ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n2 2016 r84549

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 abr-jun; 8(2):
4549-4562

 Recebido em: 31/05/2016
Revisões requeridas: 17/09/2015
Aprovado em: 08/01/2016
Publicado em: 03/04/2016

A percepção do indígena xerente sobre a hipertensão arterial sistêmica, no Tocantins

 

Karoline Nunes Rodrigues,1 Nayane de Sousa Silva Santos2

 

(1) Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal do Tocantins, Residente em Saúde da Família e Comunidade. E-mail: karolinenr@hotmail.com (2) Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal Fluminense, Docente na Universidade Federal do Tocantins. E-mail: nayanesantos@mail.uft.edu.br

 

Cómo citar este documento:
Rodrigues, Karoline Nunes; Santos, Nayane de Sousa Silva. A percepção do indígena xerente sobre a hipertensão arterial sistêmica, no Tocantins. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 abr-jun, 8(2). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/84549.php> Consultado el

 

Resumo

Objetivo: o estudo objetivou compreender a percepção do povo Xerente sobre a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). Método: pesquisa de campo com abordagem qualitativa, etnográfica, com 29 indígenas hipertensos Xerente. Resultados: com base nos dados obtidos, resultou-se em duas categorias: A pressão alta na percepção dos indígenas e O significado da alimentação para os indígenas. Conclusão: o surgimento da HAS para o povo Xerente é recente e está relacionado à mudança no estilo de vida que ocasiona medo e ansiedade diante do desconhecido. Faz-se necessário que os profissionais de saúde atuem com sensibilidade e abertura para a escuta e trocas de saberes, de forma que atendam as necessidades dos indígenas e respeitem os seus valores culturais.
Descritores: Hipertensão/ Saúde indígena/ Enfermagem.
 

Resumen
La percepción de lo indígena xerente acerca de la hipertensión arterial sistémica, en Tocantins

Objetivo: El estudio objectivó entender la percepción del pueblo Xerente acerca de la Hipertensión Arterial Sistémica (HAS). Método: Investigación de campo con abordaje cualitativa, etnográfica, con 29 indígenas Xerente hipertensos. Resultados: Basado en los datos obtenidos resultó en dos categorías: La presión alta según la percepción de los indígenas y El significado de la alimentación para los indígenas. Conclusión: la aparición de la HAS para el pueblo Xerente es reciente y se relaciona con el cambio en el estilo de vida. A pesar de no saber conceptualizar la enfermedad, los indígenas informaron acerca de los síntomas y los cambios percibidos em su cuerpo. Se hace necessario que los profesionales de la salud actúan com sensibilidad y apertura para la escucha y el intercambio de conocimientos, con el fin de atender las necesidades de los indígenas y respetar sus valores culturales.
Descriptores: Hipertensión/ Salud indígena/ Enfermería.
 

Abstract
The perception of xerente indigenous about systemic arterial hypertension, in Tocantins

Objective: The study aimed to understand the perception of Xerente people about systemic arterial hypertension (SAH). Method: Field research with qualitative ethnography approach, with 29 hypertensive Xerente indigenous. Results: Based on data, it resulted in two categories: High blood pressure by the perception of indigenous and The meaning of food for indigenous. Conclusion: the emergence of SAH for Xerente people is recent and it is related to changes in lifestyle. Despite not knowing how to conceptualize the disease, indigenous related about symptoms and changes that they noticed in their body. It is necessary that health professionals act with sensibility and being open to listening and knowledge exchange, in order to attend indigenous people needs and respect their cultural values.
Descriptors: Hypertension/ Indigenous health/ Nursing.
 

Referências

1. Ministério da Educação. Saúde Indígena: uma introdução ao tema. Brasília: MEC-SECADI; 2012.

2. Novo MP. Política e intermedicalidade no Alto Xingu: do modelo à prática de atenção à saúde indígena. Cad Saúde Pública 2011; 27(7):1362-1370.

3. Hayd RLN, Olivares AIO, Ferreira MLS, Luitgards-Moura JF. Um olhar sobre a Saúde Indígena no Estado de Roraima. Mens Agitat 2008; 3(1):89-98.

4. Carvalho MV, Siqueira LB, Sousa ALL, Jardim PCBV. A Influência da Hipertensão Arterial na Qualidade de Vida. Arq Bras Cardiol 2013; 100(2):164-174.

5. Tavares FG, Coimbra Junior CEA, Cardoso AM. Níveis tensionais de adultos indígenas Suruí, Rondônia, Brasil. Ciênc Saúde Colet 2013; 18(5):1399-1409.

6. Milhomem MSFS, Cruz MHS. Vozes Xerente: gênero e construção da identidade a partir da percepção da mulher Akwi. Rev Fórum Identidades 2010; 8(4):25-39.

7. Leininguer MM. Qualitative research methods in nursing. Orlando: Grune and Stratton; 1985.

8. Brasil. Resolução Nº 466, de 12 dezembro de 2012. Diário Oficial da União 2013; 13 jun.

9. Soares RS, Silva JLL, Lopes MR, Moreno RF, Almeida JHA, Souza VR. Estresse e demais fatores de risco para Hipertensão Arterial entre profissionais militares da área de enfermagem. R Pesq: Cuid Fundam Online 2012; Suppl:45-48.

10. Marchiori LLM, Melo JJ, Possete FLF, Correa AL. Comparação da Frequência de Queixa de Vertigem no Idoso Com e Sem Hipertensão Arterial. Arq Int Otorrinolaringol. 2010; 14(4):456-460.

11. Cruz IBM, Barreto DCM, Fronza AB, Jung IEC, Krewer CC, Rocha MIUM, Silveira AF. Dinamic balance, lifestyle and emotional states in young adults. Braz J Otorhinolaryngol 2010; 76(3):392-398.

12. Muraro AP, Santos DF, Rodrigues PRM, Braga JU. Fatores associados à Hipertensão Arterial Sistêmica autorreferida segundo VIGITEL nas 26 capitais brasileiras e no Distrito Federal em 2008. Ciênc Saúde Colet 2013; 18(5):1387-1398.

13. Pellon LHC, Vargas LA. Cultura, interculturalidade e processo saúde-doenca: (des)caminhos na atenção à saúde dos Guarani Mbyá de Aracruz, Espírito Santo. Physis 2010; 20(4):1377-1397.

14. Nobre F, Coelho EB, Lopes PC, Geleilete TJM. Hipertensão Arterial Sistêmica Primária. Medicina (Ribeirão Preto) 2013; 46(3):256-272.

15. Hoy WE, Hughson MD, Singh GR, Douglas-Denton R, Bertram JF. Reduced nephron number and glomerulomegaly in Australian Aborigines: A group at high risk for renal disease and hypertension. Kidney Int 2006; 70:104-110.

16. Jardim PCBV, Jardim TSV, Souza WKSV. Como Diagnosticar e Tratar Hipertensão Arterial Sistêmica. Moreira Jr 2013; 70(12):64-75.

17. Leininguer MM. Culture Care Diversity and Universality: A Theory of nursing. New York: National League for Nursing; 1991.

18. Fava SMCL, Figueiredo AS, Franceli AB, Nogueira MS, Cavali E. Diagnóstico de Enfermagem e Proposta de Intervenções para clientes com Hipertensão Arterial. Rev Enferm UERJ 2010; 18(4):536-540.

19. Nucci FRCF, Coimbra AMV, Neri AL, Yassuda MS. Ausência de relação entre Hipertensão Arterial Sistêmica e Desempenho Cognitivo em idosos de uma comunidade. Rev Psiquiatr Clín 2010; 37(2):52-6.

20. Matoso JMD, Santos WB, Moreira IFH, Lourenço RA, Correia MLG. Idosos Hipertensos Apresentam Menor Desempenho Cognitivo do que Idosos Normotensos. Arq Bras Cardiol. 2013; 100(5):444-451.

21. Ferraccioli P, Silveira EA. A Influência Cultural Alimentar sobre as Recordações Palatáveis na Culinária Habitual Brasileira. Rev Enferm UERJ 2010; 18(2):198-203.

22. Santos KM, Tsutsui MLS, Galvão PPO, Mazzucchetti L, Rodrigues D, Gimeno SGA. Grau de atividade física e síndrome metabólica: um estudo transversal com indígenas Khisêdjê do Parque Indígena do Xingu, Brasil. Cad Saúde Pública 2012; 28(12):2327-2338.

23. Milhomem MSFS. Enfoques de gênero no contexto indígena Xerente: algumas constatações. Cad Esp Fem 2011; 24(1):103-121.

24. Mattos R. Língua e cultura Xerente: coletânea de artigos e descrições sobre a língua e a cultura do povo Akw? Xerente do Tocantins [texto não publicado]. Miracema do Tocantins; 2005.

25. Yuyama LKO, Py-Daniel V, Ishikawa NK, Medeiros JF, Kepple AW, Segall-Corrêa AM. Percepção e compreensão dos conceitos contidos na Escala Brasileira de Insegurança Alimentar, em comunidades indígenas no estado do Amazonas, Brasil. Rev Nutr 2008; 21 Suppl 0:53-63.

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería