ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n4 2016 85010

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 oct-dic 8(4):
5010-5016

 Recebido em:24/03/2015
Revisões requeridas: Não
Aprovado em: 08/01/2016
Publicado em: 01/10/2016

Caracterização da qualidade de vida de pessoas com hanseníase em tratamento ambulatorial

 

Daniella Azevedo Lobo Araújo,1 Karen Krystine Gonçalves Brito,2 Emanuele Malzac Freire Santana,3 Valéria Leite Soares,4 Maria Júlia Guimarães Oliveira Soares5

 

(1) Discente do curso de graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Paraíba (2) Enfermeira. Mestre em Enfermagem pela UFPB. Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Paraíba, PPGENF/UFPB (3) Fisioterapeuta. Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal da Paraíba, PPGENF/UFPB (4) Terapeuta Ocupacional. Mestre em Distúrbios do Desenvolvimento. Docente do Departamento de Terapia Ocupacional/ UFPB (5) Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Professora Titular da UFPB e do Programa de Pós- Graduação em Enfermagem da UFPB

 

Cómo citar este documento:
Araújo, Daniella Azevedo Lobo; Brito, Karen Krystine Gonçalves; Santana, Emanuele Malzac Freire; Soares, Valéria Leite; Soares, Maria Júlia Guimarães Oliveira. Caracterização da qualidade de vida de pessoas com hanseníase em tratamento ambulatorial. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 oct-dic, 8(4). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/85010.php> Consultado el

Resumo

Objetivo: Caracterizar a qualidade de vida de pessoas com hanseníase em tratamento ambulatorial. Método: Estudo quantitativo exploratóriodescritivo com 59 sujeitos. Para obtenção dos dados socioeconômicos e clínicos dos indivíduos utilizou-se formulário próprio e para a qualidade de vida, o questionário Short Medical Outcomes Study 36 Item Short- Form Health Survey, o SF-36. Para análise dos dados adotou-se o software estatístico IBM SPSS. Resultados: 78% multibacilares; sexo masculino 54,3%; idade média de 45,9 anos; economicamente ativos 67%. O SF-36 aponta escores médios calculados em valores acima ao escore 50, exceto os aspectos físicos e emocionais (escore < 50) A idade esteve correlacionada aos domínios de capacidade funcional e aspectos físicos, enquanto o sexo esteve associado à saúde mental. Conclusão: A população investigada apresenta qualidade de vida adequada, embora, observa-se que esta se encontra afetada pela doença.
Descritores: Hanseníase/ Qualidade de vida/ Enfermagem.
 

Resumen
Características de la gente de la calidad de vida con la lepra entratamiento ambulatorio

Objetivo: Caracterizar la calidad de vida de las personas con lepra en tratamiento ambulatorio. Método: Estudio cuantitativo exploratoriodescriptivo con 59 temas. Para obtener los datos socioeconómicos y clínicos de los individuos utilizaron el cuestionario, y para la calidad de vida, el Short Medical Outcomes Study 36 - Artículo Short-Form Health Survey SF-36. Se aprobó el análisis de datos de IBM SPSS software estadístico. Resultados: 78% multibacilar; varones 54.3%; edad media de 45,9 años; económicamente activa de 67%. El SF-36 muestra las puntuaciones medias calculadas valores de hasta anotar 50, pero los aspectos físicos y emocionales (puntuación <50) La edad se correlacionó con las áreas de la capacidad funcional y los aspectos físicos, mientras que el sexo se asocia con la salud mental. Conclusión: La población investigada ha adecuada calidad de vida, sin embargo, se observa que esta se ve afectada por la enfermedad.
Descriptores: Lepra/ Calidad de vida/ Enfermería.
 

Abstract
Characteristics of people of quality of life with leprosy in outpatient treatment

Objective: To characterize the quality of life of people with leprosy in outpatient treatment. Method: Exploratory-descriptive quantitative study with 59 subjects. To obtain the socioeconomic and clinical data of individuals used the questionnaire, and for the quality of life, the Short Medical Outcomes Study 36 - Item Short-Form Health Survey SF-36. Data analysis was adopted IBM SPSS statistical software. Results: 78% multibacillary; males 54.3%; mean age 45.9 years; economically active 67%. The SF-36 shows average scores calculated values up to score 50, but the physical and emotional aspects (score <50) Age was correlated to the areas of functional capacity and physical aspects, while sex was associated with mental health. Conclusion: The investigated population has adequate quality of life, though, it is observed that this is affected by the disease.
Descriptors: Leprosy/ Quality of live/ Nursing.
 

Referências

1. Rondini FCB. Proposta de avaliação e intervenção através da prevenção de incapacidades de pacientes com hanseníase [dissertação]. Ribeirão Preto: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2010.

2. Garcia ACM. Caracterização dos pacientes diagnosticados com hanseníase no município de Campina Grande- Paraíba no período de 2001 a 2008 [trabalho de conclusão de curso]. Campina Grande: Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Curso de Farmácia, 2011.

3. Nunes JM, Oliveira EM, Vieira NFC. Hanseníase: conhecimentos e mudanças na vida das pessoas acometidas. Ciênc saúde coletiva [Internet]. 2011 [citado em 15 out 2013]; 16(1): 1311-18. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000700065>.

4. Departamento de informática do SUS. Indicadores em Saúde. [Homepage na internet] [citado em 13 jul 2013] Disponível em: <http://dtr2004.saude.gov.br/sinanweb/index.php?saude=http%3A%2F%2Fdtr2004.saude.gov.br%2Fsinanweb%2Findex.php&botaook=OK&obj=http%3A%2F%2Fdtr2004.saude.gov.br%2Fsinanweb%2Findex.php>.

5. Miranzi SSC, Pereira LHM, Nunes AA. Perfil epidemiológico da hanseníase em um município brasileiro, no período de 2000 a 2006. Rev Soc Bras Med Trop [Internet]. 2010 jan-fev [citado em 27 mar 2013]; 43(1): 62-7. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v43n1/a14v43n1.pdf>

6. Davini R, Nunes CV, Guirro ECO, Guirro RRJ, Fascina E, Oliveira M, et al. Tratamento de úlceras cutâneas crônicas por meio da estimulação elétrica de alta voltagem. Rev Ciênc Méd [Internet]. 2005 mai-jun [citado em 04 fev 2014]; 14(3): 249 58. Disponível em: <http://periodicos.puccampinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/viewFile/1172/1147>

7. Gomes FG, Frade MAC, Foss NT. Úlceras cutâneas na hanseníase: perfil clínico-epidemiológico dos pacientes. An Bras Dermatol [Internet]. 2007 set-out [citado em 25 mar 2014]; 82(5): 433-37. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/abd/v82n5/a06v82n05.pdf >.

8. Budel AR, Raymundo AR, Costa CF, Gerhardt C, Pedri LE. Perfil dos pacientes acometidos pela hanseníase atendidos no Ambulatório de Dermatologia do Hospital Evangélico de Curitiba. An Bras Dermatol [Internet]. 2011 set-out [citado em 30 mai 2014]; 86(5): 942-46. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/abd/v86n5/v86n5a12.pdf>.

9. Ciconelli RM. Medidas de avaliação de qualidade de vida. Rev Bras Reumatol. 2003 Mar-Abril; 43(2): 9-13.

10. Martins, MA. Qualidade de vida em portadores de hanseníase [dissertação]. Campo Grande: Universidade Dom Bosco, 2009.

11. Fernandes IIB, Vasconcelos KC, Silva LLL. A análise da qualidade de vida segundo o questionário SF-36 nos funcionários da gerência de assistência nutricional (GAN) da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará [trabalho de conclusão de curso]. Belém: Universidade da Amazônia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Curso de Fisioterapia, 2009.

12. Imbiriba ENB, Silva Neto AL, Souza WV, Pedrosa V, Cunha MG, Garnelo L. Desigualdade social, crescimento urbano e hanseníase em Manaus: abordagem espacial. Rev Saúde Pública [Internet]. 2009 jul [citado em 17 Mai 2014]; 43(4): 656-65. Disponível em:<http://www.scielo.br/pdf/rsp/v43n4/842.pdf>.

13. Pinto RA, Maia HF, Silva MAF, Marback M. Perfil clínico e epidemiológico dos pacientes notificados com hanseníase em um hospital especializado em salvador, Bahia. Rev baiana saúde pública [Internet]. 2010 out-dez [citado em 14 mai 2014]; 34(4): 906-18. Disponível em: <http://files.bvs.br/upload/S/0100-0233/2010/v34n4/a2162.pdf>

14. Melão S, Blanco LFO, Mounzer N, Veronezi CCD, Simões PWTA. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase no extremo sul de Santa Catarina, no período de 2001 a 2007. Rev Soc Bras Med Trop. [Internet]. 2011 jan-fev [citado em 29 mai 2014]; 44(1): 79-84. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v44n1/18.pdf>.

15. Ribeiro GC. Fatores relacionados à prevalência de incapacidades físicas em Hanseníase na microrregião de Diamantina [dissertação] Belo Horizonte: Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais, 2012.

16. Conte ECM, Magalhais LCB, Cury MRCO, Soubhia RMC, Nardi SMT, Paschoal VDA, et al. Situação Epidemiológica da hanseníase no município de São José do Rio Preto, SP, Brasil. Arq Ciênc Saúde [Internet]. 2009 out-dez [citado em 14 Jun 2014]; 16(4): 149-54. Disponível em: <http://www.cienciasdasaude.famerp.br/racs_ol/vol-16-4/IDK1_out-dez_2010.pdf>.

17. Alves CJM, Barreto, JA, Fogagnolo L, Contin LA, NASSIF PW. Avaliação do grau de incapacidade dos pacientes com diagnóstico de hanseníase em Serviço de Dermatologia do Estado de São Paulo. Rev Soc Bras Med Trop [Internet]. 2010 jul-ago [citado em 17 mai 2014] 43(4): 460-61. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v43n4/a25v43n4.pdf>

18. Savassi LCM. Hanseníase: políticas públicas e qualidade de vida de pacientes e seus cuidadores [dissertação]. Belo Horizonte: Centro de Pesquisas René Rachou, 2010.

19. Monteiro LD, Alencar CHM, Barbosa JC, Braga KP, Castro MD, Heukelbach J. Incapacidades físicas em pessoas acometidas pela hanseníase no período pós-alta da poliquimioterapia em um município no Norte do Brasil. Cad Saúde Pública [Internet]. 2013 mai [citado em 02 Fev 2015]; 29(5): 909-20. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/csp/v29n5/09.pdf>

20. Brito KKG, Araújo DAL, Uchôa REMN, Ferreira JDL, Soares MJGO, Lima JO. Epidemiologia da hanseníase em um estado do nordeste brasileiro. Rev Enferm UFPE [Internet] 2014 ago [citado em 27 Fev 2015]; 8(8): 2686-93. Disponível em: <file:///C:/Users/Adm/Downloads/6092-60466-1-PB.pdf>.

21. Silva Sobrinho RAS, Mathias TAF, Linconl PB. Perfil dos casos de hanseníase notificados na 14ª regional de saúde do Paraná após descentralização do programa para o nível municipal. Ciênc cuid Saúde [Internet]. 2009 jan-mar [citado em 07 Jun 2014]; 8(1): 19-26. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/7767/4403>

22. Lima HMN, Sauaia N, Costa VRL, Coelho Neto GT, Figueiredo PMS. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase atendidos em Centro de Saúde em São Luís, MA. Rev Bras Clin Med. [Internet]. 2010 jul [citado em 01 jun 2014]; 8(4): 323-7. Disponível em: <http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2010/v8n4/a007.pdf>

23. Teixeira MAG, Silveira VM, França ER. Características epidemiológicas e clínicas das reações hansênicas em indivíduos paucibacilares e multibacilares, atendidos em dois centros de referência para hanseníase, na Cidade de Recife, Estado de Pernambuco. Rev. Soc Bras Med Trop. [Internet]. 2010 mai-jun [citado em 15 mai 2014]; 43(3): 287-92. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsbmt/v43n3/15.pdf>

24. Brito KKG, Soares MJGO, Costa MML, Oliveira HS. Práticas e limitações de clientes com hanseníase no cuidar das lesões cutâneas. Rev Enferm UFPE [Internet]. 2014 jan [citado em 30 Jan 2015]; 8(1): 16-7. Disponível em:<http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/viewFile/4633/pdf_4384>

25. Azevedo ALS, Silva RA, Tomasi E, Quevedo LA. Doenças crônicas e qualidade de vida na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2013 set; 29(9): 1774-82.

26. Lira JBR, Silva MC. Qualidade de vida e correlação com a prevalência de incapacidade física em pacientes portadores de hanseníase residentes na unidade especial abrigo João Paulo II [trabalho de conclusão de curso]. Belém: Universidade da Amazônia, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Curso de Fisioterapia, 2010.

27. Dolenz MFA, Silva NMMG, Melo SCCS, Tashima CM, Toledo Neto JL, Bellucci Júnior JA, et al. Avaliação da qualidade de vida dos pacientes durante o tratamento e Hanseníase. Rev Odontol. 2014 abr; 14(4): 238-56.

28. Silva RCP, Lopes A, Guisard CLMP, Peixoto ES, Metello HN, Ito LS, et al. História de vida e trabalho de pessoas atingidas pela hanseníase em Serviços de Saúde do Estado de São Paulo. Hansen int. 2008 abr; 33(1): 9-18.

29. Azevedo ALS, Silva RA, Tomasi E, Quevedo LA. Doenças crônicas e qualidade de vida na atenção primária à saúde. Cad Saúde Pública. 2013 set; 29(9): 1774-82.

30. Martins BDL, Torres FN, Oliveira MLW. Impacto na qualidade de vida em pacientes com hanseníase: correlação do Dermatology Life Quality Index com diversas variáveis relacionadas à doença. An bras Dermatol [Internet]. 2008 jan-fev [citado em 15 mai 2014]; 83(1): 39-43. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/abd/v83n1/a05.pdf>

31. Pereira SVM, Bachion MM, Souza AGC, Vieira SMS. Avaliação da Hanseníase: relato de experiência de acadêmicos de enfermagem. Rev Bras Enferm. [Internet]. 2008 nov [citado em 03 Jan 2015]; 6: 774-80. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v61nspe/a20v61esp.pdf>

32. Silva RC, Vieira MCA, Mistura C, Lira MOLC, Sarmento SS. Estigma e preconceito: realidade de portadores de hanseníase em unidades prisionais. Fundam care online [Internet] 2014 abr-jun [citado em 03 Mar 2015]; 6(2): 493-506. Disponível em: < http://www.seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/2879/pdf_1231>

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-Tesis
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería