ENTRAR            

 


 

PARANINFO DIGITAL 2015;22:051

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar este texto

Ir a Sumario

Documento anterior

Documento siguiente

Enviar correo al autor

Sin Ttulo


Modalidad de presentación:
comunicación digital

 

REF.: 051d

Dificuldades da implementação do Processo de Enfermagem sob as perspectivas de estudantes de pós-graduação em Terapia Intensiva
Fernanda de Carvalho Dantas, Isabela Valente Ribeiro, Carolina Do Val Alonso, Rayssa Goulart Valente, Claudia de Carvalho Dantas
Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, Brasil

Rev Paraninfo digital, 2015: 22

Cómo citar este documento
Fernanda de Carvalho Dantas, Isabela Valente Ribeiro, Carolina Do Val Alonso, Rayssa Goulart Valente, Claudia de Carvalho Dantas. Dificuldades da implementação do Processo de Enfermagem sob as perspectivas de estudantes de pós-graduação em Terapia Intensiva. Rev Paraninfo Digital, 2015; 22. Disponible en: <https://www.index-f.com/para/n22/051.php> Consultado el

O Processo de Enfermagem (PE) é uma das principais ferramentas da Enfermagem por padronizar a assistência, sendo um método que requer suporte teórico e, consequentemente, a busca da cientificidade, identificando as necessidades do paciente, família e comunidade, instigando o pensamento e análise crítica do enfermeiro. Vale ressaltar que o PE, enquanto instrumento metodológico, possibilita identificar, compreender, descrever, explicar e/ou predizer como a clientela responde aos problemas de saúde ou aos processos vitais, e determinar que aspectos dessas respostas exigem uma intervenção profissional de enfermagem. Criado entre as décadas de 1950 e 1960, nos Estados Unidos e Canadá, foi desenvolvido principalmente na área do ensino, estendendo-se na [seguir leyendo].
 

Bibliografía

1. Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 358/2009. Dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de enfermagem, e dá outras providências. Brasília: COFEN; 2009.
2. Medeiros AL, Santos SR, Cabral RWL. Sistematização da assistência de enfermagem na perspectiva dos enfermeiros: uma abordagem metodológica na teoria fundamentada. Rev. Gaúcha Enferm.  2012; 33( 3 ): 174-181.
3. Egilegor H. Implementação do processo de enfermagem em uma área da saúde: modelos e estruturas de avaliação utilizados. Rev Latino-Am Enferm 2014; 22(5): 772-777
4. Vila VSC, Rossi LA. O significado cultural do cuidado humanizado em unidade de Terapia Intensiva: �muito falado e pouco vivido�. Rev Latino-am Enfermagem 2002; 10(2):137-44
5. Lesmes OG. Factores que determinan la aplicación del proceso de enfermería en instituciones hospitalarias de villavicencio, colombia, 2008. Rev av enferm 2009; 27(1):60-68.
6. Bireme. Biblioteca virtual em saúde. Descritores. Disponível em: https://decs.bvs.br/. Acesso em: 02 jul. 2015.
7. Oliveira SL. Tratado de Metodologia Cientifica. São Paulo: Pioneira; 2000.
8. Brasil. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466/2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília: CNS; 2012.
9. Campos CJG. Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev Bras Enferm 2004; 57(5):611-4.
10. Perroca MG, Jericó MC, Calil ASG. Composição da equipe de enfermagem em Unidades de Terapia Intensiva. Rev Acta Paul Enferm 2011;24(2):199-205.
11. Inoue KC, Matsuda LM. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva para adultos. Acta Paul Enferm 2010;23(3):379-84.
12. Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 293/2004. Dispõe sobre o dimensionamento de enfermagem e dá outras providências. Brasília: COFEN; 2009.
13. Amante LN, Rosseto AP, Schneider DG. Sistematização da Assistência de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva sustentada pela Teoria de Wanda Horta. Rev Esc Enferm USP 2009; 43(1):54-56.
14. Santos JF. Implementação da Metodologia da assistência de enfermagem em UTI como está e quais os fatores intervenientes. Rev Baiana Enferm 1998;11(1):441-51.
15. Freitas Maria Célia de, Queiroz Terezinha Almeida, Souza Jacy Aurélio Vieira de. O Processo de Enfermagem sob a ótica das enfermeiras de uma maternidade. Rev. bras. enferm. 2007;  60( 2 ): 207-212.
16. Brasil. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN n° 311/2007. Aprova a Reformulação do Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem. Brasília: COFEN; 2007.

Principio de p�gina
error on connection