ENTRAR            

 


 

PARANINFO DIGITAL 2015;22:531

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar este texto

Ir a Sumario

Documento anterior

Documento siguiente

Enviar correo al autor

Sin Ttulo


Modalidad de presentación:
póster

 

REF.: 531p

O enfermeiro na educação em saúde com escolares: uma perspectiva sociocrítica
Silvana Ceolin, Rita Maria Heck, José Siles González, Márcio Rossato Badke, Marjoriê da Costa Mendieta, Teila Ceolin
Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil

Rev Paraninfo digital, 2015: 22

Cómo citar este documento
Ceolin, Silvana; Heck, Rita Maria; Siles González, José; Badke, Márcio Rossato; Mendieta, Marjoriê da Costa; Ceolin, Teila. O enfermeiro na educação em saúde com escolares: uma perspectiva sociocrítica. Rev Paraninfo Digital, 2015; 22. Disponible en: <https://www.index-f.com/para/n22/531.php> Consultado el

RESUMO

Para que o cuidado popular em saúde realizado pelo indivíduo se comunique com a perspectiva profissional, é preciso que essa conversa passe a ser sociocrítica, ou seja, que tenha aproximação com a cultura através do diálogo. Em face disso, a união dos referenciais de Siles (antropologia dos cuidados) e Paulo Freire (educação) colabora para a prática educativa sociocrítica do enfermeiro no contexto da saúde escolar. Neste sentido, os objetivos desta pesquisa são: conhecer os obstáculos encontrados pelos enfermeiros para construir um processo educativo sociocrítico no contexto escolar; explorar possibilidades de o enfermeiro desenvolver um processo educativo sociocrítico no contexto escolar; elaborar um guia de orientações para os enfermeiros construírem um processo educativo sociocrítico no contexto escolar. A metodologia do estudo é qualitativa e emprega a pesquisa participante como suporte metodológico. Os sujeitos da pesquisa são 11 enfermeiros que desenvolvem atividades no Programa Saúde na Escola, do município de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. A coleta de dados foi realizada por meio das técnicas de grupo focal, entrevista semiestruturada, oficina de capacitação e observação simples. Com os dados coletados será realizada análise de conteúdo proposta por Bardin.
Palavras-chave: Enfermagem/ Educação em saúde/ Cultura/ Saúde escolar.
 

Bibliografía

1. Santiago LM, Rodrigues MTP, Oliveira JAD, Moreira TMM. Implantação do Programa Saúde na escola em Fortaleza-CE: atuação de equipe da Estratégia Saúde da Família. Rev. bras. enferm.  2012 dez;  65( 6 ): 1026-1029.
2. Brasil. Decreto nº. 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Diário Oficial da união, 6 dez 2007.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Projeto Promoção da Saúde. As Cartas da Promoção da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. 56p.
4. Brasil. Ministério da Saúde; Ministério da Educação. Programa Saúde na Escola. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2008. 96p.
5. Lima, M. A. D. S. Educação em Saúde: algumas reflexões e implicações para a práticade enfermagem. Revista Gaúcha de Enfermagem. Porto Alegre. 1996; 17(2): 87-91.
6. Pires L. M., Queirós P.S., Munari D. B, Melo C. F., Souza M. M. A enfermagem no contexto da saúde do escolar: revisão integrativa da literatura. Rev. enferm. UERJ, 2012 20(1): 668-75.
7. Paiva, G. M. Análise do programa saúde na escola do município de Fortaleza /Georgia. 2012. 140 f. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva. Universidade de Fortaleza, 2012.
8. Gonçalves FD, Catrib AMF, Vieira NFC, Vieira LJESA. Promoção da saúde na educação infantil. Interface � Com. Saúde, Educ. 2008 12(24): 181-92.
9. Siles JG, Solano RMC. Clarificación epistemológica de tres especialidades de la antropología de los cuidados: antropología clínica, enfermería transcultural y antropología educativa de los cuidados. En: Siles González J, Solano Ruiz MC (coordinadores) 2009. Antropología educativa de los cuidados: una etnografía del aula y las prácticas clínicas. Alicante: Universidad de Alicante; Editorial Marfil: 11-66, 2009.
10. Kuhn TS. A estrutura das revoluções científicas. 9ªed. São Paulo: Perspectiva;  2005.
11. Siles JG. Epistemología y enfermería: por uma fundamentación científica y profesional de la disciplina. Enfermería Clínica. 1999; 4(7):188-194.
12. Moreno IM, Siles J. Pensamiento crítico en enfermería: de la racionalidad técnica a la práctica reflexiva. Aquichan. 2014; 14 (4): 594-604. DOI: 10.5294/aqui.2014.14.4.13
13. Freire, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 34.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011. 165p.
14. Siles J. Antropología narrativa de los cuidados. CECOVA, 2000. Alicante.
15. Habermas J. Teoria de la Acción Comunicativa. Madrid (ES): Taurus; 1987.
16. Habermas, J. Técnica e ciência como ideologia. Lisboa: Edições 70, 1994.
17. Siebeneichler FB. Jürgen Habermas: razão comunicativa e emancipação. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; 1989.
18. Habermas J. Passado como futuro. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro; 1993.
19. Bardin L. Análise de Conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa/Portugal: Presses Universitaires de France, 2008.

Principio de p�gina
error on connection