ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n4 2016 85017

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 oct-dic 8(4):
5017-5024

 Recebido em: 08/05/2015
Revisões requeridas: Não
Aprovado em: 08/01/2016
Publicado em: 01/10/2016

Percepção de gestantes sobre a organização do serviço/ assistência em um pré-natal de baixo risco de Recife

 

Mirian Domingos Cardoso,1 Cleideane Meireles da Silva Ribeiro,2 Isadora Batista de Oliveira,3 Priscila Maria da Cruz Andrade,4 Taciana Mirella Batista Santos5

 

(1) Doutora. Professora Adjunta da Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças (2) Enfermeira (3) Enfermeira (4) Educadora física, Mestranda em Hebiatria (5) Enfermeira, MSc

 

Cómo citar este documento:
Cardoso, Mirian Domingos; Ribeiro, Cleideane Meireles da Silva; Oliveira, Isadora Batista de; Andrade, Priscila Maria da Cruz; Santos, Taciana Mirella Batista. Percepção de gestantes sobre a organização do serviço/ assistência em um pré-natal de baixo risco de Recife. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 oct-dic, 8(4). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/85017.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico e a percepção da assistência de gestantes de baixo risco atendidas em uma maternidade do Recife/PE. Método: Estudo descritivo com 94 gestantes atendidas no pré-natal de baixo risco, de abril a maio de 2014. Os dados foram coletados dos sujeitos e do Cartão da Gestante, utilizando questionário. Resultados: 71% eram pardas/negras, 17% baixa escolaridade, 26% solteira/divorciada, 49% desempregada e 48% tinha renda familiar menor que um salário mínimo. 28% multigesta e 17% referiu no mínimo um aborto. Entretanto, das 69 (73,4%) que haviam realizado exames, 46% estavam pouco satisfeitas/ insatisfeitas com o tempo de entrega dos exames. Conclusão: Conhecer o perfil e a satisfação das gestantes traz contribuições para enfermagem, uma vez que compete ao enfermeiro realizar as consultas de pré-natal das gestantes consideradas de baixo risco, sendo de sua responsabilidade assegurar uma assistência pré-natal qualificada de maneira integral.
Descritores: Gestantes/ Cuidado Pré-natal/ Percepção/ Cuidados de Enfermagem.
 

Resumen
Las percepciones de las mujeres embarazadas sobre la organización del servicio/asistencia en bajo riesgo prenatal de Recife

Objetivo: Describir el perfil epidemiológico y la percepción de las mujeres embarazadas de bajo riesgo asistencial se reunió en un hospital de maternidad en Recife. Metodo: Estudio descriptivo con 94 mujeres embarazadas que acuden a bajo riesgo prenatal, de abril a mayo de 2014. Los datos se obtuvieron de los sujetos y la tarjeta de la maternidad, mediante un cuestionario. Resultados: El 71% eran de color marrón/ negro, 17% bajo nivel de educación, 26% solteras/divorciada, 49% de desempleadas y el 48% tienen ingresos familiares por debajo del salario mínimo. 28% multigesta y 17% dicho al menos un aborto. Sin embargo, de las pruebas de 69 (73,4%) que habían sido sometidos, el 46% eran poco satisfechos/insatisfechos con el tiempo de entrega de los exámenes. Conclusión: Conocer el perfil y la satisfacción de las mujeres embarazadas aporta contribuciones a la enfermería, ya que es para que las enfermeras realizan visitas prenatales de las mujeres embarazadas consideradas de bajo riesgo, siendo su responsabilidad garantizar una atención prenatal calificada de una manera integrada.
Descriptores: Mujeres Embarazadas/ Atención Prenatal/ Percepción/ Atención de Enfermería.
 

Abstract
Perceptions of pregnant women about the organization of the service/ assistance in prenatal low risk in Recife

Objective: To describe the epidemiological profile and the perception of low risk pregnant women care met in a maternity hospital in Recife. Method: Descriptive study with 94 pregnant women attending prenatal low risk, from April to May 2014. Data were collected from subjects and the Maternity Card, using a questionnaire. Results: 71% were brown/black, 17% low education, 26% single/divorced, 49% unemployed and 48% had family incomes below the minimum wage. 28% multigesta and 17% said at least one abortion. However, of the 69 (73.4%) who had undergone tests, 46% were little satisfied/dissatisfied with the delivery time of the exams. Conclusion: Knowing the profile and the satisfaction of pregnant women brings contributions to nursing, since it is for nurses to make prenatal visits of pregnant women considered low risk, being your responsibility to ensure a qualified prenatal care in an integrated manner.
Descriptors: Pregnant Women/ Prenatal Care/ Perception/ Nursing Care.
 

Referências

1. Pedraza DF, Rocha ACD, Cardoso MVLML. Assistência pré-natal e peso ao nascer: uma análise no contexto de unidades básicas de saúde da família. Ver Bras Ginecol Obstet. 2013; 35(8):349-56.

2. Rodrigues EM, Nascimento RG, Araújo A. Protocolo na assistência pré-natal: ações, facilidades e dificuldades dos enfermeiros da Estratégia de Saúde da Família. Ver Esc Enferm USP. 2011; 45(5):1041-1047.

3. Mendes ACG. et al. Avaliação da satisfação dos usuários com a qualidade no atendimento nas grandes emergências do Recife, Pernambuco, Brasil. Rev. bras. saúde matern infant. 2009 abr/ jun;9(2):157-65.

4. Queiroz MVO, Jorge MSB, Marques JF, Cavalcante AM, Moreira KAP. Indicadores de Qualidade da Assistência ao Nascimento Baseados na Satisfação de Puérperas. Texto Contexto - Enferm [online]. 2007 jul/ set; 16(3):479-487.

