ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n2 2016 r84563

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 abr-jun; 8(2):
4563-4586

 Recebido em: 01/06/2015
Revisões requeridas: Não
Aprovado em: 08/01/2016
Publicado em: 03/04/2016

Avaliação da assistência pré-natal na perspectiva da integralidade

 

Francisca Jessica Lima dos Santos Costa,1 Joseneide Teixeira Camara,2 Kelly Rodrigues Costa,3 Elaine Cristine Santos Serejo,4 Aliny de Oliveira Pedrosa,5 Amanda Karine Araújo Lima6

 

(1) Graduando em enfermagem bacharelado, Universidade Estadual do Maranhão UEMA, formada em Ciências Biologias, Pós graduada em Gestão Interdisciplinar do Meio Ambiente e Educação Ambiental (2) Doutora em Medicina Tropical e Saúde Publica (UFG), Professora Assistente dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Universidade Estadual do Maranhão (CESC-UEMA) (3) Kelly Rodrigues Costa - Acadêmica de enfermagem, Universidade Estadual Do Maranhão - Centro De Estudos Superiores De Caxias- CESC (4) Acadêmica de enfermagem, Universidade Estadual do Maranhão - Centro De Estudos Superiores De Caxias- CESC (5) Acadêmica de enfermagem, Universidade Estadual do Maranhão - Centro De Estudos Superiores de Caxias- CESC (6) Acadêmica de enfermagem, Universidade Estadual Do Maranhão - Centro de Estudos Superiores de Caxias- CESC

 

Cómo citar este documento:
Costa, Francisca Jessica Lima dos Santos; Camara, Joseneide Teixeira; Costa, Kelly Rodrigues; Serejo, Elaine Cristine Santos; Pedrosa, Aliny de Oliveira; Lima, Amanda Karine Araújo. Avaliação da assistência pré-natal na perspectiva da integralidade. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 abr-jun, 8(2). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/84563.php> Consultado el

 

Resumo

Objetivo: avaliar a assistência pré-natal na perspectiva da integralidade. Método: trata-se de um estudo avaliativo cujo objeto é a integralidade da assistência pré-natal com foco na dimensão da organização dos serviços, onde foram analisadas duas dimensões. Participaram da pesquisa, profissionais que atuavam diretamente na assistência pré-natal e os gestores de saúde nesse âmbito. Resultados: foram analisadas as dimensões garantia de recursos e modelo de vigilância em saúde e a partir das respectivas notas foi possível obter a nota da gestão onde, respectivamente, foram obtidas notas consideradas regulares (1° dimensão 7,3, 2° dimensão 5,4, nota da gestão 6,4). Conclusão: infere-se para este município, no que tange a assistência pré-natal, que são necessárias intervenções nesta área; para alcançar um padrão de qualidade pautado na integralidade, a gestão municipal precisa prover os recursos necessários para que se tenha uma assistência mais estruturada.
Descritores: Assistência pré-natal/ Integralidade em saúde/ Avaliação de programas.
 

Resumen
Evaluación de la atención prenatal en términos de integralidad

Objetivo: evaluar la atención prenatal desde la perspectiva de la integralidad. Método: se trata de un estudio de evaluación cuya finalidad es la integridad de la atención prenatal, centrándose en el tamaño de la organización de los servicios, donde se analizaron dos dimensiones. Participaron de la encuesta, los profesionales que trabajan directamente como gestores de la atención y de salud prenatal en esta área. Resultados: los recursos de garantía de dimensiones y el modelo de vigilancia de la salud se analizaron y desde las respectivas notas fue posible obtener una nota de gestión que se obtuvieron notas regulares consideradas respectivamente (primera dimensión 7,3, segunda dimensión 5,4 nota de la gestión 6,4). Conclusión: se infiere de este municipio, con respecto a las intervenciones de atención prenatal, que se necesitan en esta área para lograr un estándar de calidad basada en la integralidad, la gestión municipal debe proporcionar los recursos necesarios con el fin de tener una ayuda más estructurada.
Descriptores: Atención prenatal/ Salud integral/ La evaluación de programas.
 

Abstract
Evaluation of prenatal care from the perspective of completeness

Objective: evaluating prenatal care from the perspective of completeness. Method: this is an evaluative study whose purpose is the completeness of prenatal care focusing on the size of the organization of services, where two dimensions were analyzed. Professionals who work directly in prenatal care and health managers participated in the survey. Results: dimensions assurance resources and health surveillance model were analyzed and, from the respective notes, it was possible to obtain notes from management which respectively were considered regular notes (1st dimension 7,3, 2nd dimension 5,4, note of the 6,4 management). Conclusion: it is inferred for this municipality with respect to prenatal care interventions that are needed in this area to achieve a standard of quality founded on the completeness, municipal management must provide the necessary resources in order to have a more structured assistance.
Descriptors: Prenatal care/ Completeness health/ Program evaluation.
 

Referências

1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional da Atenção Básica/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

2. Serruya SJ, Cecatti JG, Lago TG. O Programa de Humanização no Pré- Natal e Nascimento do Ministério da Saúde no Brasil: resultados iniciais. Cad Saude Publica 2004; 20(5):1281-1289.

3. Brasil . Portal da Saúde. Rede Cegonha. Brasília, 2013. Disponível em: <http://portal.saude.gov.br/PORTAL/SAUDE/GESTOR/AREA.CFM?ID_AREA=1816>. Acesso em: 15 OUT. 2014.

4. Brasil. Ministério da Saúde. Gestão municipal de saúde: leis, normas e portarias atuais. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2001.

5. Reis CB, Andrade SMO. Representações sociais das enfermeiras sobre a integralidade na assistência à saúde da mulher na rede básica. Ciência & Saúde Coletiva,

6. Schraiber LB. Desafios atuais da integralidade em saúde. Jornal da rede feminista de saúde [on line] 1999 maio; [acessado 2003 Ago 04]; Sergio Arouca FIOCRUZ / ENSP Rj, 2010.

7. Pacheco FL, Modelo de Avaliação da Organização dos Serviços na Perspectiva da Integralidade. 2012. 150f. Dissertação (Mestrado em saúde coletiva) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

8. Leal M C. Chamada Neonatal: avaliação da atenção ao pré-natal e aos menores de um ano nas regiões Norte e Nordeste Rio de Janeiro, Escola Nacional de Saúde Pública, 2010.

9. Anversa ETR, Bastos GAN, Nunes LN, Pizzo TSD. Qualidade do processo da assistência pré-natal: unidades básicas de saúde e unidades de Estratégia Saúde da Família em município no Sul do Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, n.28, v4, p.789-800, abr, 2012.

10. Barzelay M. Instituições centrais de auditoria e auditoria de desempenho: uma análise comparativa das estratégias organizacionais na OCDE. Revista do Serviço Público, 53,n. 2, p. 5-35, abr./jun. 2002.

11. Contandriopoulos AP, Champagne F, Denis JL, Pineault R. A avaliação na área da saúde: conceitos e métodos. In: HARTZ, Z.M.A. organizadora. Avaliação em saúde: dos modelos conceituais a práticas d a implantação de programas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz; 1997. p. 29-47.

12.Ibge:Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/painel/economia.php?lang=&codmun=210300&search=maranhao|caxias|infograficos:-despesas-e-receitas-orcamentarias-e-pib . Acesso dia 11/10/2013.

13. Caxias. Secretaria Municipal de Saúde. Coordenação do Pacs/ESF. Projeto Municipal de Ampliação do Programa saúde da família. Caxias - MA. SMS, 2014.

14. Oliveira CM, Casanova AO. Vigilância da saúde no espaço de práticas da atenção básica. Ciência e Saúde Coletiva. 2009 Mai/Jun 14 (3); p. 929-36.

15. CUNHA EM; GIOVANELLA L. Longitudinalidade/continuidade do cuidado: identificando dimensões e variáveis para a avaliação da Atenção Primária no contexto do sistema público de saúde brasileiro. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.16, Supl. 1, p. 1029-1042, 2011.

16. Cunha MA, Mamede MV, Dotto LMG, Mamede FV. Assistência pré-natal: competências essenciais desempenhadas por enfermeiros. Esc. Anna Nery, jan/mar; 13 (1): 145-153, 2009.

17. Who - World Health Organization. Making pregnancy safer: the critical role of the skilled attendant: a joint statement by WHO, ICM and FIGO. Geneva; 2004.

18. MacDonald M, Starrs A. La atención calificada durante el parto: um cuaderno informativo para salvar la vida de lãs mujeres y mejorar la salud de los recén nacidos. New York (USA): Family Care Internacional; 2003.

19. Viellas EF, Domingues RMSM, Dias MAB, Gama SGN, Theme Filha MM, Costa JV, Bastos MH, Leal MC. Assistência pré-natal no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 30 Sup:S85-S100, 2014.

20. Connil EM. Avaliação da integralidade: conferindo sentido para os pactos na programação de metas dos sistemas municipais de saúde. Caderno de Saúde Pública. 2004 Set-Out 20(5); p.1417-23.

21. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Manual de estrutura física das unidades básicas de saúde: saúde da família / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 72p. (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

22. Mattos R, Araújo. Repensando a organização da rede de serviços de saúde a partir do princípio da integralidade IN: Razões públicas para a integralidade em saúde: o cuidado como valor. Roseni Pinheiro e Ruben Araújo Mattos. Rio de Janeiro: IMS/UERJ:CEPESC:ABRASCO, 2007. Capítulo 22, p.369 384.

23. Silva Junior AG, et al. Avaliação de redes de atenção à saúde: contribuições da integralidade In: Pinheiro R, Mattos RA. 1ed organizadores. Gestão em Redes: práticas de avaliação, formação e participação na saúde. Rio de Janeiro: CEPESC, 2006. p.61-90.

24. Cecílio LCO. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde IN: Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Roseni Pinheiro e Rubem Araujo de Mattos (org). Rio de Janeiro: Cepesc/Uerj IMS: Abrasco, 2001. Capítulo 4, p. 113 126.

25. Giovanella L. et al. Sistemas municipais de saúde e a diretriz da integralidade da atenção: critérios para avaliação. Saúde em Debate. 2002 Jan-Abr 26 (60); p.37-61

26. Oms. Organização Mundial da Saúde. Diretriz: Suplementação diária de ferro e ácido fólico em gestantes. Genebra: 2013.

27. Silva E P, Lima RT, Ferreira NLS, Costa MJC. Pré-natal na atenção primária do município de João Pessoa-PB: caracterização de serviços e usuárias Rev. Bras. Saúde Matern. Infant, Recife, 13 (1): 29-37 jan. / mar., 2013.

28. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

29. Trevisan MR, De Lorenzi DRS, Araújo NM, Ésber K. Perfil da assistência pré-natal entre usuárias do sistema único de saúde em Caxias do Sul. Rev Bras Ginecol Obstet. 2002; 24: 293-9.

30. Cordeiro H, Romano V, Santos EF, Ferrari A, Fernandes E, Pereira TR, Pereira ATS. Avaliação de competências de médicos e enfermeiros das equipes de Saúde da Família da Região Norte do Brasil. Phyisis 2009; 19 (3):695-710.

31. Gil, CRR. Avaliação em saúde. Revista Olho Mágico, Londrina, v. 5, n. 19, 1999. Disponível em:http://www.ccs.uel.br/olhomagico/N19/especial.htm. Acesso em: 12 Mar. 2013. GIOVANELLA, L (Org). Políticas.

32. Gerhardt T E, Riquinho D L, Rocha L, Pinto J M, Rodrigues FE, Determinantes sociais e práticas avaliativas de integralidade em saúde: pensando a situação de adoecimento crônico em um contexto rural. In: Roseni Pinheiro; Paulo Henrique Martins. (Org.). Avaliação em Saúde na perspectiva do usuário: Abordagem multicêntrica. 1 ed. Rio de Janeiro: Cepesc-Ims/Uerj - Editora Ufpe - Abrasco, 2009, v. 1, p. 287-298.

33. Neto, F RGX, Leite JLZ, Fuly PSC, Cunha KO, Clemente AS, Dias MAS, Pontes, MAC. Qualidade da atenção ao pré-natal na Estratégia Saúde da Família em Sobral, Ceará. Rev Bras Enferm. v. 61, n. 5, p.595-602. 2008.

34. Rosenthal HC. Influência da assistência pré-natal sobre os resultados perinatais e maternos na Maternidade da Encruzilhada [dissertação mestrado]. Recife: Faculdade de Ciências Médicas da Universidade de Pernambuco; 2000.

35. Santos AM, Assis MMA. Da fragmentação à integralidade: construindo e (des) construindo a prática de saúde bucal no Programa de Saúde da Família (PSF) de Alagoinhas, BA. Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.11, n.1, p.53-61, jan/mar 2006

36. Brasil. Ministério da Saúde. Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería