ENTRAR            

 


 

PARANINFO DIGITAL 2015;22:228

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar este texto

Ir a Sumario

Documento anterior

Documento siguiente

Enviar correo al autor

Sin Ttulo


Modalidad de presentación:
comunicación digital

 

REF.: 228d

Realização da técnica de lavagem das mãos pelos familiares em unidade de terapia intensiva neonatal
Kátia Celene de Lima Araújo, Gracimary Alves Teixeira, Thaís Rosental Gabriel Lopes, Flávio César Bezerra da Silva, Jovanka Bittencourt Leite de Carvalho
Escola de Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal-RN, Brasil

Rev Paraninfo digital, 2015: 22

Cómo citar este documento
Araújo, Kátia Celene de Lima; Teixeira, Gracimary Alves; Lopes, Thaís Rosental Gabriel; Silva, Flávio César Bezerra da; Carvalho, Jovanka Bittencourt Leite de. Realização da técnica de lavagem das mãos pelos familiares em unidade de terapia intensiva neonatal. Rev Paraninfo Digital, 2015; 22. Disponible en: <https://www.index-f.com/para/n22/228.php> Consultado el

RESUMO

Introdução: Com a padronização da tecnologia leve de lavagem das mãos pode-se controlar a incidência de infecções na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Assim, ressalta-se nesse contexto a importante adesão da família dos recém-nascidos à técnica visto os familiares estarem continuamente em contato direto com seu bebê.
Objetivo: sintetizar na literatura o cumprimento da técnica de lavagem das mãos realizada pelos familiares na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal.
Método: trata-se de uma revisão integrativa, desenvolvida nos meses de maio e junho de 2015, através dos estudos da literatura nacional e internacional, disponíveis em seis bases de dados, por meio dos descritores: desinfecção das mãos, família e unidade de terapia intensiva neonatal. Foram encontrados 528 estudos publicados até a coleta, sem limite temporário anterior e destes selecionou-se 5 artigos.
Resultados: identificou-se, quanto ao cumprimento da técnica de lavagem das mãos realizada pelos familiares na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal, que a realização da técnica ocorre de forma inadequada ou não se realiza a higienização das mãos.
Conclusão: a técnica de higienização das mãos pelos familiares não é devidamente empregada, dessa forma sugere-se a educação em saúde como instrumento de sensibilização dos familiares sobre a importância da adesão dessa técnica como medida preventiva de infecção hospitalar do neonato.
Palavras chave: Desinfecção das mãos/ Família/ Unidade de terapia intensiva neonatal.
 

ABSTRACT

Introduction: standardization of lslight technology washing hands can control the incidence of infections in the Neonatal Intensive Care Unit. Thus, it emphasizes in this context the important family membership of newborns to technique because family members are continuously in contact to your baby.
Objective: To summarize the literature compliance with hand washing technique performed by family members in the Neonatal Intensive Care Unit.
Method: This is an integrative review, carried out in May and June 2015, via study of national and international literature available in six databases, using descriptors: hand disinfection, family and care unit neonatal intensive. It was found 528 studies published to the collection no previous temporary limit and  of these it was selected 5 items.
Results: it was identified, regarding compliance with hand washing technique performed by family members in the Neonatal Intensive Care Unit, the performance of technique is improperly or hand hygiene it is not performed.
Conclusion: the hands washing technique performed by the family is not properly used, thus it is suggested to use health education as strategy to sensitiize the family about importance of adherence of this technique as a preventive measure of hospital infection  the newborn.
Key-words: Hand disinfection/ Family/ Intensive care units/ Neonatal.
 

Bibliografía

1. Dal-Bó K, Silva RM, Sakae TM. Infecção hospitalar em uma unidade de terapia intensiva neonatal do Sul do Brasil. Rev Bras Ter Intensiva. 2012; 24(4): 381-385
2. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Segurança do Paciente em Serviços de Saúde: Higienização das Mãos / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasília (ANVISA): 2009. 105p.
3. Brasil portaria nº 2616/98 do Ministério da Saúde que regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país.
4. Pinheiro MSB, Nicoletti C, Boszczowsk I, Puccini DMT. Ramos Sonia Regina T. S.. Infecção hospitalar em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal: há influência do local de nascimento?  Rev Paul Pediatr 2009; 27(1):6-14.
5. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária ANVISA. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionadas à Assistência à Saúde. Brasília (ANVISA): 2013.
6. Cassettari V; Menezes IRSC. Epidemiologia das infecções hospitalares em UTI neonatal de hospital secundário de ensino. Journal of Infection Control. 2014; 3(4):65
7. Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1 Pt 1):102-6
8. Martinez, MR; Campos LAA F; Nogueira, PCAK. Adesão à técnica de lavagem das mãos em Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Rev. paul. pediatr; 2009 jun; 27(2):179-185.
9. Rogers S. Engaging patients and family members in better hand hygiene practices: a teaching hospital's challenge. - Healthc Q. 2013; 16(4):27-31.
10. CiofidegliAtti ML, Tozzi AE, Ciliento G, Pomponi M, Rinaldi S, Raponi M. Healthcare workers' and parents' perceptions of measures for improving adherence to hand-hygiene. BMC Public Health. 2011 Jun 13(11):466.
11. Chen YC, Chiang LC. Effectiveness of hand-washing teaching programs for families of children in paediatric intensive care units. J ClinNurs. 2007 Jun; 16(6):1173-9.
12. Stoner MJ, Cohen DM, Fernandez S, Bonsu BK. Physician handwashing: what do parents want? J Hosp Infect. 2007 Fev; 65(2):112-6.
13. Melo, MHC; Leal ACAM. Controle das infecções na assistência à saúde relacionada à higienização das mãos.  R. Interd.; 2015 jan. -mar; 8(1): 91-97.

Principio de p�gina
error on connection