ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n4 2016 85177

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 oct-dic 8(4):
5177-5183

 Recebido em: 20/03/2014
Revisões requeridas: Não
Aprovado em: 17/09/2015
Publicado em: 01/10/2016

Perfil epidemiológico de mulheres com HPV atendidas em uma unidade básica de saúde

 

Túlio Felipe Vieira de Melo,1 Héllyda de Souza Bezerra,2 Dany Geraldo Kramer Cavalcanti e Silva,3 Richardson Augusto Rosendo da Silva4

 

(1) Enfermeiro da Estratégia Saúde da Família do Município de Currais Novos/RN, Brasil. Mestre em Biologia Estrutural e Funcional (2) Enfermeira. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN Professora substituta do Curso de Graduação em Enfermagem Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi/FACISA. Santa Cruz/RN, Brasil (3) Farmacêutico. Doutor em Engenharia Mecânica. Professor Adjunto II do Curso de Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciências da Saúde do Trairi/FACISA. Santa Cruz/RN, Brasil (4) Enfermeiro. Doutor em Ciências da Saúde. Professor Adjunto VI do Curso de Graduação e do Programa de Pós-Graduação (Mestrado Acadêmico e Doutorado) em Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte/UFRN. Natal/RN, Brasil. Membro do Grupo de Pesquisa Práticas Assistenciais e Epidemiológicas em Saúde e Enfermagem/PAESE/UFRN

 

Cómo citar este documento:
Melo, Túlio Felipe Vieira de; Bezerra, Héllyda de Souza; Silva, Dany Geraldo Kramer Cavalcanti e; Silva, Richardson Augusto Rosendo da. Perfil epidemiológico de mulheres com HPV atendidas em uma unidade básica de saúde. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 oct-dic, 8(4). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/85177.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico de mulheres com HPV atendidas em uma Unidade Básica de Saúde. Método: A pesquisa de caráter quantitativo foi realizada em um bairro no município de Santa Cruz/RN, por meio das fichas individuais de 205 usuárias da Unidade. Resultados: O perfil epidemiológico foi caracterizado por mulheres com idade entre 19-30 anos, casadas, brancas, com ensino médio incompleto, renda de até um salário mínimo, primeira relação sexual entre 15-17 anos e um parceiro. Conclusão: As mulheres se encontram no grupo de risco para o acometimento do HPV, pois se apresentam como jovens, casadas, de baixa escolaridade e  enda familiar e iniciaram a vida sexual antes dos 18 anos.
Descritores: Neoplasias do colo do útero/ Prevenção primária/ Esfregaço vaginal/ Fatores socioeconômicos.
 

Resumen
Perfil epidemiológico de las mujeres con VPH assistido en una unidad básica de salud

Objetivo: Describir el perfil epidemiológico de las mujeres con el VPH que asistió a un método básico de salud. Método: Un estudio de carácter cuantitativo se llevó a cabo en un distrito en el municipio de Santa Cruz/ RN a través de los registros individuales de 205 usuarios de la Unidad. Resultados: El perfil epidemiológico se caracterizó por las mujeres con edad entre 19 a 30 años; casadas; blancas; escolarización hasta la escuela secundaria incompleta; los ingresos de hasta un salario mínimo; la primera relación sexual entre los 15 a 17 años; con una pareja. Conclusión: La misma se encuentran en el grupo de riesgo para la participación de VPH, ya que se presentan como joven, casado, el bajo nivel educativo y de ingresos, y la iniciación sexual antes de los 18 años.
Descriptores: Neoplasias del cuello uterino/ Prevención primaria/ Frotis vaginal factores socioeconómicos.
 

Abstract
Epidemiological profile of women with HPV treated in a basic health unit

Objective: To describe the epidemiological profile of women with HPV who treated in a Basic Health Unit. Method: A survey of quantitative trait was performed in a district in the municipality of Santa Cruz/RN through the individual records of 205 users of the Unit. Results: The epidemiological profile was characterized by women with age between 19-30 years; married; white; schooling until the incomplete high school; income up to a wage minimum; first intercourse among 15-17 years; with a partner. Conclusion: The same are in the risk group for the involvement of HPV because they present themselves as young, married, low education and income, and sexual initiation before age 18 years.
Descriptors: Neoplasms of the cervix/ Primary prevention/ Vaginal smear socioeconomic factors.
 

Referências

1. Minotto F. Influência da infecção genital pelo Papilomavirus humano no ciclo de resposta sexual feminino [Dissertação de Mestrado]; São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. 2009.

2. Araújo MAL, Bucher J, Bello PY. Eficácia do aconselhamento para doenças sexualmente transmissíveis em unidades de referência da cidade de Fortaleza, CE, Brasil. J Bras Doenças Sex Transm. 2004;16(1):31-7.

3. Carret MLV, Fassa AG, Silveira DS, Bertoldi AD, Hallal PC. Sintomas de doenças sexualmente transmissíveis em adultos: prevalência e fatores de risco. Revista de saude publica. 2004;38(1):76-84.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de DST AeHVPsa, doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais. [internet]. Brasilia. Ministério da Saúde; [acesso em 12 de nov 2012]. Disponível em: http://www.aids.gov.br/pagina/condiloma-acuminado-hpv

5. Murray PR, Rosenthal KS, Kobayashi GS, Pfaller MA. Medical microbiology. 4th ed. St. Louis: Mosby; 2002.

6. Ault KA. Epidemiology and natural history of human papillomavirus infections in the female genital tract. Infectious diseases in obstetrics and gynecology. 2006.

7. Smeltzer S, BARE B, Hinkle J, Cheever K. Brunner. Suddarth tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 2010;7.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST e Aids.. Prevalências e freqüências relativas de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) em populações selecionadas de seis capitais brasileiras, 2005. Brasilia: Minstério da Saúde, 2008.

9. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer INCA. Estimativas da Incidência e Mortalidade por Câncer no Brasil para 2012. [internet]. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Câncer; [acesso em 15 out 2012]. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2012/index.asp?ID=5

10. Bertolin DC RR, Cesarino CB, Silva DC, Prado DO, Parro EV. Conhecimento de mulheres que fazem sexo com mulheres sobre o papilomavírus humano. Cogitare Enfermagem. 2010;15(4):730-5.

11. Peretto M, Drehmer LBR, Bello HMR. o não comparecimento ao exame preventivo do câncer de colo uterino: razões declaradas e sentimentos envolvidos. Cogitare Enfermagem. 2012;17(1).

12. Baseman JG, Koutsky LA. The epidemiology of human papillomavirus infections. Journal of Clinical Virology. 2005;32:16-24.

13. Cesar JA, Horta BL, Gomes G, Houlthausen RS, Willrich RM, Kaercher A, et al. Fatores associados à não realização de exame citopatológico de colo uterino no extremo Sul do Brasil. Cadernos de saúde pública. 2003;19(5):1365-72.

14. Israel GD. Determining sample size: University of Florida Cooperative Extension Service, Institute of Food and Agriculture 1Sciences, EDIS; 1992.

15. Barbetta PA. Estatística aplicada às ciências sociais: Ed. UFSC; 2008.

16. de Novais TGG, Laganá MTC. Epidemiologia do câncer de colo uterino em mulheres gestantes usuárias de um serviço de pré-natal público. Saúde Coletiva. 2009;27(6):713.

17. Kadt E TR. Promovendo a equidade: um novo enfoque com base no setor da saúde. São Paulo: HUCITEC. 1993.

18. Rama CH, Roteli-Martins CM, Derchain SFM, Longatto-Filho A, Gontijo RC, Sarian LOZ, et al. Prevalência do HPV em mulheres rastreadas para o câncer cervical. Revista de saude publica. 2008;42(1):123-30.

19. Murta EFC, Souza M, Júnior E, Adad S. Infecção pelo papilomavírus humano em adolescentes: relação com o método anticoncepcional, gravidez, fumo e achados citológicos. Rev Bras Gineco Obstet. 2001;23(4).

20. Bezerra SJS, Gonçalves PC, Franco ES, Pinheiro AKB. Perfil de mulheres portadoras de lesões cervicais por HPV quanto aos fatores de risco para câncer de colo uterino. J Bras Doenças Sex Transm. 2005;17(2):143-8.

21. Chubaci RYS, Merighi MAB. Exame para detecção precoce do câncer cérvico-uterino: vivência de mulheres das cidades de Kobe e Kawasaki, Japão e São Paulo, Brasil; Cervical cancer screening: experience of women from Kobe and Kawasaki cities, Japan and São Paulo city, Brazil. Rev bras saúde matern infant. 2005;5(4):471-81.

22. Hackenhaar AA, Cesar JA, Domingues MR. Exame citopatológico de colo uterino em mulheres com idade entre 20 e 59 anos em Pelotas, RS: prevalência, foco e fatores associados à sua não realização; Pap smears of 20-59 year-old women in Pelotas, Southern Brazil: prevalence, approach and factors associated with not undergoing the test. Rev bras epidemiol. 2006;9(1):103-11.

23. Davim RMB, Torres G, Silva R, Silva D. Conhecimento de mulheres de uma Unidade Básica de Saúde da cidade de Natal/RN sobre o exame de Papanicolau. Rev Esc Enferm USP. 2005;39(3):296-302.

24. Taquette SR, Vilhena MM, Paula MC. Doenças sexualmente transmissíveis na adolescência: estudo de fatores de risco. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. 2004;37(3):210-4.

25. Geller M, Aboim E, Campos CD. Papilomavírus humano fatores de risco, carcinogênese, resposta imune e tratamento. J Bras Med 2008; 94(3): 43-46.

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-Tesis
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería