ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n4 2016 85126

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 oct-dic 8(4):
5126-5135

 Recebido em: 28/05/2015
Revisões requeridas: Não
Aprovado em: 08/01/2016
Publicado em: 01/10/2016

Prevenção de acidentes domésticos infantis: susceptibilidade percebida pelas cuidadoras

 

Allyne Karlla Cunha Gurgel,1 Akemi Iwata Monteiro2

 

(1) Enfermeira. Mestre em Enfermagem pelo Programa de Pós-graduação em Enfermagem da UFRN (2) Enfermeira pediátrica. Doutora em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da USP. Docente do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UFRN

 

Cómo citar este documento:
Gurgel, Allyne Karlla Cunha; Monteiro, Akemi Iwata. Prevenção de acidentes domésticos infantis: susceptibilidade percebida pelas cuidadoras. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 oct-dic, 8(4). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/85126.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: descrever a percepção de cuidadores domiciliares de crianças quanto à susceptibilidade das crianças sob seus cuidados para os acidentes domésticos infantis. Método: estudo exploratório, descritivo e qualitativo, realizado em Natal/RN, Brasil, com 19 cuidadores de crianças. Os dados foram tratados com base no Discurso do Sujeito Coletivo e analisados à luz da susceptibilidade percebida, um dos pilares do Modelo de Crenças em Saúde. Resultados: todos os sujeitos julgaram os acidentes domésticos infantis evitáveis. Foram identificadas percepções destoantes quanto às mudanças dos riscos para esses acidentes e à susceptibilidade da casa habitada para esses episódios. Isso desencadeou a elaboração categorias distintas, que apontavam desde a existência de riscos diversos até o não reconhecimento de susceptibilidade a esses eventos. Conclusão: faz-se necessário que o enfermeiro, enquanto educador em saúde, realize ações integrais e intersetorias voltadas para os cuidadores a fim de prevenir esses acidentes.
Descritores: Acidentes Domésticos/ Criança/ Enfermagem.
 

Resumen
Prevención de accidentes domésticos para niños: susceptibilidad percibida por los cuidadores

Objetivo: describir la percepción de los cuidadores del hogar de los niños acerca de la susceptibilidad de los niños bajo su cuidado en los accidentes domésticos infantiles. Método: estudio exploratorio, descriptivo y cualitativo, que se realizó en Natal/RN, Brasil, con 19 cuidadores de niños. Los datos fueron tratados con base en el Discurso del Sujeto Colectivo y analizados con base en la susceptibilidad percibida, uno de los pilares del modelo de creencias de salud. Resultados: todos consideraron los accidentes domésticos infantiles evitables. Fueron identificados percepciones discordantes respecto a los cambios de los riesgos para estos accidentes y la susceptibilidad de la casa habitada por estos episodios. Esto dio lugar a las distintas categorías de desarrollo, apuntando la existencia de diversos riesgos para el no reconocimiento de la susceptibilidad a estos eventos. Conclusión: es necesario que el enfermero, como educador de salud, realice acciones integrales e intersectoriales dirigidas a los cuidadores con el fin de prevenir este tipo de accidentes.
Descriptores: Accidentes Domésticos/ Niño/ Enfermería.
 

Abstract
Domestic accident prevention for children: perceived susceptibility by the caregivers

Objective: to describe the perception of home caregivers of children about the susceptibility of children under their care for the child domestic accidents. Method: exploratory, descriptive, and a qualitative study carried out in Natal/RN, Brazil, with 19 caregivers of children. The data were analyzed based on the Collective Subject Discourse and analyzed based on the perceived susceptibility, one of the pillars of the Health Belief Model. Results: all subjects deemed avoidable child domestic accidents. There were discordant perceptions regarding changes of risks to these accidents and the susceptibility of the house inhabited for these episodes identified. This triggered the development distinct categories, pointing from the existence of various risks to the nonrecognition of susceptibility to such events. Conclusion: it is necessary that as a health educator, the nurse performed comprehensive actions and directed to inter-sectoral caregivers to prevent such accidents.
Descriptors: Domestic Accidents/ Child/ Nursing.
 

Referências

1. Ribeiro MO. Desenvolvimento Infantil: A criança nas diferentes etapas de sua vida. In: Fujimore E, Ohara CVS. (Orgs.). Enfermagem e a saúde da criança na atenção básica, Barueri: Manole, 2009, p. 61-90.

2. Paes CE, Gaspar VL. As injúrias não intencionais no ambiente domiciliar: a casa segura. J. pediatr. 2005; 81(5):146-54.

3. Del Ciampo LA, Ferraz IS, Tazima MFGS, Bachette LG, Ishikawa K, Paixão R. Características clínicas e epidemiológicas de crianças acidentadas atendidas em um serviço de pronto-atendimento. Pediatria (São Paulo). 201; 33(1):29-34.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Departamento de Informática do SUS (DATASUS). Informações de saúde. Óbito por Causas Externas em 2010. Brasília, DF, 2011. Disponível em:<http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sim/cnv/ext10uf.def>. Acesso em: 10 ago. 2012.

5. Martins CBG. Acidentes na infância e adolescência: uma revisão bibliográfica. Rev. bras. enferm. 2006; 59(3):344-8.

6. Canabarro ST. Traumas físicos em crianças de zero a seis anos ocorridos em domicílio [Dissertação de Mestrado]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Curso de Enfermagem, 2003.

7. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria n° 737, de 16 de maio de 2001. Dispõe sobre a Política Nacional de Redução da Morbimortalidade por Acidentes e Violências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 2001.

8. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília, DF, 2006.

9. Japiassu H, Marcondes D. Dicionário básico de filosofia, 5ª edição. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.

10. Neves LAS. Prevenção da transmissão vertical do HIV/Aids: compreendendo as crenças e percepções das mães soropositivas [Dissertação de Mestrado]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, 2005.

11. Dela Coleta MF. Modelos para pesquisa e modificação de comportamentos de saúde: teorias, estudos e instrumentos. 1ª edição. Taubaté (SP): Cabral Editora e Livraria Universitária. Capítulo 1, Modelo de Crenças em Saúde; 27-62.

12. Brasil. Ministério da Saúde. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa CONEP. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos (Res. CNS 466/12 e outras). Brasília, DF, 2013. Disponível em:<http://www.conselho.saude.gov.br/web_comissoes/conep/index.html>. Acesso em: 05 dez. 2013.

13. Lefévre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa. 2ª edição. Caxias do Sul, RS: Educs, 2005.

14. Souza LJEX, Rodrigues AKC, Barroso MGT. A família vivenciando o acidente doméstico relato de uma experiência. Rev. latinoam. enferm. 2000; 8(1): 83-9.

15. Martins CBG, Andrade SM. Epidemiologia dos acidentes e violências entre menores de 15 anos em município da região sul do Brasil. Rev. latinoam. enferm. 2005; 13(4): 530-7.

16. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo 2010. Notícias. 2012. Disponível em:<http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/tabcgi.exe?sih/cnv/frRN.def>. Acesso em: 28 out. 2013.

17. Ferreira ABH. Dicionário Aurélio Mirim: dicionário ilustrado da Língua portuguesa. Rio de Janeiro: Positivo; 2005.

18. Brito MEM. A influência da cultura familiar no cuidado à criança vítima de queimadura [Dissertação de Mestrado]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Farmácia, Odontologia e Enfermagem, Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, 2009.

19. Oliveira RG. Blackbook - pediatria. 4ª edição. Belo Horizonte: Black Book Ed; 2005.

20. Vieira LJES, Barroso MGT. Julgar e compreender: contradições da abordagem multiprofissional à família da criança envenenada. Acta sci., Health sci. 2004; 26(1):95-106.

21. Vieira LJES, Carneiro RCMM, Frota MA, Gomes ALA, Ximenes LB. Ações e possibilidades de prevenção de acidentes com crianças em creches de Fortaleza, Ceará. Ciênc. saúde coletiva. 2009; 14(5): 1687-97.

22. Hockenberry MJ, Wilson D. Wong fundamentos de enfermagem pediátrica. 7ª edição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

23. Gusmão SML. A teoria do desenvolvimento humano segundo Freud e Rogers. In: Encontro Latino-Americano da Abordagem Centrada Na Pessoa; Maragogi, AL. Anais do VII Encontro latino-americano da abordagem centrada na pessoa; 1994. Disponível em:<http://gruposerbh.com.br/textos/artigos/artigo15.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2013.

24. Pereira SFA, Garcia CA. Prevenção de acidentes domésticos na infância. Revista de Enfermagem Universidade de Santo Amaro. 2009; 10(2): 172-7.

25. Fujimori E, Ohara CV. (Orgs.). Enfermagem e a saúde da criança na atenção básica. São Paulo: Manole; 2009.

26. Fivush R, Sales JM. Children´s memories of emotional events. In: D. Reisberg, D., & Hertel, P. (2004). Memory and emotion. New York: Oxford University Press, 2004.

27. Brown D, Scheflin AD, Hammond DC. Memory, trauma treatment, andthelaw. New York: Norton & Company, 1998.

28. Issler H, Leone C, Marcondes E. Pediatria na Atenção Primária, 1ª edição. São Paulo: Sarvier, 2002.

29. Silva JM, Oliveira AAA. Jogos e brincadeiras na educação infantil, análise no pré II do Centro Municipal de Educação Infantil Vinícius de Moraes. Rev. eventos pedag. 2012; 3(2): 131 - 140.

30. Vendrusculo TM, Balieiro CRB, Echevarría-Guanilo ME, Farina Junior JA, Rossi LA. Queimaduras em ambiente doméstico: características e circunstâncias do acidente. Rev. latinoam. enferm. 2010; 18(3): 157-64.

31. Filócomo FRF, Harada M JCS, Silva CV, Pedreira M LG. Estudo dos acidentes na infância em um pronto socorro pediátrico. Rev. latinoam. enferm. 2002; 10(1) 41-47.

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería