ENTRAR            

 


 

PARANINFO DIGITAL 2015;22:218

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar este texto

Ir a Sumario

Documento anterior

Documento siguiente

Enviar correo al autor

Sin Ttulo


Modalidad de presentación:
comunicación digital

 

REF.: 218d

Estresse percebido por usuários hipertensos de um Programa de Saúde do Homem
Rauan Sousa da Hora, Pollyana Pereira Portela, Glicia Gleide Gonçalves Gama, Fernanda Carneiro Mussi
Universidade Federal da Bahia. Salvador, Brasil

Rev Paraninfo digital, 2015: 22

Cómo citar este documento
Hora, Rauan Sousa da; Portela, Pollyana Pereira; Gama, Glicia Gleide Gonçalves; Mussi, Fernanda Carneiro. Estresse percebido por usuários hipertensos de um Programa de Saúde do Homem. Rev Paraninfo Digital, 2015; 22. Disponible en: <https://www.index-f.com/para/n22/218.php> Consultado el

RESUMO

Objetivo: Estimar o nível de estresse percebido por homens hipertensos de um Programa Saúde do Homem empregando-se a Escala de Estresse Percebido.
Metodologia: Trata-se de estudo exploratório e transversal. Foram entrevistados, no decorrer de seis meses, 130 homens. Utilizou-se instrumentos específicos para a obtenção de dados sociodemográficos e a Escala de estresse percebido proposta por Luft (2007) Os dados foram analisados em números absolutos e percentuais e por medidas de tendência central e foram apresentados em gráficos e tabelas.
Resultados: A maioria autodeclarou-se negros (89,2%). Em relação à idade, predominou a faixa etária de 28 a 60 anos (56,1%), sendo a média de idade igual a 58,32 (±9,99). O escore obtido variou de 0 a 46 pontos, com média de 20,03 (dp 8,56). Apenas um homem atingiu o escore máximo e dois o mínimo. Vinte e cinco por cento dos homens atingiram o escore de até 14,7, 50% de até 20 e 75% de até 25,3. O nível de estresse foi também analisado mediante a sua classificação em baixo e alto, a qual foi definida tomando-se como base o ponto de corte  que correspondeu a 20 pontos. Constatou-se que 62 (50%) homens atingiram nível de estresse alto e 62 (50%) baixo.
Conclusão: A elevada proporção de homens com alto nível de estresse aponta para a necessidade da equipe de saúde propor e avaliar práticas de cuidar que contribuem para os homens a enfrentarem as situações estressoras e combater esse fator de risco cardiovascular.
 

Bibliografía

1. Sociedade Brasileira De Cardiologia - SBC / Sociedade Brasileira De Hipertensão - Sbh / Sociedade Brasileira De Nefrologia - SBN. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2010; 95(1): 1-51.
2. Ferreira SRG, Moura EC, Malta DC, Sarno F. Frequência de hipertensão arterial e fatores associados: Brasil, 2006. Rev. Saúde Pública. 2009; 43(Suppl 2): 98-106.
3. JNC Joint National Committe on Prevention, Detection, Evaluation and Treatment of High Blood Pressure. The seventh report of the Joint National Committee. 2003: 1-104.
4. Pérez O. et al. El estrés como factor de riesgo de la hipertensión arterial esencial. Santa Clara, Villa Clara, Cuba, 2004.
5. Stansfeld S, Marmot, editors. Estresse e coração: caminhos psicossocial a doença cardíaca coronária. Londres: BMJ Books; 2002.
6. Rodrigues A. Stress, trabalho e doenças de adaptação. in: Franco, a.c.l. &Rodrigues, a.l. (1997). Stress e trabalho: guia prático com abordagem psicossomática. São Paulo: Atlas, cap. 2.
7. Filgueiras JC, Hippert MIS. A polêmica em torno do conceito de estresse. Psicol. cienc. prof., Brasília 1999; 19(3).
8. Couto HA, Vieira FLH, Lima EG. Estresse ocupacional e hipertensão arterial sistêmica. Rev Bras Hipertens, 2007; 14(2): 112-5.
9. Dantas RCO. Saúde do homem e o controle da pressão arterial em usuários hipertensos no nível da atenção primária [dissertação]. Paraíba: Universidade Federal da Paraíba; 2013.
10. Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública. 2007 Mar; 23(3): 565-74.
11. Luft Caroline Di Bernardi, Sanches Sabrina de Oliveira, Mazo Giovana Zarpellon, Andrade Alexandro. Versão brasileira da Escala de Estresse Percebido: tradução e validação para idosos. Rev. Saúde Pública. 2007 Aug; 41(4): 606-15.
12. Pires CGS, Mussi FC. Crenças em saúde para o controle da hipertensão arterial. Ciência e saúde coletiva, Rio de janeiro, 2008; 13(2): 2257-67.
13. Simonetti JP, Batista L, Carvalho LR de. Hábitos de saúde e fatores de risco em pacientes hipertensos. Rev. Lat. Am. Enfermagem 2002; 10(3):415-22.
14. Pessuto J, Carvalho EC. Fatores de risco em indivíduos com hipertensão arterial. Rev. Latino-Am. Enfermagem 1998; 6(1):33-9.
15. Costa JSD et al. Prevalência de hipertensão arterial em adultos e fatores associados: um estudo de base populacional urbana em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Arquivos Brasileiro de Cardiologia, São Paulo, 2007; 88(1): 59-65.  
16. Magalhães MEC et al. Prevenção da hipertensão arterial: para quem e quando começar? Revista Brasileira de Hipertensão, Ribeirão Preto, 2010; 17(2); 93-7.
17. Lessa I, Fonseca J. Raça, aderência ao tratamento e/ou consultas e controle da hipertensão arterial. Arq. Bras. Cardiol. 1997; 68(6):443-9.
18. Machado MC, Pires CGS, Lobão WM. Concepções dos hipertensos sobre os fatores de risco para a doença. Ciência saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2012; 17 (5): 1357-63.
19. Noblat ACB, Lopes MB, Lopes AA. Raça e lesão de órgãos-alvo da hipertensão arterial em pacientes atendidos em um ambulatório universitário de referência na cidade de Salvador. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, 2004; 82(2): 111-5.
20. Tavares-Neto J. Grupo Racial: por que essa informação no prontuário médico? In: Lopes AA, Matos MT, eds. Informação&Saúde. Salvador-BA: EDUFBA, 1999:45-53.
21. Tobe SW et al. Impact of job and marital strain on ambulatory blood pressure: results from the double exposure study. American Journal of Hypertension. [S.l.], v.18, p. 1046-51, 2005.
22. Cesarino CB et al. Prevalência e fatores sociodemográficos em hipertensos de São José do Rio Preto - SP. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, 2008; 91(1): 31-5.
23. Vasan RS, Larson MG, Leip EP, Kannel WB, Levy D. Assessment of frequency of progression to hypertension in non-hypertensive participants in the Framingham Heart Study: a cohort study. Lancet 2001; 358:1682-86.
24. Mano GMP, Pierin AMG. Avaliação de pacientes hipertensos acompanhados pelo Programa Saúde da Família em um Centro de Saúde Escola. Acta paul. enferm. 2005 Sep; 18(3): 269-75.
25. Jardim PCBV et al. Hipertensão arterial e alguns fatores de risco em uma capital brasileira. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, 2007; 88(4): 452-7.
26. Franklin SS, Pio JR, Wong ND, Larson MG, Leip EP, Vasan RS, Levy D. Predictors of new-onset diastolic and systolic hypertension: the Framingham Heart Study. Circulation 2005; 111:1121-7.
27. Brasil, Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à saúde do Homem: princípios e diretrizes. Brasília, Ministério da Saúde, 2008.
28. Santos, FA. Dinâmica da acessibilidade masculina ao Programa de Saúde da Família [dissertação]. Jequié: Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; 2010.
29. Castro AP, Scatena MCM. Manifestação emocional de estresse do paciente hipertenso. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2004 Dez; 12(6): 859-65.
30. Wottrich SH et al. Gênero e manifestação de stress em hipertensos. Estud. Psicol. Campinas, Mar 2011; 28(1): 27-34.
31. Carroll D et al. Blood pressure reactions to stress and the prediction of future blood pressure: effects of sex, age, and socioeconomic position. Psychosom Med, USA, 2003; 65(6): 1058-64.
32. Yan LL et al. Psychosocial factors and risk of hypertension: the Coronary Artery Risk Development in Young Adults (CARDIA) study. JAMA, Chicago, 2003; 290(16): 2138-48.
33. Gasperin D et al. Effect of psychological stress on blood pressure increase: a meta-analysis of cohort studies. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2009; 25(4): 715-26.
34. Linden W, Moseley JV. The Eficacy of Behavioral Treatments for Hypertension - A eficácia dos tratamentos comportamentais para a hipertensão. Appl Psychophysiol Biofeedback, 2006; 31:51-63.

Principio de p�gina
error on connection