5. Vaitsman J, Andrade GB. Satisfação e responsividade: formas de medir a qualidade e a humanização da assistência à saúde. Ciênc saúde coletiva. 2005; 10(3):599-633.

6. Donabedian A. The seven pillars of quality. Archives of Pathology Laboratory Medicine. 114:1115-8; 1990.

7. Arakawa AM, et al. Percepção dos usuários do SUS: expectativa e satisfação do atendimento na Estratégia de Saúde da Família. Rev. CEFAC, São Paulo. 2012; 14(6).

8. Ministério da Saúde. Secretaria Executiva. Humanização do parto. Humanização no pré-natal e nascimento. Brasília (DF), 2002.

9. Santos JO, Pacheco TS, de Oliveira PS, Pinto VL, Gabrielloni MC, Barbieri M. The obstetrical and newborn profile of postpartum women in maternities in São Paulo. Rev pesqui cuid fundam. 2015; 7(1), 1936-1945.

10. Frigo J, Silveira S, Marin SM, Rodriguez MJH, de Azambuja Zocche DA, Ledra FF. Perceptions of the bearers of HIV/AIDS before the inability to breastfeeding. Rev pesqui cuid fundam. 2014; 6(2), 627-636.

11. Sacramento AN, Nascimento ER. Racismo e saúde: representações sociais de mulheres e profissionais sobre o quesito cor/raça. Rev Esc Enferm. 2011; 45(5):1142-9.

12. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. Brasília (DF); 2012.

13. Da Silva FFA, da Silva RAR, dos Santos FAPS, do Rego AP. Service rendered to parturient at a university hospital. Rev pesqui cuid fundam. 2014; 6(1), 282-292.

14. Rodrigues LS, Batista RFL, Sousa ACV, Cantanhede JG, Costa LC. Caracterização dos recém-nascidos pré-termos nascidos em São Luís MA no período de 2006 a 2010: análise do SINASC. Cad Pesq. 2012; (19) 3:97-106.

15. Santos GH N, Martins MG, Sousa Ms, Batalha SJC. Impacto da idade materna sobre os resultados perinatais e via de parto. Rev Bras Ginecol Obstet.2009; 7 (31):326-34.

16. Peixoto CR, Lima TM, Costa CC, Freitas LV, Oliveira AS, Damasceno AKC. Perfil das gestantes atendidas no serviço de pré-natal das unidades básicas de saúde de Fortaleza-CE. Rev Min Enferm. 2012; 2,(16):171-177.

17. Baumgartena MCS, Silva VG, Mastalir FP, Klaus F, DAzevedo PA Infecção Urinária na Gestação: uma Revisão da Literatura. Cient Ciênc Biol Saúde. 2013; 13:333-42.

18. Espíndola MFS, Mesenburg MA, Silveira MFD. Acesso à vacina contra a hepatite B entre parturientes que realizaram o pré-natal em Pelotas, Rio Grande do Sul. Epidemiol Serv Saúde. 2014; 23(3), 447-454.

19. Paris GF, Pelloso SM, Martins PM. Qualidade da assistência pré-natal nos serviços públicos e privados. Rev Bras Ginecol Obstet. 2013; 35(10):447-52.

20. Domingues RMSM, Hartz ZMA, Dias MAB, Leal MC. Avaliação da adequação da assistência pré-natal na rede SUS do Município de Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012; 3: 425-437.

21. Maia MG, Santos JLS, Berreza MLR, Neto MS, Santos LH, Santos FS. Indicador de qualidade da assistência pré-natal em uma maternidade pública. Manag Prim Health Care. 2014; 5(1):40-47.

22. Firmo WCA, Paredes AO, Almeida AC, Campos MC, Pimentel MIC, Pontes SRS. Perfil dos exames laboratoriais realizados por gestantes atendidas no Centro de Saúde Lago Verde, Maranhão, Brasil. J Manag Prim Health Care. 2013; 4(2):77-86.

23. Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Pizzol TSD. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública. 2012; 28(4):789-800.

24. Barbosa MA, Fernandes RAQ. Evaluation of prenatal care in low risk pregnancies in the city of Francisco Morato. Online Braz J Nurs. 2008; 7(3).

25. Mendoza-Sassi RA, Cesar JAC, Teixeira RTP, Ravache C, Araújo GD, Silva TC. Diferenças no processo de atenção ao pré-natal entre unidades da Estratégia Saúde da Família e unidades tradicionais em um município da Região Sul do Brasil. Cad Saúde Pública. 2011; 27(4):787-796.

26. Neto MINP, Segre CAM. Análise comparativa das gestações e da frequência de prematuridade e baixo peso ao nascer entre filhos de mães adolescentes e adultas. Einstein. 2012; 10(3):271-277.

27. Cesar JA, Sutil A T, Santos GB, Cunha CF, Mendoza-Sassi RA. Assistência pré-natal nos serviços públicos e privados de saúde: estudo transversal de base populacional em Rio Grande, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2012; 28(11):2106-2114.

28. Hass CH, Teixeira LB, Beghetto MG. Adequabilidade de uma assistência pré-natal em uma estratégia de saúde da família em Porto Alegre, RS. Rev Gaúcha Enferm. 2013; 34(3):22-30.

29. Melo KDL, Vieira BDG, Alves VH, Rodrigues DP, Leão DCMR, Silva LAD. O comportamento expresso pela parturiente durante o trabalho de parto: reflexos da assistência do pré-natal. Rev pesqui cuid fundam (Online). 2014; 6(3), 1007-1020.

30. Sousa AJCQ, Mendonça AE O, Torres GV. Atuação do enfermeiro no pré-natal de baixo risco em uma unidade básica de saúde. Carpe Diem Rev Cult e Cient. do UNIFACEX. 2012; 10:1-15. 

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-Tesis
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería