ENTRAR            

 


 

R de Pesq: cuidado fundamental Online -Bra- v8n2 2016 r84328

 

 
PESQUISA
 

 Ir a sumario  Acceso al texto completo

Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online
[
R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-]
2016 abr-jun; 8(2):
4328-4346

 Recebido em: 19/01/2015
Revisões requeridas: Não
Aprovado em: 08/01/2016
Publicado em: 03/04/2016

Potenciais interações relacionadas ao uso de medicamentos, plantas medicinais e fitoterápicos em mulheres no período do climatério

 

Gabriela Tassotti Gelatti,1 Karla Renata de Oliveira,2 Christiane de Fátima Colet3

 

(1) Farmacêutica. Mestranda do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Atenção Integral à Saúde - Unicruz/Unijuí. E-mail: gabriela.gelatti@hotmail.com (2) Farmacêutica. Mestre em Ciências Biológicas: Bioquímica pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. karla@unijui.edu.br (3) Farmacêutica. Mestre em Ciências Farmacêuticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. E-mail: chriscolet@yahoo.com.br

 

Cómo citar este documento:
Gelatti, Gabriela Tassotti; Oliveira, Karla Renata de; Colet, Christiane de Fátima. Potenciais interações relacionadas ao uso de medicamentos, plantas medicinais e fitoterápicos em mulheres no período do climatério. R de Pesq: cuidado é fundamental Online -Bra-. 2016 abr-jun, 8(2). En: <http://www.index-f.com/pesquisa/2016/84328.php> Consultado el

 

Resumo

Objetivo: Identificar as potenciais interações decorrentes do uso de plantas medicinais e fitoterápicos concomitante a medicamentos utilizados por mulheres climatéricas. Método: Trata-se de um estudo transversal, descritivo e analítico realizado com 87 mulheres climatéricas atendidas nas Estratégias de Saúde da Família VII e VIII do município de Ijuí/RS, e que fazem parte da pesquisa institucional Estudo multidimensional de mulheres no processo de envelhecimento. Resultados: Das 87 mulheres estudadas, 55 utilizavam pelo menos uma planta medicinal e nove mulheres utilizavam pelo menos um fitoterápico concomitante a medicamentos, totalizando 26 mulheres expostas a interações entre plantas e medicamentos e seis mulheres expostas a interações entre fitoterápicos e medicamentos. Conclusão: O estudo revelou alta exposição a interações decorrentes do uso de plantas medicinais e fitoterápicos concomitante a medicamentos em usuárias do Sistema Único de Saúde municipal, mostrando-se necessário o acompanhamento do uso desses produtos pelos profissionais de saúde.
Descritores: Climatério/ Fitoterapia/ Plantas medicinais/ Interações de medicamentos/ Estratégia de saúde da família.
 

Resumen
Potenciais interacciones de la droga con el uso, plantas medicinales y hierbas en las mujeres en periodo premenopáusicas

Objetivo: Identificar las interacciones potenciales que pudieran resultar del uso de plantas medicinales y fármaco concomitante a base de hierbas utilizados por las mujeres menopáusicas. Método: Se realizó un estudio transversal, descriptivo y analítico de 87 mujeres climatéricas que reciben atención en salud de la familia Estrategias VII y VIII del municipio de Ijuí/RS y que son parte de la investigación institucional "Estudio multidimensional de las mujeres en el proceso de envejecimiento". Resultados: De las 87 mujeres estudiadas, 55 utilizaron al menos una planta medicinal y nueve mujeres utilizan al menos uno de los medicamentos a base de hierbas concomitantes, un total de 26 mujeres expuestas a las interacciones entre plantas y medicinas y seis mujeres expuestas a las interacciones entre los medicamentos a base de hierbas y medicinas. Conclusión: El estudio reveló una alta exposición a las interacciones que resultan del uso de plantas medicinales y fármaco concomitante de hierbas en los usuarios del sistema único de salud municipal y el seguimiento de la utilización de estos productos por los profesionales de la salud es necesario.
Descriptores: Climaterio/ Medicina natural/ Plantas medicinales/ Interacciones medicamentosas/ Estrategia de salud para la familia.
 

Abstract
Potential drug interactions in relation with the use, medicine plants and herbal in premenopausal women period

Objective: To identify the potential interactions resulting from the use of medicinal plants and herbal concomitant with medicine used by menopausal women. Method: This was a cross-sectional, descriptive and analytical study of 87 climacteric women receiving care at Family Health Strategies VII and VIII of the city of Ijuí/RS and that are part of institutional research "Multidimensional study of women in the aging process". Results: Of the 87 women studied, 55 used at least one medicinal plant and nine women used at least one concomitant herbal medicinal products, a total of 26 women exposed to interactions between plants and medicines and six women exposed to interactions between herbal medicines and medicines. Conclusion: The study revealed high exposure to interactions resulting from the use of medicinal plants and herbal with medicines in the users of the Unit Health System in the city and the monitoring of the use of these products by health professionals is necessary.
Descriptors: Climacteric/ Herbal medicine/ Medicinal plants/ Drug interactions/ Family health strategy.
 

Referências

1. Rates SMK. Promoção do uso racional de fitoterápicos: uma abordagem no ensino de farmacognosia. Rev bras farmacogn. 2001;11(2):57-69.

2. Veiga Junior VF, Maciel MAM, Pinto AC. Plantas medicinais: cura segura? Quim Nova. 2005;28(3):519-28.

3. Rodrigues AG, De Simoni C. Plantas medicinais no contexto de políticas públicas. Informe Agropecuário, Belo Horizonte. 2010;31(255):7-12.

4. Silva MIG, Gondim APS, Nunes IFS, Sousa FCF. Utilização de fitoterápicos nas unidades básicas de atenção à saúde da família no município de Maracanaú (CE). Rev bras farmacogn. 2006;16(4):455-62.

5. Bertoldi AD, Barros AJD, Hallal PC, Lima RC. Utilização de medicamentos em adultos: prevalência e determinantes individuais. Rev Saúde Pública. 2004;38(2):228-38.

6. Costa KS, Barros MBA, Francisco PMSB, Cesar CLG, Goldbaum M, Carandina L. Utilização de medicamentos e fatores associados: um estudo de base populacional no município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011;27(4):649-58.

7. Febrasgo - Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Climatério: Manual de orientação. São Paulo: Febrasgo; 2010.

8. Nicoletti MA, Oliveira Júnior MA, Bertasso CC, Caporossi PY, Tavares APL. Principais interações no uso de medicamentos fitoterápicos. Infarma. 2007;19(1/2):32-40.

9. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Formulário Terapêutico Nacional 2010: RENAME 2010. 2.ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

10. Nicoletti MA, Carvalho KC, Oliveira Júnior MA, Bertasso CC, Caporossi PY, Tavares AP L. Uso popular de medicamentos contendo drogas de origem vegetal e/ou plantas medicinais: principais interações decorrentes. Rev Saúde (UnG. Online). 2010;4(1):25-39.

11. Ministério da Saúde (BR). Uso racional de medicamentos: temas selecionados. Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

12. Fugh-Berman A. Herb-drug interactions. Lancet. 2000;355(9198):134-8.

13. World Health Organization. Collaborating Centre for Drug Statistics Methodology. ATC/DDD Index 2014. Disponível em: http://www.whocc.no/atcddd. Acesso em agosto, 2014.

14. Micromedex® Healthcare Series. Greenwood Village (CO): Thomson Reuters (Healthcare) [online]. Disponível em: http://micromedex.com Acesso em agosto, 2014.

15.Medscape. Drug Interactions Checker. Disponível em: http://www.medscape.com/pharmacists Acesso em agosto, 2014.

16. Drug Interactions Checker. Drug Information Online. Disponível em: http://www.drugs.com/ Acesso em agosto, 2014.

17. Williamson E, Driver S, Baxter K. Interações Medicamentosas de Stockley: plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos. Porto Alegre: Artmed; 2012.

18. Karalliedde L, Clarke SFJ, Collignon U, Karalliedde J. Interações Medicamentosas Adversas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2012.

19. Schwambach KH, Amador TA. Estudo da utilização de plantas medicinais e medicamentos em um município do sul do Brasil. Lat Am J Pharm. 2007;26(4):602-8.

20. Machado HL, Moura VL, Gouveia NM, Costa GA, Espindola FS, Botelho FV. Pesquisa e atividades de extensão em fitoterapia desenvolvidas pela Rede FitoCerrado: uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos por idosos em Uberlândia-MG. Rev Bras Pl Med. 2014;16(3):527-33.

21. Gama MAX, Silva MJP. A utilização da fitoterapia por idosos de um Centro de Saúde em área central da cidade de São Paulo. Saúde Coletiva. 2006;11(3):79-84.

22. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Portaria nº 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

23. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Decreto 5813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

24. Matos FJA. Farmácias vivas. Fortaleza: Editora da Universidade Federal do Ceará; 1998.

25. Ministério da Saúde (BR). Portaria nº 886, de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

26. Ministério da Saúde (BR), Direção de Administração e Finanças. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS: RENISUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

27. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Resolução nº 10, de 9 de março de 2010. Dispõe sobre a notificação de drogas vegetais. Brasília: Anvisa; 2010.

28. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira. Brasília: Anvisa; 2011.

29. Ministério da Saúde (BR), Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação nacional de medicamentos essenciais: RENAME. 8.ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

30. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Instrução Normativa nº 2, de 13 de maio de 2014. Publica a Lista de medicamentos fitoterápicos de registro simplificado e a Lista de produtos tradicionais fitoterápicos de registro simplificado. Brasília: Anvisa; 2014

31. Rio Grande Do Sul. Resolução CIB nº 695/2013. Aprova a Política Estadual de Práticas Integrativas e Complementares. Porto Alegre; 2013.

32. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Resolução nº 26 de 13 de maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos e o registro e a notificação de produtos tradicionais fitoterápicos. Brasília: Anvisa; 2014.

33. Veiga Junior VF. Estudo do consumo de plantas medicinais na região centro-norte do estado do Rio de Janeiro: aceitação pelos profissionais de saúde e modo de uso pela população. Rev bras farmacogn. 2008;18(2):308-13.

34. Da Rosa C, Câmara SG, Béria JU. Representações e intenção de uso da fitoterapia na atenção básica à saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2011;16(1):311-8.

35. Marliére LDP, Ribeiro AQ, Brandão MGL, Klein CH, Acurcio FA. Utilização de fitoterápicos por idosos: resultados de um inquérito domiciliar em Belo Horizonte (MG), Brasil. Rev bras farmacogn. 2008;18(suppl.0):754-60.

Pie Doc

 

RECURSOS CUIDEN

 

RECURSOS CIBERINDEX

 

FUNDACION INDEX

 

GRUPOS DE INVESTIGACION

 

CUIDEN
CUIDEN citación

REHIC Revistas incluidas
Como incluir documentos
Glosario de documentos periódicos
Glosario de documentos no periódicos
Certificar producción
 

 

Hemeroteca Cantárida
El Rincón del Investigador
Otras BDB
Campus FINDEX
Florence
Pro-AKADEMIA
Instrúye-T

 

¿Quiénes somos?
RICO Red de Centros Colaboradores
Convenios
Casa de Mágina
MINERVA Jóvenes investigadores
Publicaciones
Consultoría

 

INVESCOM Salud Comunitaria
LIC Laboratorio de Investigación Cualitativa
OEBE Observatorio de Enfermería Basada en la Evidencia
GED Investigación bibliométrica y documental
Grupo Aurora Mas de Investigación en Cuidados e Historia
FORESTOMA Living Lab Enfermería en Estomaterapia
CIBERE Consejo Iberoamericano de Editores de Revistas de Enfermería