro Universitário Plínio Leite-Unipli/Niterói-RJ-24020-091. ***Enfermeira. Graduada pelo Centro Universitário Plínio Leite-Unipli/Niterói-RJ-24020-091. ****Enfermeiro. Graduado pelo Centro Universitário Plínio Leite-Unipli/Niterói-RJ-24020-091. *****Enfermeira. Graduada pelo Centro Universitário Plínio Leite-Unipli/Especialista em Enfermagem do Trabalho-Unipli

Cómo citar este documento:
da Silva, Jorge Luiz Lima; Costa, Felipe dos Santos; de Souza, Raoni Ferreira; Sousa, Jéssica de Lyra; Oliveira, Roberta de Souza. O ruído causando danos e estresse: possibilidade de atuação para a enfermagem do trabalho. Avances en Enfermería. 2014 ene-jun, 32(1). En: <http://www.index-f.com/rae/321/r321124.php> Consultado el


Resumen

A exposição ao ruído vem sendo problema de saúde ocupacional cada vez mais presente na vida de profissionais, e reclamado como fator de estresse no trabalho. Diante disto, este estudo objetivou identificar os riscos ocupacionais que acometem trabalhadores que atuam em ambientes ruidosos, discutindo as consequências à saúde do trabalhador. A presente é uma pesquisa de natureza descritiva, que se deu por meio de revisão bibliográfica analítica baseada em obras publicadas no período de 1978 a 2010. Foi construído um quadro comparativo para discussão dos principais achados. Os riscos encontrados foram: estresse, distúrbios do sono, problemas em vários sistemas fisiológicos, com destaque para o neurológico e circulatório e risco de acidentes laborais. O papel educativo do enfermeiro deve ser contínuo e com avaliação de risco das ações executadas pelo trabalhador. A enfermagem do trabalho, como especialidade, vem buscando desenvolver e aprofundar conhecimentos e ampliar seu papel junto à área de saúde do trabalhador. Os profissionais conhecem os riscos do ruído, classificam-no como a principal causa de incômodo e conhecem estratégias coletivas e individuais para diminuir os riscos ocupacionais.
Palabras clave: Perda Auditiva/ Saúde do Trabalhador/ Ruído Ocupacional/ Enfermagem do Trabalho.
 

Abstract
Noise causing damage and stress: the possibility of nursing practice for occupational health nursing

Noise exposure has been occupational health problem is increasingly present in the lives of professionals, and claimed as a stress factor at work. Thus, this study aimed to identify occupational hazards that affect employees who work in noisy environments, discussing the consequences of health worker. It is a descriptive research that was done through a literature review based analytical works published in the period 1978 to 2010. It was built for a comparative discussion of the main findings. The risks were found are: stress, sleep disorders, problems in various physiological systems, with emphasis on the neurological and circulatory risk of accidents. The educational role of the nurse must be continuous and risk assessment of the actions taken by the worker. The nursing job as a specialty, has been seeking to develop skills and to widen and deepen its role in the area of occupational health. Professionals know the risks of noise; classify it as the main cause of discomfort and collective and individual strategies known to reduce occupational hazards.
Key-words: Hearing Loss/ Occupational Health/ Noise Occupational/ Occupational Health Nursing.
 

Resumen
Ruido con daños y estrés: la posibilidad de prácticas de enfermería de trabajo

La exposición al ruido ha sido un problema de salud ocupacional cada vez más presente en la vida de los profesionales, convirtiéndose en un factor de estrés en el trabajo. Así, este estudio tuvo como objetivo identificar los riesgos laborales que afectan a los empleados que trabajan en ambientes ruidosos y discutir las consecuencias para la salud. La investigación fue de tipo descriptivo y se realizó a través de una revisión de literatura basada en trabajos analíticos publicados entre 1978 y 2010. Se elaboró un cuadro comparativo para discutir las principales conclusiones. Los riesgos encontrados fueron: estrés, trastornos del sueño y problemas en varios sistemas fisiológicos, con énfasis en el riesgo neurológico y circulatorio que surgen de los accidentes. El papel de la formación de enfermería debe ser continuo y debe evaluar el riesgo de las medidas adoptadas por el trabajador. El trabajo de la enfermería como una especialidad ha estado tratando de desarrollar conocimientos y de ampliar y profundizar su papel en el ámbito de la salud en el trabajo. Los profesionales deben conocer los riesgos del ruido para clasificar las principales causas del malestar y las estrategias colectivas e individuales conocidas para reducir los riesgos laborales.
Palabras clave: Pérdida Auditiva/ Salud Ocupacional/ Ruido en el Ambiente de Trabajo/ Enfermería del Trabajo.


Bibliografía

(1) Oliveira eb, Lisboa mtl. Exposição ao ruído tecnológico em cti: Estratégias coletivas de defesa dos trabalhadores de enfermagem. Rev Esc Enfer Anna Nery. 2009;13(1): 24-30.

(2) República Federativa do Brasil. Ministério do trabalho e emprego. Norma regulamentadora nº 9, dispõe sobre o programa de prevenção de riscos ambientais de 08 de junho de 1978. Diário oficial da união de 06/07/1978 [acesso: 10 jan 2010]. Disponível em: http://pro-sst1.sesi.org.br/portal/main.jsp?lumPageId=4028E4811025DB5601102685ECD824A9&-query=Ru%C3%ADdos

(3) Próspero ac. Estudo dos efeitos do ruído em servidores do Centro Técnico Aeroespacial [dissertação]. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica; 1999.

(4) World Health Organization who. Calls on private sector to provide affordable hearing aids in developing world. who/34 11\july 2001 [acesso: 27 abr 2008]. Disponível em: http://www.who.int/inf-pr-2001/en/pr2001-34,html

(5) Oliveira rs. Prevenção da perda auditiva induzida por exposição a ruídos no local de trabalho [tese monográfica]. Rio de Janeiro: Centro Universitário Plínio Leite-Unipli/ Niterói; 2009.

(6) Astete mgw, Kitamura S. Manual prático de avaliação do barulho industrial. São Paulo: Fundacentro; 1978.

(7) Teles rm, Medeiros mph. Perfil audiométrico de trabalhadores do distrito industrial de Maracanaú-ce. Rev Soc Bras Fonoaudiologia. 2007;12(3):233-239.

(8) Melnick W. Saúde Auditiva do Trabalhador. Em: Katz J. Tratado de Audiologia Clínica. 4ª ed. São Paulo: Manole; 1999. pp. 529-547.

(9) Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Companhia ambiental do Estado de São Paulo. Proteção da qualidade [acesso: 05 ago 2010] [artigo na Internet]. Disponível em: http://www.cetesb.sp.gov.br/Solo/agua_sub/protecao.asp

(10) Santos jd, Ferreira idc. Variação dos limiares audiométricos em trabalhadores submetidos a ruído ocupacional. Rev Inter Otorrinolaringologia. 2008;12(2):9.

(11) Brasil. Perda Auditiva Induzida por Ruído. Saúde do Trabalhador. Brasília; 2006.

(12) Brito vps. Incidência de Perda Auditiva Induzida por Ruído em Trabalhadores de uma Fábrica [tese de especialização]. Goiânia: Centro de Especialização em Fonoaudiologia; 1999.

(13) República Federativa do Brasil. Conselho Nacional de Meio Ambiente-Conama. Resolução nº 252, de 7 de Janeiro de 1999, estabelece critérios específicos para a fiscalização das emissões sonoras dos veículos que circulam nas vias públicas. Publicação-Diário Oficial da União (01/02/1999).

(14) Lopes ac. Prevalência de perda auditiva induzida por ruído em motoristas. Int Arch Otorhinolaryngol. São Paulo-Brasil, 2012;16(4):509-514.

(15) Freitas rgf, Nakamura hy. Perda auditiva induzida por ruído em motoristas de ônibus com motor dianteiro. Saúde Rev Piracicaba. 2003;5(10):13-9.

(16) Carvalho gm. Enfermagem do trabalho. 1ª ed. São Paulo: epu; 2006.

(17) Neto ras, Mesquita fos, Paiva-Junior mdls, Ramos ff, Andrade fmd, Correia-Júnior mav. Ruídos na unidade de terapia intensiva: quantificação e percepção dos profissionais de saúde. Rev Bras Ter Intensiva. 2010;22(4):369-374.

(18) Petian A. Incômodo em relação ao ruído urbano entre trabalhadores de estabelecimentos comerciais no município de São Paulo [tese de doutorado]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2008.

(19) Lopes G, Russo ic, Fiorini ac. Estudo da audição e da qualidade de vida em motoristas de caminhão. Rev cefac. 2007;9(4):532-542.

(20) Souza nss, Carvalho fm, Fernandes rcp. Hipertensão arterial entre trabalhadores de petróleo expostos ao ruído. Cad Saúde Pública. 2001;17(6):1481-88.

(21) Ricardo C, Lima-Filho ec, Nascimento lcr. Associação da perda auditiva induzida pelo ruído com o tempo acumulado de trabalho entre motoristas e cobradores. Cad Saúde Pública. 1994;2(10):210-221.

(22) Gosling M, Araújo gcd. Saúde física do trabalhador rural submetido a ruídos e à carga térmica: um estudo em operadores de tratores. O Mundo da Saúde São Paulo. 2008;32(3):275-286.

(23) Dias A, Cordeiro R, Gonçalves cgo Exposição ocupacional ao ruído e acidentes do trabalho. Cad Saúde Pública. 2006;22(10):2125-2130.

(24) Guerra mr, Lourenço pmc, Bustamante-Teixeira mt, Alves mjm. Prevalência de perda auditiva induzida por ruído em empresa metalúrgica Rev Saúde Pública. 2005;39(2):238-44.

(25) Bramatti L, Morata tc, Marques jm. Ações educativas com enfoque positivo em programa de conservação auditiva e sua avaliação. Rev cefac. 2008;10(3):398-408.

(26) Alvarenga kf, Jacob lcb, Martins chf, Costa oa, Coube czv, Marques jm. Emissões otoacústicas-produto de distorção em indivíduos expostos ao chumbo e ao ruído. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003;5(69):681-686.

(27) Baggio mcf, Marziale, mhp. A participação da enfermeira do trabalho no programa de conservação auditiva. Rev Latino-am Enfermagem. 2001;9(5):97-99.

(28) Ganime jf, Silva al, Robazzi mlcc, Valenzuela ss, Faleiro sa. O ruído como um dos riscos ocupacionais: uma revisão de literatura. Enferm Global. 2010;(19):1-15.

(29) Holsbach lr, Conto ja, Godoy pcc. Avaliação dos níveis de ruído ocupacional em Unidade de Tratamento Intensivo. Sociedade Cubana de Bioingenieria, Habana. 2001;208:1-4.

(30) Carvalho am. Barulho e desempenho: aspectos ergonômicos. Rev Bras Saúde Ocup. 1985;13(50):82-87.

(31) Menzani gy, Ferraz ber. Determinação dos estressores dos enfermeiros atuantes em unidade de internação. Enferm Global. 2005;(7):1-9.

(32) Paraguay att. Perda Auditiva por ruído em consultório odontológico [tese de especialização]. Recife: Curso de Especialização em Fonoaudiologia Clínica; 1999 [acesso: 10 jan 2011]. Disponível em: http://www.cefac.br/library/teses/c77ca764e1494a1e1f764e7cc9a35c4d.pdf

(33) República Federativa do Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Norma regulamentadora nº 17, estabelece parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores de 08 de junho de 1978. Diário oficial união de 06/07/1978 [acesso: 10 jan 2010]. Disponível em: http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_17.pdf. Acessado em 10/01/2010

(34) República Federativa do Brasil. Ministério do Trabalho e Emprego. Norma regulamentadora nº 15. Dispõe sobre as atividades e operações insalubres de 08 de junho de 1978. Diário oficial da união de 06/07/1978 [acesso: 10 jan 2010]. Disponível em: http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_15.pdf. Acessado em 10/01/2010

(35) Lei nº 8.213 de 24 de julho de 1991-Diário oficial da união de 14/08/1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/42/1991/8213.HTM

(36) Gonçalves cgo, Iguti am. Análise de programas de preservação da audição em quatro indústrias metalúrgicas de Piracicaba, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006;22(3):609-618.

(37) Lourenço ea, Berto jmr, Duarte sb, Greco jpm. Ruído em Consultórios Odontológicos pode Produzir Perda Auditiva? Arq Int Otorrinolaringol Intl Arch Otorhinolaryngol. 2011;1(5):84-88.

(38) Tôrres bo, Fernandes mjm, Félix sss, Costa icc. A Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (pair) na formação acadêmica: conhecimentos e medidas de prevenção. Odontologia. Clín Científ. 2007;6(2):151-154.

(39) Associação Brasileira de Normas Técnicas. nbr 10151: 2000-Acústica: avaliação do ruído em áreas habitadas, visando o conforto da comunidade: procedimento. Rio de Janeiro; 2000.

(40) Associação Brasileira de Normas Técnicas. nbr 10152: 1990-Níveis de ruído para conforto acústico-nb 95. Rio de Janeiro; 1990.

(41) Guyton ac. Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2002.

(42) Berne rm. Fisiologia. Rio de Janeiro: Elsevier; 2004.

(43) Lopes rj. Equipe recria células do ouvido que se perdem em deficientes auditivos. globo.com [homepage on the Internet]. 08/08 [23/02/2011] [acesso: 07 jul 2010]. Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL739176-5603,00%20EQUIPE+RECRIA+CELULAS+DO+OUVIDO+QUE+SE+PERDEM+EM+DEFICIENTES+AUDITIVOS.html

(44) Barros C. Excesso de medicamentos pode causar surdez. Extra. globo.com [hompage on the Internet]. 12/2010 [22/02/2011] [acesso: 07 jul 2010]. Disponível em: http://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/excesso-de-medicamentos-pode-causar--surdez-371328.html

(45) Dantas cc. O saber-fazer do enfermeiro no programa de conservação auditiva (pca): discutindo uma prática a partir do conhecimento de graduandos de enfermagem. Enferm Global. 2009;16:1-11.

(46) Nääs ia, Miragliotta my, Baracho ms. Níveis de ruídos na produção de matrizes pesadas-estudo de caso. Rev Bras Cienc Avic. 2001;3(2):149-155.

(47) Carvalho gm. Enfermagem do trabalho. 1ªed. São Paulo: epu; 2006.

(48) National Institute for Occupational Safety and Health. Preventing occupational hearing loss a practical guide. Cincinnati: National Institute for Occupational Safety and Health; 1996.

(49) iso 1999. Acoustics-Determinaton of occupational noise exposure and estimation of noise-induced hearing impairment (International Standards Organization, Geneva, 1990).

(50) Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, 82, 6/06/1995, Genebra. Convenção 176: Convenção sobre a segurança e saúde nas minas [documento em Internet]. Genebra: oit, 1995 [acesso: 22 out 2010]. Disponível em: http://www.mte.gov.br/legislacao/c

(51) República Federativa do Brasil. Ministério do trabalho e emprego. Norma regulamentadora nº 6, dispõe sobre equipamento de proteção individual-epi de 08 de junho de 1978. Diário oficial da união de 06/07/1978 [acesso: 10 jan 2010]. Disponível em: http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_06.pdf

(52) República Federativa do Brasil. Ministério do trabalho e emprego. Norma regulamentadora 7, dispõe sobre o programa de controle médico de saúde ocupacional— epi de 08 de junho de 1978. Diário oficial da união de 06/07/1978 [acesso: 10 jan 2010]. Disponível em: http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_07_at.pdf

(53) República Federativa do Brasil. Presidência da República. Decreto nº 5.296, estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências de 2 de dezembro de 2004. Diário oficial da união de 3/12/2004 [acesso: 10 jan 2010]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería